O amor de Temer por Mariz de Oliveira



Michel Temer resolveu nomear o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira para o ministério da Defesa, em lugar de Raul Jungmann, deputado de ótimo trânsito entre os militares.
Temer mostra, assim, estar mais preocupado em agradar ao seu advogado pessoal, que acabou preterido para a pasta da Justiça, do que atender às necessidades das Forças Armadas.
Afora o fato de que abrigará no governo um crítico da Lava Jato. O que permite especular que existe essa intenção na nomeação de Mariz de Oliveira, além do caso de amor.

Programa Bom Negócio Paraná (PBNP) é lançado em Colombo


WEBMASTER 4 DE MAIO DE 2016

O programa oferece cursos gratuitos de capacitação gerencial e são ofertados nas modalidades presencial e a distância (EAD), pelas Universidades Estaduais do Paraná

O programa oferece cursos gratuitos de capacitação gerencial e são ofertados nas modalidades presencial e a distância.
O programa oferece cursos gratuitos de capacitação gerencial e são ofertados nas modalidades presencial e a distância.
O lançamento  do Programa Bom Negócio Paraná (PBNP) aconteceu na  Escola Estadual Professor Altair da Silva, no Jardim Ana Maria.
O lançamento do Programa Bom Negócio Paraná (PBNP) aconteceu na Escola Estadual Professor Altair da Silva, no Jardim Ana Maria.
Aconteceu na noite desta terça-feira, 3, o lançamento do Programa Bom Negócio Paraná (PBNP) na Escola Estadual Professor Altair da Silva, no Jardim Ana Maria, em Colombo. O programa oferece cursos gratuitos de capacitação gerencial e são ofertados nas modalidades presencial e a distância (EAD), pelas Universidades Estaduais do Paraná.
“Com informações especializadas em gestão o empreendedor poderá desenvolver seu negócio ou começar um novo”, explicou o secretário da pasta, Antonio Ricardo Milgioransa.
Além de mobilizar os empreendedores – contará com cinco módulos de Gestão Empresarial: Gestão de Negócios, Gestão de Pessoas, Gestão Comercial, Gestão Financeira e Gestão Estratégica. O curso é gratuito e as vagas são limitadas. Já a carga horária será de 66 horas.
“Este programa contribui para o desenvolvimento socioeconômico do nosso município e também do estado. Fomentando a sustentabilidade dos bairros, através do apoio à micro, pequena e média empresas gerando o aumento nos negócios e consequentemente a geração de emprego e renda dos moradores”, destacou Milgioransa.
Vale lembrar que o Programa é uma parceria entre a Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio Turismo e Trabalho e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, juntamente com a Universidade Estadual de Ponta Grossa e a Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SEJU). Para obter mais informações basta ligar no seguinte telefone: 32203309 ou no e-mail: programabnp@gmail.com.
Estavam presentes as seguintes autoridades do município: secretário da pasta, Antonio Ricardo Milgioransa e o vereador Gilgera e estaduais: secretário de Estado da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Artagão Júnior; Secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), João Carlos Gomes; e a coordenadora de Assuntos Estratégicos do Gabinete da Seti, Sandra Ferreira.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Marcio Fausto/ PMC

Adolescente com carro roubado é baleado pela PM no estacionamento de hipermercado


Da Redação

assalto
Adolescente foi baleado no pátio de hipermercado (Foto: REDE NEWS 24H)
Um adolescente de 17 anos foi baleado no fim da manhã desta quarta-feira (4) no estacionamento do hipermercado Big, no bairro Xaxim, em Curitiba. A perseguição policial contra uma caminhonete Blazer roubada terminou apenas dentro do estabelecimento, localizado na Rua Francisco Derosso.
Segundo a Polícia Militar (PM), o adolescente estava sendo perseguido quando, no estacionamento do mercado, desceu do veículo e atirou contra os policiais. Houve um confronto e o menor foi socorrido em estado gravissímo ao Hospital do Trabalhador (HT).
De acordo com a PM, um revólver calibre 38foi localizado com o garoto.

