A 15ª FEICOM abre inscrições para estande na Festa da Uva


JORNALISMO PMC 1 DE DEZEMBRO DE 2015

Empresas de Colombo e região poderão demonstrar os seus produtos e serviços para um público de aproximadamente 80 mil pessoas

A 15ª FEICOM abre inscrições para estande na Festa da Uva
A 15ª FEICOM abre inscrições para estande na Festa da Uva
Estão abertas, a partir desta segunda-feira, 30, as inscrições para o estande da tradicional Feira de Indústria, Comércio, Serviços e Artesanato de Colombo (FEICOM) que estará presente na 53ª Festa da Uva. O evento acontece nos dias 28, 29, 30 e 31 de janeiro de 2016, em Colombo.
Para os interessados em participar, é necessário realizar a reserva dos estandes na Secretaria de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho, através dos números 3656-2358, 3656-6181, 91656711 ou pessoalmente na secretaria localizada na Rua José Leal Fontoura, nº 414. Colombo – Sede.
Sobre a feira
Na 15ª edição da FEICOM, a Comissão Organizadora disponibilizará a locação de estandes, que serão montados nas dependências internas Ginásio Municipal Gilmar Antonio Pavin e também em lotes externos localizados no Parque Municipal da Uva.
“Estamos preparando um local ideal para apresentação de produtos e serviços nos mais variados segmentos como decoração, acabamento, máquinas industriais e de uso doméstico, equipamentos, implementos, veículos, motos, caminhões, serviços, comércio de vestuário, acessórios, calçados, joias, perfumaria entre outros”, explica do secretário de Indústria, Comércio, Turismo e Trabalho e membro da Comissão Organizadora, Antônio Ricardo Milgioransa .
As empresas de Colombo e região, além de participar da festa poderão demonstrar os seus produtos e serviços para um público de aproximadamente 80 mil pessoas. “A Festa da Uva já tem um importante papel no desenvolvimento socioeconômico no município, pela diversidade de atividades que acontece durante os quatro dias de festa”, destaca Milgioransa.
O evento contará ainda com a venda e exposição de uvas e vinhos, produtos coloniais produzidos pelos agricultores do município e também de integrantes do Circuito Italiano de Turismo Rural. Além, da Feira de Artesanato, com exposições e comercialização de produtos de artesãos do município. Haverá também uma diversidade gastronômica.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Rua Antônio Pupi será pavimentada no centro de Colombo


WEBMASTER 1 DE DEZEMBRO DE 2015

As obras já iniciaram e contempla – sistema de drenagem, meio-fio, pavimentação, passeio e sinalização

A Prefeita Beti Pavin acompanhou as obras no local e destacou a importância da pavimentação para a melhoria da infraestrutura do município
A Prefeita Beti Pavin acompanhou as obras no local e destacou a importância da pavimentação para a melhoria da infraestrutura do município
O investimento será de aproximadamente R$ 260 mil e a previsão é que, em fevereiro a obra esteja finalizada
O investimento será de aproximadamente R$ 260 mil e a previsão é que, em fevereiro a obra esteja finalizada
Com a intenção de garantir qualidade de vida para os moradores de Colombo, mais uma rua começou a receber as obras de pavimentação asfáltica. Desta vez, os beneficiados são os moradores da Rua Antônio Pupi, no centro.
“Estamos trabalhando para garantir mais conforto e segurança à população com vias adequadas. E, a pavimentação asfáltica está entre as nossas prioridades, pois traz melhorias na infraestrutura do bairro, na acessibilidade e também deve acabar com a poeira ou a lama, que tanto prejudica a vida dos moradores”, afirmou a Prefeita Beti Pavin.
As obras estão sendo realizadas, através do Programa de Pavimentação Nosso Bairro, desenvolvida pela Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Obras e Viação.
Segundo o secretário da pasta, Agnaldo Santos os serviços contam com uma extensão de 190 metros e o projeto contempla: sistema de drenagem, meio-fio, pavimentação, passeio nos dois lados da via e sinalização vertical e horizontal. O investimento será de aproximadamente R$ 260 mil e o prazo para a execução dos trabalhos é de três meses.
“Estamos realizando vários trabalhos diariamente para tentar atender as necessidades dos nossos moradores e, do município que tem crescido cada dia mais, nossa intenção é realizar serviços de qualidade para isso pedimos a compreensão de todos, em relação aos transtornos do dia a dia das obras. Porém, os benefícios futuros compensarão”, destaca o secretário da pasta.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Fotos: João Senechal/ PMC

