Candidatas começam preparação para a Rainha da Festa da Uva 2016 de Colombo


WEBMASTER 9 DE NOVEMBRO DE 2015

Número de inscritas supera a expectativa e disputa promete ser uma das mais acirradas das últimas edições

A Casa da Cultura também estava no roteiro de visitas
A Casa da Cultura também estava no roteiro de visitas
Durante está semana será realizada uma programação especial com as candidatas
Durante está semana será realizada uma programação especial com as candidatas
 Candidatas conhecem pontos turísticos do município para preparação do concurso Rainha da Uva 2016
Candidatas conhecem pontos turísticos do município para preparação do concurso Rainha da Uva 2016
O concurso que irá eleger a rainha da 53ª Festa da Uva de Colombo, que acontece no próximo dia 14, promete ser um dos mais concorridos dos últimos tempos. Isso deve-se ao número expressivo de candidatas que pretendem concorrer ao título, serão 26 meninas em busca da coroa. E, para garantir a preparação de todas as concorrentes, uma programação foi planejada para a semana que antecede a disputa.
A preparação das candidatas teve início no último sábado, (07), com a visita em pontos turísticos do município. A Casa da Cultura, Gruta do Bacaetava e o Parque Municipal da Uva fizeram parte do roteiro do passeio, que também passou por uma vinícola – onde o processo de fabricação do vinho foi apresentado.
“A uva é um dos símbolos da nossa cidade e dá nome a festa, portanto aprender sobre o processo de fabricação do vinho é importante para que as candidatas possam compreender o sentido da Festa da Uva”, afirma o secretário de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho, Antônio Milgioransa.
Nos próximos dias ocorrerão os primeiros ensaios fotográficos e de passarela, além de uma breve palestra no Museu Municipal Cristóforo Colombo sobre o município.
O Concurso
Durante o concurso as candidatas serão avaliadas por sete jurados renomados, os critérios de avaliação serão divididos em três quesitos: comunicação, estética e desenvoltura. Neste ano, as concorrentes têm idade entre 17 e 24 anos, todas moradoras do município. A escolha da Rainha da Festa da Uva acontece no próximo sábado, (14), no Pavilhão de Eventos do Parque Municipal da Uva e será aberta ao público.
A diretora do Departamento de Cultura, Rita Straioto, destaca a importância do papel das candidatas eleitas. “Elas serão as anfitriãs desta festa que representa muito para a cultura do nosso povo. Um povo trabalhador e hospitaleiro que já está se preparando para receber a todos com muito carinho”, afirma.
Acompanharam a visita das candidatas representantes do Departamento de Cultura, Rosemari Barcik e Maria do Rocio Bertolini, e a atual Miss Colombo, Mayara Pavin.
Serviço:
Concurso Rainha da Festa da Uva 2016
Data: 14 de novembro
Horário: 21h
Local: Pavilhão de Eventos do Parque Municipal da Uva
Endereço: Marechal Floriano Peixoto, 8771 – Centro
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Marcio Fausto/ PMC

Jovem morre após beber lança-perfume por engano durante festa


Stefanny teria confundido a droga com uma bebida alcoólica Foto: Facebook / Reprodução
Júlia Zaremba
Tamanho do texto A A A
Uma jovem de 25 anos morreu no último sábado após beber lança-perfume por engano durante uma festa em Hortolândia, interior de São Paulo. De acordo com informações do boletim de ocorrência da Polícia Civil, Stefanny Jaqueline Sebastião dos Santos confundiu a droga, que estava em uma garrafa, com uma bebida alcoólica. A vítima foi encaminhada em estado grave para a UPA do bairro Jardim Amanda e, depois, transferida para o Hospital Municipal Governador Mário Covas, mas não resistiu à overdose.
Incidente ocorreu por volta das 5h, em Hortolânida
Incidente ocorreu por volta das 5h, em Hortolânida Foto: Facebook / Reprodução
Um colega de Stefanny relatou à polícia que os dois foram a diversos bares na noite de sexta-feira. O incidente ocorreu por volta das 5h de sábado, durante uma festa realizada em uma chácara. A garrafa estaria nas mãos do rapaz, que tentou pegá-la de volta, mas a jovem já havia ingerido a substância. Em seguida, relatou, a vítima caiu no chão e foi encaminhada para a UPA.
Stefanny vivia na cidade de Monte Mor, em São Paulo, e deixa duas filhas. O enterro da jovem foi realizado no Cemitério da Saudade, em Sumaré, no domingo.
— A família está acabada. Ela tinha apenas 25 anos. Era uma menina muito boa, de família, bem educada, além de uma boa mãe. Gostava de sair aos fins de semana, como qualquer jovem. Não usava drogas, só gostava de beber uma cervejinha — contou uma tia de Stefanny, que não quis ser identificada.
Nas redes sociais, familiares e amigos lamentaram a morte da jovem. “Não é possível, não dá para acreditar que você partiu (...) tão nova, com duas menininhas para cuidar e amar (...) vai com Deus, meu amor (...)”, escreveu uma prima.
O caso é investigado pela Delegacia de Hortolândia. O EXTRA entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo para apurar o andamento das investigações, mas ainda não obteve retorno.
O caos é investigado pela Delegacia de Hortolândia
O caos é investigado pela Delegacia de Hortolândia Foto: Fa


