Parentes decidem procurar por Emanuele, desaparecida em Mariana - MG


A menina de 7 anos está entre os 28 desaparecidos de Bento Rodrigues.
'Não encontramos nada, só aquela cena horrível', disse namorado da tia.

Raquel FreitasDo G1 MG
Três dias depois de Bento Rodrigues ser devastado pelos rejeitos de duas barragens que se romperam, a família da pequena Emanuele Vitória, de 7 anos, decidiu procurar a menina por conta própria. Neste domingo (8), parentes estiveram no distrito, com a esperança de localizar a criança.(veja vídeo)
Emanuele Vitória, 5 anos, desaparecida após rompimento de barragem (Foto: G1)Emanuele Vitória, 5 anos, desaparecida após
rompimento de barragem (Foto: G1)
Carlos Augusto de Paula, de 33 anos, é namorado de uma das tias da crianças e e afirma que não teve medo de ir até o local assolado por lama. Ele conta que  decidiu, junto a três cunhados e um amigo, fazer buscas por conta própria por causa da falta de informação.
Segundo Carlos, eles caminharam no meio do mato e no meio do barro. "Nós estávamos com facão, quebramos peito adento, cortamos mato, passamos por dentro de um brejo. Fomos abrindo caminho até achar uma trilha. (....) Infelizmente, não encontramos nada, só aquela cena horrível", diz.
 
Carlos falou que tiveram que interromper as buscas quando chegaram perto dos bombeiros, e os militares pediram que eles deixassem o local.
Débora Monteiro da Silva, de 33 anos, é namorada de Carlos e tia da garota. Esperançosa, ela conta o que diria para a sobrinha se a reencontrasse. "Se eu tivesse oportunidade de falar alguma, até nome dela já diz, Emanuely Vitória, [diria que] ela é uma vitoriosa", afirma.
De acordo com nova lista de desaparecidosdivulgada neste domingo (8), estão 13 homens que trabalhavam na Samarco na hora do rompimento, 12 moradores de Bento Rodrigues e um do distrito de Camargos. Na lista há quatro crianças e um bebê de 3 meses.
Segundo a Prefeitura de Mariana, dois homens que estavam desaparecidos foram encontrados em hoteis.
Rompimento
As barragens de Fundão e de Santarém se romperam e liberaram 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério e água.
O rompimento destruiu 158 das 180 casas do distrito de Mariana. Depois que a lama baixou, só 22 residências estavam de pé. Centenas de pessoas seguem desabrigadas. A força-tarefa reúne bombeiros de Belo Horizonte, Itabirito e Ouro Preto, integrantes da Defesa Civil e do Exército.

Fisiculturista já estava morta quando caiu de prédio no PR, apontam laudos


Linha de investigação inicial indicava que ela teria se jogado.
Namorado passou a ser o principal suspeito pelo crime.

O Fantástico teve acesso com exclusividade ao relatório da exumação do corpo da fisiculturista, Renata Muggiati, que caiu do prédio onde morava com o namorado no centro de Curitiba. O que aconteceu na madrugada da queda ainda é um mistério, mas o novo laudo aponta que a instrutora de educação física foi asfixiada. Vejas também a reconstituição no vídeo acima.(assista ao vídeo)

Toneladas de lixo chegam a cidade de Rio Doce, a 91 quilômetros de Mariana


Rejeitos das barragens de Fundão e Santarém tomaram o rio da região. 
'A situação é calamitosa', disse o prefeito Silvério Joaquim Luz.

