Mãe entrega menor suspeito de matar médico em assalto no Rio


Dois adolescentes estão apreendidos pelo crime em Irajá, em 8 de janeiro.
Mãe disse querer que a polícia cuide do filho; menor confessou participação.

Do G1 Rio
Dois menores de idade suspeitos de matar o médico Helder Dias da Costa Tomé Júnior, de 35 anos, na noite de 8 de janeiro, foram apreendidos pela polícia nesta sexta-feira (15). Segundo informações do RJTV, a dupla foi capturada depois que a mãe de um deles descobriu o envolvimento do filho de 15 anos no caso e o entregou à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).(veja vídeo)
Helder Dias da Costa Tomé Júnior foi assassinado na noite de sexta (8) (Foto: Reprodução / Internet)Helder tinha 35 anos (Foto: Reprodução)
  •  
saiba mais

A mãe tomou a decisão de procurar a polícia assim que soube, pela filha, que o garoto havia participado do crime. Ela disse que estava entregando o menino para que a polícia cuidasse dele.
Da DPCA, mãe e filho foram levados para a Divisão de Homicídios, onde o adolescente foi ouvido, confessou a participação no crime e entregou o comparsa, de 16 anos, que já havia sido apreendido na quarta-feira (13), na Pavuna, Subúrbio do Rio, por roubo de outro carro.
O adolescente disse ainda aos policiais que ele e o cúmplice atiraram no médico e que o carro dele seria vendido por R$ 5 mil.
A principal pista que polícia tinha eram imagens de câmeras de segurança, que mostram a dupla em ação, mas a identificação dos dois não foi possível só com as imagens.
O crime
Helder foi abordado pela dupla quando passava de carro pela esquina das ruas Samoa e Coronel Teixeira, em Irajá, também no subúrbio. Ele voltava de um plantão. Ao reduzir a velocidade por causa de um quebra-molas, ele foi rendido. O médico desceu do veículo e, segundo testemunhas, mesmo sem esboçar reação, levou um tiro no peito. Os menores fugiram levando o carro da vítima.

Falha em teste com nova droga deixa 6 hospitalizados na França, um com morte cerebral

Ambulância é vista na entrada da emergência de um hospital em Rennes, na França, onde seis pessoas estão em estado grave depois de participarem de um teste clínico de um novo medicamento - 15/01/2016
Ambulância é vista na entrada da emergência de um hospital em Rennes, na França, onde seis pessoas estão em estado grave depois de participarem de um teste clínico de um novo medicamento - 15/01/2016(Stephane Mahe/Reuters)
Uma pessoa sofreu morte cerebral e outras cinco ficaram gravemente doentes e estão hospitalizadas após participarem de um experimento clínico no oeste da França para testar um novo medicamento. O Ministério da Saúde francês afirmou nesta sexta-feira que os seis pacientes do sexo masculino, de idades entre 28 e 49 anos, tinham boas condições de saúde até tomarem o remédio por via oral.
Segundo a ministra da Saúde francesa, Marisol Touraine, o laboratório português Bial é o fabricante do medicamento experimental. A droga ainda estava na Fase 1 de teste e tinha o objetivo de atuar no sistema neurológico que lida com a dor. Uma fonte próxima à situação havia dito que o medicamento era um analgésico a base de cannabis, mas a ministra negou essa informação.

Os voluntários começaram a tomar a droga no dia 7 de janeiro. Um deles começou a se sentir mal no último domingo e os outros sentiram os sintomas nos dias seguintes. O paciente que apresentou morte cerebral deu entrada em um hospital na cidade de Rennes na segunda-feira e os demais foram hospitalizados entre quarta e quinta-feira desta semana.
Os testes foram realizados na clínica privada Biotrial, em Rennes, na Bretanha, região oeste da França. Os outros experimentos realizados no local foram suspensos e todos os outros 90 voluntários que participaram do mesmo experimento foram chamados novamente para exames. A clínica tem reputação internacional e realiza centenas de testes de medicamentos, todos com autorização do Ministério da Saúde, desde 1989. A Promotoria de Paris informou que uma investigação sobre o caso já foi aberta.
(Da redação)

Turista alagoana é atingida por balas perdidas durante briga e morre na BA


Mulher estava ao lado do marido quando foi baleada, em Salvador.
Vítima chegou a ser levada a hospital, mas não resistiu; ninguém foi preso.