4ª Feira de Adoção de Animais e Conscientização Aumigos de Colombo será realizada no dia 22


WEBMASTER 9 DE NOVEMBRO DE 2015

O evento tem como objetivo sensibilizar a população e incentivar a adoção de animais abandonados

animais
Está à procura de um amigo de quatro patas? A Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Meio Ambiente realizará no próximo domingo, dia 22 a Feira de Adoção de Animais e Conscientização “Aumigos” de Colombo. A feira terá início a partir das 9h, no Parque Municipal da Uva. “Eventos como este promovem a conscientização da sociedade em relação a assuntos como a guarda responsável”, enfatiza o Secretário de Meio Ambiente, Evandro Busato.
Durante o encontro, cães e gatos, filhotes e adultos serão encaminhados para a adoção. Os animais disponíveis para serem levados para casa já estão vacinados e castrados. “Nosso objetivo é sensibilizar a população e incentivar a adoção de animais abandonados. O evento não recolhe animais, mas, é aceito ração, medicamentos, jornais, cobertores e casinhas que já foram utilizadas”, afirma Busato.
Sobre a Cãominhada
Além das adoções, os visitantes podem levar seus cães para participar da Cãominhada, que terá início às 16h30. Um evento onde os cães e seus donos se reúnem para um passeio no Parque Municipal da Uva.
Já para conseguir um animal de estimação é necessário possuir 18 anos, apresentar RG, comprovante de residência e assinar o Termo de Adoção. Desde a primeira edição do evento, cerca de 50 animais foram adotados e ganharam um novo lar.
Serviço:
“4ª Feira de Adoção e Conscientização de “Aumigos” de Colombo” e Cãominhada
Data: 22/11/15 (Domingo) – Horário: das 9h às 17h
Local: Parque Municipal da Uva
Endereço: Rua Marechal Floriano Peixoto, 8771 – Centro
Contato: (41)3656-4849
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Alunos do projeto Pró-criando em Colombo comemoram o Halloween


WEBMASTER 9 DE NOVEMBRO DE 2015

Cerca de 300 crianças participaram das festas

A festa foi à fantasia e com direito a túnel do terror e corredores com cenários assustadores
A festa foi à fantasia e com direito a túnel do terror e corredores com cenários assustadores
alto da cruz 3
A festa contou com a presença das crianças, além de boa comida, dança e muita diversão
A festa contou com a presença das crianças, além de boa comida, dança e muita diversão
O Halloween, mais conhecido como o Dia das Bruxas, já é tradição no Pró-criando Alto da Cruz e todo ano, no mês de outubro, as 160 crianças que participam do projeto comemoraram a data.
A festa foi à fantasia e com direito a túnel do terror e corredores com cenários assustadores. Ao final da festa, as bruxinhas e monstros se divertiram na pista de dança. Cerca de 100 crianças do Pró-criando Santa Fé, também prestigiaram a festa no Pró-criando Alto da Cruz.
Já os alunos que participam do projeto Pró-criando Irmão Caçula, além de comemorar o Dia das Bruxas, festejaram também o Dia das Crianças. As festas aconteceram acompanhadas de boa comida, dança e muita diversão.
A Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Assistência Social apoiou os eventos realizados pelos coordenadores dos projetos. “Esses momentos proporcionam as crianças momentos de diversão e proximidade, fortalecendo as relações sociais e os laços de amizade. Além de garantir a alegria e diversão para a criançada,” afirmou a secretária Maria da Silva Souza.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Fotos: Divulgação/ PMC

Corrida para acelerar mineração no Brasil pode estar por trás de desastre em barragem

