‘Vou para o PSB’, anuncia Luiz Claudio Romanelli


romanelli - alep
O deputado Luiz Claudio Romanelli confirmou nesta terça-feira, 1º de março, seu desligamento do PMDB. “Vou para o PSB, já está confirmado”, disse. Devem acompanhar Romanelli, os deputados Alexandre Curi, Artagão Junior e Jonas Guimarães, além do ex-deputado Stephanes Junior – todos do PMDB. Os cinco deputados vão convocar na próxima semana uma coletiva para expor os motivos da saída do PMDB. Acompanham a filiação dos deputados rumo ao PSB, outros 150 prefeitos, vice-prefeitos e vereadores peemedebistas. Romanelli é um dos fundadores do PMDB do Paraná.

Seis deputados podem acompanhar Ratinho Júnior rumo ao PSD


ratinhojr
Ratinho Júnior vai desembarcar no PSD levando até seis deputados estaduais. As intenções foram expostas por Ratinho Júnior em um almoço nesta terça-feira, 1º de março, com os deputados do PSC. A maioria, segundo consta, topa ir com ele. O deputado Ney leprevost (PSD) garante que o atual secretário do Desenvolvimento Urbano vem para ser candidato a governador em 2018. “O candidato à prefeitura de Curitiba sou eu”, diz Leprevost.

Provas envolvendo o filho do ex-presidente podem ser utilizadas, decide TRF


Decisão permite que força-tarefa da Operação Zelotes avance na análise de documentos apreendidos nas empresas de Luis Cláudio Lula da Silva

THIAGO BRONZATTO
01/03/2016 - 19h20 - Atualizado 01/03/2016 19h23
 Luis Claudio Lula da Silva, um dos filhos do ex-presidente Lula (Foto: Reprodução/Facebook)

O material apreendido no escritório de Luis Cláudio Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, poderá ser utilizado como prova pela força-tarefa da Operação Zelotes. A decisão foi tomada no último dia 24 de fevereiro pela 2ª Seção do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região. Para os investigadores, documentos recolhidos na sede das empresas LFT Marketing Esportivo e Touchdown Promoção de Eventos Esportivos, de Luis Cláudio, serão importantes para entender por que Luis Claudio recebeu R$ 2,5 milhões do lobista Mauro Marcondes, preso preventivamente há quatro meses na Penitenciária da Papuda, em Brasília.
Em outubro do ano passado, a defesa do filho do ex-presidente protocolou no TRF um mandado de segurança para tentar anular a decisão judicial que autorizou a busca e apreensão em endereços das empresas de Luis Cláudio. O advogado Cristiano Zanin Martins alegou que houve uma ilegalidade ao relacionado o seu cliente com as investigações da Zelote. Porém, de acordo com decisão assinada pelo desembargador federal Hilton Queiroz, não houve “qualquer ilegalidade, ou abuso de poder”. Por essa razão, a solicitação da defesa de Luis Cláudio foi denegada.
Na representação da Polícia Federal, assinada pelo delegado Marlon Cajado e solicitando a deflagração de busca e apreensão em endereços de alguns suspeitos, não há qualquer menção ao filho do ex-presidente. O Ministério Público Federal, no entanto, incluiu as empresas de Luis Cláudio como alvos da operação, baseando-se em um relatório produzido pela Receita Federal que apontava um repasse suspeito de R$ 2,4 milhões feito por um lobista para o filho do ex-presidente. O fato chamou a atenção dos procuradores José Alfredo de Paula Silva e Raquel Branquinho, que assinam a representação.
Em novembro do ano passado, ÉPOCA revelou que a Polícia Federal considerou contraditórias e vazias as versões apresentadas nos depoimentos prestados pelo filho do ex-presidente Lula e pelo lobista Mauro Marcondes sobre o repasse de R$ 2,5 milhões. No mesmo mês, o Jornal Nacional mostrou um relatório da PF segundo o qual Luis Cláudio copiou trechos da internet em seu relatório de consultoria prestada para Marcondes. Isso, para os investigadores, era um indícios de que o documento fora montado. Para esclarecer essa dúvida, a PF solicitou acesso ao arquivo original do trabalho, salvo no computado do filho do ex-presidente. O objetivo era checar a data da elaboração do material. O advogado Cristiano Zanin Martins se recusou a fornecer um pen drive, alegando que já entregara uma cópia impressa do relatório à PF.