Relacionadas

Senta, o leão é manso


lula..
Dora Kramer
O PT é bom de grito, todo mundo sabe, é inegável essa competência. O ex-presidente Luiz Inácio da Silva, então, esbraveja como ninguém. Quesito no qual a presidente Dilma Rousseff tem se mostrado digna de graduação.
Mestre em ameaçar fazer e acontecer quando acuado pelas evidências, o grupo não tem tido o mesmo êxito – louve-se aos céus – no tocante à eficácia de suas (más) intenções. Muito provavelmente porque elas se chocam com a lei e contradizem a realidade. No mundo das palavras tudo é possível, já no mundo das ações há regras a serem obedecidas e circunstâncias a serem observadas.
Quando os habitantes de um universo tentam atuar no outro sem mudar instrumentos nem critérios, o resultado é o fracasso. Isso quando não incorrem na perda do senso de ridículo.

O PT iniciou essa travessia já na época do mensalão, quando tentou imprimir a seus correligionários condenados por crimes comuns pelo Supremo Tribunal Federal a aura de presos políticos e se dispôs a recorrer a cortes internacionais para rever a decisão e fazer crer a estrangeiros incautos que o STF era um tribunal de exceção. Nada aconteceu.
Anos antes de cumprir sentença por corrupção, José Dirceu havia deixado a Casa Civil anunciando que retomaria o mandato de deputado para “comandar”, do Congresso, o governo. Não conseguiu sequer terminar o discurso que fez da tribuna no dia da volta, tal a sorte de apartes contestadores por parte do plenário, que pouco tempo depois aprovaria sua cassação.
Transitado em julgado o processo, Lula anunciou que como ex-presidente dedicaria seu tempo e energia para provar que o mensalão não existiu. O desmonte da “farsa”, como se viu, era a farsa em si. Lula não provou nem tentou. Por impossibilidade fática, a tal da “narrativa” caiu no vazio.
Foi retomada com força total e acrescida de novas alegorias agora que o fim do ciclo do PT no poder se aproxima e se dá em cenário de triste espetáculo. A presidente da República prestando-se ao papel de revolucionária sem causa, transformando o Palácio do Planalto em trincheira de resistência imaginária, improvisando um governo de esquerda “fast-food”, com medidas destinadas a reunir as tropas militantes ao arrepio das contas públicas, cuja implosão já se encarregara de comandar.
O ex-presidente Lula, o habilidoso articulador político, desprovido do proverbial tirocínio, deixa São Bernardo para entrar no Palácio do Planalto como dono de uma jogada de excelência para sair dele prisioneiro da arapuca em que se transformou sua nomeação para ministro-chefe da Casa Civil.
De lá, seguiu para um quarto de hotel em Brasília, de onde comandaria a “virada” de votos na Câmara, evitando a admissibilidade do impeachment. Não levou uma nem duas, mas várias rasteiras dos “picaretas” que acreditava serem ainda seus súditos.
Nesse meio tempo, houve o anúncio de fogosa resistência. A militância iria para as ruas e nelas montariam barricadas pelas quais o impeachment não passaria. Passou e continua seu caminho, indiferente à denúncia internacional do “golpe” à qual nem o Itamaraty aderiu.
A solução quase final de recorrer à proposta de eleição direta já não conseguiu a concordância sequer dos aliados. Alguns deles por uma questão de bom senso, outros pela convicção de que isso daria a impressão de que a presidente estaria considerando seu afastamento inevitável. Como se houvesse a possibilidade de outro desfecho.
Mas, claro, é preciso resistir. Como? Com a mobilização das entidades que não terão mais verbas públicas para se mobilizar e a montagem de um bunker no Palácio da Alvorada, onde darão expediente Dilma, 15 assessores e os funcionários domésticos que atendem à residência oficial.
De onde, sentemo-nos que o leão é manso.

