YouTube terá versão paga


Site permitirá que usuários assistam aos vídeos sem anúncios – desde que paguem uma mensalidade

IGOR UTSUMI (TEXTO) E BRUNO FERRARI (EDIÇÃO)
20/10/2015 - 18h35 - Atualizado 20/10/2015 18h46
Susan Wojcicki, a nova CEO do YouTube (Foto: YouTube/EFE)
Você recebe o link para assistir a mais um vídeo de filhotes de cachorro, clica para assistir, se prepara... E vem a surpresa nem sempre agradável: propaganda. O jeito é esperar pelo menos cinco segundos para poder clicar no famoso “pular anúncio”, no canto direito da tela, e aproveitar o conteúdo escolhido em paz.
É esse um dos maiores dramas atuais de quem acessa o YouTube. Ou era, pelo menos. A expectativa é que a empresa anuncie em breve uma versão paga da plataforma de vídeos. Segundo o site da PCMagpela quantia de US$ 10 mensais, ninguém será obrigado a assistir a propagandas de shampoo ou celular, e poderá acessar todos os vídeos sem interrupções. Diversos outros sites americanos confirmaram a informação.
A mudança já era esperada nos Estados Unidos, depois de comentários feitos por executivos do YouTube recentemente. “Teremos casos em que as pessoas dirão ‘eu não quero ver anúncios”, afirmou Susan Wojcicki, executiva responsável pelo YouTube, ao The Wall Street Journal, em outubro do ano passado.
Além de acessar vídeos sem propagandas, usuários que optarem pela versão paga também devem ter acesso a conteúdo especial e exclusivo, produzido por canais famosos do YouTube. Mas por enquanto a expectativa fica só para os americanos. Ainda não há informações de preços e condições para a versão brasileira da plataforma.

Três contradições e uma omissão na CPI ameaçam Cunha


Investigações derrubam ao menos três pontos do depoimento do presidente da Câmara à CPI. Mentir ou omitir informações em CPI configura quebra de decoro, o que é passível de cassação do mandato

ABr
Investigações da Operação Lava Jato vão de encontro com três declarações de Cunha à CPI da Petrobras
Prestes a ser encerrada sem pedir o indiciamento de políticos, a CPI da Petrobras virou um campo minado para o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Não pelo que a comissão parlamentar de inquérito investigou. Mas pela possibilidade de Cunha ter mentido para os colegas no colegiado – hipótese que configura quebra do decoro parlamentar e abre caminho para a cassação do mandato. As investigações em poder da Procuradoria-Geral da República apontam, pelo menos, três contradições e uma omissão no depoimento prestado por Cunha à CPI, no dia 12 de março. Apenas uma declaração – a de que tinha conta na Suíça – foi utilizada pelas bancadas do Psol e da Rede e outros 40 parlamentares na representação contra o presidente da Câmara.
Além da negativa, desmontada pela descoberta da existência de contas em seu nome e de familiares no país europeu, pelo menos outras duas declarações do presidente da Câmara à CPI foram derrubadas pela Operação Lava Jato até o momento: a de que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, não tinha qualquer relação com o PMDB no esquema de corrupção da Petrobras e a de que jamais recebeu vantagem ilícita em troca de contratos na empresa. Um outro ponto também ameaça Cunha, o seu silêncio de outro questionamento: se tinha participação em empresas offshore em paraíso fiscal. De acordo com o Código de Ética da Câmara, é considerado quebra de decoro parlamentar “omitir, intencionalmente informação relevante, ou, nas mesmas condições, prestar informação falsa nas declarações” de bens e rendas.
Em 12 de março, após ser incluído na lista dos políticos investigados no Supremo Tribunal Federal (STF) a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o presidente da Câmara compareceu espontaneamente à CPI para negar qualquer envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobras. A maioria dos deputados fez um ato de desagravo ao peemedebista, ressaltando sua espontaneidade e declarando estar satisfeitos com seus esclarecimentos.
Na ocasião, um dos integrantes da CPI, o deputado Delegado Waldir (PSDB-GO) perguntou se Baiano era representante de Cunha ou do PMDB em negócios ilícitos. “O Sr. Fernando Soares não representa o PMDB e não me representa”, respondeu ele na ocasião. O lobista já foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, acusado de receber e intermediar propina em contratos da Petrobras de navios-sonda para a perfuração de águas profundas na África e México. Em delação premiada, Fernando Baiano confirmou que repassou propina para Cunha.
Em seguida, Delegado Waldir perguntou ao presidente da Câmara se ele havia recebido vantagem ilícita no esquema da Petrobras. “Não recebi qualquer vantagem ilícita ou qualquer vantagem com relação a qualquer natureza vinda desse processo”, rebateu Cunha. O deputado é acusado de receber pelo menos US$ 5 milhões em propina por um dos delatores ouvidos pela Lava Jato.
Desde março, o cerco a Cunha se fechou. Quando falou à CPI, o presidente da Câmara havia sido mencionado por um delator, o doleiro Alberto Youssef, o primeiro a apontá-lo como um dos beneficiários do esquema montado na estatal. De acordo com Youssef, os recursos eram originários de contrato de aluguel de um navio-plataforma das empresas Samsung e Matsui.
De lá para cá, outros três delatores da força-tarefa citaram Cunha em seus acordos: os lobistas Júlio Camargo, João Augusto Henriques e Fernando Baiano. Este último, inclusive, disse ter provas de que repassou entre R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão em dinheiro vivo ao presidente da Câmara. Todos declararam que a propina era para viabilizar contratos de construção de navios-sonda com a Petrobras.
No último mês, a situação de Cunha se agravou com a revelação feita pelas autoridades suíças de que ele mantinha contas bancárias no país – hipótese negada pelo peemedebista na CPI. “Não tenho qualquer tipo de conta em qualquer lugar que não seja a conta que está declarada no meu Imposto de Renda”. Essa negativa de Cunha é o principal argumento da representação que pede a cassação do deputado.
Segundo a Procuradoria-Geral da República, documentos repassados pelo Ministério Público da Suíça revelam que Cunha e seus familiares eram beneficiários finais de contas, abertas em nome de offshores, em banco do país europeu. A possibilidade de as contas não estarem diretamente ligadas a Cunha também foi explorada durante a CPI. A deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ) perguntou ao presidente da Câmara se as eventuais contas estariam em nomes de offshores – empresas abertas em paraísos fiscais. “V.Exa. também afirmou que não possui contas no exterior, mas eu gostaria de fazer novamente essa pergunta com uma complementação: V.Exa. pode afirmar nesta CPI que não possui contas no exterior em seu nome ou em offshores em que V.Exa., porventura, seja sócio?” Cunha não respondeu ao questionamento. A omissão é considerada ato incompatível com as condutas de um parlamentar, pelas regras do Conselho de Ética.

