Mulher fica gravemente ferida após ser atropelada por motociclista no Pilarzinho


Por Marina Sequinel e Flávia Barros
(Fotos: Banda B)

Uma mulher de 44 anos foi atropelada por uma motocicleta no bairro Pilarzinho, emCuritiba, na tarde desta terça-feira (15). Ela atravessa a Rua Eugênio Flor quando acabou sendo atingida por uma motocicleta.
“A moto vinha pelo meio da pista e a mulher cruzou a via sem olhar para o lado. Com o impacto, os dois acabaram caindo. Só espero que os dois fiquem bem”, contou Everson Dubinski, que passava pelo local no momento do acidente, em entrevista à Banda B.
A mulher, ainda não identificada, foi encaminhada ao hospital em estado grave. Já o motociclista, também socorrido, teve ferimentos mais leves. O Siate, do Corpo de Bombeiros, atendeu a ocorrência.

Bumlai confessa e diz que deu R$ 12 milhões para o caixa dois do PT


s
PUBLICIDADE
Para tentar obter uma pena menor, o pecuarista José Carlos Bumlai, o amigo do ex-presidente Lula que foi preso no dia 24 de novembro pela Operação Lava Jato, decidiu confessar crimes que cometeu. Ele contou a delegados da Polícia Federal, nesta segunda (14), em Curitiba, onde está preso, que pegou emprestado R$ 12 milhões do Banco Schahin em 2004 para repassar ao caixa dois do PT.
A informação foi publicada nesta terça (15) pelo jornal "O Estado de S. Paulo".
Bumlai relatou aos policiais que metade desse valor foi destinado ao PT de Santo André, onde o partido teria sido chantageado por um empresário, Ronan Maria Pinto, que teria pedido R$ 6 milhões para não contar o que sabia sobre o caixa dois do diretório local e a relação desses recursos com o assassinato do prefeito Celso Daniel, ocorrida em 2002.
Alan Marques/Folhapress
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 01.12.2015. O empresário José Carlos Bumlai fla na CPI do BNDES, na Câmara dos Deputados. (FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER
O pecuarista José Carlos Bumlai, preso durante a Operação Lava Jato e amigo do ex-presidente Lula
Os outros R$ 6 milhões foram enviados ao PT de Campinas para quitar dívidas de campanha, segundo a confissão de Bumlai.
No depoimento, que se tornou público nesta terça (15), Bumlai relata que soube que parte do dinheiro iria para Campinas por causa da presença de marqueteiros que atuavam na campanha daquela cidade. Sobre a remessa para Santo André, ele contou que só ficou sabendo em 2012 que os R$ 6 milhões seriam para calar um suposto chantagista.
As negociações para o empréstimo ocorreram em outubro de 2004, quando o PT participava do segundo turno de uma série de eleições municipais, entre as quais a de Campinas. Naquele ano, Dr. Hélio (PDT) venceu a disputa com o apoio do PT no segundo turno.
A dívida, de acordo com ele, nunca foi quitada. Antes de ser preso, Bumlai disse que pagara o empréstimo com embriões bovinos e negara enfaticamente que o dinheiro tivesse o PT como destino final. O PT afirma em nota que só recebe doações legais.
Bumlai contou que não fez nada para que o braço de óleo e gás do grupo Schahin conseguisse um contrato de R$ 1,6 bilhão com Petrobras, para fornecimento e operação de navios-sonda para prospecção de petróleo.
Procuradores dizem que o contrato com a estatal, assinado em 2006, serviu para quitar de maneira indireta a dívida com o banco.
O lobista Fernando Soares, o Baiano, relatou em delação que Bumlai agiu junto ao então presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, para que a Schahin ganhasse o contato em 2006. Tanto Gabrielli quanto Bumlai refutam essa versão.
Segundo Bumlai, foi o presidente do Banco Schahin na época, Sandro Tordin, quem solicitou a ele que fizesse o empréstimo para o PT. Inicialmente, segundo o pecuarista, ninguém lhe explicou claramente qual seria o destino dos recursos.
Bumlai disse que numa ocasião Tordin lhe "revelou que os dirigentes do Banco Schahin iriam mantê-lo como 'refém', principalmente pela relação de amizade que o interrogando [Bumlai] possuía com o então presidente da República".
