13 de março: Gabeira diz que manifestação é "suficiente para Dilma cair"

Fernando Gabeira é tietado por manifestantes em Copacabana
Fernando Gabeira é tietado por manifestantes em Copacabana(Daniela Pessoa/VEJA)
Ex-deputado federal pelo PT, o jornalista Fernando Gabeira afirmou a VEJA acreditar que "as manifetações de hoje são suficientes para mostrar que o Brasil quer mudar. A manifestação é suficiente para Dilma cair". Após a entrevista, Gabeira subiu no carro do movimento Vem Pra Rua e completou: "Não estou aqui como político, nem jornalista. Estou como pai. É fundamental que a gente não se disperse porque esse estrago precisa de muito trabalho e muita paciência. Chegamos nesse ponto para aprender a lição e não deixar nunca mais que a corrupção jogue o país na lama", defendeu Gabeira. (Daniela Pessoa, do Rio de Janeiro)

Dilma defende Lula e UNE - e ignora protestos contra ela

Presidente Dilma Rousseff em reunião no Palácio do Planalto, na manhã desta sexta-feira (11)
Presidente Dilma Rousseff em reunião no Palácio do Planalto, na manhã desta sexta-feira (11)(Ueslei Marcelino/Reuters)
A presidente da República, Dilma Rousseff, ignorou as manifestações contra o governo que levam neste domingo milhares de pessoas às ruas pelo país e usou as redes sociais para divulgar uma nota em defesa de entidades que a apoiam e levantam bandeira em nome do ex-presidente Lula, como a UNE e o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, ambos ligados ao PT.
No texto, a presidente afirma ser "intolerável" o ataque com pichações à sede da União Nacional dos Estudantes em São Paulo. Ela também repudiou o episódio denunciado por parlamentares do PT, que acusam policiais militares de São Paulo de invadirem e interromperem uma reunião sindical em Diadema (SP), no ABC paulista, em que se promovia um ato de desagravo ao ex-presidente Lula e ao ex-prefeito da cidade e ex-tesoureiro de campanhas presidenciais José de Filippi Jr, ambos investigados na Operação Lava Jato. Dilma cobrou que o governo do Estado, comandado por Geraldo Alckmin (PSDB), apure com rigor os fatos. "Lutamos por muitos anos para o restabelecimento da ordem democrática, para o funcionamento adequado das instituições e para o pleno exercício do direito à expressão e a manifestação política", escreveu a presidente.
O Palácio do Planalto monitora as manifestações antipetistas. A dimensão dos protestos é um termômetro para governistas e oposicionistas do grau de insatisfação com Dilma, e também será levada em conta por partidos aliados que ameaçam abandonar o governo, como o PMDB. Na sexta-feira, Dilma pediu ​que manifestantes pró e contra o governo evitassem confrontos. O PT chegou a cancelar oficialmente convocações para este domingo (elas foram adiadas para os dias 18 e 31 de março), embora algumas protestos de militantes do partido e movimentos sociais alinhados tenham sido registrados, em menor escala, ao longo do dia.
Leia a nota da presidente:
É intolerável a violência cometida por vândalos que, neste sábado, atacaram a sede da União Nacional dos Estudantes (UNE), em São Paulo. Trata-se de uma ação violenta, que confunde o debate político saudável e democrático com a disseminação do ódio. Como venho afirmando à imprensa, ações que constituam provocação, violência e vandalismo prestam enorme e preocupante desserviço ao Brasil.
Lutamos por muitos anos para o restabelecimento da ordem democrática, para o funcionamento adequado das instituições e para o pleno exercício do direito à expressão e a manifestação política. O que se viu na sede da UNE, no entanto, foi um gesto de intimidação gratuita e uma afronta à democracia, e deve ser repudiado por todos aqueles que acreditam numa nação livre e democrática.
Os mesmos princípios democráticos devem ser defendidos em relação ao episódio ocorrido na subsede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em Diadema, na sexta-feira à noite. É preciso que o governo de São Paulo apure com rigor o ocorrido e as motivações para a ação de policiais armados durante uma plenária em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Que os fatos sejam plenamente esclarecidos.

