Secretaria de Agricultura e Abastecimento conta com novo endereço em Colombo


WEBMASTER 17 DE MAIO DE 2016

O espaço amplo da nova estrutura visa melhorar o atendimento de todos os programas e projetos desenvolvidos pela secretaria

13230952_1066390286761317_1128796693_o-313262673_1066390013428011_58782385_o-2Para melhor atender a população e os agricultores do município, a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento de Colombo conta com novo endereço a partir do dia, 9 de maio. As novas instalações da secretaria passam a funcionar na Rua Pedro Pavin, 1022 (ao lado do módulo da Policia Militar).
O espaço amplo da nova estrutura visa melhorar o atendimento de todos os programas e projetos desenvolvidos pela secretaria – que envolvem toda a agricultura do município.
“Com essa mudança esperamos alavancar os programas que envolvem a proximidade de nossos serviços com o homem do campo. Onde nosso trabalho é fazer com que os produtos da agricultura familiar cheguem diretamente às pessoas que mais necessitam. E, há muito tempo esperávamos por isso”, disse o secretário da pasta, Marcio Toniolo.
O município de Colombo é referência em agricultura. “A aquisição da nova estrutura é um exemplo claro que a nossa Prefeita valoriza este setor e os agricultores. Ela conhece e sabe da importância, tanto da cultura quanto da permanência do homem na terra. Estamos resgatando um espaço já utilizado pelos agricultores e devolvendo com programas e projetos voltados a agricultura e o abastecimento em todo município”, ressaltou Toniolo.
SERVIÇO:
Secretaria de Agricultura e Abastecimento Segundo
Endereço: Rua Pedro Pavin, 1022
Telefone: 3656-2490
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

MEC cogita rever decisões tomadas por Mercadante em pleno apagar das luzes


MercadanteDilmaEvaristoSaAFP
Josias de Souza
A Advocacia-Geral da União passa um pente fino em portarias e decisões tomadas pelo petista Aloizio Mercadante à frente do Ministério da Educação. Apuram-se indícios de que, no apagar das luzes da gestão Dilma, Mercadante abusou da prerrogativa de manusear a caneta. As conclusões da AGU serão entregues ao novo titular da pasta, o deputado Mendonça Filho (DEM-PE), que tem poderes para revogar atos praticados pelo antecessor.
Numa das decisões consideradas atípicas, Mercadante antecipou a nomeação de membros do Conselho Nacional de Educação. Trata-se de um dos órgãos mais relevantes do MEC. Auxilia o ministro na formulação e avaliação da política nacional de educação. Integram-no 24 membros. Seus mandatos expiram apenas em julho. Mas Mercadante antecipou-se.

Entre reconduções e substituições, o ex-auxiliar de Dilma, hoje uma presidente afastada, definiu algo como metade do conselho. Com isso, impôs um fato consumado ao sucessor. Entretanto, como Cavalo de Troia não trota, a AGU busca embasamento jurídico para retirar os conselheiros que Mercandante enfiou dentro da gestão alheia.

