Líder do PT no Senado defende Renan e diz que não vê crime em conversa


lider
De O Globo
Diferente do bombardeio feito à gravação da conversa do ex-ministro Romero Jucá (PMDB-RR), o líder do PT no Senado, Paulo Rocha (PA), disse que não há nada de mais na conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Os tucanos, por sua vez, criticaram as gravações. Para o líder petista, cabe ao presidente do Senado conversar com presidentes de outros poderes para definir caminhos para o país, e faz parte de suas atribuições melhorar a legislação, como o caso da lei do impeachment.
– Diferente da outra gravação com Jucá, não há crime nenhum na conversa do presidente Renan Calheiros. Ele já tinha falado em entrevista sobre a necessidade de melhorar a legislação, como a caduca lei do impeachment, de 1950. É uma responsabilidade dele, como presidente do Congresso, adaptar a legislação em função do momento político. Não tem a gravidade da conversa do Jucá – defendeu o líder do PT, senador Paulo Rocha.
Em nota divulgada hoje, a direção do PSDB diz que as gravações são uma tentativa do delator de valorizar sua colaboração, tentando induzir o grampeado com as mesmas perguntas feitas ao senador Romero Jucá (PMDB-RR) a fazer considerações sobre o PSDB e o presidente Aécio Neves.
“As gravações se limitam a reproduzir comentários feitos pelo próprio autor, com o objetivo específico de serem gravados e divulgados. É inaceitável essa reiterada tentativa de acusar sem provas em busca de conseguir benefícios de uma delação premiada. Por isso será acionado pelo partido na Justiça” diz nota divulgada pelo PSDB.
Publicidade
Na conversa com Sérgio Machado, Renan defendeu mudança na lei da delação premiada. O presidente do Senado sugere ainda que, após enfrentar esse assunto, também poderia “negociar” com membros do STF “a transição” da presidente afastada Dilma Rousseff.
Na segunda-feira, também foram revelados pelo jornal ‘Folha de S. Paulo” diálogos entre Machado e Romero Jucá (PMDB-RR), ex-ministro do Planejamento. Na conversa, Jucá sugere que uma “mudança” no governo resultaria em um pacto para “estancar a sangria” atribuída à Operação Lava-Jato. A divulgação das gravações levou à saída do ministro do governo do presidente interino Michel Temer. O peemdebista disse que ficará afastado do cargo até o Ministério Público Federal se pronunciar sobre os áudios e destacou que, se for inocentado, voltará ao posto.
A defesa da presidente afastada Dilma Rousseff usará a gravação de Jucá como um dos argumentos para derrubar o processo de impeachment. A questão estará presente na defesa que será apresentada na próxima quarta-feira à comissão especial do impeachment pelo advogado José Eduardo Cardozo.