Polícia prende mulher que anunciava drogas ‘igual feirante’ no Largo da Ordem


Por Marina Sequinel e Djalma Malaquias
traficante2
(Foto: Djalma Malaquias – Banda B)

Uma mulher de 34 anos que vendia drogas no Largo da Ordem, em Curitiba, foi presa em flagrante na manhã deste domingo (13). Segundo a Polícia Militar (PM), ela oferecia em voz alta cocaína e crack para os eventuais ‘clientes’ na Travessa Nestor de Castro.
“Nós fomos avisados sobre o crime por pessoas que estavam no local e, ao abordar a suspeita, descobrimos que ela escondia 35 buchas de crack na jaqueta. Alguns potenciais clientes saíram de perto quando perceberam a nossa chegada”, comentou o tenente Fadel, da PM, em entrevista à Banda B.
Com a mulher foi apreendido ainda o dinheiro conseguido com as vendas. Segundo o tenente, ela já tem passagens por tráfico de drogas. A traficante foi autuada em flagrante e levada ao Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (Ciac-Sul).

Dilma se reúne com assessores para medir tamanho de onda pró-impeachment


Enquanto Dilma se fecha com assessores, integrantes do PT adotam tom otimista

TALITA FERNANDES E RICARDO DELLA COLETTA
13/03/2016 - 19h12 - Atualizado 13/03/2016 19h12
PROTESTOS Mais de 100 mil foram à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, pedir o impeachment de DIlma (Foto: Adriano Machado/ Epoca)
As manifestações vistas neste domingo em diversas cidades brasileiras mostram que a pauta do impeachment, que parecia ter arrefecido no primeiro mês do ano, voltou a ganhar força nas ruas. Os que pediam a saída da presidente seguravam mensagens contra a corrupção, contra o governo Dilma e o PT e exaltavam a imagem do juiz Sergio Moro, responsável por conduzir a Operação Lava Jato em primeira instância. Ordens de críticas ao ex-presidente Lula também foram ouvidas dos mesmo que apoiaram as decisões recentes da justiça de ouvi-lo coercitivamente na Lava Jato. Enquanto isso, o governo permaneceu silencioso até o início da noite. A presidente Dilma Rousseff passou o dia encastelada no Palácio da Alvorada, onde conversou com ministros do núcleo duro do governo. O Palácio evita qualquer manifestação imediata porque sabe que qualquer leitura de cenário será interpretada como ruim para o governo.
O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), reconhece que as manifestações deste domingo foram fortes, mas afirma que o governo vai persistir em sua existência. "Vamos lutar para que não haja nenhuma descontinuidade no regime democrático", disse o senador, que está em viagem ao Uruguai para uma reunião do Parlasul. De acordo com a assessoria do senador, a ideia é levar a defesa do PT, de que um processo de impeachment de Dilma significaria um golpe, para uma discussão continental, para países da América Latina.
Já para o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), as manifestações não foram superiores àquelas vistas em março do ano passado. Para ele, a saída do governo é estabelecer um diálogo com a oposição o que, segundo ele, só será possível se for abandonada a bandeira do impeachment. Na leitura de um outro parlamentar do PT, a leitura é de que o governo não caiu até agora porque PMDB e oposição temem a reação dos movimentos sociais. "Este não é o governo do Collor, existe base social", avalia.
Em São Paulo, o presidente do PT, Rui Falcão, acompanhou as manifestações ao lado de correligionários. A sigla tenta fazer uma leitura otimista das manifestações, embora reconheça que o movimento ganhou força neste domingo. Sob essa ótica, foi visto como um ponto positivo o fato de não só integrantes petistas, mas também lideranças do PSDB terem sido alvo de críticas durante as manifestações, o que indicaria uma visão pessimista por parte da população com a classe política como um todo. Nessa mesma visão otimista, a saída seria uma troca na estrutura ministerial de Dilma, especialmente como uma composição que conte com o ex-presidente Lula no governo. Convidado por duas vezes para compor a Esplanada dos Ministérios, Lula ainda não tomou uma decisão. O ex-presidente deve vir a Brasília ainda nesta semana para falar de saídas para o governo.
Um anúncio deve ser feito após encontro de Dilma com os ministros José Eduardo Cardozo (AGU), Jaques Wagner (Casa Civil), Antônio Carlos Rodrigues (Transportes), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), Aldo Rebelo (Defesa) e Edinho Silva (Comunicação Social).

