Dilma avaliou usar modelo chavista de golpe


Dilma Rousseff recebe presidente da Venezuela
Chefes militares informaram a oposição, em reuniões secretas, que o governo discutia a adoção de medidas semelhantes àquelas utilizadas na Venezuela para sufocar os protestos de rua. Houve inclusive tratativas com próceres da semi-ditadura venezuelana. O plano era decretar “Estado de Defesa”, suspendendo direitos fundamentais, como de reunião (e manifestação) e sigilos telefônicos e de correspondência. A informação é do colunista Claudio Humberto, do Diário do Poder. O pretexto do “Estado de Defesa” seria evitar “graves distúrbios” em cidades onde ocorreram as maiores manifestações, no dia 13.
O Estado de Defesa esteve na iminência de ser decretado no dia em que 6 mil pessoas gritaram “renuncia, renuncia”, diante do Planalto.
Fontes palacianas relatam que uma assustada Dilma gritou e chorou muito, ao se ver sitiada e retirada às pressas no Palácio do Planalto.
Surgiu a ideia de jerico do “Estado de Defesa” após o protesto do dia 13, o maior da História, com o pânico a Dilma e de dirigentes do PT.

Cartões: governo já torrou R$ 5,8 milhões este ano


Patricia Santos AE - Cartao Cartoes Corporativos copy
Os gastos do governo Dilma com cartões corporativos em 2016, o ano da gravíssima crise econômica do Brasil, superaram os R$ 5,8 milhões em menos de dois meses. Mais da metade dos gastos, entretanto, não serão conhecidos pelo contribuinte, pois são mantidos no mais absoluto sigilo, sob desculpa de que a transparência das informações sobre as compras pode “comprometer a segurança da sociedade e do Estado”. A informação é do colunista Claudio Humberto, do Diário do Poder.
A Presidência de Dilma segue com a maior fatura entre os órgãos da administração direta: R$ 1,8 milhão, mas 90% dos gastos são secretos.
Atrás da Presidência por pouco (R$ 1,4 milhão), o Ministério da Justiça, com a Polícia Federal, mantém sob sigilo mais de 98% dos gastos.
Em 2015, o governo Dilma conseguiu torrar mais de R$ 56,2 milhões com os cartões corporativos, quase tudo sigiloso, sem explicações.

Perda total


odebrecht_sede_policia_federal
Quando uma empreiteira contribui, ainda que legalmente, para mais de 200 políticos de todos os partidos, há algo de muito podre no sistema partidário-eleitoral do país
Nelson Motta, O Globo
Depois de um ano negando “veementemente” qualquer malfeito, a Odebrecht finalmente vai assumir suas responsabilidades no “sistema ilegítimo e ilegal de financiamento do sistema partidário-eleitoral” tentando uma delação “definitiva” que salve seus sócios e executivos da cadeia.
Reparem: quando negam “veementemente” ou ordenam “rigorosa” investigação, é sinal de mentira grossa.
Quando uma grande empreiteira contribui, ainda que legalmente, para mais de 200 políticos de todos os partidos, há algo de muito podre no sistema partidário-eleitoral do país. Óbvio que não contribui por patriotismo e espirito público, mas porque, como sabem todas as outras grandes empresas que sustentam esse sistema, quem paga a conta é que diz a hora que terminou o jantar.
O que dizer então de uma planilha com propinas pagas a políticos, funcionários e empresários, em dinheiro vivo e no exterior, com o nome e o apelido de cada um? Parece que o pessoal que paga a propina, seja como suborno ou achaque, expressa seu desprezo por quem recebe com apelidos debochados, que devem lhes ter provocado boas risadas em tempos mais risonhos.
Drácula, Nervosinho, Viagra, Candomblé, Caranguejo, Múmia, não é uma quadrilha de bandidos da Rocinha, são os homens que comandam a política brasileira, fazendo da vida pública, privada. Piada velha, mas mais atual do que nunca.
Como reconstruir um sistema politico-eleitoral quando a Lava-Jato revela ao país que dele só sobraram ruínas e escombros, que a perda é total? Como podem reconstruí-lo justamente os que o destruíram, financiados por um cartel de empreiteiras que saqueava o país e contribuía para fraudar eleições e apodrecer as instituições democráticas ?
Como o ovo e a galinha, quem veio primeiro, o político achacador ou o empresário corruptor? Tanto faz, o que interessa é que os dois se combinaram como um sádico e um masoquista, numa perfeita integração para assaltar os cofres públicos e aviltar a vida política do país, porque uns confiavam no seu dinheiro e outros no seu poder para sentirem-se acima de todos, da Constituição e das leis. Pelo menos até a Lava-Jato.