Reuters

Anthony Boadle e Alonso Soto
Em Brasília

Ampliar

Rompimento de barragens em Mariana (MG) deixa mortos e desaparecidos99 fotos

91 / 99
9.nov.2015 - Escombros da vila de Bento Rodrigues, destruída por uma enxurrada de lama após rompimento de barragens nos município de Mariana (MG). A cena na região é digna da passagem de um furacão. Há casas sem telhado, preenchidas quase por completo de lama, e carros lançados metros adiante. Só as casas mais afastadas ainda têm telhado Leia mais Moacyr Lopes Junior - 8.nov.2015/Folhapress
As companhias mineradoras frequentemente reclamam que a burocracia sem fim torna os negócios difíceis no Brasil, mas os promotores e ambientalistas dizem que o rompimento das barragens da mina de minério de ferro, que causou uma inundação massiva em Mariana (MG) na semana passada, aponta para lapsos na regulamentação.
As enchentes e o fluxo de lama mataram pelo menos duas pessoas e outras 25 ainda estão desaparecidas em um desastre que aconteceu dois anos após umestudo solicitado por um promotor alertar que as represas do Estado de Minas Gerais, rico em recursos minerais, poderiam entrar em colapso.
Arte/UOL
"Era evidente que esta barragem estava em risco", disse Carlos Eduardo Pinto, um promotor estadual que investiga a indústria mineradora, referindo-se à primeira barragem que cedeu, levando à ruptura de outra. Pinto está investigando se a barragem, um reservatório para água com rejeitos de mineração, estava muito cheia.
O rompimento das barragens aconteceu na quinta-feira em uma mina operada pela Samarco, uma joint venture entre a BHP Billiton, a maior empresa de mineração do mundo, e a Vale, maior produtora de minério de ferro.
Em 2013, quando a Samarco estava buscando a renovação de sua licença de operações, Pinto comissionou um estudo que descobriu um erro de design na barragem de rejeitos. Isto alertou que o aterro poderia ceder se ficasse saturado de água.
O Instituto Pristino, um grupo ambientalista composto por pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), recomendou que a companhia conduzisse um estudo sobre o rompimento de barragens e esboçasse um plano de contingências em caso de transbordamento. Mas a agência estatal licenciadora ignorou as recomendações e renovou a licença das minas uma semana após oestudo ser divulgado, em outubro de 2013.
O órgão ambiental do Estado responsável pela agência de licenciamento disse em um e-mail que o relatório recomendou apenas padrões industriais. Não disse se solicitou à companhia que reforçasse os padrões antes de renovar as licenças, embora tenha dito que uma auditoria independente na barragem em julho deste ano foi concluída e a estrutura estava estável.

Aumento de produção pode ter afetado barragens?

Os promotores estão investigando se o aumento da produção na mina pode ter afetado o volume do reservatório. A Vale disse que a mina da Samarco aumentou a produção no ano passado em 37 por cento com a adição de uma nova instalação de pelotas de minério de ferro.
Pinto disse que a companhia optou por acomodar o crescimento aumentando o muro da barragem, em vez de construir uma nova, o que pode teria sido mais caro, e ainda estava trabalhando nisto quando a barragem se rompeu.
A Samarco confirmou que estava conduzindo um trabalho de expansão na barragem, mas disse que ainda não poderia determinar uma causa para o rompimento. Um executivo da empresa disse em uma coletiva de imprensa no fim de semana que a Samarco nunca havia visto o relatório de 2013.
No domingo, o governador de Minas Gerais Fernando Pimentel procurou dissipar qualquer falha no processo de licenciamento. "Não acho que este acidente aconteceu devido a quaisquer erros no licenciamento ambiental", disse.
Entretanto, nesta segunda-feira (9), o governo de Minas Gerais embargou todas atividades da mineradora Samarco na região de Mariana, segundo nota da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

