PMDB ataca Dilma em novo manifesto


dilma_temer_folhapress
O programa de governo que o PMDB apresentará no encontro da fundação do partido faz o mais duro ataque recente ao PT, culpa a “equivocada” política econômica de Dilma Rousseff por “todos problemas e dificuldades atuais” e sustenta que, ao contrário do que prega o Planalto, a crise “tem, sim, raízes ou causas internas”. As informações são da Folha de S. Paulo.
O documento ao qual a Folha de S. Paulo teve acesso é uma versão preliminar e ampliada, portanto sujeita a alterações, da peça que começa a ser discutida entre dirigentes do partido nesta quinta-feira (29). O manifesto será apresentado num congresso da Fundação Ulysses Guimarães, centro de estudos vinculado ao partido, em 17 de novembro.
O programa, no entanto, passou pelas mãos dos principais caciques peemedebistas. Contou também com a participação de economistas ligados ao partido, como Delfim Netto –um dos principais conselheiros do vice-presidente Michel Temer na área econômica.

Richa defende diálogo e reafirma o compromisso com professores do PR


richa - professores
Em encontro com mais de 600 professores, pais e alunos nesta quarta-feira, 28, o governador Beto Richa reafirmou o compromisso de priorizar os investimentos em educação e valorização dos professores. “A educação é um instrumento de emancipação humana e social e de construção da cidadania. Vocês, professores, garantem uma sociedade melhor para se viver. Podem contar com nosso apoio irrestrito”, disse Richa em Faxinal do Céu.
Nos últimos cinco anos, os investimentos na área saltaram de R$ 3,7 bilhões em 2010 para R$ 7,8 bilhões em 2016. O valor representa 33% do orçamento – 8% a mais do que previsto na Constituição. “Nenhum outro estado brasileiro investe este percentual orçamentário no ensino”. Richa anunciou o pagamento dos reajustes e progressões de carreira. “Vamos honrar todos nossos compromissos. Agora, com a situação financeira melhor, vamos dar os reajustes aos servidores e pagar as promoções”, garantiu.
Richa pediu um voto de confiança dos professores e disse que o governo estadual quer intensificar o diálogo para avançar ainda mais na educação. “Quem mais entende de educação são os nossos professores. Queremos caminhar juntos para termos um êxito maior nas nossas ações”, defendeu.
“Muito mais importante que palavras é a atitude. Estamos mostrando na prática que a educação no Paraná é prioridade.” Em quatro anos, foram 26% de equiparação com os demais técnicos de nível superior, mais as datas-bases, totalizando 60% de aumento salarial.
O governador também falou do aumento na hora-atividade, que passou de quatro para sete aulas semanais, o que representa 75% de aumento no tempo extraclasse para os professores prepararem aulas, corrigirem provas e se dedicarem a outras atividades para melhoria da aprendizagem dos alunos e alunas.
Além disso, ele citou que o investimento no transporte escolar foi mais que triplicado, 30 mil professores foram beneficiados pela solução do caso Vizivali e a contratação de 20 mil profissionais.

Boa reunião para a saúde do Paraná


unnamed
O secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto, voltou de Brasília, onde se reuniu, na quarta-feira (28), com o ministro da Saúde, Marcelo Castro. O encontro foi agendado e prestigiado por 12 deputados da bancada paranaense no Congresso Nacional. Caputo Neto ficou animado com a reunião e elogiou a postura republicana do ministro, que ouviu as demandas do Paraná na área da Saúde e se comprometeu a avaliar a viabilidade de atendê-las. O secretário também enalteceu o apoio dado pelos parlamentares do Paraná, que entregaram manifesto com reivindicações que beneficiam todas as regiões do Estado.

Jean Wyllys e João Rodrigues trocam acusações no plenário da Câmara


Deputado do PSD criticou BBB, programa que popularizou Wyllys; parlamentar do PSOL respondeu que qualquer programa é mais decente do que deputado que assiste pornô na Câmara

REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 12h33 - Atualizado 29/10/2015 12h56
Jean Wyllys (Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados)
Os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ) e João Rodrigues (PSD-SC)trocaram acusações nesta quarta-feira (28) em discussão sobre desarmamento no plenário da Câmara dos Deputados.  Segundo a Agência Câmara, o bate-boca começou quando Rodrigues subiu à tribuna para acusar Wyllys de ter chamado de bandidos os parlamentares que defendem a revogação do Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03) para criar o Estatuto de Controle de Armas de Fogo (PL 3722/12), texto aprovado na terça-feira (27).
"Quero comentar algumas afirmações de alguns parlamentares que, ao comentar o Estatuto do Desarmamento, se postam como verdadeiros defensores de bandidos", declarou Rodrigues. "Como, por exemplo, o deputado Jean Wyllys, o ex-BBB, que disputou a primeira eleição com 13 mil votos. Chegou a esta Casa com a sua exposição naquele programa extremamente culto, que acrescenta demais na cultura dos brasileiros. Chegou e questionou o comportamento de cada parlamentar, chamando os parlamentares de bandidos", acrescentou.
O deputado ainda criticou posições que Jean Wyllys defende, como a descriminalização das drogas.
"A sua vida pregressa eu não conheço. A sua experiência política eu sei. Tenho sete mandatos, fui três vezes prefeito. E tive a honra de ser o segundo deputado mais votado na história de Santa Catarina. Posso até ser criticado, mas vindo do senhor é elogio. Um parlamentar que defende perdão para drogas, que defende que adolescente pode trocar de sexo, mesmo sem autorização dos pais. Isso não é deputado, é a escória deste país, mas ocupa lugar como deputado", destacou.
O parlamentar do PSOL, então, pediu a palavra, chamando Rodrigues de "bandido", "facista" e justificando que ele não tem "moral para defender o povo brasileiro" porque usa sessão da Câmara para assistir a filme pornô – cena exibida pelo SBT em maio deste ano.
"Dizer que cheguei aqui com 3 mil votos é falta de informação. Cheguei aqui com mais de 145 mil votos. Primeira informação. A segunda informação: homens decentes não assistem a vídeo pornô em plena sessão plenária. Homens decentes não são condenados por improbidade administrativa por roubar dinheiro público, como o deputado foi. Portanto, quem não tem moral para representar o povo brasileiro é ladrão. Eu vou dizer uma coisa: qualquer programa de televisão é mais decente do quem rouba dinheiro do povo na sua administração pública. Qualquer programa de televisão é mais decente que deputado em vez de honrar o voto e o dinheiro público fica usando a sessão plenária para assistir filme pornô", rebateu.
O deputado ainda afirmou não temer "coronéis" e que esses "tempos acabaram": "Ele e todos os facistas desta Casa vão ter que me engolir. Eu sou homossexual assumido, sim, e se acostumem com isso. Vocês vão ter que lidar comigo, com minha inteligência e com a denúncia que eu vou fazer dos abusos de autoridade de vossas excelências, da maneira truculenta com que vocês querem agir dentro desta Câmara".
Por fim, Wyllys ainda ironizou: "Resta saber se seu vídeo pornô era hétero ou homossexual". O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pediu ordem no plenário e a disccusão cessou.  Rodrigues, na tréplica, disse que nunca foi condenado.
Na mesma sessão, a deputada Clarissa Garotinho (PR-RJ), filha do ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, subiu à Mesa Diretora da Câmara e abriu um cartaz com as frases: "Cunha quer trazer o dinheiro sujo da Suíça. Diga Não!".
Segundo o G1, ela disse que todas as vezes em que foi sorteada para falar, o presidente da Câmara marcou sessão extraordinária para eu não falar. "Eu estava inscrita hoje para discursar e ele encerrou antes o debate", criticou Clarissa.
Wyllys pede desligamento de CPI de crimes cibernético
A presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga crimes cibernéticos, Mariana Carvalho (PSDB-RO) informou na manhã detsa quinta (29) que Jean Wyllys pediu desligamento do colegiado por questões pessoais. Segundo Mariana Carvalho, o deputado produziu vídeo criticando a condução dos trabalhos do colegiado e acusando os membros de fazerem parte do "baixo clero".
A deputada rebateu: "Se estamos eleitos, todos aqui somos iguais. Sempre estive disposta a propor uma agenda do país e não a grupos partidários".
A reunião acontece no Plenário 3, e deve ouvir hoje, o criador do perfil "Dilma Bolada".

Globo Play leva TV aberta para PCs, tablets e smartphones. Confira o teste


Testamos o lançamento que marca o maior avanço da emissora em direção ao mundo dos aplicativos. Conheça os recursos

27/10/2015 - 19h01 - Atualizado 28/10/2015 20h40
Marina Ruy Barbosa será Eliza, em Totalmente demais. Novela terá capítulo zero para usuários do Globo Play (Foto: Renato Rocha Miranda/Globo)

Na próxima terça-feira (3/11), a Rede Globo estreará o Globo Play, um aplicativo que unificará a transmissão do conteúdo da emissora nas plataformas digitais. O app é gratuito e estará disponível para smartTVs, além de smartphones e tablets. Há também uma versão para notebooks e desktops.