Comandante do Exército prega respeito à Constituição


exercito
Em mais uma edição do programa “Comandante responde”, do qual participa periodicamente no canal oficial do Exército no YouTube, o comandante da Força, general Eduardo Villas Bôas, abordou na quarta-feira a crise política brasileira. O general afirmou ainda que uma eventual atitude do Exército só ocorreria “absolutamente respaldada” pela Constituição e pelas leis complementares do país. Destacou ainda que a Força só tomará qualquer atitude se for acionada por um dos Três Poderes.
— Estamos vivendo e sofrendo as consequências desta crise que tem três componentes: político, econômico e ético e moral, e os três estão interligados. O Exército é uma instituição de Estado, e nos momentos de crise as instituições sólidas acabam se tornando referência para a sociedade como um todo. A ela miram e dela aguardam atitudes que sinalizem como sair da crise — disse Villas Bôas, que acrescentou:
— Contudo, nós vamos pautar nossa atuação em três pilares básicos. Contribuir para a manutenção da estabilidade, já que ela é condição essencial para que as instituições, em nome da sociedade, encontrem os caminhos que permitam sairmos desta crise séria que estamos vivendo. Segundo, é a legalidade: toda e qualquer atitude nossa será absolutamente respaldada no que os dispositivos legais estabelecem, desde a Constituição até as leis complementares, e sempre condicionada ao acionamento de um dos Poderes da República. E o terceiro aspecto é a legitimidade que nos é proporcionada pela credibilidade que a sociedade brasileira nos atribui.
O general fez uma análise otimista da situação, e disse acreditar que “é questão de tempo” para o Brasil sair da crise e voltar a crescer:
— Temos certeza de que o Brasil terá condições de reverter essa situação e reencontrar seu caminho de desenvolvimento. Temos que colocar como foco novamente a questão nacional. O Brasil tem que restabelecer a ideologia de desenvolvimento, porque o Brasil não tem outra alternativa que não se transformar num país forte — concluiu Villas Bôas.

Mulher é perseguida e amarrada em poste após furtar chocolates de loja



Uma mulher de 23 anos foi contida pela população e amarrada em um poste depois de furtar chocolates de uma loja em Prudentópolis, na região Sudeste do Paraná. O caso aconteceu no Centro da cidade na tarde desta quinta-feira (24).
mulher-amarrada-poste2
(Foto: Reprodução/Rádio Najuá)
Segundo informações da Rede Sul de Notícias, a jovem furtou seis produtos no valor de R$ 50 cada e saiu correndo da loja. O dono do estabelecimento seguiu a suspeita e contou com a ajuda de moradores para pegá-la.
Ela estava com uma bolsa onde escondia os chocolates. Até a chegada da Polícia Militar, moradores amarraram as mãos da suspeita em um poste de iluminação pública.
Para ler a reportagem completa, clique aqui.

Patrimônio de Manuela D'Ávila, do PCdoB, cresce 1200%


MARCELO SPERANDIO
24/07/2014 07h30 - Atualizado em 30/07/2014 19h14
Kindle
Share23 
Manuela D'Ávila (Foto: Lula Lopes / Agência Câmara)
A deputada federal Manuela D´Ávila, do PCdoB do Rio Grande do Sul, enriqueceu – e muito. De 2010 para este ano, seu patrimônio aumentou 1200%. Saltou de R$ 14 mil para R$ 184 mil. Destaque para a sua conta poupança no Banco do Brasil, que saiu dos R$ 9 mil e chegou aos R$ 94 mil em quatro anos.