Não cabe mais ninguém na Paulista, mais de 1 milhão de pessoas


Os 23 quarteirões da Avenida Paulista estão tomados.

O Estadão informa que a Bela Cintra e outros acessos à Paulista foram fechados. Não cabe mais ninguém.


Quase 200 mil manifestantes se reúnem em Curitiba em ato contra Dilma



Por Marina Sequinel e Djalma Malaquias
(Fotos: Djalma Malaquias – Banda B)

Manifestantes se reuniram na Praça Santos Andrade, no Centro de Curitiba, na tarde deste domingo (13), para protestar contra a corrupção e pedir o impeachment da presidente Dilma RousseffSegundo balanço da Polícia Militar (PM), divulgado por volta das 16h, cerca de 160 mil pessoas participam do ato na capital paranaense.
Eles se concentraram na praça e fizeram uma caminhada pela Rua XV de Novembro. Os cartazes e faixas levados pelos manifestantes defendem a atuação do juiz federal Sergio Moro na Operação Lava Jato e criticam o Partido dos Trabalhadores (PT). “Nós cansamos de safadeza e dos corruptos, queremos moralidade. Agora é a hora de colocar ordem na casa e gente séria no poder. Para mim, a saída da Dilma é prioridade. Ela veio para ajudar mas não fez nada”, disse Marcos Costa, um dos participantes do protesto, em entrevista à Banda B.
O manifestante André Bilar levou a esposa e a filha de sete anos para o ato. “A minha própria filha pediu para vir junto. Eu acho isso muito importante, porque ela é o futuro do Brasil. Vamos ver se a gente consegue mudar a situação do país”, declarou.
O vendedor Mariano de Queiroz usou a manhã de hoje para se manifestar e também para vender camisetas. “Tem que aproveitar, com a crise que está aí. Cada uma está R$ 20”, comentou.
Detido
De acordo com a PM, até o momento nas manifestações, um homem de 27 anos foi preso, na esquina das ruas Treze de Maio e Presidente Faria. Ele escondia diversos fogos de artifício na jaqueta que usava. Fora esse caso, a polícia não registrou nenhuma outra ocorrência.
O rapaz foi encaminhado à delegacia, onde deve prestar esclarecimentos.
Em todo o país
Os protestos contra Dilma estão programados em 415 cidades, segundo o movimento Vem pra Rua. Em Brasília, cerca de 50 mil pessoas se concentraram por toda a Esplanada dos Ministérios na manhã de hoje. No Rio de Janeiro, organizadores falam em 200 mil manifestantes. Os atos acontecem ainda em São Paulo, Belo Horizonte, Belém, Salvador e Recife.
Vídeo
Assista abaixo ao vídeo que mostra os manifestantes cantando o Hino Nacional:


Manifestação - Curitiba

PARCERIA de SUCESSO entre PARCEIROS DO RIM, CLINILAB e SECRETÁRIA DE SAÚDE

Quero registrar o SUCESSO da parceria firmada entre a PARCEIROS DO RIM, LABORATÓRIO CLINILAB e  com o apoio da SECRETÁRIA MUNICIPAL DE SAÚDE para a partir dessa campanha do DIA MUNICIPAL DO RIM, tornar essa campanha permanente em nossa cidade priorizando a saúde renal. Segunda a SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia, hoje no Brasil existe mais de 100.000 pessoas fazendo hemodiálise outro tipo de diálise, e outros 100.000 pessoas que morrem todos os anos sem saber que são portadores de IRC Insuficiência Renal Crônica, esses dados são alarmantes para um país rico como o nosso, onde as pessoas morrem sem saber o diagnóstico da doença renal crônica.