Fruet faz campanha contra assédio sexual


unnamed
Fruet faz campanha contra assédio sexual nos ônibus, mas se omite diante dos abusos praticados na Urbs
Quem cala, consente, ensina a sabedoria popular. O silêncio do prefeito Gustavo Fruet (PDT) diante das denúncias de assédio moral e sexual na Urbs é revelador. “Apesar de lançar campanha publicitária combatendo o assédio sexual nos ônibus, quando se depara com um caso concreto de abuso em uma empresa pública, Fruet simplesmente não toma nenhuma medida e continua fingindo que não é com ele”, diz Valdir Mestriner, presidente do sindicato dos servidores da Urbs.
Segundo Mestriner, [e bom que fique bem claro: a campanha publicitária é importantíssima para que as vítimas de assédio no transporte coletivo saibam que podem e devem denunciar. E para que a população, ao contrário do prefeito, não se cale quando estiver diante de um caso de abuso e impeça que usuárias e usuários de ônibus sejam assediados, ligando imediatamente para a guarda municipal.
“Porém, mais importante ainda é a punição dos agressores. E é nesse ponto que o prefeito vem fazendo feio. Três meses após o presidente da Urbs (Roberto Gregório) ter ordenado que advogados da empresa fizessem um acordo com uma vítima de assédio sexual, a assediadora foi promovida e “premiada” com o cargo de procuradora geral da Urbs, cargo este que ocupa atualmente. E, vejam só, quem a promoveu foi o próprio presidente da Urbs”.
Demissão – Não bastasse isso, segundo o sindicalista, dois advogados da empresa, que ingressaram na Urbs mediante concurso público, foram demitidos por justa causa após denunciarem e apresentarem documentos à Justiça do Trabalho “que comprovam o assédio moral sofrido pelos trabalhadores”. “O depoimento dos advogados demitidos também comprova o assédio sexual cometido pela procuradora jurídica (Heloísa Ribeiro Lopes)”.
“E o prefeito, o que tem a ver com isso? Pois o prefeito foi quem nomeou o presidente da Urbs e seus diretores. E a prefeitura é a acionista majoritária da Urbs, tendo 99% das ações da empresa. Ou seja, cabe a Gustavo Fruet não permitir esse tipo de desmando na Urbs”, diz nota do sindicato enviado a imprensa.
“Se o prefeito fosse de fato comprometido com o combate ao assédio sexual, como faz parecer na campanha publicitária, teria demitido imediatamente a atual direção da Urbs que ocupa cargo em comissão. Além disso, teria determinado a abertura de processo administrativo para averiguar os fatos e punir os responsáveis pela demissão ilegal dos advogados – que perderam seus empregos sem terem passado por processo administrativo, como determina o ACT da Urbs”, adianta a nota.
“Ou seja: o prefeito é contra assédio moral e sexual. A menos que o assédio ocorra em uma empresa que pertence à Prefeitura e que caiba a ele tomar as providências. Nesse caso, as vítimas de assédio que ousam denunciar são demitidas por justa causa sem direito à defesa, já a assediadora é promovida. Tudo isso sob o silêncio cúmplice de Gustavo Fruet”, completa.

