Jackson Follmann inicia transferência hospitalar para Chapecó


Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Instagram
    Follmann durante treino na temporada de 2016
    Follmann durante treino na temporada de 2016
O Hospital Israelita Albert Einstein divulgou um comunicado em que informa que o procedimento de transferência do goleiro Jackson Follmann de São Paulo para Chapecó teve início às 9h40 (de Brasília) deste sábado. O jogador foi o único sobrevivente do acidente aéreo com a Chapecoense que passou por tratamento em São Paulo.
Um helicóptero deixou o hospital por volta das 10h20 e levou o Follmann até o Aeroporto de Congonhas, de onde ele embarca para a cidade catarinense. O goleiro usa um colar cervical rígido e está acompanhado pelo médico Marcos Sonagli. A chegada a Chapecó está prevista para as 12h, e ele ficará internado no Hospital Unimed.
Follmann se juntará, assim, ao zagueiro Neto e ao jornalista Rafael Henzel, que se recuperam no mesmo hospital da cidade catarinense. Lá, o goleiro, que teve parte da perna direita amputada, passará por mais uma cirurgia - dessa vez no pé esquerdo. Alan Ruschel já teve alta.
Antes de iniciar a viagem, Follmann postou uma foto no Instagram. "Partiu Chapecó", disse.  

Confira o boletim médico na íntegra

O Hospital Israelita Albert Einstein comunica que o jogador de futebol Jackson Follmann será transferido às 9h40 de hoje para o Hospital Unimed em Chapeco/SC. 
A transferência do paciente só foi possível por tratar-se de um processo de "hospital para hospital", que resguarda a segurança do paciente. Até que o paciente esteja apto para ir de alta para sua casa, haverá o contato diário das equipes do Einstein, lideradas pelo Dr. Jorge Roberto Pagura, com as equipes da Unimed Chapecó, à cargo do Dr. Marcos Sonagli.
O paciente será removido em um helicóptero da Uniair/Unimed, acompanhado do Dr. Marcos Sonagli, até o Aeroporto de Congonhas de onde parte, em avião equipado para o traslado de pacientes da Uniair/Unimed, até a cidade de Chapecó.
Desde a sua saída até a completa remoção o paciente deverá usar um colar cervical rígido, não usará sonda vesical e manterá os curativos no membro inferior esquerdo e no coto de amputação (direito).