EUA dizem ter matado nº 2 do Estado Islâmico


Pentágono informou que Abd al Rahman Mustafa al Qaduli foi morto na Síria

DA REDAÇÃO
25/03/2016 - 14h22 - Atualizado 25/03/2016 14h22
Al Qaduli, considerado o número 2 do Estado Islâmico (Foto: EFE/Departamento de Estado dos Estados Unidos)
Pentágono informou que os Estados Unidos mataram nesta quinta-feira (24) Abd al Rahman Mustafa al Qaduli, considerado o número dois do grupo Estado Islâmico (EI), em um ataque naSíria. O secretário de Defesa dos EUA, Ashton Carter, disse em uma entrevista coletiva que as tropas americanas eliminaram uma série de "líderes" da organização extremista ao longo da última semana. "Estamos eliminando sistematicamente o gabinete do Estado Islâmico. Matamos vários líderes do EI nesta semana", disse.
>> O Estado Islâmico cresce e atrai jovens

De acordo com a emissora CNN, o ataque que vitimou al Qaduli foi executado pelas forças especiais americanas na Síria. Os EUA seguiam os movimentos do terrorista há algum tempo. Al Qaduli era um dos quatro líderes do grupo jihadista considerados como "chave" pelos EUA, que ofereciam até US$ 7 milhões por informações sobre ele.
Segundo Carter, as forças americanas também mataram o “ministro das Finanças” do Estado Islâmico, Haji Imam. Considerado “um terrorista bem conhecido”, ele é apontado como envolvido nos planos terroristas no Iraque e na Síria. Carter admitiu, no entanto, que "líderes podem ser substituídos". "Essas lideranças, porém, estavam há tempos em ação, são graduadas, tinham experiência", disse.
TAGS

Lula poderá nomear diretores da Polícia Federal se assumir a Casa Civil


Inclusive as diretorias de Inteligência e Combate aos crimes organizados

FILIPE COUTINHO
25/03/2016 - 10h04 - Atualizado 25/03/2016 10h04
O ex-presidente Lula em novembro de 2015 (Foto: Michel Filho/Agência O Globo)
Se Lula assumir a Casa Civil, como a presidente Dilma Rousseff pretende, ele terá o poder de nomear diretores da Polícia Federal, a mesma polícia que o investiga. As diretorias mais estratégicas
são as que cuidam da inteligência e do combate aos crimes organizados. A presidente indica
o diretor-geral.

Atacado por cachorro, menino de 7 anos se recupera após levar 270 pontos no rosto


Davi Pereira de Oliveira dos Santos, de 7 anos, se recuperou de 270 pontos no rosto
Davi Pereira de Oliveira dos Santos, de 7 anos, se recuperou de 270 pontos no rosto Foto: Divulgação
Extra
Tamanho do texto A A A
Um menino de 7 anos se recupera depois de ser atacado no rosto pelo cachorro e levar 270 pontos no rosto. Davi Pereira de Oliveira dos Santos, morador da Carobinha, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio, foi mordido por Pretinho, labrador de estimação da casa onde mora com os pais e os cinco irmãos. O menino ficou com a bochecha rasgada, teve a artéria carótida perfurada e parte de uma orelha ficou pendurada. Ele foi atendido pela Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Vila Kennedy.
Davi levou 270 pontos no rosto
Davi levou 270 pontos no rosto Foto: Divulgação
— Me desesperei quando vi meu filho ensanguentado. Cheguei a pensar no pior. Nossa sorte foi ter encontrado um anjo da guarda — emociona-se a dona de casa Ana Maria Pereira de Oliveira dos Santos, de 36 anos, mãe do estudante.
O dentista Ricardo com a família de Davi
O dentista Ricardo com a família de Davi Foto: Divulgação
O anjo foi o dentista Ricardo Demétrio, de 37 anos, especialista em cirurgia buco-maxilo-facial, que fez a operação com a sua equipe. Durante quase cinco horas, Ricardo trabalhou em uma sutura de 270 pontos. Acostumado a atender vítimas de perfuração de arma de fogo no rosto, o dentista considera o caso do menino “emblemático”:
Davi ficou sem o Pretinho
Davi ficou sem o Pretinho Foto: Divulgação
— Tenho seis anos de experiência mas nunca tinha visto nada parecido. Na situação que Davi se encontrava, se esperássemos uma ambulância para levá-lo ao hospital, ele poderia falecer. Então falei: “Vamos enfrentar” e deu tudo certo — afirmou o cirurgião, que trabalha na unidade da Secretaria municipal de Saúde, administrada pela organização social Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas).
Pretinho vivia há dois anos com a família


achorro-menino-de-7-anos-se-recupera-apos-levar-270-pontos-no-rosto-18955041.html#ixzz43xNy32yF