Mãe de menina que queimou 70% do corpo na RMC diz que vai visitar filha no hospital e desaparece


Por Marina Sequinel


A jovem Jéssica Bruna Flor, de 22 anos, está desaparecida desde a manhã de sexta-feira (26), em Castro, na região central do estado. Ela é a mãe da menina de seis anos que teve 70% do corpo queimado em um acidente doméstico em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. O caso aconteceu no último dia 25.
jessica2
Jéssica está desaparecida desde a manhã de sexta-feira. (Foto: Reprodução)
Segundo a família, Jéssica mora em Castro e havia deixado a filha aos cuidados da irmã em Colombo. “Na sexta-feira pela manhã, o marido dela a embarcou em um ônibus porque ela disse que precisava ir a uma consulta médica em Ponta Grossa. No sábado, quando o meu cunhado foi buscá-la, para trazê-la para Curitiba ver a filha no hospital, ela não estava mais lá, não tinha voltado”, contou Lenir Flor Lauriano, irmã da jovem, em entrevista à Banda B.
A família está desesperada, porque não tem pistas de onde Jéssica possa estar. De acordo com Lenir, no sábado, ela mandou uma mensagem para uma prima dizendo que seguiria para Curitiba para visitar a filha. “A última vez que ela viu o WhatsApp foi às 12h45 no sábado. Nós ligamos para o telefone dela, mas só cai na caixa postal. Estamos muito preocupados, principalmente pela criança, que está em estado gravíssimo e precisa da mãe”, completou ela.
Um Boletim de Ocorrência foi registrado em Ponta Grossa sobre o desaparecimento da jovem. Qualquer informação sobre o paradeiro dela pode ser repassada para a família por meio do (41) 9543-6983.
O caso
A menina de seis anos estava em casa com a babá, no bairro Alto Maracanã, quando o acidente doméstico aconteceu. A babá e a criança tentavam acender um fogão a lenha com álcool quando ele explodiu e atingiu a pequena.
Ela teve 70% do corpo queimado e está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba.

Jundiaí se mobiliza para achar novo milionário da Mega Sena


Em Sorocaba (SP)
 Ouvir texto
 
0:00
 Imprimir Comunicar erro
  • Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
O apostador que ganhou R$ 17 milhões na Mega Sena sorteada no dia 4 de fevereiro não tinha se apresentado para sacar a bolada da aposta, feita em uma lotérica de Jundiaí, no interior de São Paulo, até a tarde desta terça-feira (1º). Na cidade, a ausência do felizardo quase um mês depois do sorteio causa expectativa.
"Muita gente acha que ele esqueceu de conferir o bilhete, mas há quem diga que ele só vem no último dia do prazo", conta a comerciante Célia Regina Sonoda, dona da lotérica Jundiaí da Sorte, onde foi feita a aposta.
O sorteado tem 90 dias corridos para reclamar o prêmio, segundo o regulamento da Caixa Econômica Federal, administradora da loteria. O problema é que, enquanto não fizer isso, o dinheiro não rende juros ou correção monetária.
"Ele já perdeu pelo menos R$ 80 mil", diz Célia Regina, considerando a perda do valor do dinheiro para a inflação e o que deixou de ganhar se tivesse aplicado na poupança, o rendimento mais básico. Já se tivesse feito uma aplicação mais ousada no mercado financeiro, o apostador teria acrescido pelo menos R$ 150 mil à sua fortuna, segundo ela.
Para a dona da lotérica, localizada na região do Agapeama, zona sul da cidade, o bilhete premiado já deu lucro. Desde que a Mega Sena saiu para uma aposta feita ali, o movimento praticamente dobrou. "Vem gente de longe para apostar aqui."
Célia Regina diz que, há quatro anos, um apostador da Lotofácil ganhou R$ 300 mil. Ela também se considera pé quente. "Quando eu tinha lotérica em São Paulo, também houve um ganhador de R$ 1,5 milhão."
A cidade também ganha fama pela sorte. Em 2010, um apostador levou R$ 18 milhões. Em fevereiro do ano passado, foi de Jundiaí a aposta que rendeu mais de R$ 29 milhões a um sortudo.