Eleição do Conselho da Mulher e elaboração de políticas públicas são temas de reunião


JORNALISMO PMC 1 DE DEZEMBRO DE 2015

Encontro para delinear estratégias de fortalecimento de políticas públicas destinadas a mulheres é realizado em Colombo

A  1ª Reunião do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher é realizada em Colombo
A 1ª Reunião do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher é realizada em Colombo
Traçar estratégias que preveem o fortalecimento de políticas públicas destinadas a mulheres esse foi o principal objetivo da 1ª Reunião do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher realizada em Colombo, em novembro.
“A valorização da mulher em exercer o poder de participar e partilhar conhecimento e informações em relação à prática de gestão e representação das mulheres no município estava entre os assuntos”, conta a secretária de Assistência Social, Maria da Silva Souza.
O município também conta com um conselho da mulher e um centro permanente de debates com intuito de incentivar discussões que fortaleçam a justiça e a igualdade. “Precisamos conhecer a história das mulheres do nosso município para elaborar um diagnóstico e traçar metas a ser executadas para que nossos objetivos possam ser alcançados”, destacou a secretária da pasta.
Durante a reunião também foi eleita à diretoria do Conselho da Mulher. “Também discutimos o planejamento dos trabalhos que serão realizados em 2016. Ficou estipulado que o conselho irá se reunir uma vez por mês”, ressaltou Maria.
Entre os participantes estavam os representante da sociedade civil e governamental, COMDIM (Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres), a secretária de Assistência Social, Maria da Silva Souza e a diretora do departamento de Assistência Básica da Secretaria de Assistência, Maria Helena Oliveira Mendes.
Comissão do Conselho da Mulher:
Presidente – Neosete de Fátima Faria da Silva
Vice-presidente: Edna Freitas Menezes Martins
Secretária: Francyellen Isolina Rodrigues Machado
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Fotos: Márcio Fausto