E quando procuramos os sócios do Laboratório Clinilab, a Sra. Rosane do Carmo e o Sr. Elcio Morking, e colocamos a nossa preocupação com o avanço da doença renal em nossa cidade, os dois no mesmo instante já colocaram toda estrutura de sua empresa para estar junto em todas ações de PREVENÇÃO que PARCEIROS DO RIM  realizar em nossa cidade. 

Outro agradecimento importante é para a prefeita Beti Pavin, que colocou toda estrutura da Secretaria Municipal de Saúde para todas as ações de prevenção que venham beneficiar a população. Pediu que nós  procurássemos o Dr. Darci Braga  que prontamente pediu ao Diretor Geral da Secretária Sr. Osni Mendes que nos atendesse nessa primeira campanha. Então em menos de 10 dias nossa parceria nasceu, com o esforço da Enfermeira Janete Laskwoski   que acionou as todas as Unidade de Saúde para participar dessa campanha em favor da  saúde renal.

Então nesse sábado dia 12 todas as pessoas que compareceram nas unidades de saúde foram orientadas quanto as doenças que podem levar a doença renal crônica como, diabetes, hipertensão, doenças do rim e também incluindo os fumantes, obesos e alcoólatras.



E no Colombo Park Shopping uma equipe de funcionários do CLINILAB distribuiu folhetos com orientações sobre as doenças que levam a doença renal crônica. 



E para fechar toda essa parceria de SUCESSO na terça feira 15/03 que se é comemorado O DIA MUNICIPAL DO RIM, a CÂMARA DE COLOMBO na pessoa do professor Waldirlei Bueno que é o seu presidente vai homenager TODOS que participaram dessa AÇÃO de PREVENÇÃO.


SESSÃO SOLENE ESPECIAL DESTINADA A COMEMORAR O DIA MUNDIAL DO RIM


No dia 10 de março de 2016, as 10:30 teve inicio no Plenário do Senado Federal, a sessão solene destinada a comemorar o dia mundial do rim.
Participaram da mesa, o Exlmo Senador Eduardo Amorim, Dra Carmen Tzanno Branco Martins, Presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Dr Hélio Vida Cassi, Presidente da Associação Brasileira de Centros de Diálise e Transplante (ABCDT), Dr José Osmar Medina de Abreu Pestana, Superintendente do Hospital do Rim e Hipertensão de São Paulo, Enfermeira Antônia da Graça Silva, Diretora da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Nefrologia (SOBEN), Sr Renato Padilha, Presidente da Federação Nacional de Pacientes Renais e Transplantados (FENAPAR). Também foram chamados para compor a mesa, o Deputado Federal André Moura, líder do PSC na Câmara dos Deputados, Dr Kleyton Bastos, Vice-Presidente da Região Nordeste da SBN.
A sessão teve inicio com um discurso do Exlmo Senador Amorim, que fez um breve resumo sobre o papel na prevenção dos Doenças Renais, a importância dos rins no organismo e a necessidade de refletir sobre a crise atual da Terapia Renal Substitutiva (TRS) e a buscar soluções para manter a terapia no Brasil. A seguir a Dra Carmen, reiterou suas palavras e informou que o Brasil é o terceiro País no Mundo em atividades no dia Mundial do Rim, que somos embaixadores do World Kidney Day Foundation, mas que embora este ato de alertar, educar e informar sobre a prevenção das doenças renais seja motivo de comemoração, por outro lado é triste lembrar que 70% dos brasileiros que chegam a TRS não sabem de sua doença até o momento de iniciar a terapia. Alertou, também, que houve um aumento de 300% no número de pacientes em programa de diálise no Brasil nos últimos 15 anos e somente 34% de aumento de número de clinicas de diálise, que 76 delas foram descredenciadas ou fechadas no mesmo período, que há 3 anos o valor da sessão de hemodiálise se encontra congelado, que somente 7% dos Municípios brasileiros tem TRS, que faltam vagas principalmente no Norte e Nordeste e que os valores da diálise peritoneal estão defasados e que o programa encolheu no Brasil e tem risco de acabar.