Do G1 BA com informações da TV Bahia
Uma turista alagoana de 30 anos morreu após ser atingida por duas balas perdidas no bairro de Fazenda Grande do Retiro, em Salvador. Segundo informações da polícia, Tatiana Monteiro Cavalcanti estava com o marido na porta da casa da sogra, na Rua Diva Pimentel, na localidade do Calafate, quando foi baleada.(veja vídeo)
Turista alagoana estava em Salvador desde o natal (Foto: Reprodução/TV Bahia)Turista alagoana estava em Salvador desde o natal.
(Foto: Reprodução/TV Bahia)
A mulher, o marido e o filho do casal de quatro anos estavam hospedados na residência da parente desde o natal e planejavam viajar de voltar para a cidade de Penedo (AL), onde moram, neste sábado (16).
Segundo testemunhas, a Tatiana acompanhava ao lado do marido a movimentaçao das pessoas que voltavam da festa da Lavagem do Bonfim, na noite de quinta-feira (15), quando algumas pessoas iniciaram uma briga no meio da rua.
Um dos envolvidos na confusão começou a atirar e dois disparos atingiram a turista no rosto. Ela chegou a ser socorrida e levada para o Hospital Ernesto Simões, no bairro de Pau Miudo, mas não resistiu aos ferimentos. Até a noite desta sexta-feira (15), os envolvidos na briga não haviam sido identificados.

PGR pede ao STF perda de mandatos dos senadores Collor e Delcídio


Pedido foi feito nas denúncias feitas ao STF contra os dois parlamentares.
Teor das acusações ainda está em sigilo devido a delações premiadas.

Nathalia PassarinhoDo G1, em Brasília
Nas denúncias que apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu que seja declarada, em caso de condenação, a perda do mandato dos senadores Fernando Collor de Mello (PTB-AL) e Delcídio do Amaral (PT-MS), ex-líder do governo no Senado, preso em Brasília.
Os dois são suspeitos de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras investigado pelaOperação Lava Jato.
As denúncias contra Fernando Collor e Delcídio do Amaral estão em segredo de justiça, mas oG1 apurou que Janot encerra as denúncias em que solicita ao Supremo abertura de ação penal contra os dois senadores com pedido para que sejam obrigados a deixar o cargo.
Essa solicitação é considerada padrão em denúncias de parlamentares e deve se repetir se novos deputados ou senadores forem formalmente acusados de crimes.
As denúncias ainda estão em segredo de justiça porque citam trechos de delações premiadas ainda não homologadas pela Justiça.
Versões dos senadores
G1 procurou a assessoria de Collor e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.
Quando  denunciado, o senador classificou as acusações de um "teatro" montado pela Procuradoria-Geral e negou ter cometido irregularidades.
"O senador Fernando Collor reitera sua posição acerca dessa denúncia, que foi construída sob sucessivos lances espetaculosos. Como um teatro, o PGR [Janot] encarregou-se de selecionar a ordem dos atos para a plateia, sem nenhuma vista pela principal vítima dessa trama, que também não teve direito a falar nos autos", disse a assessoria do parlamentar quando a denúncia foi protocolada no STF.
G1 deixou recado no celular do advogado de Delcídio Amaral e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.
Quando a denúncia contra o petista foi apresentada pela PGR ao Supremo, a defesa disse que não se manifestaria até o obter o teor das acusações. Em depoimento à Polícia Federal, o senador disse que queria a soltura do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró por "questões humanitárias", por conhecer a família e ter trabalhado com Cerveró.
Pedidos de perda de mandato também foram feitos por Janot  nas denúncias contra os deputados Vander Loubet (PT-MS), Nelson Meurer (PP-PR) e Arthur de Lira (PP-AL), e na denúncia contra o senador Benedito de Lira (PP-AL).
As acusações
Conforme as investigações, Collor teria recebido, entre 2010 e 2014, R$ 26 milhões como pagamento de propina por contratos firmados na BR Distribuidora.
Já Delcídio do Amaral foi preso no ano passado por tentar atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Em gravação feita por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, Delcídio promete falar com ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para libertar o ex-executivo, além de sugerir um plano de fuga para a Espanha passando pelo Paraguai.
Nas peças, o procurador requer “a decretação da perda da função pública para os condenados detentores de cargo ou emprego público ou mandato eletivo, principalmente por terem agido com violação de seus deveres para com o Poder Público e a sociedade".
saiba mais