Dos 7 conselheiros do TC, 2 estão sub judice e 3 sob suspeição


Não é de somenos. Dos sete conselheiros do Tribunal de Contas do Paraná, três são suspeitos de participar de esquemas de corrupção e dois têm seu cargo sub judice. Com informações da Gazeta do Povo.
Presidente da Corte até o fim do ano passado, Artagão de Mattos Leão foi investigado pelo Gaeco por suposta fraude em licitação para construção de um prédio anexo do TC, realizada durante seu mandato como presidente, no valor de R$ 36,4 milhões. Seis pessoas foram denunciadas – incluindo três servidores ligados à sua gestão. Artagão é alvo de sindicância no Superior Tribunal de Justiça (STJ), que corre sob sigilo.
Já o antecessor de Artagão no comando do TC, Fernando Guimarães, foi acusado de receber dinheiro do Instituto Confiancce, Organização Social Civil de Interesse Público (Oscip) que atua na área de saúde e é acusada de desviar dinheiro do SUS e de prefeituras – que devem ser fiscalizadas pelo próprio TC. Em oito anos, a Oscip recebeu R$ 355 milhões de municípios paranaenses. A esposa de Guimarães, Kelli Cristina Galli Guimarães, é sobrinha da diretora do instituto, Cláudia Galli, e trabalhou no Confiancce por 12 anos.
O caso de Durval Amaral veio à tona recentemente, mas é anterior a sua eleição para o TC. Ele é acusado pelo doleiro Alberto Youssef de receber R$ 2 milhões do esquema Copel/Olvepar. O caso é de 2002, época em que Amaral era deputado estadual e líder do governo Lerner na Assembleia. O conselheiro aposentado do TC Heinz Herwig também foi acusado de participar do esquema.
Amaral também foi citado na delação de Luiz Antônio de Souza referente à Operação Publicano – assim como seu filho, o deputado estadual Tiago Amaral (PSB). Entretanto, não se sabe o teor da delação. Os três conselheiros citados negam as acusações.
Já Fabio Camargo e o atual presidente do TC, Ivan Bonilha, enfrentam problemas por causa das eleições para o cargo de conselheiro.
Uma ação de um candidato derrotado na disputa para o cargo, Max Schrappe, questiona a legalidade de eleição de Camargo para o tribunal, em 2013. No entendimento do autor da ação, Camargo não apresentou a documentação exigida, tampouco fez o mínimo de votos para ser eleito – 27 de 54, exatamente metade. Camargo chegou a ficar afastado do TC por mais de um ano, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Em setembro, ele foi reconduzido ao cargo, mas o mérito da ação ainda está pendente de julgamento.
Já o caso de Bonilha não envolve questionamentos envolvendo sua eleição, mas sim a de seu antecessor, Maurício Requião. Eleito em 2008, o irmão do ex-governador Roberto Requião (PMDB) foi afastado do cargo pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, que viu irregularidades na sua eleição – entre elas, ter sido iniciada antes da aposentadoria do seu antecessor e a relação de parentesco do ex-conselheiro com o então governador. Sua eleição foi anulada e a Assembleia elegeu Bonilha para a mesma vaga. Ele recorre da decisão.
Na segunda-feira (19), o Órgão Especial do Tribunal de Justiça (TJ) decidiu, por 9 votos a 8, que Maurício não tem direito à cadeira. Mas ele deve recorrer novamente da decisão. Caso consiga voltar ao TC, passaria a ocupar a vaga de Bonilha.