O aplicativo oferece toda a programação da TV aberta para que o espectador possa assistir no horário e da forma que preferir. Há também a transmissão ao vivo por streaming, disponível por enquanto para usuários da cidade de São Paulo e do Rio de Janeiro.
Desde ontem, estamos testando uma versão de testes do aplicativo. Listo alguns dos recursos mais interessantes.

Acesso em qualquer lugar
O grande trunfo do aplicativo é dar flexibilidade para assistir aos jornais, novelas e séries na hora em que for mais conveniente e no aparelho que você quiser. É possível tanto assistir ao conteúdo na íntegra (no caso de novelas e séries, é preciso ser assinante), quanto por trechos. No Jornal Nacional, você escolhe quais as reportagens vai assistir. No caso de uma novela, se você pegou o início na TV e precisou sair, depois pode ver apenas as cenas restantes.

O aplicativo foi desenhado respeitando cada plataforma. O da TV é diferente do que é acessado pelo tablet, que é diferente do acessado pelo smartphone. Isso torna a experiência melhor e mais intuitiva.

Conteúdo exclusivo
A ideia da Globo não é apenas reproduzir o conteúdo da TV aberta, mas oferecer também uma programação exclusiva aos usuários do aplicativo. O primeiro teste será feito com a próxima novela da 7, Totalmente demais. Quem tiver o Globo Play poderá assistir a um "capítulo zero", que vai ao ar antes da estreia do primeiro capítulo da novela.

Ao vivo
A programação ao vivo funcionou muito bem. Ela coincide com a grade da emissora na TV levando em conta a sua localização. Ou seja, se estiver no Rio de Janeiro, o aplicativo irá mostrar o RJTV. Em São Paulo, o SPTV. Em breve, outras cidades terão acesso à programação ao vivo.
Aqui vale um lembrete importante. Vídeo consome bastante capacidade da banda larga. O aplicativo foi concebido para funcionar em qualquer tipo de conexão (Wi-Fi ou 3G/4G), mas é bom tomar cuidado com o plano de dados. Se alguém assistir a dois jogos de futebol na íntegra usando o 4G, provavelmente irá esgotar a franquia do mês em menos de quatro horas.

Se estiver no estádio de futebol sem Wi-Fi, vale a pena abrir o ao vivo apenas para os replays de gols e lances polêmicos.
Streaming em 4K
A Globo já tinha câmeras captando imagens de diversos programas em resolução 4K (a evolução do full HD). Agora, as TVs 4K compatíveis com o Globo Play também farão a transmissão de conteúdo por streaming. Isso dependerá de uma conexão de pelo menos 30 mbps.  
 veja vídeos
 
Série da Globo transmitida por streaming em TV 4K (Foto: Bruno Ferrari)
Integração com as redes sociais
Hoje você pode pegar uma reportagem de ÉPOCA ou de O Globo e compartilhar nas redes sociais com botões de atalho que ficam no início ou no final do texto. Com o Globo Play, conteúdos da TV são compartilháveis de uma forma muito similar.
Navegação pelo acervo
É muito simples navegar pelo histórico de programas no ar e também pelos que fazem parte do acervo. Cada programa está identificado por um ícone com foto e titulo. Para cada um deles, há um menu de navegação. Dá para selecionar os capítulos ou edições que você perdeu pela data.
Há também programas que fizeram parte da programação da Globo desde 2010. A novela Império, por exemplo, está lá na íntegra, assim como programas de comédia e séries que passaram na Globo nos últimos cinco anos. A emissora diz que, em breve, conteúdos produzidos anteriormente também estarão disponíveis.
Recursos que entrarão no ar em breve
Há alguns recursos ainda não disponíveis no Globo Play, mas que deverão entrar no ar em breve.
A oferta de conteúdo com base no seu perfil de uso é um exemplo. Ele levará em conta o seu histórico de acesso e o tipo de programação que você curte no aplicativo.
Também deve estar disponível a partir de janeiro a integração com o Chromecast, dispositivo que você conecta à TV e permite que você “jogue” o conteúdo do smartphone ou do tablet direto para a televisão.

Versão para Windows mobile e consoles ainda estão em estudo.