Justiça condena PT em R$ 3,5 mi no caso Celso Daniel


índice
Em sentença de 96 páginas, magistrado de Santo André, na Grande São Paulo, suspende direitos políticos de Gilberto Carvalho e impõe pesadas sanções a protagonistas de uma página emblemática do Partido dos Trabalhadores envolvendo a morte do prefeito Celso Daniel, assassinado à bala em 2002
O juiz Genilson Rodrigues Carreiro, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Santo André, condenou o PT à devolução de R$ 3,5 milhões ao Tesouro municipal por ter sido beneficiário de um esquema de corrupção montado na gestão Celso Daniel, prefeito petista do município – executado à bala em janeiro de 2002.
Na mesma sentença de 96 páginas, o magistrado condena por improbidade administrativa o ex-ministro Gilberto Carvalho, do governo Dilma, à suspensão dos direitos políticos por 5 anos. Carvalho foi secretário de governo de Celso Daniel e suposto arrecadador de propinas para a legenda. As informações são de Julia Affonso, Fausto Macedo e Mateus Coutinho no Estadão.
“Gilberto, filiado ao Partido dos Trabalhadores e secretário de governo na gestão de Celso Daniel, seria o encarregado de transportar o dinheiro arrecadado à sede da agremiação política”, destaca o juiz, baseado na acusação da Promotoria.
O magistrado também condenou o empresário Ronan Maria Pinto, dono de uma empresa de ônibus, o ex-vereador Klinger Luiz de Oliveira Souza e o ex-assessor de Celso Daniel, empresário Sérgio Gomes da Silva, o ‘Sombra’. Além deles, foi condenado Luiz Marcondes de Freitas Junior. Todos terão de devolver solidariamente a mesma quantia imposta ao PT.
Segundo o Ministério Público Estadual, os acusados ‘teriam constituído quadrilha cujo objetivo era a arrecadação de recursos por meio de “achaques” a empresários e de desvio de recursos dos cofres públicos municipais, notadamente no que tangia a contratos de obras públicas e prestação dos serviços de coleta e destinação final de lixo’.
A Promotoria acusa Sérgio Sombra de ser ‘o mentor e idealizador da quadrilha, valendo-se para tanto do prestígio pessoal de que desfrutava em razão de amizade com o prefeito Celso Daniel’.
“Não só atuaria diretamente na prática de tráfico de influência, como também agiria como arrecadador e destinatário de parte dos recursos ilicitamente obtidos pelo grupo, tendo inclusive exercido a função de tesoureiro de campanha eleitoral do Partido dos Trabalhadores”, informa trecho da sentença.
De acordo com a sentença, Sérgio Sombra ‘distribuiria uma parte para Gilberto Carvalho, que a transportaria ao Partido dos Trabalhadores’.
A propina para o PT saía de vários setores da administração Celso Daniel, inclusive na área de transporte público. “Com exceção das empresas de propriedade de Ronan, todas as demais que exploravam o ramo de transporte coletivo municipal de passageiros seriam obrigadas a efetuar pagamentos mensais.”
O Ministério Público de São Paulo sustenta que Celso Daniel ‘concordava com a ação da quadrilha e imaginava que toda a arrecadação destinava-se ao financiamento de campanhas do Partido dos Trabalhadores’.
“Por isto, teria praticado atos, tais como assinatura de novos contratos e autorização de licitações, com a intenção de coagir os empresários que resistiam à ação do grupo”, aponta a Promotoria.
Ainda de acordo com o Ministério Público, ‘os recursos, que deveriam financiar inteiramente campanhas eleitorais do Partido dos Trabalhadores, nos diversos níveis federativos (municipal, estadual e nacional), seriam entregues por Gilberto Carvalho a José Dirceu, então presidente da aludida agremiação política’.
“Entretanto, teriam sido em parte apropriados pelos integrantes da quadrilha. Ao descobrir os desvios, o então prefeito Celso Daniel teria admoestado os envolvidos, os quais, em resposta, teriam planejado e executado seu assassinato, resultando na interrupção das exigências de propinas, pois as investigações da autoria do homicídio trouxeram à tona a atuação da quadrilha”, destaca o magistrado.
Atualmente, o empresário Ronan Maria Pinto e o ex-ministro José Dirceu estão presos em Curitiba. Alvos da Operação Lava Jato, eles são acusados de lavagem de dinheiro. Dirceu ainda é réu por corrupção e associação criminosa.
Na sentença o juiz Genilson Carreiro lembra que Klinger foi vereador e nomeado Secretário de Transportes e, a seguir, Secretário de Serviços Municipais de Santo André na gestão Celso Daniel. Segundo a ação, Klinger ‘usaria a função pública para impor restrições administrativas contra empresários, também sendo destinatário de fração dos recursos auferidos pela quadrilha’.
“Sua posição era relevante e estratégica, pois permitia aos comparsas completo domínio das ações sobre os empresários. Ronan, sócio de Sérgio em empresas sediadas em outros municípios e proprietário de empresas de transporte, coleta de lixo e construção civil, agiria como intermediário beneficiário de parte dos recursos e seria incumbido de transmitir as ordens da quadrilha às vítimas, sendo espécie de interlocutor.”