Parecer do TCU é lido no Senado e análise de contas começa a tramitar



PUBLICIDADE
O senador Dário Berger (PMDB-SC), leu, no plenário do Senado na noite desta terça-feira (20), o parecer do TCU (Tribunal de Contas da União) que recomenda a rejeição das contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff.
O processo será encaminhado ainda nesta nesta quarta-feira (21) para a (CMO) Comissão Mista de Orçamento do Congresso, que terá 77 dias para analisar a decisão do tribunal. O governo poderá apresentar sua defesa nos 15 primeiros dias. De acordo com a presidente da comissão, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), não haverá prazo extra para isso.
A formalidade da leitura em plenário é necessária para que o processo comece a ser analisado pela CMO, que poderá manter o entendimento do TCU ou poderá divergir do tribunal e aprovar as contas da presidente ou aprová-las com ressalvas.
O que a comissão decidir deverá passar ainda pelo crivo do plenário do Congresso, que dará a palavra final.
O TCU decidiu em sete de outubro pela reprovação das contas de 2014 da gestão de Dilma à frente da Presidência da República mas os documentos da corte só chegaram ao Senado na última quarta-feira (14). Eles poderiam ter sido lidos nos dias seguintes, mas o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), marcou a leitura para esta terça.
A demora em se iniciar o processo interessava ao governo, que deseja ver a análise concluída apenas no ano que vem por acreditar que a discussão sobre o impeachment de Dilma estará mais enfraquecida.
Assim que os documentos chegarem à comissão, ela terá 77 dias corridos para analisar as contas. A presidente da CMO, a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), informou nesta terça que anunciará o relator nesta quarta-feira (21). O nome mais cotado para assumir o caso é o do senador Acir Gurgacz (PDT-RO) mas segundo Rose, ela fez o convite foi feito para dois parlamentares dentre os quais ela escolherá o nome definitivo.
Ele terá, então, 40 dias para apresentar seu parecer. Neste período, o governo poderá encaminhar a sua defesa ao colegiado. Rose já havia dito na semana passada, que escolherá alguém capaz de fazer uma análise técnica sobre a decisão, mas que também tenha trânsito entre os integrantes da comissão, tanto da base aliada quanto da oposição.
Em seguida, abre-se um prazo de 15 dias para a apresentação de emendas ao texto e, ao final deste prazo, o relator tem mais 15 dias para finalizar o seu relatório. A comissão terá então, sete dias para votar o documento, que aprovado, será encaminhado para análise conjunta do Congresso Nacional.
Inicialmente, Renan tinha a intenção de conceder um prazo de 45 dias para que o governo apresentasse sua defesa prévia sobre as chamadas pedaladas fiscais antes de o processo ser encaminhado para a CMO, sob o argumento de que, assim, o direito amplo de defesa estaria garantido.
No entanto, Rose de Freitas não aceitou a negociação e exigiu que o processo fosse encaminhado imediatamente para a comissão.

Serraglio corre por fora na sucessão de Cunha


osmar serraglio - foto zeca ribeiro camara dos deputados
de André Gonçalves, Gazeta do Povo
A evolução das denúncias contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acelerou a disputa pela sucessão do comando da Casa. Diferentes grupos peemedebistas e de outros partidos ligados a Cunha fazem campanha prévia para evitar surpresas. Pelo menos três parlamentares da legenda são citados nos bastidores – o atual líder, Leonardo Picciani (RJ), Lúcio Vieira Lima (BA) e Osmar Serraglio (PR).
A pressa está atrelada ao regimento. Se Cunha sair da Presidência, haverá nova eleição dentro de um prazo de cinco sessões, o que equivale a menos de duas semanas. Acuado pelas investigações sobre desvios milionários da Petrobras e de que teria contas secretas na Suíça, o atual presidente vem repetindo que não vai renunciar, mas uma saída “a la Renan” é dada como certa inclusive por colegas próximos.
Em 2007, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi acusado de ter a pensão de uma filha fora do casamento paga pelo lobista de uma empreiteira. O alagoano renunciou à presidência em um acordo com o PT para manter ao mandato. Escapou de dois processos de cassação que chegaram ao plenário.
“Hoje ninguém tem dúvida de que o principal nome para essa troca é o Picciani, mas com certeza vão aparecer outros grupos”, relata um deputado do PMDB, que espera pela saída de Cunha até a próxima semana. Picciani é o atual líder do partido na Câmara e aproximou-se da presidente Dilma Rousseff na reforma ministerial. Foram dele as indicações dos novos ministros da Saúde, Marcelo Castro (PMDB-PI), e da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera (PMDB-RJ).
Esse movimento gerou problemas na ala do partido que é favorável a uma ruptura com o Palácio do Planalto. “Picciani não vai ter vida fácil até porque o Eduardo não vai deixar”, afirma outro deputado da legenda. Em fevereiro, o carioca enfrentou Vieira Lima na disputa pela liderança da bancada e venceu por um voto – 34 a 33.
Nesse cenário rachado, Serraglio correria por fora. Distante de Dilma, ele é visto como um nome capaz de conseguir votos dos descontentes pelo histórico como relator da Comissão Parlamentar de Inquérito dos Correios, que investigou o mensalão, em 2005. “Não me coloco como candidato, mas ao mesmo tempo não posso negar que tenho experiência administrativa para ocupar a função”, diz o paranaense.
Em 2007, ele foi eleito para o segundo cargo mais importante de direção da Casa, a primeira-secretaria, sem o apoio do PMDB. Em 2009, tentou disputar a Presidência da Câmara novamente como candidato independente contra o atual vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP), mas acabou desistindo no dia da eleição.
“Eu diria que o nome dele faz sentido até como uma estratégia surpresa da oposição”, diz um terceiro deputado peemedebista. Em levantamento feito pela Gazeta do Povo há duas semanas, Serraglio disse que considerava a rejeição das contas de 2014 da gestão Dilma como motivo para a abertura do processo de impeachment