Thais PimentelDo G1 MG
Animais mortos, restos de madeira, pedras e muita lama tomaram grande parte do Rio Doce, na altura da cidade de mesmo nome, a 91 quilômetros de distância de Mariana, na Região Central de Minas Gerais. “A gente não sabe o que fazer com tanto lixo. A situação é calamitosa”, disse o prefeito Silvério Joaquim da Luz.(veja vídeo)
O município foi afetado pelo rompimento das barragens de Fundão e Santarém, ambas da mineradora Samarco, nesta quinta-feira (5), no distrito de Bento Rodrigues, liberando 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro e água.
A cidade de Rio Doce foi tomada pela sujeira, segundo prefeito (Foto: Prefeitura de Rio Doce/Divulgação)Rio Doce foi tomado pela sujeira, segundo prefeito da cidade de mesmo nome (Foto: Prefeitura de Rio Doce/Divulgação)
“Os danos ambientais são absurdos. Com um século não vai recuperar e voltar o que era antes”, contou Luz.
Dois vídeos divulgados pela prefeitura mostram um lago, que dá nome a cidade, antes e depois da tragédia. Ele fica no município vizinho de Santa Cruz do Escalvado e era muito visitado pelas pessoas da região. As pessoas costumavam pescar, nadar, praticar esportes aquáticos e passear de barco.
Hoje, não há água, apenas lama. Um dos barcos usados no passeio foi “expulso” do rio. Ele foi colocado às margens do local. Segundo o prefeito, também não há mais peixes no local.
Por causa da lama, muitos peixes morreram no Rio Doce (Foto: Prefeitura de Rio Doce/Divulgação)Por causa da lama, muitos peixes morreram no Rio
Doce (Foto: Prefeitura de Rio Doce/Divulgação)
“Peixes? Todos mortos. Não existem mais peixes no rio Doce. Milhares e milhares de toneladas de madeira e animais mortos. Não vai demorar pra que vire uma questão de saúde pública”.
Ainda de acordo com o prefeito, a Samarco se comprometeu a ajudar na limpeza.
“Apenas a defesa civil está aqui. A situação é desesperadora. Não há o que fazer. Não sabemos o que fazer com tanto lixo aqui”, desabafou.
Sistemas de abastecimento
A Agência Nacional de Águas (ANA) recomendou que os sistemas de abastecimento interrompam a captação das águas afetadas pela lama liberada pelo rompimento de barragens de rejeitos de mineração no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana.
"A natureza do resíduo em questão implica em grandes alterações temporárias das características da água bruta, por tempo indeterminável neste momento", afirmou a agência. A captação deve ser retomada somente "a partir da melhoria das características físico-químicas da água, considerando suas possibilidades de potabilização" e não há como prever quanto tempo deve durar a interrupção.
Em entrevista ao G1, a coordenadora do núcleo de emergências do Ibama de Minas Gerais, Ubaldina da Costa Isaac, explicou que os rejeitos de minério de ferro, compostos por óxido de ferro e areia, não são tóxicos. O material, no entanto, altera a qualidade da água porque a deixa com muitos sólidos em suspensão.

Ao ir adotar gato, menino encontra seu amigo perdido há 18 meses e vai às lágrimas


ReproduçãoReprodução

Se poucas coisas no mundo são tão puras quanto o sentimento de uma criança, o que dizer quando o amor se dá em torno de um animal? Bem, só pode resultar em uma história extremamente emocionante.

E foi isso o que aconteceu com o pequeno Ronnie, de cinco anos, que vive nos Estados Unidos. Desolado pela perda de seu gato de estimação, Phoenix, ele teve uma surpresa muito agradável quando resolveu adotar um novo felino.

Ao chegar com sua mãe em um abrigo de Phoenix, ele foi às lágrimas ao se dar conta de que ali estava o seu amigo, desaparecido há um ano e meio. Um verdadeiro milagre, considerou a família. Após muita luta para achar o animal, a busca terminou dessa maneira completamente inesperada.

ReproduçãoReprodução

“Nós fomos até o abrigo para escolher um novo gato, depois de um ano e meio de sofrimento, ele [Ronnie] já havia desistido, estava realmente triste. Foi então que vimos Phoenix e Ronnie se encheu de felicidade, gritando e chorando de alegria”, conta a mãe do menino.

De acordo com o abrigo onde Phoenix foi encontrado, o animal foi deixado lá por uma pessoa que o encontrou perdido na rua. Sem condições de cuidar do gato, ele o deixou para ser examinado por especialistas e ser adotado.

Os veterinários do abrigo examinaram Phoenix e descobriram o chip de identificação do animal. Ao chegarem no endereço fornecido, porém, viram que a família havia se mudado de lá há algum tempo. Por conta disso, o gato acabou ficando no abrigo até ser adotado. Mal sabia ele que, no fim, apenas voltaria para sua verdadeira casa.