Meirelles e os palpiteiros


mei
Os integrantes do futuro governo Temer que andam falando de economia levaram um puxão de orelhas ontem do futuro ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Depois de apresentar um quadro da situação do país, Meirelles reclamou que tinha muita gente falando. O futuro presidente, Michel Temer, baixou uma ordem unida:
— Ele é a autoridade. Agora, só quem fala de economia é o Meirelles.
O futuro ministro comentou que o mercado estava ficando confuso com tantos planos e projetos tornados públicos por vários dos interlocutores do próximo governo. No Jaburu, ele falou do descontrole geral da economia do país, do défict público e da falta de credibilidade das autoridades econômicas do governo Dilma. Após a reunião, ministros se abstiveram de falar sobre economia.
— Quem fala de economia é o Meirelles — disse um dos ministros na saída.

Ex-ministra Erenice Guerra troca de advogado


Ela está contratando o criminalista Marcelo Leal

MURILO RAMOS
04/05/2016 - 18h12 - Atualizado 04/05/2016 18h16
A ex-ministra Erenice Guerra (Foto: Elza Fiúza/Abr)
A situação da ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra está cada dia mais difícil. Citada nas operações Zelotes e Lava Jato, achou por bem trocar de advogado. Deixou de contar com os serviços de Mário Oliveira Filho. Está contratando o criminalista Marcelo Leal, que trabalhava no escritório de Eduardo Ferrão.
Oficialmente a justificativa para a troca é “geográfica”. Oliveira Filho atua em São Paulo e Erenice está enrolada mesmo é em investigações tocadas em Brasília, onde Leal mora.

Prazo para o Cadastro Ambiental Rural vai até amanhã, 5 em Colombo


WEBMASTER 4 DE MAIO DE 2016

Obrigatório a todos os imóveis rurais, cadastro é um registro eletrônico que serve de controle, monitoramento e combate ao desmatamento

RuralO Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um instrumento fundamental para auxiliar no processo de regularização ambiental de propriedades e posses rurais. O prazo para os proprietários realizarem o cadastro vai até amanhã, 05. Em Colombo, que é constituída de, pelo menos, 60% de área rural, mais de 1200 famílias de agricultores devem aderir à regularização.
O período de cadastramento teve início no ano passado e durante todo este tempo a secretaria de Agricultura e Abastecimento prestou atendimento gratuito aos produtores rurais que agendaram previamente o serviço. “Este é um documento fundamental pra a compra e venda de imóveis rurais, além do acesso a créditos e empréstimos financeiros. Todos os produtores que nos procuraram foram atendidos”, afirma o secretário da pasta, Marcio Toniolo.
Ainda segundo o secretário foram mais de 500 famílias atendidas no município. “Foram mais de 200 cadastros feitos pela nossa equipe, que fez toda a orientação necessária a essas famílias”, explica.
Vale lembrar que o produtor que não estiver cadastrado não poderá ter acesso a serviços de política pública, como: crédito rural, linhas de financiamento e isenção de impostos para insumos e equipamentos.
Sobre o Cadastro Ambiental Rural
Criado pela Lei 12.651/12, o Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais, formando base de dados estratégica para o controle, monitoramento e combate ao desmatamento das florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, bem como para planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.
SERVIÇO
Secretaria de Agricultura e Abastecimento
Endereço: Rua Marechal Floriano, 877 – Centro
Anexo ao Parque Municipal da Uva
Telefone: 3656-4849
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: Divulgação /PMC

Muito barulho por nada?


Procurador-geral pede investigação contra balaio de suspeitos ao STF e se arrisca a produzir ataque retórico ruidoso ao patrimonialismo político, mas pouca justiça

LUIZ ALBERTO WEBER
04/05/2016 - 19h29 - Atualizado 04/05/2016 19h29
ACÚMULO Num só inquérito, Rodrigo Janot investiga dezenas de políticos (Foto: Eraldo Peres/AP)



