Cerveró: "Ideli recebia propina"



Em sua delação, Nestor Cerveró também citou a ex-senadora Ideli Salvati. Ele disse que, em 2011 ou 2012, a petista lhe telefonou convidando-o para um almoço em seu gabinete.
Chegando lá, Ideli disse: "Nestor, nós temos que ajudar o Dalçoquio".
Segundo Cerveró, a Dalçoquio devia R$ 95 milhões à BR Distribuidora. Para atender a petista, o ex-diretor conseguiu renegociar a dívida da empresa, reduzindo-a para R$ 40 milhões.
Aos investidores, ele disse que "Ideli recebia propina", assim como João Pizzolatti e Delcídio do Amaral, e que a Dalçoquio era uma patrocinadora "contumaz" da classe política.