Ato em Curitiba no dia 22 pedirá o impeachment de Dilma Rousseff


foto - orlando kissner
O movimento ‘Vem Pra Rua’ divulgou uma nota em que convoca a população para protestos em 16 cidades brasileiras nesta quinta-feira (22) as 18:30. Em Curitiba a manifestação vai ocorrer na Praça Santos Andrade no centro. O ato tem como objetivo pedir que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, encaminhe o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. As informações são do Bem Paraná.

Justiça anula leilão e Paraná Clube retoma posse da Vila Olímpica


vila
A Justiça do Paraná anulou o leilão da Vila Olímpica e o Paraná Clube retoma posse do estádio em Curitiba. A decisão foi do juiz Mauro César Soares Pacheco, da 19.ª Vara do Tribunal Regional do Trabalho de Curitiba. No despacho, o magistrado aceitou a desistência da empresa que havia arrematado o imóvel por pouco mais de R$ 11,5 milhões. As informações são do Paraná Portal.
O valor é inferior ao lance inicial, fixado em R$ 23,2 milhões. A venda ocorreu no dia 11 de junho deste ano. A Vila Olímpica foi à leilão como garantia em processos trabalhistas contra o clube, inclusive o do ex-goleiro Ricardo Pinto que foi ídolo do Atlético.
Ricardo Pinto trabalhou no Paraná Clube como técnico por alguns meses no ano de 2011. O ex- goleiro ainda pode recorrer. Lembrando que a prefeitura de Curitiba tinha conseguido um mandado de segurança que suspendeu a venda da Vila Olímpica.
O Município se baseou em uma lei municipal do ano de 1994, que proíbe a venda do imóvel já que a área é inalienável. Em setembro a empresa que tinha comprado a Vila Olímpica oficializou a desistência do negócio.

Dilma prepara anúncio de rombo de até R$ 50 bi nas contas de 2015


Fernando Rodrigues, UOL
O governo envia para o Congresso nesta semana uma nova meta para o Orçamento de 2015. O ano começou com uma previsão de superávit primário de 1,13% do PIB (R$ 66,3 bilhões). Depois, em julho caiu para 0,15% (8,8 bilhões).
Agora, o governo finalmente vai admitir que haverá déficit, pois faltará dinheiro para fechar as contas em 2015. O rombo ficará na faixa de -0,5% a -0,85% do PIB. O buraco total, na previsão mais pessimista (a mais provável), equivale a R$ 49,9 bilhões.
Dilma Rousseff estará de volta ao Brasil na 4ª, depois de fazer um giro internacional pela Escandinávia. Vai revisar o que a equipe econômica apresentará de previsão de déficit para este ano. Só então a nova meta orçamentária vai para o Congresso.
Os números estão sendo ajustados pelos ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento). Colaborou nesta apuração o repórter do UOL Mateus Netzel.
Uma opção para puxar o déficit para um percentual menor seria expurgar do cálculo determinados investimentos em infraestrutura. Mas há no governo o temor de que isso venha a ser interpretado como maquiagem das contas.