Conselho arrasta sessão por 6 horas e não vota (de novo) parecer sobre Cunha

Discussão e votação do parecer preliminar referente ao Processo Nº 01/15, Representação Nº 01/15, do PSOL e REDE, em desfavor do dep. Eduardo Cunha (PMDB/RJ)
Sessão desta terça do Conselho de Ética: enrolação e baixaria(Antonio Araújo/Câmara dos Deputados)
O roteiro voltou a se repetir na Câmara dos Deputados: pela terceira semana consecutiva, aliados do presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ) conseguiram emplacar uma série de manobras para evitar o andamento do processo de cassação contra o peemedebista no Conselho de Ética. A sessão se estendeu durante seis horas, durante as quais boa parte do tempo foi dedicado a temas alheios à quebra de decoro do presidente da Câmara, e acabou encerrada sem que fosse votado o parecer que pede a continuidade das investigações sobre Cunha. Houve espaço até para discussões que beiraram a baixaria.
Além das manobras já tradicionais, colaborou para a extensão da reunião a quantidade de parlamentares inscritos para falar, além da apresentação do voto em separado de Wellington Roberto (PR-PB). A sessão se arrastou de tal modo que acabou coincidindo com o horário em que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RJ), deu início à sessão conjunta do Congresso que votará vetos presidenciais que trancam a pauta e a meta fiscal. Os trabalhos devem ser retomados na tarde desta quarta-feira.
Durante a sessão desta terça-feira, o conselho sequer discutiria o mérito das acusações que recaem sobre Eduardo Cunha: o presidente da Câmara passou a ser alvo de processo após a constatação de que mantinha uma conta na Suíça, o que comprovaria a quebra de decoro por ter mentido à CPI da Petrobras, quando negou estar ligado a qualquer conta no exterior. De acordo com o Ministério Público, a conta de Cunha foi abastecida com recursos fraudulentos do esquema de corrupção da Petrobras. Nesta tarde, o colegiado se debruçaria apenas sobre a admissibilidade da denúncia, ou seja, se o caso deveria ou não ser investigado. Mas acabou novamente sem uma decisão. O processo contra Cunha foi instaurado há quase um mês e desde então segue paralisado.
Enrolação e bate-boca - Com base em argumentos que beiram o escárnio, aliados de Cunha protagonizaram diversas estratégias para atrapalhar o andamento do processo. A discussão envolveu até a acusação de que um deputado "furou a fila" - e acabou em gritaria e dedos em riste. A briga se deu entre os deputados Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Sérgio Moraes (PTB-RS) - este, aliás, autor da memorável declaração de que "está se lixando" para a opinião pública. Moraes tende a votar pelo arquivamento do processo contra Cunha. Ele se irritou porque Lorenzoni se antecipou e registrou presença no painel um minuto antes do horário previsto. Os dois são suplentes e, como Lorenzoni saiu à frente, o outro ficou sem a possibilidade de votar na sessão desta terça.
O democrata afirmou que não era culpa dele se houve falha no sistema e que há "um trabalho" para evitar o andamento do parecer contra Cunha. Sérgio Moraes reagiu com o dedo em riste: "O senhor é um mentiroso de primeira linha. Vossa excelência tem de ser homem para dizer [quem está obstruindo]. Se acusou e apontou o dedo, diga. Vossa excelência está acostumado com moleque, não com homem. Vossa excelência não é digno do seu mandato", afirmou.
Colegas de Cunha - alguns deles nem sequer membros do colegiado - ainda tentaram novamente afastar o deputado Fausto Pinato (PRB-SP) da relatoria e também fizeram uma investida contra conhecidos adversários de Cunha, tentando tornar a deputada Eliziane Gama (Rede-MA) e o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) impedidos de votar no conselho. Em outra frente, o deputado Wellington Roberto (PR-PB) anunciou que vai apresentar um parecer alternativo ao de Pinato para livrar Cunha da cassação. O presidente do colegiado, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA), disse em tom de ironia que, diante de tantas reclamações, iria protestar contra o mau funcionamento do ar-condicionado. A sala da reunião estava lotada nesta terça-feira, o que deixou o ambiente abafado.
Defesa - Em um apelo para que os deputados poupem Eduardo Cunha, o advogado Marcelo Nobre tentou desqualificar o trabalho de Fausto Pinato, argumentando que o parecer que pede a investigação contra o peemedebista é embasado principalmente em denúncia da Procuradoria-Geral da República. "Vossas excelências sabem melhor que ninguém que denúncia não prova nada. Quantas denúncias são propostas diariamente no Brasil e não são recebidas pelos magistrados? Quem diz que está comprovado e condena é o Judiciário", afirmou o jurista.
O advogado do presidente da Câmara disse ainda que a ação da procuradoria se deu em cima de "delações torturadas", em referência ao argumento dos advogados da Lava Jato de que as delações foram forçadas pelos investigadores em troca da liberdade, e tentou sustentar a tese de que Cunha não mentiu à CPI quando disse que não tinha dinheiro em contas não declaradas no Imposto de Renda. Segundo Nobre, o peemedebista mantém trusts no exterior, e não há previsão legal que exija que qualquer cidadão brasileiro tenha de declarar valores nessa situação.
"O meu cliente já foi réu no Supremo e acabou absolvido por unanimidade. Não podemos admitir que uma denúncia faça prova de nada. Esse processo é natimorto, já se sabe qual é o fim: o arquivamento", disse Marcelo Nobre. "Em se admitindo que o processo seja aberto, não se vai fazer com que a denúncia do MP vire prova, não vai, da mesma forma, conseguir mostrar que há lei que obrigue o cidadão a declarar trusts no imposto de renda. Qual o objetivo de abrir um processo onde já sabemos o fim desde já? A defesa não tem como concordar em abrir um processo para sangrar um deputado", continuou o advogado.
Relator do processo, Fausto Pinato rebateu o jurista argumentando que o parecer preliminar não fala de fato provado e tampouco entra no mérito das denúncias que pesam contra Cunha. "O exame de admissibilidade, em momento algum, prejulgou alguém. A fala do nobre advogado nos traz a seguinte reflexão: mais do que tudo, temos de continuar esse processo, porque precisamos saber do mérito, do contraditório e das sociedades mantidas pelo presidente", afirmou Pinato. "Peço aos parlamentares que coloquem a mão na consciência não para prejulgar, apenas para a gente ter o direito de apurar a verdade", continuou.