O último abraço de um menino antes de ser engolido pela lama em Minas

Thiago Santos abraçou sua avó Darci quando começou o desmoronamento. "Jesus, me ajude!", foram as últimas palavras do menino de sete anos antes de a avalanche de lama o engolir para calar sua voz.
Seu nome está na lista de desaparecidos de Bento Rodrigues, o povoado que ficou devastado pela fúria do tsunami gerado pelo rompimento de dois depósitos com resíduos de minério de ferro e água.
"Minha vida acabou, antes lutava por ele, saía para trabalhar por ele, para lhe dar um futuro. Agora não tem sentido, continuar para que?", lamenta, devastada, a mãe de 28 anos, Geovana Aparecida Rodrigues, com os olhos vermelhos de tanto chorar.
A avó, Darci Francisca dos Santos, de 58, sobreviveu. Foi encontrada a 500 metros de sua casa e está se recuperando no hospital.
Medo
Geovana passa grande parte da semana fora de Mariana, trabalhando como soldadora perto de São Paulo. Darci cuidava de Thiago de segunda a sexta-feira em Bento Rodrigues, onde o menino frequentava a escola.
Passavam os finais de semana juntos.
Um dos maiores medos do menino, relembra a mãe, era precisamente morrer afogado. Em uma ocasião, Geovana pulou na água para resgatá-lo de uma piscina funda na qual o menino entrou para buscar uma bola.
"Neste dia me disse: 'mamãe, quase morri, mas você me salvou'. Desta vez não pude salvá-lo", relata soluçando.
Nesta fatídica quinta-feira, o menino estava em casa quando começou o desmoronamento: 55 milhões de metros cúbicos de resíduos minerais misturados com 7 milhões de m³ de água derramaram para destruir 80% de Bento Rodrigues.
"No momento em que ouviram o barulho da água sua avó se aproximou e o abraçou no quarto, enquanto entrava a avalanche de lama. Aí começou: Jesus, me ajude! Jesus, me ajude... até que não o escutou mais, a lama o havia engolido", narrou Geovana à AFP.
Não está claro por que não saíram correndo, por que optaram por ficar em casa. A avó se recupera.
Em todo caso, e embora ainda lhe reste um pouco de esperança - "para Deus nada é impossível", rezou -, Geovana passa as horas chorando a ausência de seu filho.
Pessimismo
Os bombeiros se negam a declarar como mortos os 28 desaparecidos nesta tragédia. Até agora foram confirmadas duas mortes pela catástrofe.
"Trabalhamos até o último minuto na busca de vidas, em nenhum momento vamos trabalhar na busca de corpos", declarou o comandante geral dos bombeiros de Minas Gerais, coronel Luiz Gualberto Moreira.
São 58 bombeiros especializados em resgate distribuídos em toda a zona afetada, que além de Bento Rodrigues castigou outros cinco distritos. Sete helicópteros prestam apoio aéreo.
As equipes de resgate estão abrindo buracos na lama para que um cão treinado fareje qualquer rastro de vida... ou morte.


Mas os dias passam e a esperança começa a apagar o otimismo de algumas autoridades.
"Não quero tirar a esperança de ninguém, pode ser que consigamos resgatar alguém com vida, mas à medida que vai passando o tempo a esperança vai diminuindo", reconheceu o governador Fernando Pimentel.
Em paz
Como Geovana, Marcelo Felício não acredita que sua mãe apareça com vida.
Marcelo trabalha na mina onde ocorreu o incidente e se culpa por não ter se mudado antes deste lugar onde cresceu, sabendo dos riscos que implicava viver sob este depósito.
Estava no escritório e saiu desesperado rumo à casa quando escutou os alarmes. Sua família e a de sua esposa viviam lá.
"Quando cheguei estava tudo inundado, tive que dar uma volta. Ao chegar estava todo mundo desesperado, tive notícias de que meu irmão, meu cunhado e sobrinha estavam bem, a família de minha esposa também, mas depois me disseram: 'sua mãe não estava na casa de sua irmã'", recordou.
Maria das Graças Celestino da Silva, de 65 anos, estava na casa de Marcelo quando começou o desastre.
"Quando soube fechou a porta de casa e saiu correndo, mas como ela estava velhinha a lama a alcançou", relatou.
"Se ela estiver viva será uma alegria imensa tê-la novamente, mas se Deus decidiu levá-la espero que esteja em paz, porque foi uma grande mãe, a amo muito", completou antes de romper em lágrimas.