Andrade diz ter pagado ilegalmente dívida de campanha de Dilma em 2010


Daniel Marenco - 26.out.2010/Folhapress
ORG XMIT: Staff FORTALEZA, CE - 26.10.2010: ELEIÇÕES 2010/DILMA/CE - A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, faz carreata na praça Ferreira, no centro de Fortaleza, ao lado do governador reeleito pelo PSB, Cid Gomes, da prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), e do deputado federal Ciro Gomes (PSB), coordenador de sua campanha no nordeste, nesta terça-feira. (Foto: Daniel Marenco/Folhapress)
Dilma Rousseff durante campanha à Presidência, em 2010, em Fortaleza

PUBLICIDADE
A Andrade Gutierrez, segunda maior empreiteira do país, afirma ter pago despesas com fornecedores dacampanha eleitoral de Dilma Rousseff em 2010. O pagamento, ilícito, foi feito por meio de contrato fictício de prestação de serviço.
A revelação foi feita no acordo para a delação premiada de 11 executivos da Andrade, segundo aFolha apurou, e é a primeira citação direta de irregularidade apurada pela Lava Jato que envolve uma campanha da presidente da República.
O fornecedor conhecido até aqui, segundo pessoas que tiveram acesso aos detalhes do acordo no Ministério Público Federal, é a agência de comunicação Pepper –que trabalhou para Dilma em 2010.
O pagamento foi feito, segundo delatores, a pedido direto de um dos coordenadores da campanha do PT.
Para dar um aspecto de regularidade ao pagamento em sua contabilidade, a Andrade produziu um contrato fictício com a Pepper, segundo o relato. O valor, segundo o mesmo relato, superava os R$ 5 milhões à época.
Em 2010, a Andrade Gutierrez fez três doações oficiais para o comitê financeiro da campanha de Dilma, entre agosto e outubro, que somam R$ 5,1 milhões. Já a campanha de Dilma declarou gastos de R$ 6,5 milhões especificamente com a agência Pepper.
De acordo com ministros do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), esse tipo de triangulação representa caixa dois. Como se trata da campanha de 2010, na Justiça Eleitoral não haverá implicações diretas em caso de comprovação do crime, como perda do mandato, porque o governo se encerrou em 2014.
Cabem, contudo, ainda ações criminais sobre o episódio.
Procurado pela Folha, o tesoureiro da campanha presidencial de 2010, José de Filippi Júnior, negou irregularidades apontadas pela Andrade Gutierrez. Segundo ele, "tudo foi feito de maneira legal, legítima e não houve fraude".
A Pepper informou que não tem conhecimento da delação da Andrade e que só vai se manifestar no momento e no foro apropriados. A empresa afirmou ainda que fechou contrato com a empreiteira e que entre os serviços prestados estavam o monitoramento de redes sociais e apresentação sobre as ferramentas para diretores da empresa.

MAIS REVELAÇÕES
Além de informações sobre a campanha de 2010, o roteiro acertado com os procuradores inclui ainda revelações sobre irregularidades cometidas nas obras da usina nuclear de Angra 3, da hidrelétrica de Belo Monte, na Petrobras e em três estádios da Copa do Mundo (Arena Amazonas, Maracanã e Mané Garrincha, em Brasília).
Segundo o que os delatores acertaram com o Ministério Público, a propina nesses casos iria para o PT e para o PMDB na forma clássica apurada pela Lava Jato: doações eleitorais legais, mas com a origem dos recursos em acordos irregulares em obras públicas.
O acordo entre a Andrade Gutierrez e o Ministério Público envolve o pagamento, pela construtora, de uma multa de R$ 1 bilhão e determina que 11 executivos que trabalham ou trabalharam na empreiteira contem o que sabiam sobre o pagamento de propina pela empresa.
REAÇÃO NO PLANALTO
As acusações dos executivos da Andrade Gutierrez foram recebidas com preocupação pelo Palácio do Planalto, que considerou mais um fator de desgaste à imagem da presidente e que empurra novamente o governo federal para o centro das investigações da Polícia Federal.
Os auxiliares e assessores da petista reconhecem que as suspeitas serão exploradas pelos partidos de oposição para defender o impeachment da petista, mas avaliam que não terão impacto direto no processo de cassação da chapa presidencial na Justiça Eleitoral, uma vez que ele analisa supostas irregularidades na campanha de 2014, não de 2010.
Do ponto de vista político, a informação emerge em momento de grande fragilidade do governo, que acaba de anunciar a troca do ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), um dos coordenadores da campanha de Dilma em 2010, por pressão do PT e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Quem assume a pasta é Wellington César Lima e Silva.
Cardozo, que permanecerá no governo à frente da Advocacia-Geral da União, era escalado para ajudar a blindar o Planalto sempre que a Lava Jato ou outra investigação batia às portas do governo