Lula perde ação contra Caiado no STF

O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) fala durante audiência pública na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado Federal
O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) (Sérgio Lima/Folhapress)
Por três votos a um, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta terça-feira queixa-crime apresentada pelo ex-presidente Lula contra o senador de oposição Ronaldo Caiado (DEM-GO). O caso chegou à Justiça após o parlamentar ter publicado, em sua conta no microblog Twitter, declaração de que "Lula tem postura de bandido frouxo" e que "quer promover a instabilidade democrática de forma idêntica ao que ocorre na Venezuela com o ditador Maduro soltando seus coletivos". A mensagem, datada de 25 de fevereiro, ocorreu depois de Lula ter afirmado que "convocaria o 'exército do Stédile', em referência ao MST, para combater nas ruas movimentos contrários ao governo. No julgamento de hoje, os ministros Edson Fachin, Luiz Fux e Rosa Weber consideraram que as críticas de Caiado, embora duras, têm cunho político e estão abarcadas na imunidade parlamentar. Voto vencido, Marco Aurélio Mello entendeu que a queixa-crime deveria ser aceita. (Laryssa Borges, de Brasília)

Vale nega responsabilidade legal por rompimento de barragem em MG



PUBLICIDADE
O diretor jurídico da Vale, Clovis Torres, disse que a mineradora não pode ser responsabilizada legalmente pelo rompimento da barragem da Samarco em Mariana (MG).
"Você pode até discutir que a Vale tem responsabilidade enquanto acionista da Samarco, mas responsabilidade legal, a resposta é não", afirmou em evento na Bolsa de Nova York, nesta terça-feira (1º). A Samarco é controlada em conjunto pela Vale e pela BHP.
O diretor jurídico afirmou que a Vale não foi notificada formalmente da ação civil planejada pelo governo federal, que prevê a criação de um fundo de R$ 20 bilhões para recuperar a bacia do rio Doce.
A companhia reconheceu que os acionistas podem ser chamados a resolver danos ambientais caso se comprove que a Samarco não tem condições de arcar com os prejuízos.
"A Samarco não é uma empresinha qualquer, não é um botequim. É uma companhia de US$ 10 bilhões, que fatura US$ 2 bilhões por ano. Não há que se falar, neste momento, em responsabilidade dos acionistas e muito menos em provisão por parte dos acionistas", disse Torres.
Diante do tamanho da tragédia no rio Doce, que ainda está em curso, não é possível afirmar quanto da bacia hidrográfica entupida pela lama poderá ser recuperada. O que não significa, segundo especialistas, que se deva desistir de tentar.
plano da ONG WWF é oferecer uma ferramenta usada em outras partes do mundo, e também no Pantanal, que ajuda a criar "bombas de água limpa" para tentar desentupir os rios da região.
Montagem sobre foto de Avener Prado/Folhapress/Avener Prado/Folhapress
Clique na imagem e veja o especial "O caminho da lama"
Clique na imagem e veja o especial "O caminho da lama"

PF rastreia esquema que fraudou R$ 1 bilhão de aposentados


Instituto previdenciário do Tocantins usou fundos 'podres' para aplicar dinheiro de beneficiários. MP já conseguiu bloquear R$ 250 milhões em bens de envolvidos nas operações irregulares