Richa confirma fábrica de aviões russa no Paraná


richa - avião 3
O governador Beto Richa (PSDB) confirmou nesta terça-feira (20) a instalação da Irkut Corporation no Paraná. Richa visitou as instalações da fabricante de aviões em Moscou – a empresa vai implantar em Maringá unidades de fabricação de peças e partes da aeronave MC-21, além de centros de operação e treinamento para atender o Brasil e a América Latina.
“A escolha do nosso Estado pela Irkut, que irá estabelecer sua base logística de peças e manutenção e o centro de treinamento de pilotos para América Latina, representa a entrada do Paraná como player da indústria aeroespacial e de defesa”, disse Richa.
richa - avião 2
A Irkut Corporation está entre os dez maiores fabricantes mundiais de aviões e possui 14 mil funcionários. A empresa é uma divisão do grupo UAC United Aircraft Corporation (UAC), cujo faturamento em 2014 superou US$ 4,8 bilhões.
richa - avião

Lava-Jato avança na direção de Lula


unnamed
Ricardo Noblat
O juiz Sérgio Moro, da Operação Lava-Jato, recebeu de Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal, o encargo de investigar as acusações feitas em delação premiada pelo lobista Fernando Soares, o Baiano, contra o empresário José Carlos Bumlai, um dos maiores amigos do ex-presidente Lula.
Bumlai, pecuarista, é tão amigo dele que entrava no Palácio do Planalto no dia e hora que bem entendesse e era conduzido diretamente ao gabinete de Lula. Havia na recepção do palácio um aviso que indicava o tratamento especial a ser conferido a ele.
Pois bem: o Baiano acusou Bumlai de pedir propina de R$ 2 milhões em nome de uma das noras de Lula. Se Baiano mentiu ou não tem como provar o que disse, perderá o direito à delação premiada. Ou seja: a penas mais leves caso seja condenado.
A amigos com quem conversou a respeito, Lula tem dito que Bumlai pode ter abusado de sua confiança e usado o seu nome sem autorização. Foi o senador Delcídio Amaral (PT-MS), outro citado por Baiano como tendo recebido propina, quem aproximou Bumlai de Lula muito antes que esse se elegesse pela primeira vez

Prefeitura de Colombo promove leilão de carros, motos, máquinas e sucatas


WEBMASTER 16 DE OUTUBRO DE 2015

Lances acontecem no dia 21, a partir das 10h; interessados podem visitar os lotes nos dias 19 e 20

A Prefeitura de Colombo promove no próximo dia 21, um leilão de carros, motos, máquinas e sucatas. Serão leiloados 68 lotes onde os preços iniciais variam de R$ 300 a R$ 20.000 mil.
Conforme o edital, o leilão é presencial e será realizado as 10h, do dia 21, no Pavilhão de Eventos do Parque da Uva, na rua Marechal Floriano Peixoto, 8771 – Centro. Os veículos (carros, motos e máquinas) possuem documentação.
Podem participar pessoas físicas e jurídicas munidas de documentos conforme solicitado no edital que segue abaixo.  Os veículos que vão a lance deverão ser quitados à vista e com pagamento de taxas ao leiloeiro.
Os lotes estão disponíveis para visitação nos dias 19 e 20, na rua José Leal Fontoura, 1315 – Centro de Colombo, das 8 às 12 e das 13 às 17h.
Para mais informações, foto dos lotes e acesso ao edital completo, o interessado pode acessar os links: http://www.oliveiraleiloes.com.br/leilao/detalhe_leilao/50#conteudo

“Mostra de Turismo Descubra Colombo” reunirá empreendimentos locais


WEBMASTER 20 DE OUTUBRO DE 2015

Objetivo do encontro é proporcionar aos empreendedores conhecimento dos produtos e serviços produzidos no município e, assim, também desenvolver seu potencial turístico

Uma oportunidade para que os empreendedores do município possam conhecer os empreendimentos turísticos locais. Este é o objetivo da “Mostra de Turismo Descubra Colombo”, que acontece no dia 29 de outubro no Pavilhão de Eventos do Parque Municipal da Uva.
“Está é uma oportunidade para que os empreendedores possam trocar experiências, além de poder conhecer o que é produzido no nosso município pelos demais”, afirma o secretário de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho, Antônio Ricardo Milgioransa.
A ideia da criação do evento surgiu a partir dos resultados identificados no projeto “Inventário da Oferta Turística”, desenvolvido pelo Departamento de Turismo. Na ocasião, percebeu-se que existem vários empreendimentos em Colombo, além dos que já compõem o Circuito Italiano de Turismo Rural, que atraem turistas e visitantes de outras regiões.
“É importante que se desenvolva o potencial turístico desses empreendimentos, o que representa também o desenvolvimento do turismo do município”, afirma Milgioransa.
Participarão da Mostra de Turismo, 22 empreendimentos que divulgarão seus produtos e serviços. O público poderá conferir os serviços desenvolvidos pelos empreendedores em diversos segmentos, como: agência de turismo, agricultura familiar, agroindústria, artesanato, turismo religioso, pousadas, hotéis, lazer e espaço para eventos, gastronomia e vinícola.
SERVIÇO:
“Mostra de Turismo Descubra Colombo”
Data: 29 de outubro
Local: Pavilhão de eventos do Parque Municipal da Uva
Horário: 16h às 22h
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Empreendedores recebem orientação financeira em Colombo