Ladrão vai assaltar pedestres em ponto de ônibus e é baleado por PM de folga


Por Felipe Ribeiro e Flávia Barros
Foto: Flávia Barros (Banda B)
Foto: Flávia Barros (Banda B)

Um bandido de 28 anos foi baleado no começo da tarde desta terça-feira (1°) após tentar assaltar duas pessoas em um ponto de ônibus da Rua Alferes Poli, no bairro Rebouças, em Curitiba. De acordo com a Polícia Militar, um policial seria uma das vítimas e reagiu ao crime atingindo o suspeito com três disparos.
Segundo testemunhas, o policial estava ao lado de uma mulher quando ambos foram abordados pelo assaltante. Durante os tiros, a mulher chegou a correr para dentro de uma loja, que imediatamente fechou as portas.
O assaltante ficou em estado grave e precisou ser socorrido às pressas ao Hospital do Trabalhador. Com ele já no chão, o policial percebeu que ele se utilizada de uma arma de brinquedo para o crime.
No local, uma testemunha contou que os assaltos na região vem sendo constantes, sendo que também foi vítima na última semana. “Era por volta do meio dia de sábado, quando fui abordado. Levaram meu carro, dinheiro e Peugeot branco”, comentou.
A Polícia Civil investiga os casos.

Quadrilha ‘de luxo’ que assaltava mansões em bairros nobres é presa com mais de R$ 80 mil


Por Marina Sequinel e Djalma Malaquias

Uma quadrilha de assaltantes que só agia em mansões e bairros nobres de Curitiba foi presa no bairro Bacacheri na noite do último sábado (27). Com os quatro detidos, entre eles um adolescente, foram apreendidos 35,6 mil reais e 12,6 mil dólares (cerca de R$ 49,6 mil), além de armas e um carro roubado.
coletiva-sesp2
Sesp deve intensificar policiamento para combater crimes contra o patrimônio. (Foto: Djalma Malaquias – Banda B)
Uma equipe da Companhia Choque do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) realizava um bloqueio na Avenida Erasto Gaertner quando abordou um Honda Civic prata. No veículo, a polícia encontrou uma grande quantidade de dinheiro e, ao cruzar informações, descobriu que os quatro ocupantes eram suspeitos de roubar R$ 20 mil em um assalto a residência durante a manhã.
As vítimas reconheceram o quarteto como sendo os autores do crime. “As investigações apontam que eles efetuaram mais de 30 assaltos na Grande Curitiba, sempre em mansões de regiões nobres. A quadrilha estudava muito os alvos antes de cometer os roubos e, algumas vezes, procurava por bens específicos. As vítimas eram juízes, advogados, empresários. Os criminosos atuavam dessa maneira há pelo menos seis meses”, disse o delegado Francisco Caricati, da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio, em entrevista coletiva nesta terça-feira (1º).
Durante as diligências, os PMs foram até a casa de um dos suspeitos, no bairro Águas Claras, em Piraquara, na região metropolitana. Lá, eles recuperaram diversos objetos roubados, armas, dinheiro e um carro Peugeot, com alerta de roubo.
De acordo com a PM, a quadrilha atuava nos bairros Guabirotuba e Jardim Social, onde foram reconhecidos por fotos e vídeos de câmeras de segurança. O menor apreendido foi levado à Delegacia do Adolescente e os jovens para o Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul).
Em resposta a esse tipo de crime, a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR) declarou que deve intensificar, a partir deste mês, o combate às ocorrências contra o patrimônio.