ALANA RIZZO
30/11/2015 - 17h49 - Atualizado 30/11/2015 18h18
Agente da Polícia Federal em ação na Operação Politeia  (Foto: Joá Souza/Ag. A Tarde/Folhapress)
Investigações de um rombo no Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Tocantins (Igeprev) podem ajudar a desvendar um esquema milionário de lavagem de dinheiro em fundos podres por todo o país. Mais de R$ 1 bilhão “investido” em fundos — sem qualquer solidez e liquidez — está sendo rastreado pelos investigadores. Desvendado pela Operação Miqueias da Policia Federal em 2013, o esquema foi usado por políticos e empresários para ocultar dinheiro de corrupção, segundo as autoridades. OMinistério Público no Tocantins já conseguiu bloquear R$ 250,8 milhões em bens de ex-gestores e empresas, responsáveis pela aplicação de recursos da previdência em fundos irregulares.
Uma sindicância interna do Igeprev, obtida pela reportagem deÉPOCA, revela que o Instituto fez investimentos nos fundos sem qualquer análise de risco e fora dos limites permitidos por lei, além da concentração de recursos em fundos do mesmo grupo econômico, a BFG Porcão. Durante os exercícios financeiros de 2011 a 2014, os gestores movimentaram os ativos de toda a Carteira de Investimentos dos recursos do IGPREV-TO, que representaram R$ 3.350.554.087,93. Segundo o documento, 34 fundos eram irregulares.
Entre eles: seis eram fundos de investimento alvo das investigações que levaram a Polícia Federal a deflagar a Operação Miquéias em 2013: Adinvest Top, FI Diferencial, Fidc Trendbank Fomento Multisetorial, Vitória Régia, Patriarca Private. Três ex-presidentes do Igeprev já respondem pelas irregularidades na Justiça. Também são réus em todas as ações e tiveram bens bloqueados nas oito liminares o ex-presidente do Conselho de Administração do Igeprev e atual deputado estadual José Eduardo Siqueira Campos, filho do ex-governador Siqueira Campos.
O relatório também detalha os investimentos do IGPREV no fundo Viaja Brasil, que tinha como um dos principais investidores o doleiro Alberto Youssef, preso pela Operação Lava Jato. Juntos, os dois investidores respondiam por 85,4% do capital votante. Em 2013, o IGPREV investiu 13 milhões de reais no fundo. “Em síntese, tudo indica que os 13 milhões de reais, livres e disponíveis no caixa do IGPREV-TO, foram retirados pelos gestores a época e alocados a esse fundo, não com a finalidade de dar rentabilidade ao investidor, no caso o IGPREV, mas sim com o intuito de favorecer outros interesses, visto que não há registro de nenhuma prática cuidadosa que poderia ter mitigado o risco.”
A Comissão de Sindicância comprovou que “os então gestores compraram e venderam titulo públicos com os piores preços do dia, ou seja, comprando pelo valor maior do mercado e vendendo pelo menor do mercado, o que sugere conduta ilícita no intuito de obtenção de vantagem própria ou para terceiro”.
No total, o Ministério Público já ajuizou 10 ações civis públicas, que visam penalizar os responsáveis pelos investimentos e ressarcir aos cofres públicos. A reportagem não conseguiu contato com o deputado estadual José Eduardo Siqueira Campo.

Cantor Netinho é internado novamente em hospital, em São Paulo


O próprio artista foi quem contou tudo através de suas redes sociais e tranquilizou os fãs

Netinho da Bahia em show (Foto: Reprodução/Facebook)
Netinho, intérprete do sucesso "Milla", voltou a ser internado em um hospital de São Paulo, depois de ter sangramento pelo nariz e tontura depois de seus quatro primeiros shows no Recife, em Pernambuco, e em Macuco, no Rio de Janeiro. Ele narrou tudo pros seus fãs através do Facebook nesta terça-feira, 1º.
 

