Barusco viaja aos EUA para negociar delação premiada com departamento de Justiça


Delator da Lava Jato, que também tem consulta médica, não foi dispensado de usar tornozeleira

MURILO RAMOS
13/05/2016 - 20h11 - Atualizado 13/05/2016 20h20
Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, em depoimento à CPI que investiga esquema de corrupção na estatal (Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil)
Pedro Barusco, ex-gerente de Engenharia da Petrobras e delator na operação Lava Jato, foi autorizado a viajar pela Justiça Federal aos Estados Unidos, entre 4 e 15 de maio.
Segundo despacho da juíza substituta Carolina Moura Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, Barusco tem entrevista marcada com procuradores do departamento de Justiça dos EUA, "para celebrar acordo de colaboração premiada naquele país".
Outra razão apontada para a autorização é  uma consulta médica do ex-gerente da Petrobras com uma endocrinologista no Hospital da Universidade de Columbia, em Nova York.
Carolina Lebbos, no entanto, não dispensou Barusco de usar tornozeleira eletrônica, um pedido da defesa. "Havendo possibilidade ténica de ser mantido o monitoramento em outro país, como no caso, em que isso é possível, razão não sobeja para a remoção do equipamento".