DENUNCIA: Hemodiálise do Hospital Angelina Caron sobrecarrega seus técnicos de enfermagem obrigando atender até 6 pacientes por turno



Essa semana nossa redação recebeu várias denuncias gravíssimas, que a nefrologia do Hospital Angelina Caron estaria explorando  seus funcionários e colocando a  qualidade e a vida dos pacientes renais em perigo. 

Vários pacientes ligaram para nossa redação denunciando a falta de médico nefrologista na sala de hemodiálise, principalmente no terceiro  turno que funciona das 14.00 hrs em diante, nos disseram que a direção da  nefrologia estaria obrigando cada técnico(a) de enfermagem atender até 6 pacientes o que contraria norma vigente da ANVISA.

 Fomos pesquisar e as normas técnicas  que regulam o tratamento dizem que cada técnico de enfermagem só pode atender 4 pacientes para não colocar  avida do paciente em risco.

Para reduzir seus custos o Hospital Angelina Caron está deixando de contratar novos técnicos de enfermagem, obrigando os atuais atender toda a demanda do turno.

Ocorre que com certeza, esses profissionais se sobrecarregam e  em uma emergência ele terá que escolher o paciente que irá atender primeiro.

Os pacientes precisam fazer o seu tratamento 3 vezes por semana ficando ligados na máquina até por 4 horas.

OBS: Os denunciantes foram orientados a fazerem à denuncia na Secretária Estadual de Saúde e ao Ministério Publico da Saúde. 

Esse blog se coloca à disposição do Hospital para esclarecimentos.

“O interesse da população deve se sobrepor ao político”, afirma Sérgio Souza na Comissão Mista do Orçamento


IMG_5343
O deputado Sérgio Souza (PMDB-PR) foi eleito nesta terça-feira (17) segundo vice-presidente da Comissão Mista do Orçamento. A eleição acontece todos os anos por aclamação, sem disputa por votos. ” Entendo que, neste momento, o mais importante é produzir soluções para o povo brasileiro. Não é hora de nos dividirmos, é um período para construirmos pontes e eu não posso ser o ator de divergência. Esta comissão é muito importante para o Brasil e o essencial é que ela dê certo”, disse Souza que abriu mão da indicação para presidência da comissão.

O nome de Sérgio Souza foi aprovado por unanimidade entre representantes da Câmara e Senado Federal. Ao todo são 84 membros titulares, sendo 63 deputados e 21 senadores, com igual número de suplentes
Ainda durante a reunião, Sérgio Souza destacou que a instalação da comissão era urgente, devido a sua importância na Casa. “Atuarei ativamente dentro desta comissão. Sou um soldado do PMDB dentro do parlamento. Eu tenho a função de ajudar este governo dar certo, é minha obrigação” ressaltou.
A medida urgente a ser tomada pela CMO é a votação do PLN 1/16 enviado pelo Congresso Nacional, que altera a Lei 13.242, de 30 de dezembro de 2015, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração e execução da Lei Orçamentaria de 2016.

Lava Jato quer investigar ministros do STJ


marcelo navarro e francisco falcao
A Operação Lava Jato chegou ao Poder Judiciário com o pedido de investigação formulado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra os ministro Marcelo Navarro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e Francisco Falcão, presidente da Corte, no inquérito que investiga a presidente afastada Dilma Rousseff, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT/MS) pelo crime de obstrução da Justiça.
Segundo delação de Delcídio, Navarro foi nomeado por Dilma sob o compromisso de colocar em liberdade figurões presos na Lava Jato, como o ex-presidente da construtora Odebrecht. Janot também pediu ao Supremo Tribunal Fedetal para incluir entre os investigados o próprio presidente do STJ, ministro Francisco Falcão, que, por engano, foi citado pelo procurador-geral no documento como “Joaquim Falcão”.
Os investigadores da Lava Jato concluíram que enquanto Dilma dava instruções a Delcídio sobre a nomeação de Navarro, condicionando-a ao compromisso do novo ministro de soltar presos da Lava Jato, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo teria negociado com o presidente do STJ, ministro Francisco Falcão, a indicação de Navarro para fazer parte da 5ª Turma do STJ, onde eram julgados os recursos pertinente à Operação Lava Jato.
O pedido de investigação contra Navarro e Falcão, enviado em 27 de abril por Rodrigo Janot ao STF, é classificado como procedimento “oculto”, por não constar do registro oficial.

