PMDB dá mais um passo para distanciar-se do PT


unnamed
Ricardo Noblat
Michel Temer, vice-presidente da República, mandou avisar a Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, que o PMDB terá candidato ao seu lugar – a senadora Marta Suplicy, recém-filiada ao partido depois de ter abandonado o PT.
Rápido como uma bala, Haddad começou a despejar o PMDB do seu governo. O PMDB tinha ali três secretarias e algumas subprefeituras. Perdeu uma secretaria e uma subprefeitura. Perderá mais. Faz parte do jogo, e o PMDB sabe disso. Sabe melhor do que ninguém.
É Temer que controla o PMDB paulista. E o ato do partido de se afastar por lá do PT antecipa o que deverá materializar-se durante o congresso do PMDB, marcado para o dia 17 de novembro, no Centro de Convenções de Brasília.
Não haverá rompimento com o governo Dilma, isso não. Ficaria mal para Temer, impedido de afastar-se do governo. Mas com o PT, mesmo que não seja declarado, o rompimento avançará mais algumas casas durante o congresso.
O PMDB aproveitará a ocasião para lançar uma séria de propostas que poderão no futuro ser aproveitadas em um programa de governo – seja de um candidato próprio a presidente na eleição de 2018, seja de Temer caso ele se veja obrigado a suceder Dilma.

Erick Jacquin se casa e é prestigiado por colegas do "MasterChef"


Felipe Abílio
Do UOL, no em São Paulo

Ampliar

Jurado do "Masterchef", Erick Jacquin se casa em São Paulo6 fotos

1 / 6
23.out.2015- Erick Jacquin se casa com Rosângela Menezes em uma cerimônia luxuosa no Villa Jockey, em São Paulo Divulgação
Erick Jacquin oficializou sua união com Rosângela Menezes em uma cerimônia luxuosa no Villa Jockey, no Jockey Club de São Paulo, para cerca de 500 convidados, nesta sexta-feira (23). O casal está junto há 10 anos.
A apresentadora do "Masterchef", Ana Paula Padrão, prestigiou o jurado do programa e disse que ele tem a idade de coração de 14 anos.
"O Jacquin é uma criança, ele deve estar no auge da expectativa, casando com a mulher da vida dele, todos aqueles sonhos que a gente tem quando é criança, esse é o Jacquin. Conhecia ele um pouco, mas não conhecia ele como amigo, como é hoje", disse.
Com o coral Del Chiaro, o noivo entrou emocionado na cerimônia ao som de La vie en Rose. A noiva foi anunciada com trompetes e chegou com o som da Ave Maria.
O cônsul Damien Loras fez um discurso antes da benção.
Paola Carosella e Henrique Fogaça também marcaram presença no evento. "Pelo que eu conheço ele deve estar nervoso sim, ele é meio bipolar", disse Fogaça sobre o noivo, que chegou no local um pouco depois das 20h.
Rosângela usou um vestido tradicional do ateliê A Modista e estava ansiosa e muito feliz com o grande dia.
Para que o chef francês se sentisse "em casa", a cenógrafa Varínia Contaux tranformou parte do ambiente na Champs-Élysées [famosa avenida de Paris, na França], com direito a uma réplica grande do Arco do Triunfo. Na decoração, cores vibrantes, como rosa e roxo, contrastavam com o preto.
"Neste evento parece que a noiva é o Jacquin. Ele é extremamente detalhista, só puder fechar a planta e projetos no domingo por causa dele. Sem ele, não aprovamos absolutamente nada", disse Varínia ao UOL.
Na mesa de doces, nada de bolo tradicional ou bem-casados. A chef patissière Amanda Lopes preparou uma mesa com mais de 2.500 doces e um bolo feito de carolinas com pasta americana, que foi preparado somente nesta sexta-feira.
Entre as delícias: mini moussses, tarteletes de nozes com crocante de nutella e mousse de doce de leite, tarteletes de limão com suspiro, mil folhas e bombons de chocolate com laranja e coco com baunilha. Macarrons de cereja, pistache e banana caramelizada colorem a mesa de doces.
Na festa, além de DJ, uma banda de blues anima os convidados.
Por conta das gravações do "MasterChef Jr", o casal não terá lua de mel logo após o casamento e viaja para as Ilhas Maldivas no fim do ano.

Motociclista 'implora' para não ser atacado por elefantes na Tailândia


Motociclista foi impedido por manada de passar por estrada.
Vídeo mostra rapaz cercado por elefantes. Vídeo virou hit na web.