Governo indica regulamentação veloz

Como governador do Estado que detém centenas de minas que respondem por cerca de 5 por cento da economia local, Pimentel é a favor do licenciamento mais veloz. Desde que assumiu em janeiro, ele tem trabalhado em um projeto de lei, agora na assembleia estadual, que visa acelerar grandes projetos de mineração.
Embora um assessor do governo tenha dito que o Estado pode ter que repensar o ritmo acelerado das aprovações, isto é parte de uma diretriz para menos regulamentações em uma indústria que é uma das maiores do país e líder em fonte de receitas de exportação. Os defensores da indústria dizem que regulamentações excessivas causam atrasos e excessos de custos.
A mina de minério de ferro Minas-Rio, de US$ 14 bilhões, em desenvolvimento em Minas Gerais pela Anglo American, é o maior investimento estrangeiro da história no Brasil e custou mais que o triplo durante os sete anos que levou para conseguir as licenças.
Mas os reguladores e ambientalistas alertam contra a expedição de processos, especialmente considerando o histórico de rompimento em outras barragens de rejeitos nos últimos anos e a resposta inadequada dos governos a eles.
Especialistas dizem que catástrofes de represas e os custos associados com as limpezas estão crescendo ao redor do mundo porque as regulamentações e práticas de segurança não acompanharam as tecnologias modernas que permitem mega projetos em uma escala que não era possível anteriormente.

Desastres repetidos

O Brasil, que abriga uma grande indústria de mineração, teve inúmeros e repetidos desastres, especialmente no chamado "quadrilátero ferrífero", no qual a Samarco opera.
Em 2001, quando uma barragem de rejeitos de minério de ferro em Nova Lima se rompeu e cinco pessoas morreram, Minas Gerais tinha somente quatro geólogos e quatro engenheiros de minas para coordenar uma resposta, que incluiu a inspeção de centenas de minas ativas e um número desconhecido de instalações desativadas.
Mesmo assim, o Estado em 2007 descentralizou o licenciamento para nove escritórios regionais.
No ano passado, outra barragem de rejeitos na cidade de Itabirito se rompeu, matando três trabalhadores. Em resposta, Pinto, o promotor estadual, montou uma força tarefa e identificou mais de 200 barragens que precisavam de melhorias de segurança.
O acidente na semana passada já disparou ligações raivosas por legisladores federais para incluir segurança mais rigorosa e controles ambientais em uma proposta de código de mineração que está parada no Congresso há anos.
A proposta, esboçada no auge do recente boom das commodities, focava em royalties e aumento das receitas do governo, sem fazer menção à segurança ambiental.
"Este acidente trará consequências", disse o senador Delcídio Amaral, um influente político do Partido dos Trabalhadores, sugerindo que pode acelerar uma votação na proposta e pressionar para incluir normas federais mais rígidas.
Klemens Laschesfki, professor de Geociência da Universidade Federal de Minas Gerais, disse que o foco no crescimento econômico em vez do rigor na regulamentação levou a consequências que "não surpreendem ninguém".
Na Samarco, ele adicionou, "os riscou eram conhecidos por todos, desde a empresa até os políticos. O governo aprovou e esperou que nada acontecesse."

Prefeito de Mariana (MG) cobra punição, mas é contra fechar mineradora


Rayder Bragon
Colaboração para o UOL, em Mariana (MG)

  • Divulgação/Facebook
    O prefeito de Mariana (MG), Duarte Eustáquio Júnior
    O prefeito de Mariana (MG), Duarte Eustáquio Júnior
O prefeito de Mariana (MG), Duarte Júnior (PPS), defendeu nesta segunda-feira (9) que a empresa Samarco seja cobrada pelo rompimento de duas barragens, que destruiu o subdistrito de Bento Rodrigues, mas rechaçou que a empresa seja fechada. Se isso ocorrer, o prefeito disse que vai precisar "fechar" Mariana.
"Há a preocupação em indenizar quem perdeu tudo. Nós vamos trabalhar forte para que essas pessoas sejam indenizadas. Eu, como prefeito, não comungo com essa ideia porque a Samarco mineração gera mais de 400 empregos no meu município. Mais de 80% da nossa arrecadação advém da mineração. Se alguém começar a defender isso, estará me dizendo que vou ter de fechar Mariana", explicou.
Júnior pede que a empresa seja cobrada, mas que isso não impeça a continuidade da extração mineral.
O prefeito disse que uma reunião com a Samarco será feita para avaliar uma já prevista queda na arrecadação do município. "Quero que sejam apresentados números reais da queda da arrecadação para que eu comece para me preparar para tomar medidas infelizmente impopulares", salientou.
O prefeito adiantou que provavelmente programas sociais serão afetados.
"Com essa nova realidade, eu vou ter que me adequar para que eu possa fazer frente a esse novo momento. Mas isso vai depender de um estudo aprofundado. Mas se o impacto for muito forte, a redução de funcionários será necessária e áreas de extrema importância do município serão afetadas', salientou.