A banca de ouro de Lula


Temeroso com a possibilidade de ser preso, o ex-presidente se cerca de um time composto por mais de vinte advogados e junto com o Governo abre uma chicana de ações para tentar postergar os processos contra ele e Dilma na Justiça

Antonio Carlos Prado e Ludmilla Amaral
Em algumas paredes das galerias da Penitenciária Feminina Sant’Ana, o maior presídio de mulheres da América Latina, localizado em São Paulo, está escrito em caligrafia muito torta: “quem fala a verdade não precisa de advogado, quem fala meia verdade precisa de um, quem mente inteiro é bom ter dois”. Não há notícias de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha feito alguma visita a essa prisão, mas é muito provável que ele conheça os dizeres registrados naqueles muros. 
1Lula.jpg
 
 
Para enfrentar as descobertas da operação Lava Jato, tentar se defender das acusações que pesam contra si e procurar se esconder sob a prerrogativa do foro privilegiado, Lula escalou um pelotão composto por 21 advogados, entre eles seis dos mais notáveis do País que desembarcaram no caso na semana passada. E, segundo apurou ISTOÉ, após a Páscoa todos ficarão sob a coordenação de um ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, hoje aposentado – ele já teria até se apresentado ao juiz federal Sérgio Moro, coordenador da operação Lava Jato. 
 
Ouvidos por ISTOÉ, dois dos advogados arregimentados por Lula asseguraram que nada estão recebendo pelo trabalho e que fazem parte desse time “em respeito à história do ex-presidente”. No mercado jurídico, no entanto, comenta-se que, para remunerar uma equipe do porte da que foi montada, Lula teria de gastar cerca de R$ 15 milhões apenas pelo habeas corpus encaminhado ao STF no último domingo. Oficialmente Lula ainda sequer é réu, e o exército de juristas escalados por ele mostra, na prática, uma tentativa de usar nomes consagrados do Direito para tentar intimidar o Judiciário. 
 
4Lula.jpg
 
 
“Bateu o medo em Lula”, afirma um advogado a quem o ex-presidente costuma recorrer sempre que se vê juridicamente acuado. Nem mesmo a decisão do ministro Teori Zavascki, proferida na noite da terça-feira 22, deixou Lula tranquilo. Atendendo a demanda da Advocacia Geral da União (AGU), Zavascki determinou que o juiz Sérgio Moro remeta ao STF as investigações envolvendo o ex-presidente na Lava Jato e decretou sigilo sobre as conversas telefônicas interceptadas. Zavascki manteve, no entanto, a decisão do STF que impede a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil.
 
“Ele sabe que a decisão é provisória. E sabe ainda que não conta com a simpatia da Corte”, disse um dos advogados de Lula na quarta-feira 23. A possibilidade real de ir para a cadeia deixa o ex-presidente em estado de pânico e isso também explica a montagem de uma banca de ouro advocatícia. Eles pertencem a oito escritórios diferentes. Alguns desses advogados se reúnem pelo menos uma vez por semana em São Paulo para encontrar saídas para Lula, a partir do bom trânsito que possuem nos tribunais superiores. 

6Lula.jpg
 
 
Tais reuniões são tão secretas que, nelas, os advogados são obrigados a desligarem seus celulares. O ex-presidente Lula tem o direito de possuir na Justiça quantos patronos quiser. O que se cogita no meio jurídico, porém, é que ele colocou ao seu redor um time tão grande e qualificado também como forma de “tentar auxiliar” a AGU em sua “anemia teórica que a faz cometer uma série de erros”. É verdade que a decisão de Zavascki pode representar uma vitória transitória da AGU, mas seus erros têm sido frequentes. 
 
O último deles ficou visível na madrugada da terça-feira quando o ministro do STF Luiz Fux rejeitou mandado de segurança contra a liminar de Gilmar Mendes – a liminar impediu a posse de Lula como ministro da Casa Civil. Qualquer estagiário de Direito sabe que não cabe esse tipo de recurso contra uma decisão monocrática de ministro do STF. O mais surpreendente é que os advogados do ex-presidente incorrem no mesmo amadorismo e insistem em recursos sem respaldo na jurisprudência – só trocaram mandado de segurança por habeas corpus, esquecendo que também esse remédio jurídico não tem efeito para alterar decisão monocrática de ministro da Corte. 
 