O pedido é feito com base em artigo do Código Penal que estabelece a perda do cargo quando aplicada pena de prisão igual ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública ou superior a quatro anos nos demais casos.
A Constituição prevê que os direitos políticos de um parlamentar são suspensos em caso de condenação criminal transitada em julgado, isto é, após o esgotamento de todos os recursos. Além disso, determina a perda do mandato dos que perdem ou têm suspensos os direitos políticos.
Entendimento do Supremo
Em 2012, quando o Supremo julgou o processo do mensalão, a maioria dos ministros entendeuque uma condenação pela própria Corte levava automaticamente à perda do mandato.
Um ano depois, porém, com a mudança da composição, os ministros mudaram esse entendimento, fixando que cabe ao Senado ou à Câmara votar, em plenário, pela cassação.
O novo entendimento foi fixado em julgamento com placar apertado (5 votos a 4). Depois de 2013, a composição do Supremo sofreu nova modificação, com a chegada de Luís Roberto Barroso e Luiz Fachin.
A depender do posicionamento desses dois magistrados, poderá haver nova modificação no entendimento do STF sobre perda de mandato.

Fronteira vulnerável


lanchas
Por falta de gasolina, os barcos da Polícia Federal, que fazem a fiscalização na fronteira do Paraná com Paraguai e Argentina, estão parados o que pode aumentar o tráfico de drogas e armas por aquela região. A Polícia Federal também está fechando delegacias por falta de pagamento de aluguel a a Delegacia de Foz do Iguaçu, a maior do Estado, começou o ano com dívida de R$ 2 milhões. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal está fazendo uma campanha contra o desmonte do órgão. As informações são de Pedro Ribeiro no blog Sintonia Fina do Paraná Portal.

Lewandowski liberta Ricardo Hoffmann


brasil-ricardo-hoffmann-borghi-lowe-lava-jato-20150410-001_original
A advogada de Ricardo Hoffmann, Maria Francisca Accioly, informa ao blog que o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, determinou a soltura de seu cliente. Ricardo Hoffmann terá que comparecer bimestralmente em juízo, está proibido de contratar com o poder público e terá que pagar fiança.
Ricardo Hoffmann estava preso desde 11 de abril pela Operação Lava Jato que investiga suas ligações com o ex-deputado André Vargas, ex-PT, em negociações com agências de propaganda.

THAMMY GRETCHEN NÃO AGUENTA HUMILHAÇÃO E PARTE PRA CIMA DE RAUL GIL ASSISTA


Recebendo o pastor Marco Feliciano no quadro “Elas Querem Saber”, Raul Gil precisou lidar com momentos de estresse de Thammy Miranda, revoltada com o que ouvia.



O filho de Gretchen chegou a deixar o estúdio ao ter o seu microfone cortado.

Já neste domingo (23), participando do programa Eliana ao lado da mãe, Thammy pôde explicar como tudo realmente aconteceu. Ao vivo, ele revelou que se irritou não apenas por causa dos comentários .

Como o “Programa Raul Gil” é gravado, a edição decidiu cortar este trecho, exibindo apenas o momento em que Thammy se revolta e o apresentador diz que ele estava levando as coisas para o lado pessoal.

Pouco depois disso, o ator simplesmente abandonou o estúdio na época. Ontem, ele explicou que saiu não por causa de Feliciano, mas sim porque não gostou que Raul Gil mandou cortarem o seu microfone. “se cortaram meu microfone, eu não precisava ficar ali”.

O diretor Raul Gil Jr. precisou ir até o camarim na ocasião para se desculpar e convencer Thammy a voltar para a gravação. Ele topou e continua no elenco do “Elas Querem Saber” até hoje.

Com o clima pesado após a explicação, Eliana tentou descontrair e mandou um beijo para Raul Gil, cogitando que ele fez isso simplesmente porque não queria polêmica em sua atração.

Geraldo Alckmin, o conselheiro de Datena


datena
Ancelmo Gois, O Globo
O apresentador José Luiz Datena, que andou flertando com a possibilidade de ser candidato a prefeito de São Paulo, foi outro dia ouvir uns conselhos de Geraldo Alckmin.
O governador paulista procurou chamar a atenção para os percalços da vida política. Contou a história de um lojista do interior, muito querido na cidade porque no Natal distribuía brinquedos para as crianças pobres.
Só que…
Sua vida virou um inferno depois que se aventurou a ser candidato a prefeito da sua cidade:
— Foi chamado de ladrão, sonegador e até de corno, por ter casado com uma mulher bem mais nova.
Datena entendeu o recado.