Dilma destroçou a economia


moreira franco 03
Ao contrário do ex-presidente Jucelino Kubitschek, que durante seu governo fez o Brasil crescer cinquenta a nos em cinco, a presidente afastada Dilma Rousseff conseguiu destroçar a economia brasileira em cinco anos.
A opinião é do ex-ministro da Aviação Civil do próprio governo Dilma, Wellington Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães e convidado pelo presidente Michel Temer para assumir a secretaria-executiva do recém-criado Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), da Presidência da República.
Moreira Franco afirmou que é crítica a situação das contas públicas, em razão dos gastos excessivos e até irresponsáveis do governo anterior, que comprometeu inclusive as condições de o banco oficial BNDES participar desse momento.
Para ele, a única saída para o Brasil é o investimento maciço em obras públicas, mas com a efetiva participação dos empresários, por meio de Parcerias Público Privadas (PPP). Ele revelou haver marcado reuniao com o ministro Maurício Quintella (Transportes) exatamente para definir as prioridades de investimento nessas áreas.
“[O conselho] é exatamente onde vamos redefinir todo o ambiente da legislação e [será] regulatório para que possamos criar segurança, serenidade, tranquilidade e, sobretudo, transparência a esse processo”, disse Moreira Franco, que não terá status de ministro. Ele destacou a importância da criação do conselho para “desobstruir todos os empecilhos na regulamentação” das parcerias público-privadas.

Somos repetitivos


Edinho da Silva deu entrevista a O Globo.
Leiam uma das sua respostas:
O Globo: Mas Dilma não corre o risco de se tornar repetitiva?
Edinho Silva: Tudo depende de como você constrói a narrativa. É claro que você tem que construir uma narrativa dela agora afastada do governo. Penso que esse campo democrático de esquerda que se mobilizou no Brasil também espera que ela lidere esse processo até o fim, defendendo o ponto de vista de que não há motivo para o impeachment. Ela não pode recuar.
O Antagonista adora ser repetitivo na sua narrativa: Edinho Silva ainda está solto?

