Preso chama investigador de ‘lixo’ e debocha da morte de policial civil em Curitiba; vídeo


Da Redação

Circula em redes sociais nesta sexta-feira (13), um vídeo que vem causando a revolta de centenas de pessoas. Nas imagens, Rodrigo Claudecir dos Santos, de 21 anos, debocha da morte do policial civil Marcos Gogola e chama um investigador da Delegacia de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, de “lixo”.
“Você é um investigador lixo. O teu parceirinho já foi, olha, beijo Gogola”, diz o detento que está preso por tráfico de drogas e roubo.
Marcos Gogola foi assassinado com um tiro na nuca em setembro de 2013, no momento em que comparsas arrebataram o preso Dionatan Mendes Quadros. Gogola fazia a escolta a Dionatan para uma consulta a um dentista no Centro de Campo Largo.
As imagens, que passaram a circular em redes sociais, foram gravadas no Instituto Médico Legal (IML), em Curitiba, onde Santos e outros presos estavam para a realização de exames. O preso estava detido na Delegacia de Campo Largo e a transferência foi autorizada pela Justiça após ele comandar uma rebelião no dia 24 de abril.
Assista ao vídeo no player abaixo:



Pacote misterioso deixado por ciclista leva Esquadrão Antibombas para Colégio Estadual do Paraná

Da Redação
bombas
(Foto: Colaboração Banda B)

O Esquadrão Antibombas da Polícia Militar foi acionado na tarde desta sexta-feira (13) para atender uma solicitação no Colégio Estadual do Paraná (CEP), no Centro de Curitiba. Um pacote suspeito foi entregue à direção da instituição, mas tratava-se de um alarme falso.
Segundo testemunhas, um homem em uma bicicleta chegou ao colégio e deixou um pacote endereçado à direção. Dentro do objeto foram encontrados apenas papéis picados. A Polícia Militar (PM) não se pronunciou sobre o caso.
Em comunicado postado no site da instituição, o CEP informou que, por medida preventiva, foi acionado o 190 e posteriormente o esquadrão antibombas para verificar o embrulho entregue sem identificação na portaria. “Após verificação feita pela polícia especializada, nenhuma ameaça foi constatada.”

Jovem pede ajuda para conseguir remédios e dar melhor qualidade de vida para amiga com câncer


Por Marina Sequinel
franciane-cancer
Franciane foi diagnosticada em junho de 2011. (Foto: Reprodução/Montagem Banda B)

A luta contra o câncer nunca é fácil. Mas ela pode ser amenizada pela colaboração de amigos e familiares. Foi pensando nisso que a jovem Mayara Teixeira Mainardes, de 19 anos, procurou a Rádio Banda B na tarde desta sexta-feira (13). Ela decidiu pedir ajuda para melhorar a qualidade de vida da amiga, Franciane Cristina de Santa Ana, 28, que enfrenta a doença desde junho de 2011.
Diagnosticada com um tumor maligno no ovário, que complicou e se espalhou pelo corpo dela, Fran, como é conhecida, não tem condições de pagar por todos os medicamentos que necessita. “A família precisa de R$ 1 mil por mês para os remédios, mas os pais dela estão desempregados e não podem arcar com isso. Por isso comecei a divulgar o caso, porque o tratamento não pode ser interrompido”, contou Mayara, em entrevista à Banda B.
Segundo ela, a doença foi descoberta depois que Franciane começou a sentir fortes dores na axila esquerda. Os exames, então, revelaram o câncer no ovário. “Ela fez um tratamento com quimioterapia por seis meses, mas as dores continuaram e uma nova biópsia constatou que a Fran também tinha tumores nas axilas. Como o diagnóstico correto demorou para ser feito, a doença se espalhou e ela precisou fazer mais sessões de quimioterapia e radioterapia, além de retirar o cisto, que tinha 16 cm, por meio de uma cirurgia”, completou a amiga.
Com o tempo, um dos tumores na axila se rompeu, comprometendo os movimentos do braço da jovem. Desde então, ela sofre com falta de ar, taquicardia e muita sonolência. “A Fran está super inchada, irreconhecível, e tem que tomar remédios muito fortes, entre eles Morfina de 30 mg de quatro em quatro horas, para aliviar a dor, e Lyrica 150 mg. Ela já tentou conseguir os remédios pelo plano particular e até pelo Sistema Único de Saúde, mas sem sucesso. Se cada um puder ajudar um pouco, certamente fará um bem imenso para essa família que tem passado por duras provas”, finalizou Mayara.
Qualquer doação para Franciane, que mora no bairro Tatuquara, em Curitiba, pode ser feita para a conta corrente: Bradesco – Agência 6606-0 – Número: 0002879-7. O telefone para contato é o (41) 9803-3897.