Do G1, em São Paulo
Um motociclista foi impedido de passar por uma estrada de um parque nacional na Tailândia por uma manada de elefantes furiosos. A gravação alcançou mais de 3 milhões de visualizações ao ser postada no YouTube. aSSISTA AO VÍDEO
Motociclista foi impedido de passar por estrada por manada de elefantes (Foto: Reprodução/YouTube/khao yai news)Motociclista foi impedido de passar por estrada por manada de elefantes (Foto: Reprodução/YouTube/khao yai news)
Um vídeo publicado no YouTube mostra o motociclista tentando passar por uma estrada do parque nacional de Khao Yai, perto da cidade de Korat, quando os elefantes avançam contra o veículo.
Com medo, o motociclista abandona a moto, mas é cercado pela manada. No vídeo, homem parece "implorar" para não ser atacado pelos elefantes.
Homem parece 'implorar' para não ser atacado pelos elefantes (Foto: Reprodução/YouTube/khao yai news)Homem parece 'implorar' para não ser atacado pelos elefantes (Foto: Reprodução/YouTube/khao yai news)
Ele precisou esperar a manada se dispersar para conseguir pegar a moto e seguir viagem.
O parque é o terceiro maior na Tailândia, com cerca de 3 mil espécies de plantas, 320 espécies de aves e 66 espécies de mamíferos, incluindo elefantes asiáticos.

Enem 2015 é adiado em dois municípios de Santa Catarina


Candidatos de 5 colégios de Rio do Sul e Taió farão a prova em dezembro.
Segundo o ministro da Educação, motivo foram as enchentes na região.

Isabela FormigaDo G1, em Brasília
Ministério da Educação (MEC) anunciou, na tarde desta sexta-feira (23), o adiamento, em cinco locais de prova de dois municípios de Santa Catarina, da edição de 2015 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, não há condições seguras de realização das provas em Rio de Sul e Taió, por causa das chuvas e das enchentes na região. A decisão afeta 4.542 candidatos.ASSISTA A VÁRIOS VÍDEOS
"Nós estamos suspendendo a realização do Enem nesses dois municípios de Santa Catarina, Rio de Sul e Taió, tudo indica que não serão necessárias atitudes além dessa", afirmou Mercadante. "Não haverá prova nesses municípios em nenhum outro local."
De acordo com ele, os estudantes serão avisados do adiamento pessoalmente, e farão a prova do Enem até a primeira semana de dezembro e não serão prejudicados na participação dos programas do MEC que usam a nota do Enem, como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e Programa Universidade para Todos (Prouni).
Segundo Mercadante, a diferença entre os dois municípios e as demais cidades da Região Sul que têm sido afetadas por fortes chuvas é a proximidade da represa do Rio Itajaí, e o monitoramento da Defesa Civil indicou que o volume das águas pode oferecer riscos no traslado dos moradores.
"Tivemos três dias de chuvas na região Sul, especialmente em Santa Catarina, cerca de 100 mm, um volume muito grande de chuvas", disse ele. "Esses dois municípios foram muito impactados pelas inundações, porque algumas represas foram sobrecarregadas e a cota dos rios subiu muito. Então, tem uma inundação muito ampla na cidade, que prejudica muito a mobilidade de acesso."
"Não há como o volume baixar porque o nível de água ainda está muito elevado. Achamos que não fazia sentido por em risco os participantes. Estamos em sintonia plena com a coordenação da Defesa Civil e com o Cesgranrio da região", explicou Mercadante.