WEBMASTER 20 DE OUTUBRO DE 2015

Estratégias de otimização dos resultados e fortalecimento dos pequenos negócios foram alguns dos temas abordados durante o encontro

Empreendedores recebem orientação financeira
Empreendedores recebem orientação financeira
Saber direcionar corretamente o dinheiro de um empreendimento é um dos fatores que pode determinar o sucesso ou não de uma empresa. Visando orientar os empreendedores do município com relação ao tema, foi realizado na Faculdade Educacional de Colombo (FAEC) a oficina de capacitação “Sei controlar meu dinheiro”.
“A saúde financeira de um empreendimento requer muita atenção, portanto é importante garantir que os microempresários saibam como agir em determinadas situações para garantir o sucesso de sua empresa”, afirma o secretário de Indústria, Comércio e Turismo, Antônio Ricardo Milgioransa.
O encontro faz parte da iniciativa Cidade Empreendedora, desenvolvido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) com o apoio da prefeitura. Participaram do encontro 19 microempresários do município que receberam orientações de técnicas e estratégias de gerenciamento do negócio. Na oportunidade, foram abordados os seguintes temas: visão do uso correto do dinheiro, fluxo de caixa adequado e controlar as contas a pagar e a receber, estratégias de otimização dos resultados e fortalecimento dos pequenos negócios.
As orientações ajudam microempresários como o automotor, Eberson Ferreira Nunes que viu a expansão do negócio após receber o auxílio do Centro do Empreendedor. “Tive todo um suporte para formalizar meu negócio. Agora sou um prestador de serviço, posso emitir notas fiscais para disponibilizar aos meu clientes”, afirma.
Ainda segundo Nunes, as orientações que recebeu foram fundamentais para o crescimento do negócio, mesmo com o atual momento econômico do país. “Enquanto para alguns o momento é ruim, estou vivendo o meu melhor ano profissional”, comemora.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK:facebook.com/pmdecolombo
Fotos: Marcio Fausto/PMC

Mulher fala em 'paixão louca' por PM que a assediou para estuprar suas filhas

Policial pede para ter relação sexual com filhas da amante como 'prova de amor'
Policial pede para ter relação sexual com filhas da amante como 'prova de amor'(Reprodução/Twitter)
O depoimento de Simone Mendes, assediada pelo amante para permitir o estupro das duas filhas, de 14 e 6 anos, tornou ainda mais perturbadora e mal contada a história que ocorreu na Paraíba e movimenta as redes sociais desde a última terça-feira. A mãe das meninas depôs na noite de quinta-feira na Delegacia Especializada da Mulher da cidade de Sousa. Ela estava sumida desde que a filha mais velha flagrou no celular da mãe uma conversa em que o policial militar Ricardo Alves tenta convencer Simone a realizar "a maior prova de amor do mundo". A fantasia monstruosa consistia em dopar as meninas para que ele pudesse ter relações sexuais com as menores.

As teses apresentadas pelo casal à delegada Yvna Cordeiro, responsável pelo caso, são muito parecidas e mostram que o namoro de Simone e Ricardo, que é casado, era baseado em um amor obsessivo. Diante das mensagens trocadas entre eles no domingo, fica a dúvida se Simone negaria o pedido de entregar as próprias filhas para que o policial as estuprasse. "Simone contou que é muito apaixonada pelo Ricardo, que sente uma paixão muito louca por ele, como nunca sentiu antes. Quando eu perguntei por que ela não cortou a conversa de imediato, ela respondeu que quis prolongar o assunto para ver até aonde ele chegava. Assim, quanto mais ela notasse as obsessões dele, mais ficaria com nojo e conseguiria terminar a relação", contou a delegada.
Na quarta-feira, Alves depôs na delegacia e admitiu ter enviado as mensagens. Ele se defendeu dizendo que inventou a história porque não tinha coragem de terminar o relacionamento, de três meses. "Ele afirmou que, como ela gostava muito dele e ele não tinha coragem de terminar o namoro, criou essa história para ver se a mulher ficava com raiva e terminava tudo", contou a delegada nesta quinta-feira a VEJA. Agora, ela diz que, embora os depoimentos sejam "bem similares", os dois negam ter se encontrado ou conversado desde que tudo aconteceu. A delegada afirmou que pretende "ir a fundo nesse inquérito" para apurar o que de fato ocorreu.

