PRIMO DE BUMLAI E AS 'DOAÇÕES ALTERNATIVAS' A LULA



Na denúncia demolidora do MPF contra Lula e sua trupe, os procuradores apontam Glaucos da Costamarques como alguém constantemente usado por Lula e Roberto Teixeira.
Glaucos foi usado como laranja tanto na compra da cobertura de São Bernardo do Campo como na aquisição do terreno para o Instituto Lula. O MPF também confirmou que o primo do amigão José Carlos Bumlai foi sócio de empresas dos filhos de Lula.
E mais: emails obtidos pela força-tarefa mostram Glaucos sendo demandado por Luiz Wilson Marques Daudt, de uma empresa chamada "International Security and Telecommunications Provider", para contratação de Márcio Thomaz Bastos e com interesse em conversar sobre "formas alternativas de contribuições financeiras expressivas ao Instituto Lula".