Um dos donos do banco, Salim Schahin, disse em delação premiada que foi ele quem solicitou o empréstimo. O pecuarista relatou também que teve uma reunião no banco com Delúbio Soares, tesoureiro do PT em 2004, para confirmar que os recursos iriam para o partido. Dois marqueteiros que trabalhavam para o PT de Campinas (Armando Peralta Barbosa e Giovane Favieri) também participaram do encontro no banco, segundo Bumlai.
O presidente do banco, de acordo com o pecuarista, queria tanto que o empréstimo saísse que foi até a sua casa em Campo Grande (MS) para ultimar o negócio.
O pecuarista disse ter topado fazer o empréstimo porque queria manter boas relações com o PT e ficaria constrangido se não atendesse a um pedido do presidente do Banco Schahin, depois reforçado pela encontro com Delúbio Soares. Bumlai disse que, posteriormente, teve encontros com outro tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, para cobrar a dívida.
À época do empréstimo, Bumlai disse ao banco que o recurso seria usado para comprar uma fazenda de Natalino Bertin, um dos donos do grupo homônimo, o que explica o fato de que os recursos saem do banco e vão por meio de duas transferências para Bertin.
Na confissão, ele relatou que Bertin repassou o dinheiro para o PT, mas nega que o empresário soubesse que era uma operação para beneficiar o PT. Bumlai afirmou acreditar que o PT tenha feito outros empréstimos junto ao Schahin para o caixa dois do partido, feitos por laranjas.
O depoimento de Bumlai começou por volta das 15h desta segunda (14), no mesmo horário em que procuradores da Lava Jato apresentavam à imprensa a denúncia contra o pecuarista, na qual ele é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude bancária. O interrogatório só acabou por volta das 21h. A PF avisou os procuradores que estavam com uma nova prova importante, mas a entrevista coletiva dos procuradores já havia sido marcada.
Confissão espontânea é uma figura prevista no Código Penal e serve para atenuar a pena. Difere da delação porque o investigado não precisa assinar um compromisso no qual se compromete a revelar tudo o que sabe.
A versão de que Bumlai repassou recursos para o PT a partir de um empréstimofoi relatada pela primeira vez pelo publicitário Marcos Valério Fernandes de Souza em 2012, após ter sido condenado a 40 anos de prisão no processo do mensalão.
Ele contou que os R$ 6 milhões destinados a Ronan Maria Pinto seriam usados pelo empresário para a compra do jornal "Diário do Grande ABC". Marcos Valério, que buscava fazer um acordo de delação após ter sido condenado, disse que fora procurado pelo PT para fazer a operação, mas que se recusara.
OUTRO LADO
O PT refutou que tenha recebido recursos ilegais de José Carlos Bumlai. Em nota, o partido disse que "todas as doações recebidas pelo PT aconteceram estritamente dentro da legalidade e foram posteriormente declaradas à Justiça eleitoral".
O advogado de Sandro Tordin, Adriano Salles Vanni, também atacou a versão de Bumlai de que foi o seu cliente quem pediu para ele tomar o empréstimo.
Segundo Salles Vanni, Tordin era presidente do banco, mas não tinha poder para conceder um empréstimo de R$ 12 milhões. "O Schahin era um banco familiar e quem mandava de fato era a família".
De acordo com o defensor, é mentirosa a versão de que Tordin tenha estado na casa de Bumlai para concluir a negociação do empréstimo.
O advogado afirmou ainda que o empréstimo feito em 2004 foi considerado regular pelo Banco Central, mas sua liquidação em 2009, não. Segundo ele, Tordin deixou o Banco Schahin em 2007.
O advogado de Bumlai, Arnaldo Malheiros Filho, não quis comentar a confissão. Ele disse, porém, que acha "temerário o Ministério Público oferecer uma denúncia contra quem não foi ouvido".
Em nota, a assessoria do empresário Ronan Maria Pinto disse: "Reafirmo que apoio e aguardo com total tranquilidade as investigações que vêm sendo feitas no âmbito da Operação Lava Jato, e que - espero - devem encerrar de vez esse assunto no qual toda hora me citam. A propósito: não conheço José Carlos Bumlai, não conheço Marcos Valério. Não tenho ou tive qualquer relação com esses fatos".
A reportagem não localizou os defensores de Natalino Bertin. 