O Enem acontece neste sábado (24) e domingo (25) para 7,7 milhões de candidatos em todo o país.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o presidente do Inep, Chico Soares, dão entrevista na véspera do Enem 2015 (Foto: Isabela Formiga/G1 DF)O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e o presidente do Inep, Chico Soares, dão entrevista na véspera do Enem 2015 (Foto: Isabela Formiga/G1 DF)
Local de prova alterado
Mercadante afirmou que os cerca de 3,5 mil candidatos que tiveram o local de prova alterado continuam obrigados a comparecer ao Enem neste fim de semana, sob pena de eliminação. Esses locais estão em seis estados. Confira as mudanças:
MINAS GERAIS
Cidade: São Lourenço
Onde era: Colégio Laser Solar dos Lagos Ensino Fundamental
Vai para: Colégio Laser Ensino Médio
Rua Antônio Junqueira de Souza, 375, Centro
Motivo da mudança: outro evento agendado na instituição
Número de alunos afetado: 252
Cidade: Sabará
Onde era: Escola Estadual Professora Angélica Maria de Almeida
Vai para: Escola Municipal Professora Maria Aparecida Batista
Rua Mariana, 61, Vila Nossa Senhora da Conceição
Motivo da mudança: incêndio no local comprometeu a estrutura elétrica
Número de alunos afetado: 324
AMAPÁ
Cidade: Laranjal do Jari
Onde era: EE Maria de Nazaré Rodrigues
Vai para: Instituto de Ensino Ana Nery
Rua do Estádio, 159, Agreste
Motivo da mudança: local entrou em reforma
Número de alunos afetado: 468
Cidade: Macapá
Onde era: Centro de Estudos de Línguas Francesa Danielle Mitterrand
Vai para: Centro de Ensino Paulo Melo
Rua Cândido Mendes, 555, Central
Motivo da mudança: interdição por pane elétrica
Número de alunos afetado: 27
BAHIA
Cidade: Conceição do Coité
Onde era: Escola Estadual Almir Passos
Vai para: Faculdade da Região Sisaleira (FARESI)
Rua Rua Senhora Santana, s/n, Centro
Motivo da mudança: outro evento agendado
Número de alunos afetado: 239
CEARÁ
Cidade: Araripe
Onde era: Escola Modelo Professora Cícera Germano Correia
Vai para: Escola Dona Carlota Tavora, anexo Neomisia
Rua Santo Antonio, s/n, Centro
Motivo da mudança: interdição por problemas nas infraestrutura
Número de alunos afetado: 320
Cidade: Araripe
Onde era: Escola Modelo Professora Cícera Germano Correia
Vai para: Escola Municipal Maria Violeta Arraes Alencar Gervaiseau
Rua Santos Dumont, s/n, Campo Aviação
Motivo da mudança: interdição por problemas nas infraestrutura
Número de alunos afetado: 121
PARÁ
Cidade: Abaetetuba
Onde era: EEEFM Carmem Cardoso Ferreira
Vai para: EMEIEF Carlaide Cardoso Ferreira Jorge
Avenida São Paulo s/n, Aviação, próximo ao Ministério Público
Motivo da mudança: interdição. Assalto no local impediu finalização de reforma na estrutura elétrica.
Número de alunos afetado: 200
RIO GRANDE DO SUL
Cidade: Eldorado do Sul
Onde era: Escola Municipal de Ensino Fundamental David Riegel Neto
Vai para: Escola Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora Medianeira
Rua Avenida Emancipação, 360, Centro
Motivo da mudança: enchente
Número de alunos afetado: 413
Cidade: Eldorado do Sul
Onde era: EMEF Professora Luiza Maria Binfaré Cézar – Bloco Único
Vai para: EMEF Getúlio Vargas
Avenida Vacaria, 455
Motivo da mudança: enchente
Número de alunos afetado: 492
Cidade: Porto Alegre
Onde era: Colégio Estadual Protásio Alves
Vai para: Colégio Estadual Cândido José de Godói
Avenida França, 400, Navegantes
Motivo da mudança: enchente
Número de alunos afetado: 672