"Amigos, na recente segunda tentativa de volta aos shows, após os quatro primeiros (28, 29 e 30 agosto em Recife/PE e 5 setembro em Macuco/RJ), a tontura que sinto aumentou novamente, tive sangramentos pelo nariz e precisei parar tudo novamente. Naquela época eu vim aqui no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, fiz muitos exames que deram todos ok, mas voltei pra casa com a mesma tontura", começou ele.
Ele ainda contou que, apesar dos sintomas terem desaparecido, a tontura não diminuiu, ao contrário, aumentou e há dois meses não sai de casa nem trabalha.  

"Não consigo permanecer por muito tempo em pé. Tenho que sentar ou deitar. Por causa disso, fiz um esforço e, do jeito que pude, vim novamente para São Paulo onde estou desde ontem à noite aqui no Hospital Sírio Libanês para uma investigação desta tontura. Está tudo certo e esta internação é para uma definição desta tontura. Obrigado", disse ele.

Seis meses internado

Em janeiro deste ano, o cantor recebeu alta do mesmo hospital após quase seis meses de internação. Ele deu entrada no hospital no início de agosto para se tratar após uma tontura. O sintoma surgiu depois que ele sofreu um AVC, em 2014.
 
Na época, ele mandou uma mensagem pros fãs que estava preocupados e disse que estava bem.

"Estou indo pra casa após quase seis meses aqui no 'Hotel Sírio Libanês Palace'. Apesar de não poder ainda voltar a trabalhar, vou muito animado e esperançoso de que esta tontura constante e persistente desapareça por completo adiante, já que tudo que a medicina pode fazer em meu caso já foi feito. O tratamento que vim fazendo aqui há meses para o meu sistema vestibular deu resultados muito positivos. Flavinha (Dra. Flavia Cusin) constatou isso com os novos exames realizados nesta semana e, com estes, pudemos ver a diferença em relação ao dia que cheguei aqui nesta 'temporada'", escreveu Netinho.

Família Ribas Carli é alvo de operação do Gaeco contra crimes eleitorais


bernardo carli_foto AR gazeta do povo
O Grupo de Operação ao Crime Organizado (Gaeco) de Guarapuava e a Procuradoria Regional Eleitoral de Curitiba deflagraram nesta terça-feira (1.º) a Operação Capistrum (cabresto, em latim), que investiga a família Ribas Carli pela prática de crimes eleitorais. Estão envolvidos o deputadoBernardo Ribas Carli (PSDB) e seu pai Luiz Fernando Ribas Carli (PP), ex-prefeito de Guarapuava, os vereadores da cidade Maria José Mandu Ribeiro Ribas (PSDB) e Milton de Lacerda Roseira Junior (PSDB) e outras sete pessoas.

Bandidos tomam cidade da RMC e explodem caixas eletrônicos


carro pm_2
A cidade de Cerro Azul, distante 86,8 km de Curitiba, foi tomada por bandidos fortemente armados por volta das 4h15 desta terça-feira (1°). Durante meia hora eles permaneceram na praça central da cidade não permitindo a entrada de ninguém. Tudo isso para explodirem dois caixas eletrônicos do município, que faz parte da região metropolitana de Curitiba
Durante a investida, os marginais dispararam várias vezes contra o destacamento em que estavam os policiais e também a viatura da Polícia Militar (PM). Acuados, os policiais não tiveram o que fazer. A ação criminosa durou em torno de meia hora e assustou os moradores da cidade. Primeiro, o bando explodiu os caixas eletrônicos do Itaú e em seguida do Banco do Brasil.
Após a ação, os marginais, em dois carros, fugiram rumo ignorado. Até o fechamento da reportagem ninguém foi localizado.

Ta feia a coisa para a Casal do PT


fedeu
Mais uma para complicar de vez a vida do casal Gleisi Hoffmann-Paulo Bernardo. O dono da UTC, Ricardo Pessoa, afirmou em depoimento à Polícia Federal que o ex-ministro Paulo Bernardo, quando ainda respondia pela pasta de Planejamento, lhe pediu R$ 500 mil para a campanha de sua mulher, Gleisi Hoffmann, do PT, ao Senado, em 2010. O GLOBO teve acesso ao depoimento de Pessoa, um dos delatores da Operação Lava Jato. O empreiteiro ressalta que essa doação foi legal e não houve desconto da “conta corrente” de propina que era comandada pelo tesoureiro do PT, João Vaccari Neto. Paulo Bernardo nega ter feito o pedido.
O depoimento faz parte do inquérito que apura a acusação de que a senadora teria recebido R$ 1 milhão para a sua campanha de 2010 com recursos desviados da Petrobras. Tanto o doleiro Alberto Youssef quanto o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmam que o dinheiro foi disponibilizado a pedido de Paulo Bernardo.