Aulas serão reiniciadas

Já em relação a medidas para tentar aliviar a situação precária dos desabrigados, ele adiantou que 172 alunos do ensino básico dos distritos de Bento Rodrigues e Paracatu vão ser alocados em escolas de Mariana, a partir da semana que vem, para que as aulas sejam reiniciadas.
Ele também adiantou que casas serão alugadas pela Samarco para famílias atualmente alojadas em hotéis da cidade. Em no máximo trinta dias, essa mudança deverá ser iniciada. Segundo ele, a empresa concordou com a demanda.

Fim de campanhas de arrecadação

O prefeito pediu para que as pessoas não iniciem novas campanhas de arrecadação de roupas, utensílios e de higiene pessoal para os desabrigados.
"O que nós temos pedido é que não comecem novas campanhas [de arrecadações de roupas e utensílios]. Peço que não se inicie novas campanhas porque a gente tem a preocupação e a responsabilidade de distribuir tudo para quem precisa", afirmou.
O prefeito disse ainda ter baixado um decreto no qual o dinheiro doado seja administrado por representantes da igreja, da prefeitura e dos atingidos pelo rejeito de minério de ferro.
Duarte Júnior saiu do hospital hoje, após ficar internado por um dia com suspeita de infarto.
Ampliar

Histórias da tragédia de Mariana (MG)12 fotos

4 / 12
'SE FOSSE À NOITE, MORRIA TODO MUNDO' A dona de casa Rosa Helena da Silva, 42, não pretende voltar para Bento Rodrigues, subdistrito de Mariana (MG). "A sorte nossa é que foi de dia. E se não fosse esse motorista do caminhão, a gente não tinha dado conta de sair de lá a tempo", afirmou chorando

Prostitutas recebem até R$ 30 mil e sustentam a casa em GO, diz UFG


Pesquisa aponta ainda que maioria exige uso de preservativo e é solteira.
G1 repercutiu os dados com profissionais do sexo que atuam em Goiânia.

Sílvio TúlioDo G1 GO
Prostitutas recebem até R$ 30 mil e sustentam a casa, diz estudo da UFG em Goiás (Foto: Sílvio Túlio/G1)Manoela (nome fictício) diz que optou pelo ramo por  'um nível de vida melhor' (Foto: Sílvio Túlio/G1)
Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Goiás (UFG) traçou um panorama de como é a atuação das mulheres que se prostituem em Goiânia. O estudo aponta que a maioria tem até 30 anos, exige relações com preservativo, é solteira e promove o sustento financeiro da casa e da família. Algumas delas chegam a receber até R$ 30 mil mensais.

G1 foi até a "região dos motéis", na capital, conhecida assim pela grande concentração destes estabelecimentos e de profissionais do sexo, e repercutiu os dados com algumas delas. Muitas reafirmaram os resultados do estudo (veja perfis, com nomes fictícios, abaixo).
O trabalho foi coordenado pelo professor Marcos André de Matos e se desdobrou em sua tese de doutorado na área de enfermagem. Ao todo, foram entrevistadas 402 mulheres. Para chegar a todas elas, ele usou um método diferente, chamado Respondent-Driven Sampling (RDS), que em em português significa "amostragem dirigida pelos participantes".
saiba mais