Disponibilidade
A versão final do aplicativo estará disponível para download a partir do dia 3 de novembro nas lojas de programas de smartphones e tablets.

Confira uma versão ampliada da tela do aplicativo para smartphones:
 
Programação ao vivo será sincronizada com a grade local (Foto: Reprodução)


 

Eduardo Cunha aprova uso de R$ 400 milhões para obras de expansão da Câmara


Dinheiro pertence à Casa, segundo o deputado, e será usado para construir prédio de gabinetes, auditório, garagem subterrânea, lojas e restaurantes

REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 16h22 - Atualizado 29/10/2015 16h22
Presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, autorizou o início da expansão da Casa. Serão gastos R$ 400 milhões para obras que incluem o complexo de prédios apelidado de "parlashopping", de acordo com a Folha de S. Paulo. Além de um prédio de gabinetes e auditório, haverá garagem subterrânea, lojas e restaurantes.
"Esse dinheiro pertence à Câmara e é fruto da venda da folha de pagamento da Câmara há um tempo atrás. Não é do Tesouro. Não afeta o ajuste fiscal", definiu após reunião da Mesa Diretora da Casa.
Faltam resolver questões burocráticas para o início das obras, de acordo com Cunha. Havia o intuito de formar parcerias com empresas da iniciativa privada, mas o deputado disse que, por conta da situação econômica do país, não houve decisão sobre isso.

Eduardo Cunha revoga regras do impeachment que ele mesmo havia estipulado


Manobra é uma tentativa de impedir continuidade de liminares do Supremo Tribunal Federal

REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 16h35 - Atualizado 29/10/2015 16h35
O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) (Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados)
O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ),revogou nesta quinta-feira (29) as regras de tramitação de pedidos de impeachment no Congresso. As regras, chamadas de "rito do impeachment", foram elaboradas pelo próprio Cunha e questionadas no Supremo Tribunal Federal (STF).
Cunha apresentou, em setembro, as regras para analisar pedidos de afastamento da presidente, chamados de rito do impeachment. Por esse rito, a oposição pode recorrer ao Plenário caso ele rejeite um pedido de impeachment. Dessa forma, ele abriu caminho para uma manobra para facilitar a abertura do processo - ele rejeita o pedido e a oposição entra com recurso, levando o caso ao Plenário, onde poderia ser aprovado por maioria simples.
Parlamentares do governo, entretanto, questionaram essas regras na Justiça. No começo de outubro, os ministros do STF Teori Zavascki e Rosa Weber concederam liminares barrando o rito. Nas decisões, os ministros argumentaram que as regras para aprovar ou rejeitar pedidos de impeachment competem à legislação e à Constituição. Portanto, Cunha não poderia ter "decidido sozinho" qual o caminho para o impeachment.
Ao revogar suas próprias regras, Cunha espera que as liminares sejam extintas por “perda de objeto” pelo STF. Segundo o portal G1, Cunha teme que as liminares do STF possam, de alguma forma, atrasar um possível processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Com o fim do rito de impeachment, as regras utilizadas para o processo devem seguir o caminho determinado pela Constituição.

Lula: "Serão três anos de pancadaria, mas vou sobreviver"


Ex-presidente discursou durante reunião do Diretório Nacional do PT nesta quinta-feira (29)

REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 17h32 - Atualizado 29/10/2015 17h54
Lula na reunião do Diretório Nacional do PT (Foto: Jorge William/ Agência O Globo)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quinta-feira (29), durante reunião do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores, que sobreviverá à "campanha de criminalização e de ódio promovida contra ele": "Serão três anos de pancadaria, mas eu vou sobreviver", declarou.
"Tem uma coisa que aprendi: enfrentar a diversidade. Podem ficar certos: eu vou sobreviver. E eles, terão a credibilidade que imaginam?", questionou o ex-presidente, que citou que o PT vive omaior bombardeio da história do país, "sendo atacado 24 horas por dia".
Segundo o G1, o presidente do PT, Rui Falcão, criticou o que classificou de "ataque odioso" à família do ex-presidente
"É preciso acabar com a ofensiva que se dirige ao governo, à presidenta, ao nosso partido e à nossa liderança maior que é o presidente Lula. Há uma campanha coordenada para nos fragilizar. […] E agora tem esse ataque odioso à família do presidente Lula e, simultaneamente ao companheiro Gilberto Carvalho", disse Falcão.
Falcão se refere à Operação Zelotes, da Polícia Federal (PF), que cumpriu, na última segunda-feira (26), mandado de busca e apreensão na empresa LFT Marketing Esportivo, em São Paulo, que pertence a Luis Claudio Lula da Silvaum dos filhos de Lula. A operação investiga fraudes e tráfico de influência no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). 
No mesmo dia, o ex-ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência do governo Dilma e ex-chefe do gabinete pessoal do ex-presidente Gilberto Carvalho foi apontado pela PF como o principal interlocutor de lobistas que atuaram no governo Lulapara a aprovação da Medida Provisória 471, em 2009 -- que concedeu benefícios fiscais a empresas automotivas. Segundo representação da PF pedindo busca e apreensão na terceira fase da Zelotes, à qual ÉPOCA teve acesso, Carvalho seria o principal contato dos sócios da consultoria SGR. O Ministério da Fazenda e a Receita Federal pediram a quebra dos sigilos fiscal e bancário de ambos.
Segundo o G1, Lula atribuiu parte da atual crise à "mudança de discurso" de Dilma Rousseff em relação às promessas da campanha eleitoral do ano passado. Na avaliação de Lula, a presidente está fazendo exatamente o que afirmou que não faria enquanto tentava conquistar mais um mandato.
Logo no início da reunião do Diretório Nacional, o PT fez uma homenagem ao ex-presidente da sigla e ex-presidente da Petrobras José Eduardo Dutra, que morreu no dia 4 de outubro deste ano. 
"Zé Eduardo era um homem que não flertava com as elites, mas era um homem amplo de grandes debates políticos. Sou testemunha do grande líder que ele foi para esse partido", disse o secretário de Finanças do PT, Márcio Macêdo.

Momentos do lançamento da "nova marca" do TURISMO de Colombo































Presidente do Uruguai salva vida de jovem em pleno voo


POR EQUIPE DO BLOG
Tabaré Vázquez, à esquerda, já em Paris com o presidente francês François Hollande
A dupla profissão do presidente uruguaio Tabaré Vázquez ajudou uma jovem francesa durante um voo que seguia para Paris. Segundo o jornal La Nacion, Elody, de 14 anos, sofreu uma reação alérgica durante a viagem. Vázquez e a comitiva foram alertados de que a adolescente estava passando por um quadro grave de alergia que poderia sufocá-la a qualquer momento. O presidente, que é médico de formação, e seu médico pessoal, Mario Zelarayán, auxiliaram na medicação via oral e intravenosa.
Por pouco, a tripulação não fez um pouso de emergência no Brasil. Vázquez informou que a situação estava sob controle e não seria mais necessário. A situação foi realmente grave. De acordo com Zelarayán, Elody já 'estava com a garganta quase fechada' antes de receber a medicação.

PM admite erro em tiro que causou duas mortes na Pavuna, Rio


Policial teria confundido macaco hidráulico com arma ao atirar.
Moradores fizeram protesto após as mortes, incendiando um ônibus.

Do G1 Rio
Um sargento do 41º BPM (Irajá) admitiu em depoimento na 39ª DP (Pavuna) que errou ao atirar contra dois ocupantes de uma moto na Pavuna, Subúrbio do Rio, no fim da tarde desta quinta-feira (29). As duas vítimas morreram e moradores fizeram um protesto na comunidade. Um ônibus foi depredado e incendiado.
Testemunhas afirmaram que o garupa da moto segurava um macaco hidráulico. O policial pensou que se tratava de uma arma e atirou. O condutor perdeu o controle da direção e a moto bateu em um muro, matando os dois ocupantes.

Em nota, a Polícia Militar informou que o sargento confessou o ato e destacou que as famílias das duas vítimas receberam "solidariedade e apoio" por parte do comando do 41º BPM.

O caso será investigado pela Divisão de Homicídios, que realizou a perícia no local onde os dois rapazes foram mortos.
Protesto
Um ônibus da linha 372 (Pavuna-Passeio) fui apedrejado e incendiado na Avenida Automóvel Clube após as duas mortes. Policiais militares conseguiram apagar o fogo no coletivo, que foi esvaziado antes de ser depredado por cerca de dez jovens com os rostos cobertos por camisetas.
Em nota, a Rio Ônibus manifestou "repúdio" ao ataque. Segundo um levantamento do sindicato, 19 ônibus foram queimados neste ano na cidade. "Com o ataque de hoje, cerca de 70 mil passageiros potencialmente deixarão de ser transportados durante o período de reposição. O prejuízo acumulado com os 19 ataques em 2015 já soma R$ 6,4 milhões", diz o texto