Após briga em porta de casa de prostituição, homem mata a esposa e comete suicídio


Noêmia foi atingida por dois disparos no tórax
Noêmia foi atingida por dois disparos no tórax Foto: Facebook / Reprodução
Júlia Zaremba

Um agricultor de 44 anos matou a própria esposa, de 36, e cometeu suicídio em seguida após uma briga em frente a uma casa de prostituição na cidade de Franca, em São Paulo. De acordo com a Polícia Civil, Daniel Ribeiro Jacintho atirou duas vezes contra Noêmia Bordignon Jacintho na região do peito e, depois, uma vez contra si mesmo. Os dois chegaram a ser socorridos, mas morreram no local.
O crime ocorreu às 23h30m, na Rodovia João Traficante, altura do km 9 - próximo à divisa com a cidade de Ibiraci, em Minas Gerais. Segundo informações do boletim de ocorrência, Daniel estava na casa de prostituição e, assim que viu a esposa chegar, foi embora. Cerca de meia hora depois, retornou para buscar o carro, que estava estacionado próximo ao local, e encontrou com ela. A discussão entre os dois teria se iniciado nesse momento.
A polícia investiga as circunstâncias do crime
A polícia investiga as circunstâncias do crime Foto: Facebook / Reprodução
De acordo com o delegado Márcio Murari, da Delegacia de Investigações Gerais, as circunstâncias do crime ainda são apuradas pela polícia.
— A principal hipótese é que a Noêmia tenha feito o disparo inicial, contra o veículo do marido. Em seguida, ele teria tomado a arma da mulher e atirado duas vezes contra ela. No entanto, ainda vamos ouvir testemunhas e buscar câmeras de segurança para saber o que de fato aconteceu. Também vamos falar com familiares para saber como era o relacionamento entre os dois — explica o delegado.
Segundo Murari, a polícia ainda aguarda os laudos que vão apontar a causa da morte dos dois. O casal foi enterrado no domingo, na cidade de Franca.
O casal vivia na cidade de Franca
O casal vivia na cidade de Franca Foto: Facebook / Repr