Ministro do Planejamento promete cortar 4.000 cargos comissionados

Romero Jucá, ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão
Romero Jucá (PMDB-RR), ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão(Evaristo Sa/AFP)
Após reunião ministerial com o presidente interino Michel Temer, o novo titular do Planejamento, Romero Jucá, afirmou nesta sexta-feira que o governo pretende cortar 4.000 cargos de confiança e funções gratificadas até o dia 31 de dezembro deste ano. Ele concedeu entrevista ao lado dos ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil e Ricardo Barros, da Saúde.
"Em 31 de dezembro teremos diminuído 4.000 postos desse tipo de contratação (comissionados, funções gratificadas, entre outros). Isso representa o dobro do que o governo anterior havia anunciado e não foi cumprido", afirmou Jucá. No entanto, ele errou no cálculo - em outubro do ano passado, a então presidente Dilma Rousseff anunciou que extinguiria 3.000 cargos comissionados do seu governo, o que, de fato, não foi concretizado nos meses seguintes.
"Nós vamos rever a estrutura organizacional dos ministérios. Alguns já foram, em tese, encerrados ou recepcionados por outros ministérios. Isso implica num ajuste de estrutura organizacional", afirmou Jucá, um dos aliados mais próximos de Temer. Ele ressaltou que o número é uma meta que pode ser ampliada, conforme a necessidade.
O ministro também afirmou que os cortes poderão ultrapassar os 4.000 postos e contemplarão também empresas e bancos públicos, como a Petrobras, Banco do Brasil e BNDES. Segundo ele, bancos e empresas também estão sujeitos ao que chamou de "novo ordenamento de comando": mais simples e direto. "O poder público deve servir à sociedade, gastar menos com meio e mais com a atividade-fim", diz.
Jucá disse ainda que a economia que o governo pretende fazer com a medida será anunciada "no momento certo". "Isso não resolve a questão do gasto público e meta de déficit, mas é um posicionamento que o governo deve tomar como exemplo para a sociedade", justificou.
LEIA MAIS:
Reformas - Ao comentar as reformas que devem ser empreendidas, Jucá citou especificamente a da Previdência e reforçou que o governo interino irá avançar com segurança jurídica, para não ser obrigado a recuar.
"Não queremos ver o Brasil passar o que passaram há alguns anos a Grécia e a Itália, que reduziram pagamentos a aposentados", disse o ministro, acrescentando que a decisão de transferir a Previdência para o Ministério da Fazenda faz parte de uma ação técnica para construir "algo sustentável". "Queremos um conjunto de ações para queda da inflação, queda da taxa de juros e retomada do crescimento", acrescentou o novo ministro do Planejamento.
O anúncio ocorreu após a primeira reunião ministerial do governo do interino Temer, que assumiu a Presidência da República nesta quinta-feira após Dilma Rousseff ser afastada do cargo para responder à denúncia de crime de responsabilidade no Senado.
Meta fiscal - Jucá informou que a nova meta de superávit primário -- que prevê um rombo de 96,65 bilhões de reais nas contas públicas -- deve ser aprovada na semana que vem com as "ressalvas necessárias", ou emendas.
"Teremos certamente um déficit fiscal superior aos 96 bilhões de reais que estão colocados no projeto de lei enviado ao Congresso", disse o ministro da Saúde Ricardo Barros (PMDB-PR), que foi escolhido para conversar com a imprensa por ter sido relator do Orçamento de 2016.
Segundo Barros, o orçamento inicial previa receitas oriundas da recriação do imposto do cheque, a CPMF, que foram rechaçadas pelo Congresso. Ele também destacou o impacto da arrecadação em queda e da dívida dos Estados nos cofres públicos.
O governo tem até a próxima semana para aprovar a mudança fiscal, por meio de projeto de lei, caso contrário pode ser obrigado a fazer um contingenciamento ainda maior dos gastos.
Novo governo - Com a intenção de estabelecer um contraponto com o governo Dilma, Jucá frisou que a política econômica de Temer será menos intervencionista, menos centralizadora e menos ideológica, reforçando o discurso do "Estado mínimo".
Havia a expectativa de que, na coletiva de hoje, os ministros de Temer anunciariam medidas específicas para a retomada do crescimento econômico. Jucá explicou que isso ainda está em análise e que não foi feito porque o novo governo buscará sempre trabalhar com a "realidade dos números".
Em relação à base de sustentação no Congresso, necessária para a aprovação da maior parte das medidas econômicas, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, citou a aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff - que precisava de dois terços na Câmara e metade simples no Senado - como parâmetro para o apoio que Temer terá no Legislativo.