O habeas corpus questionando a posição de Gilmar Mendes caiu primeiramente sob a relatoria do ministro Luiz Edson Fachin. Por ser padrinho de casamento da filha de um dos defensores, ele se deu por “impedido” mas sinalizou o que faria se pudesse julgá-lo: rejeitou habeas corpus idêntico, vindo do advogado Samuel José da Silva, que não integra a equipe de defesa (essa ação é apenas uma entre as quase 300 que estão distribuídas em todo o País). Ao rejeitar o pedido de Silva, ficou claro que Fachin também não atenderia à expectativa dos advogados de Lula. Feito novo sorteio, caiu a relatoria com a ministra Rosa Weber, que negou o habeas corpus. 
 
2Lula.jpg
Gilmar Mendes, ministro do STF, sobre o fato de Dilma ter tentado nomear Lula
para a Casa Civil: É preciso muita desfaçatez para manobrar assim as instituições.
É preciso ter perdido o limite que distingue civilização de barbárie
 
 
Ou seja: Lula continua fora do governo, sem foro privilegiado. E tudo indica que, nos próximos dias, voltará a ficar sob as determinações de Moro, especialmente no que diz respeito ao sítio de Atibaia e ao apartamento tríplex no Guarujá. “Lula leva bons profissionais a se equivocarem porque ele esperneia para todos os lados”, disse um ex-advogado do petista. É verdade. Nos últimos tempos ele se insurgiu em relação à Polícia Federal, disparou contra Moro, condenou o Ministério Público e os tribunais superiores, criticou a mídia, esgoelou em palanque da avenida Paulista, em São Paulo, e entupiu de recursos o STF e juizados de primeira instância inconformado com a perda do foro privilegiado. 
 
O problema é que, diante da Lava Jato, o peso político de patronos consagrados não tem intimidado o Ministério Público nem o juiz. E, mesmo em Brasília, defensores com bom trânsito nas instâncias superiores do Judiciário não estão colecionando vitórias. Por que advogados tão conceituados lançaram mão de habeas corpus, apostando que ganhariam da jurisprudência? A primeira resposta, vinda da maioria dos juristas, é redundante: “Lula está deixando até Deus atarantado”, disse um dos advogados da própria banca. 
 
3Lula.jpg
Pavor: Sem o cargo de ministro, ele vive atarantado
com o fantasma da prisão
 
A segunda resposta é surpreendente: entre os mais notáveis defensores do ex-presidente não há criminalistas consagrados. E o problema de Lula é criminal. Não se trata de uma questão política/jurídica. É apenas criminal. Lula e sua defesa têm, assim, dado voltas para não sair do mesmo lugar – e tal lugar é perder. O que fazer agora? Essa é a questão que a própria banca se colocou depois da decisão de Zavascki. “Nada, absolutamente nada. Não é fazendo chover recurso que um inocente se defende”, disse um advogado bastante próximo à equipe de Lula. 
 
Outro jurista, um dos mais conceituados do País, poucas horas antes da decisão de Rosa Weber, qualificava o habeas corpus como “inócuo e midiático”. Igualmente inócuo foi o recurso apresentado há mais de um mês pelos defensores do ex-presidente, antes ainda de ele ser nomeado ministro, pedindo então que o STF paralisasse a investigação do Ministério Público Federal (leia-se Lava Jato), uma vez que corria investigação no MP paulista devido à quebra da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop). 
 
Também nesse caso a relatora sorteada foi Rosa Weber, e ela não viu nenhuma incompatibilidade nas investigações feitas em duas frentes. Pode-se dizer que, a partir daí, Lula montou o seu acampamento no STF e acumulou derrotas. Na quarta-feira a presidente Dilma já cogitava arranjar para Lula um cargo informal no governo. Nesse caso, ele não teria foro privilegiado, mas, como disse o pensador republicano Joaquim Nabuco, “não se deve ser ministro somente para usufruir as vantagens do poder”. 
 
5Lula.jpg