Mensaleiro Pizzolato deve chegar ao Brasil nesta sexta-feira

O ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, que fugiu do Brasil após ser condenado no julgamento do mensalão, deixou a prisão de Modena, na Itália, na terça-feira (28/10), após a justiça italiana ter negado o pedido de extradição feito pelo governo brasileiro. Pizzolato, que tem dupla cidadania, estava preso desde fevereiro
O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no julgamento do mensalão, chegará ao Brasil na próxima sexta-feira (VEJA.com/Estadão Conteúdo)
O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no julgamento do mensalão, deixará a Itália para ser entregue às autoridades brasileiras na próxima quinta-feira. A Polícia Federal trará o mensaleiro num voo de carreira no mesmo dia para São Paulo, com previsão de chegada ao Brasil na sexta-feira.
Após desembarcar na capital paulista, Pizzolato será levado a Brasília num avião da Polícia Federal. Ele fará exame de corpo de delito e, em seguida, será levado direto para a Penitenciária da Papuda. Uma equipe da Polícia Federal, composta por um delegado, dois agentes e uma médica, já está na Itália para cuidar dos preparativos da extradição do mensaleiro.

Eventual impeachment 'faz parte das regras do jogo', diz Lewandowski

Presidente do STF deu entrevista à TV Globo nos Estados Unidos.
Brasil tem uma 'boa Constituição' e já enfrentou 'vários problemas', disse.

Do G1, com informações da TV Globo
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski, afirmou nesta terça-feira (20), nos Estados Unidos, que um eventual processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff "faz parte das regras do jogo democrático" (veja vídeo)
Em entrevista exclusiva à TV Globo, após ser questionado sobre se o processo de impeachment poderia ser algo "traumático" para o país, Lewandowski disse não ver um "problema maior" num eventual processo de impedimento de Dilma, já que, segundo ele, o Brasil tem uma "boa Constituição" e já enfrentou "vários problemas".
saiba mais

"Nossas instituições republicanas, eu tenho dito, são extremamente sólidas. Eu acho que isto [um eventual processo de impeachment] são as dores do parto, poderiámos dizer, de um novo sistema político. Nós estamos aguardando há muito tempo uma reforma do sistema político e isso faz parte das regras do jogo democrático", disse o presidente do STF.
"Não vejo nenhum problema maior, nós temos uma boa Constituição, enfrentamos vários problemas, um processo de impeachment anterior, várias crises econômicas. Essa é mais uma das crises que enfrentaremos e certamente o país sairá galhardamente desse processo", explicou.
Durante a entrevista, Lewandowski também foi indagado sobre se uma eventual demora dos ministros do STF Teori Zavascki e Rosa Weber em analisar recursos apresentados pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra três liminares (decisões provisórias) que suspenderam o rito que ele havia anunciado em setembro para dar andamento aos pedidos de impeachment da presidente poderia beneficiar o governo.
Nos recursos, Cunha pede que os ministros Teori Zavascki e Rosa Weber reconsiderem as decisões liminares que concederam, suspendendo a validade do rito. Na hipótese de eles não reconsiderarem, pede que a decisão sobre a cassação das liminares seja levada para o plenário do STF, formado por 11 ministros.
De acordo com Lewandowski, os magistrados "não estão necessariamente preocupados com o tempo, estão preocupados com o cumprimento da Constituição". O presidente do Supremo disse ainda que a discussão sobre a abertura ou não de um processo de impeachment "é um assunto importante, que angustia a sociedade brasileira e também o setor político".
"Essas liminares serão analisadas pelo plenário do Supremo Tribunal Federal, pelos 11 ministros. Não é ainda o momento de se analisar o mérito dos mandados de segurança e das reclamações. Isso virá em um momento posterior e o Supremo Tribunal Federal, em toda sua composição, será instado a examinar se o regimento da Câmara dos Deputados e se os atos empreendidos pelo presidente da Câmara estão ou não em conformidade com a Constituição", disse Lewandowski.
"Nós daremos toda a prioridade possível e necessária para que esse caso seja solucionado com a rapidez requerida. [...] O STF não fará nenhum julgamento de natureza política. Quer dizer, o processo de impeachment compete à Câmara dos Deputados, em primeiro lugar, e em segundo lugar ao Senado Federal. Nós simplesmente examinamos, se formos provocados, se há uma compatibilidade do processo de impeachment com a Constituição", explicou o ministro.