Com coletes vencidos, Adepol alerta que operações da Polícia Civil podem parar


Por Luiz Henrique de Oliveira e Antônio Nascimento


Coletes balísticos vencidos podem parar as investigações e operações de campo por parte daPolícia Civil do Paraná. É o que garante a Associação dos Delegados do Paraná (Adepol), que pede uma solução para o caso. De acordo com a Adepol, 42 delegados informaram que não participação mais de operações policiais enquanto o problema não for solucionado.
colete
(Foto: Reprodução Polícia Civil)
“É uma denúncia de um fato incontestável, que é a falta de recursos mínimos para que a Polícia Civil possa continuar trabalhando. São recursos básicos mínimos que não temos, por isso forçamos o Governo para resolver essa questão de forma emergencial. Se não tivermos esses recursos, a sociedade pagará pela omissão do Estado, infelizmente”, disse à Banda B, nesta quarta-feira (16), João Ricardo Noronha, presidente da Adepol.
Segundo Noronha, são 4,2 mil policiais civis e 3 mil coletes vencidos. “Se não conseguem comprar coisas baratas, como os coletes, onde está o dinheiro do Estado? Queremos uma solução e uma explicação para isso. Onde está o dinheiro do Fundo de Reequipamento Policial?”, questionou.
O policial civil explicou como essa paralisação de operações afetará a população. “Nenhum delegado liberará um investigador a ir a campo com colete vencido, porque isso pode prejudicar a carreira dele. A tendência é que tudo seja paralisado até que alguma medida emergencial seja tomada por parte do Governo”, garantiu.
A  Banda B entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) que enviou a seguinte nota:
O setor de Infra-estrutura da Polícia Civil do Paraná esclarece que não é verdadeira a informação de que 90% dos coletes balísticos da corporação estão vencidos. É importante explicar que para a aquisição de novos coletes balísticos o Exército exige que sejam destruídos os vencidos, por meio de uma empresa, para só depois autorizar a compra de mais equipamentos.
Desta maneira, recentemente a Polícia Civil solicitou a destruição de 1.480 coletes que estavam vencidos para que, nos próximos dias, a instituição receba a doação de 880 novos coletes vindos da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) – doação esta já devidamente autorizada. Além disso, tramita na Secretaria da Segurança Pública do Paraná uma licitação para a compra de mais 3.000 coletes balísticos para a Polícia Civil.
Desta maneira, o número de coletes vencidos é de menos de 600 – número muito inferior ao que foi repassado para a reportagem. A determinação do Delegado-Geral da Polícia Civil para a assessoria de planejamento operacional é para que participem de operações somente aqueles policiais que estejam devidamente preparados com o material de segurança adequado – incluindo o colete balístico dentro do prazo de validade. Importante destacar ainda que muitos destes coletes balísticos hoje vencidos estão em carga para policiais que trabalham no setor administrativo – funções estas que não necessitam deste equipamento.