Com boato de operação, Cunha já estava acordado quando PF chegou


s
PUBLICIDADE
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não acreditava até o final de semana na possibilidade de que fosse deflagrada uma nova fase da Operação Lava Jato contra ele. A aposta do peemedebista era que a Polícia Federal cumpriria mandados de busca e apreensão no Paraná, que teriam petistas como alvo.
Na noite de segunda-feira (14), no entanto, chegaram boatos a aliados do presidente da Casa Legislativa de que a nova fase, deflagrada nesta terça-feira (15), seria na verdade em Brasília e que poderiaenvolver o peemedebista. Com os rumores, Cunha já estava acordado nesta terça quando a Polícia Federal chegou por volta das 6h à residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, em Brasília.
Segundo relatos de aliados e correligionários, ele foi avisado da presença das forças policiais por um segurança da residência oficial. O peemedebista pediu um tempo para se vestir e autorizou a entrada da Polícia Federal.
"Eles foram muito educados", disse o deputado.
Em almoço com líderes da base aliada, Cunha acusou o o Palácio do Planaltode estar por trás da nova fase da Operação Lava Jato e disse que o governo federal agiu com revanchismo por conta do acolhimento do pedido de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.
O peemedebista ameaçou ainda retaliar o governo em votações futuras na Câmara e avaliou que não foi coincidência o fato da operação policial ter sido realizado no mesmo dia da reunião do Conselho de Ética, que determinou oprosseguimento do processo de cassação de seu mandato por quebra de decoro parlamentar.
'FRIO'
Mesmo os aliados mais próximos relatam ter dificuldade para "medir a temperatura" de Cunha no dia em que o presidente da Câmara dos Deputados viu sua residência oficial ser alvo de busca e apreensão.
Um dos participantes do almoço desta segunda-feira (15) disse que Cunha "é gelado" e que "não muda nada em sua fisionomia ao tratar do assunto".
Ainda de acordo com relatos de deputados federais, ninguém ousou perguntar durante o almoço se o peemedebista renunciaria ao cargo. Mas Cunha fez questão de ele mesmo colocar um ponto final em qualquer suposição: "Não cogito renunciar", sentenciou.
Em nova fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta terça-feira (15), a Polícia Federal mira os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) e os senadores Fernando Collor (PTB-AL) e Fernando Bezerra (PSB-PE).
Outros dois inquéritos que também foram alvo das ações desta terça ainda são sigilosos. Ao todo, 53 mandados de busca e apreensão foram emitidos para endereços de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Pará, Ceará e Alagoas.
Segundo a Procuradoria-Geral da República, são nove os políticos com foro privilegiado alvo desta operação.
Foram emitidos mandados de busca e apreensão que atingiram inclusive imóveis de Cunha, incluindo endereços no Rio, sua residência oficial em Brasília e a diretoria-geral da Câmara, órgão responsável por fechar contratos e ordenar despesas. Três celulares de Cunha foram apreendidos. Ministros também tiveram buscas em seus endereços.
Os policiais foram autorizados a acessar dados de computadores, smartphones, celulares em geral, tablets e outros dispositivos eletrônicos e a apreender aparelhos eletrônicos, anotações, registros contábeis e comunicações realizadas entre os investigados. 

Cunha é alvo de inquérito sobre uso do cargo para atrapalhar investigações


Alan Marques/Folhapress
Eduardo Cunha fala sobre a operação da Polícia Federal em entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara, em Brasília (DF), nesta terça-feira
Cunha fala sobre a operação da PF em entrevista coletiva na Câmara, em Brasília (DF), nesta terça-feira