Nem Gleisi “curtiu” campanha de Fruet sobre pessoas com deficiência


índice
Nem mesmo aliados do prefeito Gustavo Fruet gostaram da campanha da Prefeitura de Curitiba sobre direitos das pessoas com deficiência. A ação acabou sendo alvo de diversos questionamentos sobre o modo como foi executada. Num primeiro momento, outdoors da campanha pediam o “fim dos privilégios para os deficientes”, o que ao final se revelaria uma campanha falsa para lembrar as pessoa que não são privilégios, mas sim direitos.
Pelo Facebook, a senadora Gleisi Hoffmann (PT) criticou a campanha. “Não posso deixar de lamentar a forma como essa campanha foi feita. Um assunto tão sério não pode ser abordado de maneira desrespeitosa numa época política delicada em que estamos vivendo, onde sentimentos de ódio, preconceito e conservadorismo afloram”, pontuou a petista.
Embora seja de um assunto distante das questões partidárias, a declaração de Gleisi não deixa de ser mais um trauma na tumultuada relação entre Fruet e o PT que, ao que parece, está nos últimos dias.
Quem também criticou a campanha foi o médio e deputado federal Luciano Ducci, ex-prefeito da capital. “Forma infeliz de passar o recado, mas vindo da atual administração de Curitiba não poderíamos esperar outra coisa. Propaganda gasta com o dinheiro público”, pontuou.

“Renan, Jader e Henrique Alves também foram citados?”, perguntou Delcídio


Questionamento foi feito pelo senador Delcídio do Amaral à reportagem de ÉPOCA em setembro

THIAGO BRONZATTO
30/11/2015 - 10h18 - Atualizado 01/12/2015 13h14
Delcídio do Amaral é preso pela PF (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Não é à toa que políticos do PMDB estão nervosos com uma possível delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), preso na quarta-feira passada por obstruir os trabalhos da investigação da Lava Jato. Delcídio sempre pareceu saber muito sobre questões intestinas da Petrobras. Em setembro, por exemplo, ÉPOCA publicou reportagem mostrando que o nome de Delcídio fora citado na proposta de delação premiada do ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró. A reportagem, na ocasião, perguntou ao senador o que ele tinha a declarar sobre a citação de seu nome por Cerveró. Foi então que Delcídio respondeu com outra pergunta: “Renan, Jader e Henrique Alves também foram citados”? Renan Calheiros e Jader Barbalho, colegas de Delcídio no Senado, fizeram de tudo para que a votação - que decidiu pela permanência de Delcídio do Amaral na prisão - fosse secreta. Não conseguiram. Henrique Alves é o ministro do Turismo. 
Delcídio estava preocupado com os três políticos ou sabe de algo a mais sobre o trio? Talvez essa dúvida seja esclarecida em breve.

Presidente do Conselho de Ética já arquivou três denúncias em 2015


João Alberto analisou representações e as considerou improcedentes; uma das ações era contra Delcídio

RICARDO DELLA COLETTA
30/11/2015 - 12h00 - Atualizado 30/11/2015 16h30
ACUSAÇÃO O senador João Alberto (PMDB), presidente do Conselho de Ética. Ele  não decidiu se abrirá processo (Foto: José Cruz/Agência Senado)
João Alberto (PMDB-MA), presidente do Conselho de Ética do Senado, arquivou três denúncias contra colegas este ano. Uma das engavetadas é justamente contra o senador Delcídio do Amaral. Ele foi acusado por um cidadão de ser “mentor e executor” de fraudes na Petrobras. O peemedebista alegou que a acusação era baseada apenas em notícias de jornal.