Polícia prende jovem que matou médico pneumologista em apartamento no Bigorrilho


Da Redação 
medicobigorrilho
Crime foi cometido no apartamento do médico (Foto: Banda B)

O latrocínio que vitimou o médico pneumologista Sérgio Roberto Savytzky, 58 anos, foi esclarecido pela Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba, na manhã de quarta-feira (21), com a identificação e prisão do suspeito pelo crime. Wellington Vinicius Paris, 29 anos, foi preso em sua residência no bairro Boa Vista, após o cumprimento de um mandado de prisão temporária expedido pela 9ª Vara Criminal da capital. O delegado Emmanoel David, da DFR, afirmou à Banda B que Paris nega o crime, mas há provas do contrário.
suspeito
Suspeito nega o crime
Em depoimento, Paris disse que não mantinha contato com o médico há um ano e meio, o que durante as investigações foi negado por testemunhas.
“Ele esteve quatro vezes no consultório no ano passado e duas vezes neste ano. Além disso, estava no prédio no dia do crime. Todos os indícios apontam ele como o suspeito da prática do crime, até porque os dois mantinham uma relação pessoal, o que foi comprovado por funcionários do apartamento”, descreveu o delegado à Banda B.
O crime aconteceu no dia 12 de agosto deste ano, no apartamento da vítima situado no bairro Bigorrilho, quando o médico foi assassinado, vítima de esganadura – asfixia por compressão do pescoço com as mãos. O laudo definitivo do Instituto Médico Legal (IML), deverá ser concluído até o final de semana.
Após a prática do crime, o suspeito levou o celular, alguns objetos pessoais e o veículo Ecosport prata da vítima, utilizado para fuga. O veículo foi encontrado abandonado, no bairro Capão Raso, no mesmo dia do fato.
A polícia preferiu não entrar em detalhes da relação pessoal entre a vítima e o autor e nem sobre uma motivação que vai além do assalto. “Agora as diligências continuam durante o período de prisão preventiva do suspeito, a fim de complementar as provas contra o suspeito, que será encaminhado para a Justiça”, concluiu o delegado responsável pelo caso, alertando que “existem indícios muito consistentes de que ele cometeu o crime.
O suspeito foi encaminhado para a DFR, onde permanece preso à disposição da Justiça. Ele responderá pelo crime de latrocínio, se condenado poderá pegar até 30 anos de reclusão.