PUBLICIDADE
Alvo de dois inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal) por suspeita de envolvimento com a Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), junto a aliados, é objeto de uma terceira apuração, agora sobre o uso do cargo no Congresso para se beneficiar e atrapalhar as investigações do esquema de corrupção da Petrobras.
O inquérito é mantido sob sigilo no Supremo e motivou parte dos mandados de busca e apreensão autorizados nesta terça-feira (15) pelo Supremo e que envolveu integrantes da cúpula do PMDB.
Além de Cunha, são alvos do STF neste caso os ministros Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Celso Pansera (Ciência e Tecnologia), além do ex-deputado Alexandre Santos e Nelson Bornier, prefeito de Nova Iguaçu (RJ).
Em relação a Pansera, ele foi acusado pelo doleiro Alberto Youssef, um dos delatores da Lava Jato, de ser "pau mandado" de Cunha e agir na CPI da Petrobras para intimidar sua família.
Apontado como outro aliado de Cunha, o ex-diretor da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto é suspeito de usar a instituição a favor do presidente da Câmara. Cleto, que também foi alvo de buscas, foi exonerado do cargo há cinco dias, num gesto visto como retaliação do governo a Cunha, diante do avanço do processo de impeachment.
Na manhã desta terça, a PF realizou uma ação na residência oficial da Câmara por mais de cinco horas, na qual foram apreendidos documentos e três aparelhos de celular de Cunha. Houve ainda busca em endereços ligados ao deputado no Rio de Janeiro. Não houve pedido de prisão.
Segundo a Folha apurou, um dos objetivos da operação desta terça seria reunir elementos que possam reforçar uma eventual justificativa para afastar Cunha do comando da Câmara. Por isso, a apreensão do celular utilizado pelo peemedebista. A expectativa é de que possam ser encontradas mensagens que indiquem obstrução de seu processo de cassação no Conselho de Ética e ainda dos desdobramentos da Lava Jato.
O presidente da Câmara é acusado de ser beneficiado de desvios da Petrobras. Segundo dois delatores, ele teria recebido US$ 5 milhões em propina de contratos de navios-sondas. A Procuradoria já ofereceu denúncia ao STF neste caso contra Cunha. Há ainda um outro inquérito que investiga se um negócio fechado pela Petrobras na África teria abastecido contas no exterior mantidas pelo peemedebista e familiares na Suíça.
No caso da atuação de Cunha e aliados para se beneficiar, há suspeitas sobre vendas de emendas em medidas provisórias ou outras ações do mandato que podem ter resultado até mesmo no recebimento de propina.
Como o inquérito é sigiloso, não há detalhes ainda sobre as acusações sobre cada um deles.
OUTRO LADO
Indagado sobre a nova frente de investigações da PGR e da PF, Eduardo Cunha afirmou, no início da noite desta terça-feira (15), que já havia falado tudo o que julgava necessário sobre a Operação Catilinárias —ele deu uma curta entrevista na tarde de hoje no Salão Verde da Câmara— e disse que não iria fazer comentários sobre "um novo suposto inquérito".
Recomendou que a imprensa procurasse seus advogados que, contudo, não foram localizados para comentar o assunto. 

Colombense é campeão sul-americano no atletismo


WEBMASTER 15 DE DEZEMBRO DE 2015

Realizado no Paraguai, a competição contou com a participação de 1800 atletas

Atleta Vitor Gabriel Motin recebe a medalha de ouro na prova do lançamento de disco
Atleta Vitor Gabriel Motin recebe a medalha de ouro na prova do lançamento de disco
Os 21º Jogos Sul-americanos Escolares realizado na cidade de Assunção, no Paraguai, entre os dias 05 e 13 de dezembro contou com a participação de atletas colombenses. Osmar Gielow Junior e Vitor Gabriel Motin, e o treinador Sidmar Andrigheto Gielow representaram a seleção brasileira de atletismo, e conquistaram brilhantes resultados.
Osmar conquistou a sexta colocação na prova do lançamento do martelo e Vitor consagrou-se bicampeão sul-americano, conquistando duas medalhas de ouro, nas provas do arremesso do peso e do lançamento do disco.
O atletismo foi realizado entre os dias 07 e 10 com disputas no período da manhã. O Brasil conquistou ao total 25 medalhas, sendo elas 11 de ouro, 9 de prata e 5 de bronze, onde o grande destaque foi o colombense Vitor Gabriel Motin, que conquistou duas medalhas de ouro sendo bicampeão sul-americano.
Na premiação por equipes, o Brasil ficou com a primeira colocação masculino e feminino e assim também conquistou o título geral dos 21º Jogos Sul-Americanos Escolares. Ao final da competição o Brasil, que contou com uma delegação de 210 atletas e dirigentes, e que também foi campeão nas modalidades de handebol masculino, Futsal, Masculino e feminino, Judô masculino e feminino e Voleibol, masculino e feminino, conquistou o troféu de campeão geral dos jogos.
 Os atletas colombenses Osmar Gielow Junior e Vitor Gabriel Motin
Os atletas colombenses Osmar Gielow Junior e Vitor Gabriel Motin
“É um orgulho estar pelo segundo ano consecutivo como um dos técnicos da seleção de atletismo e sendo bicampeão tanto do masculino quanto do feminino. Além de ser bicampeão geral do atletismo, principalmente com dois atletas do Projeto Atletismo Por Um futuro Melhor que desenvolvemos no departamento de esportes da Prefeitura de Colombo. É o reconhecimento pelo trabalho árduo que realizamos, sempre priorizando a qualidade das aulas para que nossos alunos tenham seu melhor desempenho se já como atleta ou como cidadão”, disse o professor do departamento de Esportes e treinador da seleção brasileira escolar de atletismo, Sidmar Andrigheto Gielow.
Ao todo, a competição contou com a participação de aproximadamente 1800 atletas e cerca de 600 dirigentes e treinadores, de 10 países. E com a desistência da Argentina, a competição contou com Brasil, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela nas modalidades de atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, natação, tênis de mesa, voleibol e xadrex.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Divulgação/PMC