Em rankings on-lines de metodologia inaferível, atribui-se ao romance “A lenda do funk carioca” o recorde nacional de números de personagens – algo em torno de 1.500. Na página do facebook do livro, um último registro alerta que a saga literária ainda não encontrou seu ponto final. A literatura tem seu próprio tempo e alguns trabalhos merecem o ineditismo. Mas personagens demais à mão dificultam o que o processo penal chama de individualização das condutas... A decisão do procurador-geral Rodrigo Janot de pedir ao Supremo Tribunal Federal a abertura de investigação contra 69 alvos do petrolão em um mesmo inquérito produziu ruído na Corte. oro que, ao refutar um recurso da defesa, afirmara que “o processo é uma marcha para frente”. Sim, não é de lado, não é de banda, é para frente. E deve marchar, não claudicar
Lá, os procuradores da força-tarefa fizeram 37 denúncias contra 179 pessoas, uma média de cinco por processo. Resultado disso é que em dois anos de Lava Jato foram condenadas 93 pessoas do esquema. Atuando no mesmo tribunal que Moro, o juiz federal Vilian Bollmann, em trabalho intitulado Medindo o tempo no processo penal, revelou que o tempo médio transcorrido entre a denúncia e a sentença no TRF 4 foi de 732 dias. A Lava Jato melhorou esses índices.
Percebe-se que subjacente à narrativa da petição de Janot está o embrião de uma denúncia que mais adiante, não há dúvida, será tecnicamente qualificada, mas cujo alvo maior será o sistema político, a crítica ao patrimonialismo político. Terá o mérito de expor as entranhas, fazer a autópsia de práticas nefastas, denunciar o aparelhamento das estatais, a lavanderia do caixa 1, a engrenagem de contratos públicos partidos políticos... Mas a quadrilha do mensalão trata-se de um subconjunto do quadrilhão do petrolão, que só foi sentenciada oito anos após o recebimento da denúncia. O sucesso do grupo de trabalho da PGR não será medido, claro, por esse inquérito. Há outros. E sentenças virão mais rápidas em outros casos, envolvendo personagens híbridos, que também figuram no 3969. Mas justiça só será feita se o quadrilhão for sentenciado em prazo razoável, caso contrário será muito barulho por nada.

PREFEITA BETI PAVIN AUTORIZA ASSINATURA DE ORDEM DE SERVIÇOS PARA REFORMAS DE QUADRAS POLIESPORTIVAS E CONSTRUÇÃO DE VESTIÁRIOS


WEBMASTER 4 DE MAIO DE 2016
ASSINATURA DE ORDEM DE SERVIÇOS PARA AS REFORMAS DAS QUADRAS POLIESPORTIVAS DO JARDIM ADRIANA E CAMPO ALTO E DA CONSTRUÇÃO DOS VESTIÁRIOS NO CAMPO DE FUTEBOL UNIÃO GUARAITUBA
A Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria Municipal de Esporte, Cultura, Lazer e Juventude, realiza nesta quinta e sexta-feira, (5 e 6), a assinatura de ordem de serviços para as reformas das Quadras Poliesportivas do Jardim Adriana e Jardim Campo Alto e da construção dos vestiários no Campo Municipal de Futebol do União Guaraituba.
Os encontros iniciam nesta quinta-feira, 5, às 19h30, na Igreja Evangélica Dia da Redenção, localizada na Rua Luíz Mottin, nº 369 – com a assinatura da ordem de serviço da reforma da Quadra Poliesportiva do Jardim Adriana.
Às 20h30, a Prefeita Beti Pavin se reunirá com os moradores da Rua Teixeira Soares, nº 32 Guaraituba – na Escola Municipal Padre Jones João Tíbolla – para a assinatura de ordem de serviço da construção dos vestiários no Campo Municipal de Futebol do União Guaraituba.
E na sexta-feira, 6, às 19h30 acontecerá a assinatura de ordem de serviço da reforma Quadra Poliesportiva Jardim Campo Alto. Na ocasião a prefeita estará com os moradores na AMORCA – Associação dos Moradores de Campo, localizada na Rua Sócrates, nº 167, Jardim Campo Alto.
Reforma da Quadra Poliesportiva do Jardim Adriana
O serviço será executado com recursos próprios. O investimento será de R$ 125.204,66, e terá um prazo de 60 dias corridos para sua execução. A obra consistirá em uma área a ser reformada de 1.083,32 metros da quadra poliesportiva.
Construção dos vestiários no Campo Municipal de Futebol do União Guaraituba
Obras contarão com um investimento de R$ 89.804,95, em uma área de construção de 45,75 metros.
Reforma Quadra Poliesportiva Jardim Campo Alto
Esta obra será executada com recursos próprios na ordem de R$ 163.883,12, e terá um prazo de 120 dias corridos para sua execução. A obra consistirá na reforma da quadra poliesportiva em uma área de construção de 219,86 metros.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

Direto da comissão: PT vai recorrer, recorrer, recorrer...