Marcelo Odebrecht quer Dilma, Palocci, Mantega e Edinho como testemunhas


O executivo Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, durante depoimento à CPI da Petrobras em Curitiba, nesta terça-feira (01)
O executivo Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato(Heuler Andrey/AFP)
O empreiteiro Marcelo Odebrecht arrolou a presidente da República afastada, Dilma Rousseff, e os ex-ministros Antonio Palocci, Guido Mantega e Edinho Silva como testemunhas na ação penal da Operação Lava Jato em que é réu por associação criminosa e lavagem de dinheiro, acusado de comandar um departamento na Odebrecht destinado ao pagamento de propina. A lista de testemunhas selecionadas pelo empreiteiro está na última folha de sua defesa prévia entregue ontem ao juiz Sergio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em primeira instância em Curitiba.
Odebrecht não explicou no documento que testemunhos Dilma e os ex-ministros poderiam dar a seu favor, o que pode levar Moro a questionar a real necessidade dos depoimentos, como costuma proceder quando autoridades são arroladas a depor como testemunhas. A defesa se limitou a dizer que é "imprescindível a oitiva de todas elas".
Conforme VEJA revelou em novembro de 2015, o senador cassado Delcídio do Amaral deixou uma reunião com Dilma espantado com o que classificou como "autismo" da presidente e o aparente desconhecimento dela sobre o umbilical envolvimento financeiro do PT com as empreiteiras implicadas na Lava Jato. "Presidente, a prisão (de Marcelo Odebrecht) também é um problema seu, porque a Odebrecht pagou no exterior pelos serviços prestados por João Santana à sua campanha", disse o agora delator Delcídio à petista.
Além disso, em negociação para fechar um acordo de delação premiada, Odebrecht afirmou a procuradores da Lava Jato, segundo o jornal Folha de S. Paulo, que Mantega e Luciano Coutinho, o presidente do BNDES, cobravam da empreiteira doações para a campanha de Dilma Rousseff em 2014 por projetos financiados no exterior.
A defesa de Marcelo Odebrecht informou o Palácio da Alvorada como residência da petista e três endereços em São Paulo relacionados a Palocci, Mantega e Edinho Silva. Além dos petistas, o empreiteiro listou outras 11 testemunhas de defesa.
Defesa prévia - Assinado pelos advogados Nabor Bulhões e José Carlos Porciúncula, o documento de defesa prévia de Marcelo Odebrecht pede a Sergio Moro a absolvição sumária do empresário argumentando que não caberiam novas denúncias contra ele por lavagem de dinheiro e associação criminosa, já que ele foi condenado por esses crimes em outra ação penal.
Em março, Odebrecht recebeu pena de 19 anos e quatro meses de prisão por lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção.
"Operações estruturadas" - As investigações da 26ª fase da Lava Jato, batizada de Operação Xepa, escancararam o sistema de pagamento de propina instalado na Odebrecht: a empreiteira contava com um departamento exclusivo para pagamentos ilícitos, o Setor de Operações Estruturadas. Em depoimento prestado em acordo de delação premiada, a secretária Maria Lúcia Tavares revelou que todos os pagamentos paralelos deviam constar no sistema MyWebDay, uma espécie de 'intranet da propina' da Odebrecht. O sistema era de tal maneira organizado que altos executivos da empresa eram os responsáveis por liberar os pagamentos ilícitos.
O departamento da propina era composto, além de Maria Lúcia, de Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, superior hierárquico da secretária, e também de Ângela Palmeira Ferreira, Alyne Nascimento Borazo e Audenira Jesus Bezerra. As duas últimas davam apoio a Fernando Migliaccio da Silva, Luiz Eduardo da Rocha Soares e Hilberto Silva. Outros executivos de alto escalão também integravam o sistema - incluindo o herdeiro Marcelo Odebrecht.

Os planos de Dida



Aldemir Bendine, o Dida, quer manter a sua, digamos, influência no Banco do Brasil. Para tanto, está manobrando -- ou "operando", como dizem -- para que Alexandre Abreu continue na presidência do banco.
O plano B de Dida é Tarcísio Godoy.
Como Tarcísio Godoy, soube-se hoje, será secretário executivo do Ministério da Fazenda, Dida terá de montar um plano C.

VEREADOR ESTEFANO POLICHUK TOMA POSSE NA CÂMARA DE COLOMBO

 Nessa terça feira dia 17/05 o vereador Estefano Polichuk (PTB), eleito com 538 votos, tomou posse no lugar do vereador Oliveira da Ambulância que foi cassado por quebra de DECORO. A Sessão foi presidida pelo professor Waldirlei Bueno. Estefano falou a nossa reportagem, que irá honrar o mandato e que o seu gabinete estará sempre a disposição da população, disse ainda que buscará apoio de seu partido para lutar por emendas parlamentares que venham beneficiar nossa cidade. Sua esposa D. Irene, com sua filha e netos também estavam na câmara prestigiando sua posse. Vários empresários e amigos aplaudiram de pé no momento que Estefano tomou posse.

Vereador Estefano Polichuk, faz seu discurso de posse






Vereadores Estefano e Pelé.


Vereador Estefano já sentado em sua cadeira.