Formaturas marcam o encerramento das atividades do PROERD 2015 em Colombo


WEBMASTER 15 DE DEZEMBRO DE 2015

Desenvolvido com alunos da rede municipal, o programa tem por objetivo prevenir o uso de drogas entre crianças e adolescentes

Neste ano, o PROERD certificou 1630 alunos dos 5º anos da rede municipal de ensino
Neste ano, o PROERD certificou 1630 alunos dos 5º anos da rede municipal de ensino
E, para finalizar as atividades de 2015, aconteceram neste mês duas formaturas
E, para finalizar as atividades de 2015, aconteceram neste mês duas formaturas
A Prefeita Beti Pavin prestigiou o evento e ressaltou sobre a importância do programa
A Prefeita Beti Pavin prestigiou o evento e ressaltou sobre a importância do programa
Neste ano, o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, o PROERD, certificou 1630 alunos dos 5º anos da rede municipal de ensino.
E, para finalizar as atividades de 2015, aconteceram neste mês duas formaturas. Foram certificados 960 alunos no Pavilhão do Bosque da Uva e outros 240 alunos no Ginásio de Esportes Leandro Alberti. A ação é desenvolvida pela Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Educação, em parceria com a Polícia Militar.
A Prefeita Beti Pavin comentou sobre a importância do programa. “O PROERD é indispensável para as nossas crianças, pois elas aprendem o que as drogas causam nas pessoas. Além de identificar as pressões que podem influenciá-las a experimentar o cigarro, bebidas alcoólicas, entre tantas outras drogas. E, o mais importante, desenvolvem estratégias para resistir quando é oferecido, além disso, aprendem a dizer não a violência”.
Segundo a secretária de Educação, Aziolê Maria Cavallari Pavin, o programa consiste em um esforço cooperativo entre a Polícia Militar, a Escola e a Família e tem como objetivo ensinar as crianças e adolescentes em idade escolar, a serem capazes de fazer boas escolhas de forma segura e responsável.
“Eles aprendem a se comunicarem e se relacionarem melhor com as pessoas, denunciando o bullying com segurança. Além de reconhecem os malefícios das drogas e as pressões dos colegas e, principalmente, se mantendo livres das drogas e da violência,” declarou.
O programa
O PROERD é desenvolvido em 10 lições que buscam desenvolver habilidades de autoconhecimento e autocontrole emocional. Dessa maneira, auxilia as crianças a tomarem decisões responsáveis, compreendendo o outro, se comunicando de forma eficaz, mantendo relacionamentos interpessoais saudáveis e lidando com desafios e responsabilidades.
O programa é aplicado por policiais militares que são rigorosamente selecionados e formados por profissionais da área da educação. Os profissionais atuam em sala de aula em um período letivo, uma vez por semana com turmas do 5° ano do ensino fundamental.
“O Proerd segue salvando vidas com uma filosofia de prevenir o uso de drogas entre crianças e adolescentes, resistir às pressões de amigos e da mídia, reforçando sua autoestima, além de desenvolver lições de cidadania”, ressaltou a secretária da pasta.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: João Senechal/PMC