Temer fala a ÉPOCA: “Quero botar o país nos trilhos”


Na primeira entrevista exclusiva desde que assumiu interinamente a Presidência, Michel Temer diz que a ficha ainda não caiu, conta quais são suas prioridades, diz que trabalhará incansavelmente – mas não promete milagres

DIEGO ESCOSTEGUY
13/05/2016 - 14h44 - Atualizado 13/05/2016 15h21
O presidente interino Michel Temer (Foto:  Ruy Baron/ Valor/Agência O Globo)
O novo e interino presidente da República, Michel Temer, falou com exclusividade a ÉPOCA hoje. É a primeira entrevista à imprensa desde que tomou posse interinamente, ontem. Temer foi claro sobre o que espera fazer como presidente, caso Dilma Rousseff de fato não retorne ao cargo. E admitiu que “ainda não caiu a ficha” do momento – de que ele é, de fato, o responsável por tirar o Brasil de uma das mais graves crises de sua história. “Estou acostumado à pressão, a situações difíceis, a crises. Trabalharei de domingo a domingo, de dia e de noite, para cumprir as expectativas do povo brasileiro”, disse, ciente de que o país tem pressa. “Quero, com a ajuda de todos, botar o país nos trilhos nesses dois anos e sete meses.”
Temer sabe que botar o país nos trilhos será uma missão difícil. “Não vou fazer milagres em dois anos”, admitiu, quando confrontado com o fato de que a burocracia do governo e as pressões de grupos de interesse no Congresso tornam improvável o sucesso na execução de reformas profundas - sobretudo num curto espaço de tempo e sob a forte instabilidade política que ainda define Brasília. “Quero que, ao deixar a Presidência, olhem para mim e digam ao menos: ‘Esse sujeito arrumou o país’.”
O que seria exatamente arrumar o país? Primeiro e mais urgente, é claro, arrumar o que está mais desarrumado: a economia. “Tenho plena confiança na capacidade de Henrique Meirelles e da equipe montada por ele. Eles terão autonomia para fazer os ajustes necessários e transmitir a confiança que perdemos”, disse.  Acredita que arrumar a relação do Planalto com o Congresso, algo que diminuirá a instabilidade política crônica em Brasília, será menos complicado. “Fui presidente da Câmara por três vezes e sei bem o quanto é necessário ter diálogo com os parlamentares e manter o respeito pelas ideias diferentes. Não é fortuito que tantas lideranças partidárias estejam comprometidas com o ministério que foi montado.”
Um terceiro ponto, não tão urgente, mas no qual Temer insiste – chegou a incluir em seu discurso de posse - envolve um novo pacto federativo, que equilibre as relações entre União, estados e municípios. É uma preocupação antiga de Temer, que escreveu artigos sobre o assunto. Hoje, defendem Temer e outros políticos, o dinheiro dos impostos dos brasileiros está demasiadamente concentrado na União e, especialmente, no governo federal.Estados e municípios passam a depender da boa vontade do presidente da República para receber recursos – o que acaba passando por uma relação política, e não institucional. Temer quer muito diminuir esse desequilíbrio federativo. “A partir da próxima semana, formaremos uma comissão que encontre soluções para recompor o pacto federativo, para que tenhamos uma verdadeira federação”, anunciou.
A quarta prioridade do novo presidente é a menos palpável de todas. Mas, talvez, seja a que mais o preocupa, em virtude de sua formação como professor de Direito Constitucional. “Precisamos mudar a cultura política do país”, disse. “Ninguém lê mais a Constituição. Digo isso no sentido de que há um desrespeito profundo pelas leis e pelas instituições. É necessário resgatar o valor desse livro sagrado para a nossa democracia.” Na prática, disse Temer, isso se traduzirá em tomar decisões, ou deixar de tomar decisões, que agridam o espírito da Constituição, mesmo que sejam, formalmente, legais. Ele cita um exemplo que aconteceu hoje. Vários assessores e ministros chegaram a seus locais de trabalho e começaram a retirar a foto da presidente Dilma Rousseff. Temer determinou que mantivessem a foto na parede. “É preciso ter respeito. Ela está afastada, mas continua presidente. Até que saia em definitivo, caso seja essa a decisão do Senado, deve ter seus direitos como presidente afastada assegurados.”
Temer está com a voz cansada, mas parece genuinamente animado para os dias difíceis que se avizinham. “Disposição não faltará – minha e da equipe. Hoje mesmo, percebi em todos uma vontade, uma gana de fazer imensa. Nada ficará para segunda-feira. Tudo o que se discutia começa imediatamente, agora. Estão todos imbuídos do mesmo sentido de urgência que eu”, contou. “Pude perceber também no que posso colaborar. Diante da falta de orçamento, expliquei como muitas vezes é possível fazer programas com pouco dinheiro. Foi o que fiz na Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, com a criação de conselhos comunitários e delegacias da mulher. Deram resultado e custaram quase nada. É preciso ter esse tipo de mentalidade.”
É possível fazer tanto em tão pouco tempo? “Não é porque é impossível fazer milagres que não se devem estabelecer metas ambiciosas, como as que delineei. É possível fazer muito, não tenho dúvida. E, se não houver ambição, qual o propósito de se tentar?”