José Polichuk, irmão do vereador Estefano e sua esposa

Netos do vereador Estefano

Irene Polichuk

Vereador Estefano








Paulinho Lopes, seu assessor e Estefano Polichuk

Metade dos vereadores apresenta projeto que regulamenta o Uber em Curitiba


Da Redação com CMC

Começou a tramitar na Câmara Municipal nesta terça-feira (17), projeto assinado por 17 dos 34 vereadores e que regulamentaria serviços como o Uber em Curitiba. De acordo com a proposta, o objetivo é regulamentar o transporte privado e individual de passageiros, garantindo que empresas possam operar na cidade, mas seguindo uma série de regras e taxas a serem pagas para a prefeitura, em isonomia com os valores cobrados aos taxistas.
Uber_2_-_JL
Foto: Divulgação CMC
Segundo o texto, a norma tem objetivo de incentivar novas formas de transporte e facilitar os deslocamentos na cidade; assegurar a livre concorrência e a transparência no serviço de compartilhamento de veículos, de forma a garantir segurança aos usuários, em conformidade com a Política Nacional de Mobilidade Urbana.
“É importante dar mais opções de mobilidade aos usuários em seus deslocamentos. O Uber, por exemplo, é um transporte compartilhado e, assim como o táxi, é benéfico para o trânsito. Curitiba precisa enfrentar o desafio de mais meio milhão de carros nos próximos 10 anos e, para isso, vejo como solução integrar os modais e oferecer inovação permanente”, explicou Jonny Stica (PDT), um dos autores da proposição.
Conforme o projeto de lei, tanto a empresa que fornecerá a tecnologia quanto os motoristas parceiros, e seus respectivos veículos, deverão ser cadastrados junto à prefeitura. Aos motoristas será exigido que apresentem Carteira Nacional de Habilitação válida e com anotação de que o condutor exerce atividade remunerada (EAR); certidões de antecedentes criminais e comprovação de que todos os impostos do veículo estão em dia. Também será necessário possuir seguro de cobertura de acidentes pessoais a passageiros, com cobertura igual à exigida dos táxis.
Ainda estão dispostas diversas regras em relação ao serviço, como a exigência de que seja emitido recibo eletrônico; informação prévia do valor estimado do trajeto a ser percorrido; identificação do motorista com foto e dados do veículo; entre outras. Além disso, os motoristas que prestem o serviço enquadrado na lei não poderão solicitar ou aceitar passageiros em vias públicas, senão por meio da plataforma digital.
Conceitos
O projeto de lei define os conceitos de veículo, motorista parceiro, plataforma tecnológica, compartilhamento e provedor de rede de compartilhamento. O veículo pode ser próprio ou arrendado, mas não pode ser da categoria táxi ou qualquer outro meio definido por lei como sendo de transporte público individual. Está contemplada qualquer tipo de plataforma tecnológica que operacionalize o contato entre motoristas e usuários do serviço.
Já o compartilhamento é entendido como transporte individual privado feito mediante remuneração pelo passageiro. O provedor de rede de compartilhamento é classificado como “empresa, organização ou grupo prestador de serviço de tecnologia” que opere por meio de plataforma tecnológica que operacionalize, por meio de terminal conectado à internet, o contato entre motoristas e usuários.
Assinaram o projeto os vereadores Aladim Luciano, Bruno Pessuti, Cacá Pereira, Carla Pimentel, Cristiano Santos, Dirceu Moreira, Dona Lourdes, Edson do Parolin, Felipe Braga Côrtes, Geovane Fernandes, Jonny Stica, Noemia Rocha, Pedro Paulo, Pier Petruzziello, Professora Josete, Tiago Gevert, Tico Kuzma

Manifestante faz BO contra vereador que teria o chamado de ‘negão’; parlamentar nega