Ingressos para a 53ª Festa da Uva de Colombo podem ser comprados com antecipação


WEBMASTER 15 DE DEZEMBRO DE 2015

A aquisição pode ser feita em seis pontos de venda espalhados por toda a Grande Curitiba ou ainda pela internet

festa da UvaJá estão à venda os ingressos para 53ª edição da Festa da Uva de Colombo. As entradas estão disponibilizadas em seis pontos de venda e podem ser adquiridas antecipadas.
Os locais autorizados a realizar a comercialização estão distribuídos por Curitiba e nas cidades da Região Metropolitana. A tradicional comemoração acontece nos dias 28, 29, 30 e 31 de janeiro e reserva atrações especiais durante os quatro dias de festa. A ação é uma realização da Prefeitura Municipal por meio da Comissão Organizadora,
O evento, que acontece no Parque Municipal da Uva, terá início na quinta-feira (28) com a Santa Missa celebrada pelo Padre Reginaldo Manzotti.
Na sexta-feira (29) é a vez da dupla Pedro Paulo e Alex (PPA) subir ao palco. Os cantores sertanejos prometem agitar os visitantes da 53ª da Festa da Uva com seus hits. A noite de sábado (30) será embalada pelo ator, cantor e compositor mineiro Lucas Lucco, a plateia ouvirão seus sucessos, como “Vai Vendo” e “Quando Deus Quer”.
E no domingo (31), a programação musical principal ficará por conta de Luan Santana, um dos mais requisitados nas redes sociais. O cantor traz o seu novo sucesso “Chuva de Arroz” para cantar junto com o público.
Pontos de venda
Os ingressos estão disponíveis no site Uningresso e em pontos de vendas autorizados. Os visitantes poderão adquirir um passaporte que custa R$50,00, dando direito a entrada aos três dias de shows. Também está disponível a compra de ingressos para a área vip no valor de R$50,00 por dia.
Na quinta-feira (28) os portões serão abertos às 17h e a entrada é solidária, ou seja, o visitante troca um quilo de alimento pelo ingresso no local da festa. Nos dias 29, 30, e 31 até às 17h o valor do ingresso é de R$ 10,00 (meia entrada), e após às 17h, o valor é de R$ 20,00 (meia entrada).
Em Curitiba os pontos de venda são: Shopping Cidade, Loja Water Falls (Av. Marechal Floriano Peixoto, 4984), Shopping Sports, Loja Water Fallr (Rua Francisco Derosso, 3488), Avenida Shopping – Shopping dos Descontos (Rua Sete de Setembro, 2362), Shopping Omar (Rua Comendador Araújo, 268).
Em São José dos Pinhais, os pontos de venda são: Loja Soberano Texas Country (Rua Visconde do Rio Branco, 1550).
Em Campo Largo, os ingressos estão à venda no Rei do Espetinho (Rua Gonçalves Dias, 875, centro).
Quem quiser efetuar a compra pela internet, basta acessar o site www.uningressos.com.br. O processo online é realizado através do serviço de compras online PagSeguro, onde o cliente faz a compra e o pagamento é liberado somente após a entrega da mercadoria. A taxa para esta opção é de R$ 5,00, além do preço do ingresso, e as compras acima de R$ 6,00 podem ser parceladas em até três vezes nos cartões de crédito. No site está disponível um passo a passo explicando como o internauta deve efetuar a compra.
Serviço:
51ª Festa da Uva de Colombo
Local: Parque Municipal da Uva
Endereço: Rua Marechal Floriano Peixoto, 8771 – Centro
Contato: 41-3656.2358 / 6181 / 2065
Pontos de venda
AVENIDA SHOPPING – Shopping dos descontos
Rua Sete de Setembro, 2362
Fone: 3077.0061
(a duas quadras do Shopping Estação, em frente a CASSOL)
Horário: Segunda a Sexta: 10h às 19h
Sábado das 10h às 14h
SHOPPING OMAR
(Quiosque anexo à recarga de cartuchos e toners)
Rua Comendador Araújo, 268 (ao lado do Lady Lord)
Fone: 3151.0062
Horário: Segunda a Sexta: 09h30 as 20h
Sábado das 09h30 às 18h
OUTROS PONTOS EM CURITIBA
SHOPPING CIDADE – LOJA WATER FALLS (Av. Marechal Floriano Peixoto, 4984)
SHOPPING SPORTS – Loja WATER FALLR (Rua Francisco Derosso, 3488)
EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS
LOJA SOBERANO TEXAS COUNTRY (Rua Visconde do Rio Branco, 1550)
EM CAMPO LARGO
REI DO ESPETINHO (Rua Gonçalves Dias, 875, Centro)
Venda online:
Dia 29/01 PPA – http://goo.gl/xxgz1r
Dia 30/01 Lucas Lucco – http://goo.gl/qvZrJ5
Dia 31/01 Luan Santana – http://goo.gl/lVvqyJ
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Marcelo Odebrecht continuará preso