Bandeira amarela entra em vigor e conta de luz fica mais barata a partir desta terça-feira


Da Redação

conta de luz deve ficar mais barata em todo o Brasil a partir desta terça-feira (1ª). Abandeira amarela passa a vigorar no lugar da vermelha, devido ao desligamento de 21 usinas termelétricas no país.
conta-de-luz
(Imagem ilustrativa/Divulgação)
Com isso, a cobrança extra na conta de luz cai em 50%: de R$ 3 por quilowatt-hora (kWh) para R$1,50. No próximo mês, é a vez da bandeira verde entrar em vigor, o que vai isentar os consumidores da cobrança adicional.
Sem contar as bandeiras, a conta de luz no Paraná subiu 104% nos últimos dois anos, ou seja, mais do que dobrou. Além dos reajustes anuais da Copel, em meados de 2014 e 2015, também houve um aumento extraordinário para todas as concessionárias do país em março do ano passado.
Março deste ano será a segunda vez em que haverá desligamento de térmicas mais caras no Brasil, com reflexo de redução nos valores da conta de luz. A primeira redução ocorreu em agosto de 2015, quando foram retiradas do despacho de base as térmicas com o custo unitário acima de R$ 600/ MWh, o que permitiu redução da bandeira tarifária vermelha de R$ 5,50 para R$ 4,50 a cada 100 kilowatts-hora (kWh).
Em janeiro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reestruturou as bandeiras tarifárias e fixou para fevereiro uma bandeira vermelha de R$ 3,00 a cada 100 kWh. O custo de geração foi reduzido em R$ 1,1 bilhão ao mês com a medida, na ocasião.

Mãe acredita que neto de Chico Anysio está meditando


'Ele adora meditar', disse ela durante as buscas em Quissamã, RJ.
Família afirmou que Rian Brito gosta de fazer trilhas e mantém esperança.

Do G1 Norte Fluminense, com informações da Inter TV
“Tô aqui pensando que ele pode estar eremita, ele adora meditar, ele pode estar eremita lá dentro de um lugar lindo que eu vi pelo mapa”, declarou Márcia Brito, mãe de Rian Brito, de 25 anos, neto do humorista Chico Anysio, nesta terça-feira (1º). Márcia, conhecida também como Brita Brazil, acompanha as buscas pelo filho no Parque Nacional de Jurubatiba, em Quissamã, no Norte Fluminense.( veja vídeo)
As buscas estão sendo feitas em várias áreas da Praia do Paulista e da restinga, onde os documentos de Rian foram encontrados por um homem no último domingo (28) e levados até a delegacia na segunda (29). A mãe de Rian Brito também declarou que está com pensamento positivo e concentrada em encontrar o filho.
“A gente tem que ir até o fim com essa esperança. Vamos concentrar porque estou concentrada em achar ele. É um lugar lindo que a gente escolheria para passear. Quem sabe, né?".
Buscas estão sendo feitas pelo paruqe nacional e também na praia (Foto: Cléber Rodrigues/InterTV)Buscas estão sendo feitas pelo paruqe nacional e
também na praia (Foto: Cléber Rodrigues/InterTV)
Equipes da Defesa Civil, da Cruz Vermelha e das Polícias Civil e Militar percorrem a área próxima ao local onde foram encontrados os documentos, mas ainda não encontraram novas pistas.
“A família informou que ele gosta de fazer trilhas, então não é difícil ainda encontrar ele dentro do parque”, disse Joventino Francisco de Souza, agente da Guarda Civil Municipal e Ambiental de Quissamã.
Imagens
Ainda no domingo (28), a Polícia Civil divulgou imagens que mostram Rian entrando em um táxi em um shopping da Zona Sul do Rio. A polícia ainda não descobriu a identidade do taxista, que poderia ajudar a saber o paradeiro do rapaz. As imagens, cedidas pelo shopping, mostram Rian descendo uma escadaria e fazendo sinal para um táxi por volta das 13h30.
O pai de Rian, o ator Nizo Neto, divulgou as imagens em uma rede social e falou da importância de que sejam compartilhadas. A mãe do rapaz disse, recentemente, não ter tanta certeza que o filho está bem.
A delegada informou que o caso está sob investigação e testemunhas têm sido ouvidas. Ainda de acordo com ela, a polícia também busca outras imagens que possam ajudar nas investigações.