Por Luiz Henrique de Oliveira e Geovane Barreiro


Um morador em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, acusa o presidente da Câmara de Vereadores da cidade, Wilson Roberto David Mota (PSD), o Betão, de injúria racial durante a sessão que aconteceu na noite desta segunda-feira (16). Rafael de Oliveira Francisco, que faz parte do Movimento Cidade Símbolo, afirma que foi chamado de ‘negão’ de forma pejorativa e, na sequência, perseguido pelos assessores do comandante da Casa. O parlamentar, por sua vez, nega as acusações.
vereador
Momento em que vereador usa o termo ‘Negão’ (Foto: Reprodução)
A confusão aconteceu durante sessão que votava o novo número de cargos em comissão no Poder Legislativo. O Ministério Público do Paraná (MP-PR) recomendou uma readequação na Casa, diminuindo os sete cargos para cada vereador. Enquanto os parlamentares colocaram em pauta quarto cargos comissionados, os manifestantes queriam no máximo três, o que gerou uma sessão tumultuada.
Rafael afirma que estava sentado no plenário com um grupo de manifestantes e se comportava corretamente quando aconteceu a declaração do vereador, que pode ser conferida no vídeo abaixo. “Nós colocamos os rostos dos cinco componentes da mesa diretiva em notas de R$ 5, 10, 20, 50 e 100 como forma de protesto. A segurança mandou a gente tirar, e nós tiramos. Em determinado momento, ele fala a uma assessora, apontando para mim: ‘Tira uma foto daquele ‘negão’ com dinheiro na mão, pede para o Maicon tirar’”, disse Rafael.
O manifestante contou que recebeu uma ligação do vereador nesta terça-feira, mas ainda assim registrou Boletim de Ocorrência (BO) na Polícia Civil. “Sou um negro alto, mas neste caso ficou claro o deboche, porque ele não me conhece para me chamar desta forma. As ações que ele tomou conotam o crime de atitude racista. Ele me descreveu de forma pejorativa e começou a me perseguir durante a sessão. Fiquei envergonhado e constrangido com o que aconteceu”, lamentou.
Outro lado
Procurado pela Banda B, o vereador Betão garante que não ofendeu Rafael, porque não se referia a ele. “Não teve nada com o Rafael. Ele estava no plenário com outros manifestantes, tumultuando bastante, quando alguém me falou: ‘Tem um negão lá fora’. Era do lado de fora, não na Câmara, portanto não se referia e ele. A pessoa estava do lado de fora, não teria o menor sentido eu tirar foto do Rafael, uma vez que a sessão era filmada naquele momento. Nem eu sei para quem falei aquilo, porque vendi pelo preço que comprei”, garantiu.
Ao saber do BO feito por Rafael, Betão lamentou e negou novamente qualquer manifestação racista. “Eu simplesmente reproduzi aquilo que me passaram. Não falei de forma pejorativa, porque sou descendente de afrodescendente e trabalho em projetos contra o racismo. Não existe essa conotação que eles querem dar”, disse.
Ainda segundo o vereador, a acusação de uma perseguição por parte de seus assessores também é infundada. “Eu tenho uma cópia da sessão que mostra o que aconteceu e não houve nenhuma perseguição. Como presidente, precisei chamar a segurança para que tudo acontecesse sem problemas. Fiz apenas o que estava no regimento. Nada partiu de nós, é o que posso garantir”, comentou.
Por fim, o vereador informou o motivo da votação que aumentou para quatro os cargos comissionados para os vereadores. “Como presidente, não sou dono da Câmara. O Ministério Público pediu a redução de sete e isso aconteceu. Ficou um cargo comissionado e nós precisávamos refazer a votação e isso aconteceu. Definimos uma redução de R$ 16 milhões nas despesas”, concluiu.


Dono de laboratório suspeito de atirar em ex-funcionário presta depoimento e é liberado


Por Marina Sequinel

dono do laboratório de análises clínicas suspeito de atirar contra o ex-funcionário se apresentou na delegacia nesta segunda-feira (16) em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Acompanhado de um advogado, o homem, de 39 anos, prestou esclarecimentos e foi liberado em seguida, já que ele se entregou.
delegacia-sjpfora
(Foto: Divulgação)
O delegado responsável pelo caso não deu detalhes sobre o teor do depoimento do suspeito e preferiu não conceder entrevista, para não atrapalhar as investigações. Ontem, a polícia cumpriu um mandado de busca e apreensão no local da tentativa de homicídio.
O crime aconteceu na última terça-feira (10) dentro da sala do empresário no laboratório, localizado na Avenida das Torres, no bairro São Cristóvão. Segundo informações da Polícia Civil, a vítima, um jovem de 21 anos, se reuniu com o chefe para acertar a demissão e os dois acabaram tendo um desentendimento. Nesse momento, o patrão atirou contra o peito dele.
Ainda não há informações sobre o motivo da discussão ou se uma questão de ordem pessoal entre os dois possa ter ocasionado o crime. O rapaz foi socorrido em estado gravíssimo e encaminhado ao Hospital São José, onde permanece internado.
Ainda de acordo com a polícia, no dia 28 de abril, a vítima já havia registrado um Boletim de Ocorrência contra o atirador, por ameaça. Na ocasião, no entanto, o jovem não quis representar contra o patrão.
O caso continua a ser investigado pela delegacia de São José dos Pinhais.