Prova eletrônica
(VÍDEO: Mercadante fala sobre a possibilidade de implementar mais um Enem e uma prova eletrônica)

Segurança

(VÍDEO: Acima, Mercadante diz que quem tentar fraudar o concurso pode ser enquadrado no Código Penal)

Operador de mercado financeiro deu dois carrões a Eduardo Cunha


Parte da frota do presidente da Câmara foi paga pelo operador Lúcio Funaro, seu parceiro investigado no mensalão

HUDSON CORRÊA
23/10/2015 - 21h45 - Atualizado 23/10/2015 22h40
A empresa C3 Produções Artísticas e Jornalísticas não receberia a mínima atenção do mundo político, caso não fosse o bem mais valioso na declaração de bens do presidente da Câmara, deputadoEduardo Cunha, do PMDB, devido ao capital social de R$ 1,4 milhão. Com sede no 29º andar de um edifício de 40 andares de esquina para Avenida Rio Branco, no centro do Rio de Janeiro, a C3 é uma sociedade entre Cunha e sua mulher, a jornalistaCláudia Cordeiro Cruz. Entretanto, desde que Cunha passou a ser investigado pela Operação Lava Jato pela suspeita de ser um dos beneficiários da propina paga por contratos superfaturados daPetrobras, seus bens foram esquadrinhados de perto pela Polícia Federal. Recentemente, os policiais encontraram um vínculo incômodo para Cunha na C3.
Em fevereiro e maio de 2012, a C3 Produções aumentou seu patrimônio com a compra de dois carros. Um Hyundai Tucsonpreto, ano 2009, custou R$ 80 mil, e um Land Rover Freelanderprata, ano 2008, custou R$ 100 mil. Apesar de a C3 ficar no Rio de Janeiro e de carros assim estarem à disposição na cidade, a compra foi feita em uma loja em São Paulo. Estranhamente, os veículos não foram pagos com dinheiro da C3. Foram pagos por duas empresas que pertencem ao operador de mercado Lúcio Bolonha Funaro, investigado no escândalo do mensalão, em 2005. De acordo com documentos obtidos por ÉPOCA, o Hyundai Tucson foi pago com um cheque de R$ 25 mil da Cingular Fomento Mercantil Ltda., mais uma transferência bancária de R$ 55 mil; o Land Rover Freelander foi pago com um cheque de R$ 50 mil da mesma Cingular e outro de R$ 50 mil da Royster Serviços S.A. A Cingular e a Royster fazem parte de um conjunto de empresas de Lúcio Funaro.
ACASO Documento da compra dos carros e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (no alto). Investigação sobre o petrolão descobriu a gentileza de Funaro (Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo)
De acordo com a Procuradoria-Geral da República, além desses dois carros, Eduardo Cunha e Cláudia possuem mais seis veículos: dois Porsches Cayenne, um BMW 325i, um Ford Edge, um Ford Fusion e um Pajero Sport Flex. A frota está avaliada em R$ 940 mil. Como estão registrados em nome da C3 Produções e de outra empresa, a Jesus.com, os veículos não aparecem diretamente na declaração de bens entregue por Cunha à Justiça Eleitoral no ano passado. O documento oficial informa que o patrimônio de Cunha é de R$ 1,64 milhão. Nele, Cunha declara possuir apenas um carro, um Toyota Corolla 2007, avaliado em R$ 60 mil. O vínculo entre Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, portanto, permanecia oculto. Lúcio Funaro afirma que o pagamento dos carros foi “operação comercial privada, protegida por cláusula de confidencialidade, devidamente declarada às autoridades competentes”. O deputado Eduardo Cunha transferiu a resposta a seu advogado Antonio Fernando de Souza, que não respondeu.
Algumas das empresas de Funaro foram investigadas pela CPI dos Correios, que examinou vínculos entre o mensalão e irregularidades em fundos de pensão. Na ocasião, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) detectou movimentações suspeitas feitas pela Royster. As investigações sugerem que a compra dos carros para a empresa de Cláudia Cruz é mais uma gentileza comercial de Lúcio Funaro para Eduardo Cunha. No auge da investigação do mensalão, em 2005, ÉPOCA revelou que Funaro pagava o aluguel e o condomínio do apartamento que Cunha morava  em Brasília. Eduardo Cunha negava que Funaro pagasse seu aluguel, mas os documentos o contradiziam. Naquele momento, Cunha era o líder da bancada vinculada ao então governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho. Quando Funaro foi convocado a depor na CPI dos Correios, para falar sobre sua ajuda a Valdemar Costa Neto e negócios suspeitos com fundos de pensão, a bancada de Garotinho o socorreu. A Procuradoria-Geral da República acusou Funaro de montar uma estrutura que permitia ao PT pagar o mensalão ao ex-deputado Valdemar da Costa Neto, do então PL, em troca de apoio no Congresso Nacional. Em maio de 2013, a Justiça concluiu que Funaro cometeu crime de lavagem de dinheiro no mensalão, mas deixou de aplicar a pena devido a um acordo de delação premiada.
Desde março, Eduardo Cunha é alvo de um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar seu envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobras. A pedido da Polícia Federal, a loja de carros remeteu ao inquérito cópia dos cheques que pagaram os veículos da C3 Produções. Os papéis chegaram no dia 12 agosto. Oito dias depois, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou Eduardo Cunha por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sob a acusação de receber propina de US$ 5 milhões em um contrato entre a Petrobras e a Samsung, responsável pela construção de dois navios-sondas. No inquérito que resultou na denúncia contra Cunha, Cláudia Cruz ainda não era investigada.
O PARCEIRO Um dos cheques da Cingular (acima) e o operador Lúcio Funaro (no detalhe). Além dos carros, ele já pagou o aluguel de Eduardo Cunha (Foto: José Varella/CB/D.A Press)
No dia 15, o STF autorizou a abertura de outro inquérito contra Eduardo Cunha e incluiu Cláudia entre os investigados. A nova linha de apuração se refere às contas do casal na Suíça, que seriam abastecidas com dinheiro desviado de um contrato da Petrobras em Benin, na África. Os investigadores da Suíça rastrearam 1,3 milhão de francos suíços (R$ 5,3 milhões) depositados na conta Orion, de Cunha, entre maio e junho de 2011. Os pagamentos ocorreram por meio de uma empresa do lobistaJoão Augusto Henriques. Cláudia Cruz é titular da conta Köpek, que recebeu US$ 1,1 milhão entre 2008 e 2014 e foi usada para o pagamento de despesas de cartão de crédito, de uma escola no Reino Unido e de uma academia de tênis nos Estados Unidos. Ao abrir a conta, Cláudia Cruz declarou ser dona de casa. Nesta quinta-feira (22), o ministro Teori Zavascki, do STF, determinou obloqueio e o sequestro dos cerca de R$ 9,6 milhões depositados em favor de Eduardo Cunha na Suíça.