Lindbergh Farias avisou que vai se reunir, nesta
noite, com o que restou do governo Dilma no Senado. Vão tentar combinar o que fazer na sessão de amanhã, dedicada à discussão do relatório de Antonio Anastasia.
"Vamos recorrer à CCJ, ao plenário, ao STF...", disse.
O Antagonista oferece lenços a Lindbergh.

Teori segue parecer de Janot e decide não investigar Dilma sobre Pasadena


Rodrigo Janot recusou investigar caso por envolver fatos fora do mandato.
Delcídio afirmou que aquisição teve ilícitos e foi 'ação entre amigos'.

Renan RamalhoDo G1, em Brasília
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu pedido da Procuradoria Geral da República (PGR) para não abrir investigação sobre a presidente Dilma Rousseff relacionada à compra, pela Petrobras, da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos.

Iniciada em 2006, a aquisição da refinaria gerou prejuízo para a estatal após longa batalha judicial. Em acordo de delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) revelou o que seriam detalhes de como funcionou suposto esquema na compra.
Em parecer enviado ao Supremo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, considerou não ser possível investigar a presidente por atos estranhos ao exercício da função dela durante a vigência do mandato na Presidência da República, segundo interpretação da Constituição.

Na época da compra, Dilma era presidente do Conselho de Administração da Petrobras, que aprovou o negócio. “Assim, ao menos por ora, não se mostra possível nenhuma providencia complementar no tocante a tais atos”, escreveu Janot.

Em despacho do último dia 25, Teori Zavascki afirmou que seria possível investigar a presidente, mas, como cabe somente ao Ministério Público requisitar uma apuração, não seria possível a um ministro, de ofício, abrir um inquérito sobre o caso.
“A jurisprudência do Supremo Tribunal Federal é pacífica no sentido de ser irrecusável o pedido de arquivamento de peças de informação ou da comunicação de crime, feito pela Ministério Público, quando fundado na ‘ausência de elementos que permitam ao Procurador-geral da República formar a opinio delicti’”, escreveu o ministro.

Delação de Delcídio
Em março do ano passado, Zavascki já havia rejeitado investigar o caso, também a pedido de Janot, a partir da delação do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. O caso voltou à tona após a delação de Delcídio do Amaral, que, em depoimento a investigadores, contou houve “ilícitos” no negócio, e que não haveria possibilidade de isentar o Conselho de Administração no caso.

Ele disse ainda que a decisão de comprar a refinaria decorreu de uma "ação entre amigos", de executivos e técnicos da Petrobras. Seriam interessados no caso os ex-diretores Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró, além do lobista Fernando Baiano. Em 2014, o Tribunal de Contas da União (TCU) calculou um prejuízo de US$ 792,3 milhões no negócio.

STF julgará nesta quinta afastamento de Cunha do comando da Câmara


Tribunal irá analisar pedido de afastamento protocolado pela Rede.
Em dezembro, PGR também solicitou que Supremo afaste Cunha da Câmara.