POR LAURO JARDIM
Michel Filho
Por quatro votos a um (dado pelo ministro Marcelo Navarro) o STJ acaba de decidir não conceder o habeas corpus pedido pela defesa de Marcelo Odebrecht, preso desde 19 de junho pela Operação Lava-Jato.
Assim, o ex-presidente da maior empreiteira do Brasil vira o ano na prisão. Agora, só poderá recorrer ao Supremo a partir de fevereiro, quando acaba o recesso do Judiciário.

Mulheres são presas com detentos da Lava Jato e ganham autógrafos


Elas foram presas por vender ingressos falsos para show; veja o vídeo.
'Eu nem acreditei que estava com pessoas tão poderosas', conta uma delas.

Malu Mazza, Thais Kaniak e Samuel NunesDo G1 PR e da RPC
Duas mulheres exibiram itens autografados por presos da Operação Lava Jato, na porta da Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba. Segundo Carlene Bezerra Braga e Naiara Maria da Silva, elas foram detidas na quinta-feira (14), vendendo ingressos falsos para o show do músico David Gilmour, em Curitiba e levadas para a Polícia Federal.veja vídeo
A situação foi flagrada pela equipe da RPC, que aguardava a saída do lobista Fernando Baiano de um depoimento, prestado nesta terça-feira (16), no mesmo local.
Ao serem liberadas, elas exibiam uma carta assinada pelas doleiras Nelma Kodama e Iara Galdino, já condenadas em processos da Lava Jato. Além disso, também mostravam uma camiseta que dizem ter recebido do ex-deputado federal Pedro Corrêa, também detido na PF. "Eles deram chocolate para a gente. O Pedro Corrêa deu sabonete. O Alberto Youssef cuidou de mim desde as 5h30, me dando comprimido, água", contou Carlene.
Ainda segundo as duas, a camiseta foi dada por Pedro Corrêa porque elas estavam sentindo frio durante a noite. "Eu achei bem diferente [encontrar essas pessoas], eu nem acreditei, na verdade, que eu estava com pessoas tão poderosas. Eles são famosos. Então, nem sei como eu me senti", lembra Carlene.
Ainda segundo a mulher, a doleira Nelma Kodama lhe garantiu ajuda para deixar Curitiba e ir embora para São Paulo. Elas também afirmaram que os presos lhes deram conselhos. "Disseram para a gente ir com Deus, que nunca mais voltemos aqui", disse Carlene.
As duas explicaram que tiveram contato com os presos da Lava Jato porque, na carceragem, as mulheres têm acesso livre aos corredores, enquanto os homens ficam presos nas celas.
A Polícia Federal foi procurada para comentar a situação e explicar porque presas mulheres têm contato com homens na carceragem da Superintendência. No entanto, a corporação informou que não vai se manifestar a respeito.