A caixa-preta do PT



Um auxiliar de Michel Temer disse a Gerson Camarotti, do G1, que "a ordem é abrir a caixa-preta do governo do PT".
Outro auxiliar completou:
"Temer não vai ser responsabilizado por problemas ou irregularidades que aconteceram no governo Dilma. Por isso, a ordem é mostrar detalhadamente como está a situação de cada área."
Michel Temer tem de abrir a caixa-preta e, sobretudo, monstrá-la a todos os brasileiros.

Temer mantém o diretor da PF



O ministro Alexandre de Moraes reuniu-se com o diretor da PF, Leandro Daiello.
A Folha de S. Paulo perguntou se ele será mantido no cargo.
Alexandre de Moraes respondeu:
"Será. Já marcamos reunião com toda a equipe na segunda-feira. A reunião dessa sexta-feira foi muito boa. Somos amigos desde a época em que ele era superintendente da Polícia Federal em São Paulo".
Bom para a Lava Jato.

Câmara de Colombo aprova novas composições das Comissões e Conselho de Ética




            


Na sessão ordinária da Câmara Municipal de Colombo desta terça-feira (3/5), foi aprovada a nova composição das Comissões Permanentes e do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar para o término do biênio 2015-2016.
As novas composições das Comissões foram determinadas para se adequarem ao Regimento Interno da Câmara, que determina que a representação numérica das bancadas nas comissões é estabelecida conforme o número de vereadores de cada partido, após as mudanças partidárias feitas por parte dos parlamentares nos últimos meses.
Também na sessão desta terça-feira, foi feita nova eleição do 2º secretário da Mesa Diretora da Câmara, sendo eleito o vereador Nivaldo Paris (PV).

A nova composição das seis comissões e o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar é:

Comissão de Constituição e Justiça
Sergio Roberto Pinheiro (Sergio Pinheiro) - PP
José Renato Strapasson - PTB
Antonio Alves Batista (Pr Antonio Batista) - PRB
Anderson Ferreira da Silva – PT
Clodoaldo Camargo de Melo - PSB
Suplente: Renato Tocumantel (Renato da Farmácia) - PSDC
Suplente: Helio Feitosa de Lima - PSC

Comissão de Economia, Finanças e Orçamento
Presidente: José Renato Strapasson - PTB
José Aparecido Gotardo - SOLIDARIEDADE
Nivaldo Paris – PV
Helio Feitosa de Lima - PSC
Maria Michele Mocelin – PMDB
Suplente: Luiz Sala (Luiz do LD) - PSDC
Suplente: Alan Henrique da Silva - PMDB

Comissão de Educação, Saúde e Bem Estar Social
Presidente: Givanildo da Silva (Gilgera) - PSDB
José Aparecido Gotardo - SOLIDARIEDADE
Eurico Braz de Bonfim (Eurico Dino) – PR
Maria Michele Mocelin – PMDB
Helio Feitosa Lima - PSC
Suplente: Luiz Sala (Luiz do LD) - PSDC
Suplente:

Comissão de Urbanismo, Obras e Serviços Públicos e Transportes
Presidente: Sidinei Campos de Oliveira (Sidinei Campos) - PRP
Dolíria Londregue Strapasson (Dolíria Strapasson) PSDB
Vagner Brandão (Vagner da Viação) – PRB
Maria Michele Mocelin – PMDB
Suplente: Antonio Alves Batista (Pr. Antonio Batista) – PRB
Suplente: Clodoaldo Camargo de Melo - PSB

Comissão de Agricultura e Meio Ambiente
Presidente: José Renato Strapasson - PTB
Sidinei Campos de Oliveira (Sidinei Campos) - PRP
Luiz Sala (Luiz do LD) – PSDC
Maria Michele Mocelin – PMDB
Renato Lunardon - PV
Suplente: Dolíria Londregue Strapasson (Dolíria Strapasson) PSDB
Suplente:

Comissão de Defesa do Cidadão e Segurança Pública
Presidente: José Aparecido Gotardo (Ratinho) - SOLIDARIEDADE
João Marcos Berlesi (Marquinho Berlesi) - PSDB
Alan Henrique da Silva - PMDB
Anderson Ferreira da Silva – PT
Suplente: Vagner Brandão (Vagner da Viação) – PRB
Suplente: Clodoaldo Camargo de Melo - PSB

Conselho de Ética e Decoro Parlamentar
Presidente: Sérgio Roberto Pinheiro - PP
Antonio Alves Batista - PRB
Clodoaldo Camargo de Melo - PSB

Suplentes: 
Dolíria Londregue Strapasson - PSDB
Alan Henrique da Silva - PMDB
Joaquim Gonçalves de Oliveira – PTB
02/05/2016   

Polícia Militar apresenta à Câmara plano de ação para a segurança no transporte coletivo




            
Clique na foto para ampliar
Clique na imagem para ampliar

 
A pedido da Câmara Municipal de Colombo, o 22º Batalhão da Polícia Militar apresentou na última terça-feira (4/5) o plano de ações da Operação Coletivo, que visa ampliar a segurança dentro das linhas de ônibus que circulam em Colombo.
A apresentação foi feita na sede do batalhão pelo comandante Major Roberto Sampaio Araújo, que recebeu o presidente da Câmara Municipal de Colombo, o vereador Professor Wardirlei Bueno (Solidariedade), e o vereador Vagner da Viação (PRB), representantes da Viação Colombo e Auto Viação Santo Antônio e o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Anderson Teixeira.
Durante a reunião, o Major Araújo informou que no período de 1º de março a 26 de abril, foram registradas 36 ocorrências de assaltos em ônibus da região e que a PM, em reação, instalou a Operação Coletivo, que inclui a realização de blitz no interior dos veículos, com explicação prévia da ação aos passageiros. Como resultado, um dos assaltantes foi preso e houve flagra por porte de drogas. Também há policiais à paisana circulando pelos ônibus para impedir qualquer ação de violência.
A PM também programou, em parceria com as gerências das empresas de ônibus, um curso de capacitação de seus funcionários para informar sobre como agir – e não reagir – em casos de situação de violência.
O Major Sampaio destacou, ainda, que é fundamental que qualquer ocorrência de furto, roubo ou infração no transporte coletivo seja imediatamente informada pelo telefone 190, para que a PM possa tomar as devidas providências e também sejam geradas estatísticas que permitem planejamentos de curto, médio e longo prazo de segurança pública.
“Sabemos do comprometimento da polícia militar a prevenção à violência e pretendemos seguir essa estratégia de intermediar o contato com diferentes seguimentos da sociedade, para que se envolvam com uma mesma causa em busca de uma solução mais eficiente dos problemas da população. Neste caso, acredito que estamos acompanhando uma disposição efetiva da PM em aprimorar o atendimento à segurança no transporte público, e vamos incentivar que a Polícia Civil e as esferas jurídicas deem seguimento das ações”, destacou o presidente da Câmara, Waldirlei Bueno.
Em junho, uma nova reunião com o grupo está prevista, para apresentação de um balanço das ações da Operação Coletivo. 