Juliano Borghetti diz que Richa o vê como inimigo


juliano borghetti
A seguir, trechos do depoimento de Juliano Borghetti em que o ex-vereador afirma que o governador Beto Richa (PSDB) o vê como inimigo. O material foi publicado na Gazeta do Povo desta quinta-feira (14). Confira:
“Tive uma discussão dentro do governo, com o próprio governador, e ele me exonerou [da superintendência da EcoParaná]. Tanto que a gente tinha uma amizade, mas hoje a gente não se cumprimenta, não se olha”
“Nunca [usei a condição de vice da Cida em favor da Valor], nem tenho acesso ao governo. Minha irmã está lá, mas infelizmente com o governo, com o grupo do atual governador, tenho uma inimizade política forte”

HOMEM É ENGANADO POR JOVEM NA INTERNET E FICA 7 DIAS NO AEROPORTO


APAIXONADO, PROMOTOR DE VENDAS DE 44 ANOS TINHA VIAJADO PARA TOCANTINS PARA CONHECER JOVEM DE 19 E, SE TUDO DESSE CERTO, PEDI-LA EM CASAMENTO

Celular Telefonia  (Foto: Shutterstock)
Tudo começou há quatro meses, em umaplicativo de relacionamentos. O promotor de vendas José Antônio Dias Parada, de 44 anos, divorciado, com um filho de 13, começou a trocar mensagens com uma jovem chamada Milena, que dizia ter 19 anos. Ele mora em Florianópolis; ela dizia ser de Palmas.
Fotos e juras de amor se tornaram rotina. Apaixonado, Parada decidiu viajar para Tocantins para conhecê-la e, se tudo desse certo, pedi-la em casamento. Esperançoso, aproveitou as férias acumuladas, pegou o dinheiro que tinha, comprou uma passagem e, no dia 18, após rodar 2,4 mil quilômetros, desembarcou em Palmas. Parada havia dito que não tinha dinheiro para a passagem de volta, e Milena se comprometera a ajudá-lo.
No aeroporto, a primeira decepção: ela não o esperava. Também não foi no dia seguinte. Sem dinheiro, recebeu ajuda de funcionários do aeroporto, que arrumaram um local para ele dormir e tomar banho, além de comida, enquanto esperava Milena. O pai resistia à relação, ela dizia, mas Parada acreditava num final feliz.
No quarto dia, ele virou notícia de jornal e se tornou uma celebridade local. Nas redes sociais, foi citado como "excelente partido", "louco" e até "idiota". Sensibilizados, funcionários do aeroporto fizeram uma vaquinha para arrecadar dinheiro para a passagem de ônibus de volta. Mas outras decepções o esperavam.
SAIBA MAIS

Uma rádio localizou a garota e o pai em uma cidade perto de Palmas e na quinta-feira, 25, colocou os três no ar. "Ela negou tudo. Foi imatura, inconsequente. Brincou com os meus sentimentos", disse Parada. Milena, na realidade, tem 15 anos.
No programa, Parada pediu desculpas ao pai dela, disse que jamais teria se envolvido se soubesse que ela era menor. À noite, embarcou para Florianópolis. Apesar da desilusão, ele sonha em encontrar alguém: "Mas, dessa vez, vou a lugares para encontrar pessoas reais".
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

EMPRESA INVENTA MALA DE VIAGEM QUE SE DESDOBRA EM PRATELEIRAS


PARA VOCÊ NÃO SE PREOCUPAR MAIS COM ROUPAS AMASSADAS

Mala promete ajudar a viajar com mais facilidade e praticidade (Foto: Divulgação)
Há quem ache que a pior parte de uma viagem é fazer (e desfazer) as malas. Dobrar roupas e encaixá-las de modo a não amassá-las definitivamente não é uma tarefa fácil. Pois um novo tipo de mala promete resolver esses dilemas.

Chamada de ShelfPack!, a mala vem com prateleiras embutidas, de modo que, quando alguém for abri-la, uma armação ergue-se e as roupas aparecem dobradas e dispostas em divisões horizontais. Na hora de fechar, é só abaixar a armação.

A mala é fabricada por uma empresa com sede em Santa Barbara, na Califórnia, e traz o slogan: "The Smart Way To Travel", algo como "A maneira inteligente de viajar". Osite do produto ainda está sendo criado, mas o jornal Metro do Reino Unido citou o que parece ser um dos únicos incovenientes da mala: seu preço. Eficiência, afinal, não é algo que sai barato. Segundo o Metro, a mala será vendida por US$ 349, cerca de R$ 1090. 
Especificações da mala (Foto: Divulgação)