"Para obtermos o número mais abrangente possível, distribuímos questionários para sete 'sementes', prostitutas que tem uma grande rede de contatos com outras profissionais. Elas passavam as perguntas para outras três mulheres, estas para mais três e assim sucessivamente", explicou ao G1.
Desta forma, Matos conseguiu coletar dados das mais diversas profissionais que atuam nas ruas, bares, boates e cinemas eróticos. Os resultados eram entregues pessoalmente e todas as participantes tinham o sangue coletado para realização de exames, além de receber preservativos.
O experimento concluiu que 70% das mulheres têm até 30 anos. Metade do total ficou apenas nove anos na escola. A maioria, 80%, afirma possuir alguma religião.
É grande também a quantidade de entrevistadas que sustentam a casa e outras pessoas - 69%. Apenas 13% disse que não utiliza preservativo em todas as relações. O número de parceiros estáveis em uma semana chega a sete.
Prostitutas recebem até R$ 30 mil e sustentam a casa, diz estudo da UFG em Goiás (Foto: Sílvio Túlio/G1)Prostituta sendo abordada por cliente na 'região dos motéis', em Goiânia (Foto: Sílvio Túlio/G1)
'Nível de vida melhor'
O estudo também mapeou onde existe a maior incidência de prostituição na cidade: as regiões central e sul. O G1 foi até a Vila Nossa Senhora de Lourdes, às margens da BR-153, na área conhecida como "região dos motéis", para ouvir essas mulheres.
Na porta de uma boate, a reportagem encontrou Manoela, de 24 anos. Com um vestido vermelho, ela chamava a atenção pelo corpo escultural e diz que não tem problemas para conseguir clientes.
"Já cheguei a fazer 14 programas em um dia. Trabalho de segunda a sábado e ganho por dia uma média de R$ 700. Em um mês bom, já cheguei a tirar R$ 30 mil", disse a jovem, confirmando os dados da pesquisa.
Em um mês bom, já cheguei a tirar R$ 30 mil"
Manoela, prostituta
Ela está na atividade há um ano e meio. Saiu de Minaçu, no norte de Goiás, onde deixou o trabalho de garçonete e o salário mínimo que recebia. Veio em busca de um "nível de vida melhor" para ela e para o filho, de 5 anos.
"Quando trabalhei em uma academia, ouvia muito falar [de prostituição] e do quanto ganhava. Vim para Goiânia para ficar, sem volta. Estava focada. Hoje, tenho casa, carro e pago uma escola em tempo integral para meu filho ficar enquanto trabalho", explica.
O turno dela é das 10h às 19h. Alguns dias pela manhã, ela malha e vai ao salão de beleza. As visitas à ginecologista também são frequentes, de dois em dois meses. O cuidado evitou que ela tivesse algum tipo de doença até então.
A família, segundo ela, finge que não sabe. Menos o pai, que busca o neto na escola todos os dias. Em dois anos, ela pretende largar a profissão e ingressar em curso superior de design. Questionada se tem namorado, ela foi enfática: "Não. Fico com tantos homens diferentes que hoje não sei se viveria sufocada por apenas um", explica.
Prostitutas recebem até R$ 30 mil e sustentam a casa, diz estudo da UFG em Goiás (Foto: Sílvio Túlio/G1)Vanessa reclama de concorrência, mas se diz
'experiente' (Foto: Sílvio Túlio/G1)
'Entrei pelos meus filhos'
Na mesma região estava Vanessa, de 39 anos, que diz que escolheu a profissão para cuidar dos três filhos. Apesar de atuar na área há quatro anos, ela diz que "sofre com a concorrência" e se esforça para ganhar R$ 1,2 mil por mês.

"Entrei para meus filhos não virarem bandidos. Eu apanhava do meu marido e, um dia, o meu mais velho disse que iria matá-lo quando crescesse. Então eu o abandonei e fui criar meus filhos sozinha", lembra.
Hoje, além dos três filhos, de 22, 20 e 17 anos, ela tem ainda dois netos. Em um futuro não tão distante, ela já se enxerga vendendo salgados na porta de uma faculdade, onde os familiares já trabalham.
Vanessa, que fica só de bermuda e sutiã na porta de um motel, onde faz os programas. Semestralmente, ela vai ao médico e garante que só transa com camisinha.

Questionada se está velha para a profissão, ela nega. "Tenho clientes fixos que vem aqui e dizem que preferem ficar comigo pela minha experiência", contou.
Gêmeas, lésbicas e prostitutas
E o ramo da prostituição também reúne pessoas da mesma família. É o caso das gêmeas Tatyane e Gabriela, de 18 anos, que trabalham juntas na "região dos motéis". Lésbicas, elas moram com outras duas mulheres. Apesar das semelhanças, elas dizem que suas companheiras têm opiniões diferentes sobre a profissão.

"Minha mulher sabe, mas pede para deixar o meu trabalho na rua. Já a dela nem sabe. Acha que ela faz faxina na rua. O importante é ter dinheiro em casa", diz Tatyane, que tem um filho de 2 anos de quando ainda se relacionava com homens. Ela foi a primeira a entrar para o ramo e, quando tinha nove meses de atuação, levou a irmã.
Gabriela diz que até fez faxina, mas "cansou" de receber pouco e não ser valorizada. Hoje, chega a receber R$ 5 mil por mês. São apenas dois meses sendo abordada por clientes em busca de sexo. Ainda sem um prazo definido, ela sonha em seguir a carreira  de médica veterinária.
Prostitutas recebem até R$ 30 mil e sustentam a casa, diz estudo da UFG em Goiás (Foto: Sílvio Túlio/G1)Gêmeas, Gabriela e Tatyane são casadas com outras mulheres (Foto: Sílvio Túlio/G1)