Galo vence o Figueirense no final e adia título do Corinthians


Gazeta Press 
Campeonato Brasileiro / 34a rodada / Figueirense x Atlético-MG
.
Exibir foto
Partida entre Figueirense X Santos pela 34ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro 2015 no final de tarde deste sábado em Florianópolis, Santa Catarina no estádio Orlando Scarpelli.
Sem ressaca! Com um gol nos minutos finais e grande atuação de Victor, o Galo venceu o Figueirense por 1 a 0, no Orlando Scarpelli e mostrou poder de reação no Campeonato Brasileiro após sofrer uma pesada derrota, na rodada passada, para o líder Corinthians, no Independência. Com a vitória, o time mineiro, ao menos, mantém a distância de três pontos para o terceiro colocado Grêmio, que ainda enfrenta o Sport, e adia o hexacampeonato do Timão.
Pelo lado do Figueirense, a derrota em casa deixa a equipe catarinense em situação de alerta no Brasileirão. Com 36 pontos, na 15ª posição, o time catarinense permanece a dois pontos da zona de rebaixamento, sendo que, na próxima rodada, enfrenta a Ponte Preta, que briga pelo G4, no dia 18 de novembro (quarta-feira), às 21h (de Brasília), no Moisés Lucarelli.
Cada vez mais próximo de assegurar uma vaga na Libertadores, o Galo precisa apenas uma vitória sobre o São Paulo, no dia 19 (quinta-feira), às 21h, no Morumbi, para garantir presença na competição continental no ano que vem.
O Jogo – Buscando dar uma resposta positiva após a derrota para o Corinthians, no último domingo, o Galo começou a partida pressionando o Figueirense, mesmo jogando fora de casa. Mostrando força pelos lados do campo e muita posse de bola, o Atlético-MG conseguiu duas boas chegadas ao ataque com Luan e Pratto, mas em ambas as jogadas a zaga catarinense esteve bem posicionada para aliviar o perigo.
A pressão atleticana não rendeu nenhum lance de real perigo, mas por outro lado, o Figueirense, logo em sua primeira oportunidade, quase marcou com Clayton, que recebeu livre na área, mas chutou para fora. O atacante da equipe catarinense ainda perderia outra boa chance, ao girar na área e arrematar para fora, ilustrando a melhora do Figueira, mais presente no campo de ataque na metade do primeiro tempo.
Exibir foto
.
O jogo quase mudou completamente aos 22 minutos. Leonardo Silva, já amarelo, acabou recebendo o segundo amarelo e foi expulso, após o arbitro apontar um toque de mão do zagueiro atleticano. No entanto, o auxiliar confirmou ao juiz que a bola tocou na barriga do defensor – o que realmente aconteceu – e a arbitragem acabou retirando o cartão vermelho dado ao capitão atleticano. Diante da grande polêmica do primeiro tempo, a torcida não se calou e mostrou sua indignação nas arquibancadas.
Após a trapalhada da arbitragem, ambas as equipes se perderam na criação das jogadas, contudo, o Figueirense, nos minutos finais, ainda fez uma pressão, mas sem a organização necessária para marcar.
No segundo tempo, o Figueirense foi quem entrou com tudo no gramado. Exercendo uma grande pressão, o time catarinense por muito pouco não marcou com Carlos Alberto, que tirou do goleiro Victor, e Jemerson cortou o lance antes de a bola ganhar as redes.
O lance esquentou ainda mais o time catarinense na partida, mas Victor jogou água na fervura ao fazer milagre em chute de Carlos Alberto que, sozinho na área, acabou parando no goleiro atleticano. Após a pressão do Figueira, o Galo buscou responder em finalizações perigosas de Thiago Ribeiro e Leandro Donizete, sendo que, nesta última, Alex Muralha foi obrigado a fazer belíssima defesa.
Os dois bons lances no campo de ataque animaram o Atlético-MG que ensaiou uma pressão na parte final do segundo tempo. O Figueirense parava na solidez defensiva do Galo e não conseguia manter a posse de bola como fez no começo da etapa complementar.
Com isso, o clube mineiro quase marcou em cabeçada de Luan, após cruzamento de Douglas Santos, que passou perto do gol de Alex Muralha. Ainda no final, o goleiro do Figueira espalmou chute cruzado perigoso de Thiago Ribeiro, em contra-ataque veloz da equipe mineira.
Estava desenhado e no final da partida, após belo contra-ataque, o Galo trocou passes rápidos até a bola chegar para Dátolo abrir o placar. Ainda nos minutos finais, Victor fez mais um milagre na partida em chute de Celsinho, garantindo a vitória atleticana.
FICHA TÉCNICA
FIGUEIRENSE-SC 0 X 1 ATLÉTICO-MG
Local: Estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC)
Data: 08 de novembro de 2015 (domingo)
Horário: 17h (de Brasília)
Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza (CBF-SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (FIFA-SP) e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (CBF-SP)
Cartões Amarelos: Leandro Silva e João Victor (Figueirense); Leonardo Silva, Marcos Rocha, Jemerson e Douglas Santos (Atlético-MG)
GOL: Dátolo aos 44 minutos do segundo tempo
FIGUEIRENSE: Alex Muralha; Leandro Silva, Marquinhos, Thiago Heleno e Juninho; João Victor, Fabinho, Rafael Bastos (Marcão) e Carlos Alberto (Marcelinho); Clayton e Thiago Santana (Celsinho)
Técnico: Hudson Coutinho
ATLÉTICO-MG: Victor; Marcos Rocha (Patric), Leonardo Silva, Jemerson e Douglas Santos; Rafael Carioca, Leandro Donizete, Dátolo, Giovanni Augusto e Luan (Tiago); Pratto (Thiago Ribeiro)
Técnico: Levir Culpi