Dr Medina, lembrou a morte há 1 semana do Prof Emil Sabbaga que foi o pioneiro dos transplantes e conclamou que o Brasil não pode perder o que conquistou até hoje na TRS, que têm um padrão de excelência comparável aos melhores centros do mundo. Dr Hélio Cassi reiterou a crise no setor lembrando os números defasados de reembolso da sessão de Hemodiálise e os valores de reembolso da diálise peritoneal, que estão muito abaixo dos outros países da América Latina. Também informou que a Doença é sub-diagnosticada no País e que deveríamos ter um número maior de pacientes em programa e pelo menos o dobro de pacientes que temos em diálise peritoneal. O Sr Renato Padilha reiterou as colocações dos que o antecederam e citou as dificuldades dos pacientes renais crônicos quanto a locomoção, falta de medicamentos na rede pública, falta de vagas para o tratamento, dificuldades para confecção de acessos vasculares, e sofrimento e temor frente as noticias de colapso do sistema. Lembrou, inclusive que estas dificuldades estão amplificadas na região Norte do País. A Enf. Antônia pontuou que temos cerca de 1.500 crianças em tratamento de diálise e que a Dialise peritoneal é o tratamento de escolha para estes pacientes e que vê com muita preocupação a limitação de entrada em programa de diálise peritoneal destes pequenos pacientes.
Tiveram a palavra e manifestaram seu apoio a prevenção da Doença Renal Crônica e/ou a necessidade de busca de soluções para manutenção e sustentabilidade das clinicas de diálise no Brasil, os Exlmos Senadores Ana Amélia - PP/RGS, José Medeiros - PPS/MT, Ronaldo Caiado - DEM/GO, Regina Sousa - PT/PI, Garibaldi Alves Filho - DEM/RN e Dalírio Beber - PSDB/SC. Esteve presente na sessão, também, o nobre Senador Valdir Raupp - DEM/RO.
Manifestaram seu apoio e proferiram discursos os Ilmos Deputados Federais, Carmen Zanotto - PPS/SC, Vinicius Carvalho - PRB/SP e André Moura - PSC/SE. Também esteve presente o Dep Federal Pedrinho Barreto - PSDB/SE.


O Sr Gilson Nascimento da ABRASRENAL encerrou a sessão pontuando com veemência todas as falas anteriores e chamando para ação os presentes.
Na sessão solene estiveram participando pacientes renais crônicos e transplantados de Goianésia e outras localidades de Goiás, representantes da FENAPAR, APAR, AMAR BRASIL, ARRCT, PULSAR VIDA, RIM VIVER e ABRASRENAL. Participaram 37 médicos nefrologistas, que preocupados e comprometidos com seu papel de cidadãos brasileiros vieram prestigiar e apoiar as manifestações em prol da sustentabilidade e manutenção da TRS brasileira, são eles, do Estado de São Paulo, Carmen, Ana Maria Misael, João Moreira, José Ferraz, Osvaldo Merege, Paulo Luconi, Silvana Kesrouani, Rui Gomes, Claudio Melaragno, Fábia Fernandes, José Osmar Medina, do Estado do Rio de Janeiro, Maurilo Leite, Luiz Carlos Pereira, Sérgio Sloboda, Leonardo Barberes,do Estado de Pernambuco, Wagner Moura, Filipe Aguiar, Leticia Kosminsky, Maria de Fátima Carvalho, Paulo Sette, do Estado de Santa Catarina, representando Dr Itamar, o Sr Tarcisio Staffen, Ana Palazzo, Marcos Vieira, do Estado de Rio Grande do Sul, Valter Duro, Sheila Thofehrn, Homero Agra, Miriam Gomes, do Estado de Minas Gerais, Daniel Calazans, do Estado do Rio Grande do Norte, Dilma Silva, Virginia Drummond, do Estado do Paraná, Hélio Cassi, Douglas Bergamasco, do Estado de Sergipe, Kleyton Bastos, do Estado do Amapá, Maria Emilia da Mata, do Estado de Mato Grosso do Sul, Alexandre Cabral, do Estado de Goiás, Luciano Vitorino e Ciro Bruno. Participaram, também representantes da indústria farmacêutica, da Fresenius, Baxter e Farmarin, universitários, assessores parlamentares, familiares e imprensa.