Câmara Municipal de Colombo apoia o Maio Amarelo




            
Clique na foto para ampliar
Clique na imagem para ampliar

 
O Maio Amarelo é um movimento mundial que tem como objetivo chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. No Brasil, a cada 100 mil pessoas, 23 morrem vítimas do trânsito, taxa mais alta que as mortes causadas por doenças como o câncer.
Pela primeira vez, a Câmara Municipal de Colombo adere ao movimento, que é realizado em 34 países e, em 2015, tornou-se lei estadual no Paraná, com o intuito de ressaltar a relevância de conscientizar cada cidadão sobre o quanto pequenas mudanças de comportamento podem salvar vidas. Na sessão desta terça-feira (10/5), o presidente da Câmara, o vereador Professor Waldirlei Bueno (Solidariedade) destacou que o momento também é propício para a criação da Comissão de Mobilidade Urbana no Legislativo colombense.
Em Colombo, o Corpo de Bombeiros registrou, apenas na área urbana da cidade, 10 mortes causadas por acidentes de trânsito em 2015, quatro delas por atropelamento e as demais envolvendo ciclistas ou motoqueiro. No mesmo período, 757 pessoas ficaram feridas em Colombo em acidentes de trânsito. A grande maioria em choques entre carros e motos (228) e atropelamentos (121).
O tema levantou discussões durante as explicações pessoais, em que os vereadores lembraram a necessidade de cobrar o Executivo sobre a colocação de semáforos em alguns pontos da cidade, como no bairro Guaraituba, destacou o vereador Eurico Dino (PR), e a conclusão de obras viárias, como citou o vereador Hélio Feitosa (PSC).
Os números em Colombo contribuem para tornar o trânsito uma das principais causas de morte no mundo. São três mil vidas perdidas por dia nas estradas e ruas, a nona maior causa de mortes no mundo. O Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, precedido por Índia, China, EUA.
Para apoiar o Maio Amarelo, a Câmara de Colombo está exibindo esses números alarmantes e também ações simples de prevenção de acidentes durante as sessões ordinárias durante o mês de maio e pretende realizar palestras de conscientização com seus funcionários e a comunidade.

O Maio Amarelo - A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela – que, no semáforo significa ATENÇÃO, segue a mesma proposta de conscientização de campanhas de combate ao câncer de mama (o Outubro Rosa) e o câncer de próstata (o “Novembro Azul”) e o pioneiro laço vermelho, da conscientização ao combate ao vírus do HIV. Por isso, o Maio Amarelo visa discutir a segurança viária, com atividades de conscientização, amplo debate das responsabilidades e avaliação de riscos sobre o comportamento de cada cidadão, dentro de seus deslocamentos diários no trânsito.

Avenida Santos Dumont conta com novo sistema de iluminação em Colombo


WEBMASTER 10 DE MAIO DE 2016

Postes foram instalados para oferecer mais conforto e segurança para pedestres, ciclistas e motoristas que utilizam a via

Para a instalação dos 184 postes serão investidos R$ 366 mil para melhorar o ir e vir dos cidadãos
Para a instalação dos 184 postes serão investidos R$ 366 mil para melhorar o ir e vir dos cidadãos
Novos postes serão implantados ao longo de 4 km, do bairro Roça Grande até o bairro São Gabriel
Para atender especialmente os pedestres e ciclistas que utilizam a Avenida Santos Dumont, que liga o bairro Roça Grande ao São Gabriel, a Prefeitura de Colombo por meio da Secretaria de Obras e Viação foi implantado um novo sistema de iluminação pública na via.
“Seja para o esporte, lazer ou para o trabalho, os moradores agora podem contar com uma iluminação mais eficiente. E com mais esta ação, a avenida também se torna mais segura para todos que utilizam a Santos Dumont”, disse a prefeita Beti Pavin.
Este serviço, trata-se da implantação de 184 novos postes com distância de até 25 metros cada, iniciando no bairro Roça Grande, na rua Paulo Scrok seguindo até o bairro São Gabriel, até a Avenida São Gabriel, numa extensão de aproximadamente 4 quilômetros e investimentos de cerca de R$ 366 mil.
De acordo com o secretário de Obras e Viação, Agnaldo Santos, este novo sistema de iluminação estabelece segurança, acessibilidade e conforto para os pedestres e veículos. “Este modelo de luminária com lâmpadas de vapor metálico possui um custo benefício muito satisfatório atendendo perfeitamente a população que utiliza esta importante via”, disse.
Os postes, telecônicos são de 4,5 metros de altura e possui toda a fiação concretada ao chão para inibir a ação dos vândalos.
Os postes, telecônicos são de 4,5 metros de altura e possui toda a fiação concretada ao chão para inibir a ação dos vândalos.