Renan RamalhoDo G1, em Brasília
Eduardo Cunha, em sessão da Câmara nesta quarta-feira (4); julgamento sobre permanência dele no STF será nesta quinta (5) (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)Eduardo Cunha, em sessão da Câmara nesta quarta-feira (4); julgamento sobre permanência dele na presidência da Casa será nesta quinta (5) (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, agendou para a sessão desta quinta-feira (5) o julgamento do pedido da Rede Sustentabilidade para afastar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara.
G1 entrou em contato com a assessoria de Cunha, mas até a última atualização desta reportagem ainda não havia obtido resposta.
A ação da Rede, protocolada nesta terça (3) no Supremo, está sendo relatada pelo ministro Marco Aurélio Mello. O partido argumenta que, em razão de ser réu em uma ação penal da Lava Jato, o peemedebista não pode estar na linha sucessória à Presidência da República.
O julgamento não estava previsto inicialmente na pauta desta quinta-feira do STF, no entanto, foi incluído a pedido de Marco Aurélio Mello.
Ao anunciar o agendamento do julgamento, Lewandowski citou regras do regimento que permitem a análise de decisões liminares (provisórias) para “proteção de direito suscetível de grave dano”.
“É uma medida extraordinária. A urgência está caracterizada pelo seguinte fato: na próxima quarta-feira [11], será apreciada pelo Senado Federal a acusação contra a senhora presidente da República, que poderá, em tese, ser afastada do cargo, caso recebida a denúncia. Portanto, está caracterizada a urgência na medida em que amanhã será a última sessão antes daquela próxima quarta-feira”, ressaltou Lewandowski no plenário.
A legenda oposicionista quer que o Supremo determine que é inconstitucional pessoas que sejam rés em ações penais admitidas pela própria Corte estarem na linha de sucessão do presidente da República.
A medida não atingiria o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que, apesar de investigado na Lava Jato e denunciado em outro caso, ainda não é considerado réu em um processo penal.
Se a presidente Dilma Rousseff for afastada do Executivo no processo de impeachment, o vice-presidente Michel Temer assume a Presidência. Com isso, Eduardo Cunha passaria a ser o primeiro na linha de sucessão, e Renan Calheiros, o segundo.
No processo, a Rede argumenta ainda que, se o presidente da República deve ser afastado por 180 dias para ser julgado pelo Senado no processo de impeachment, quando vira réu por crime comum cometido no exercício do mandato, um presidente da Câmara não poderia permanecer no cargo.
"A Constituição não transige com o exercício da função de presidente da República por quem responda a processo criminal. Sendo essa uma exigência inerente ao regime desse cargo singularíssimo, parece evidente que ela deve também se estender a todos aqueles que, por força da própria Lei Maior, possam ser chamados a ocupá-lo", diz trecho da peça judicial.
Repercussão na Câmara
Líder da Rede na Câmara, o deputado Alessandro Molon (RJ) comentou, na tribuna da Casa, a decisão de Lewandowski de agendar para esta quinta-feira o julgamento do pedido de afastamento de Cunha.
Em relação ao afastamento do deputado Eduardo Cunha, há uma grande unidade no país. Tanto aqueles que defendem o impeachment quanto os que são contra entendem que o deputado Eduardo Cunha deve ser afastado da presidência"
Alessandro Molon (RJ), líder da Rede na Câmara
“Nosso pedido se sustenta na tese de que quem está na linha sucessória de presidente da República não pode ser réu criminal noSupremo Tribunal Federal. Se a Constituição não permite que o presidente o seja, qualquer um que esteja na linha sucessória também não pode ser”, discursou Molon, diante de Eduardo Cunha, que presidia a sessão.
O líder da Rede destacou que há “unidade” no país para que o peemedebista deixe a presidência da Câmara.
“Em relação ao afastamento do deputado Eduardo Cunha, há uma grande unidade no país. Tanto aqueles que defendem o impeachment quanto os que são contra entendem que o deputado Eduardo Cunha deve ser afastado da presidência”, enfatizou.
Cunha, entretanto, não comentou as declarações de Molon e prosseguiu com a sessão da Câmara.
saiba mais

Pedido da PGR
Desde dezembro, também aguarda julgamento no Supremo um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para afastar Cunha da presidência da Câmara e do mandato de deputado federal. No entanto, ainda não há previsão de quando o tribunal irá analisar o caso.
O pedido da PGR propõe uma medida mais dura contra Cunha: além do afastamento da Câmara, ficaria também suspenso do mandato. Janot aponta 11 fatos que demonstrariam que ele usa o poder do cargo para pressionar aliados e atrapalhar as investigações da Lava Jato e a análise de seu processo de cassação no Conselho de Ética da Casa.
O julgamento deste pedido, no entanto, depende da liberação do voto do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF. Desde dezembro, o ministro diz que ainda examina o caso.