Prefeitura de Colombo entrega as obras dos CMEIS Monte Castelo e Jardim Central


WEBMASTER 8 DE JUNHO DE 2016

A cerimônia acontece neste sábado (11) a partir das 9h; As duas instituições educacionais, integram o sistema municipal de ensino e atendem 300 alunos de zero a cinco anos

CMEI Jardim Central Quero Aprender disponibiliza oito turmas integrais: três berçários, três maternal 1 e dois maternal 2.
CMEI Jardim Central Quero Aprender disponibiliza oito turmas integrais: três berçários, três maternal 1 e dois maternal 2.
CMEI Monte Castelo Carrossel atende 149 alunos, sendo seis turmas integrais e uma parcial.
CMEI Monte Castelo Carrossel atende 149 alunos, sendo seis turmas integrais e uma parcial.
A Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Educação realiza neste sábado, (11) a entrega das obras dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) Monte Castelo Carrossel e Jardim Central Quero Aprender. As duas instituições educacionais integram o sistema municipal de ensino e atendem 300 alunos de zero a cinco anos.
A cerimônia de entrega das obras, que contará com a presença da Prefeita de Colombo Beti Pavin, terá início às 9h, no CMEI Monte Castelo Carrossel, localizado na Rua das Dálias, 05 – no bairro Vale das Flores. Já às 10h30 acontecerá a entrega do CMEI Jardim Central Quero Aprender – localizado na Rua Cristóvão Colombo, 198.
“Todas estas estruturas foram pensadas e planejadas com muito carinho e responsabilidade para oferecer conforto aliado a um atendimento adequado e saudável às nossas crianças”, destacou a Prefeita Beti Pavin.
Com base no projeto, as duas construções receberam investimentos de R$ 1.5 milhão cada e contemplam blocos administrativos, pedagógicos e de serviços, com: despensa, cozinha, lactário, lavanderia, buffet, sanitários e salas multiuso. Na área externa, será disponibilizado pátio coberto e playground.
O CMEI Monte Castelo Carrossel atende 149 alunos, sendo seis turmas integrais e uma parcial. Ao todo, são dois berçários, dois maternais 1, e dois maternais 2 e uma pré-escola disponíveis para os pequenos.
O CMEI Jardim Central Quero Aprender atende a uma demanda reprimida na região, disponibilizando 149 novas vagas para as crianças do bairro. São oito turmas integrais: três berçários, três maternal 1 e dois maternal 2.
Vale lembrar que cada CMEI conta com uma área construída de 945,71 m² – dentro dos padrões do Modelo Proinfância. Já a área total externa possui 1.517,43 m² composta por pátio descoberto, pátio de serviço, solários, estacionamento, playground, áreas externas.
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: João Senechal/ PMC

Jornalista perde emprego, vira atendente de doceria e dá lição sobre preconceito em rede social


Por Marina Sequinel

“Me descobri preconceituosa”. É assim que a atendente Beatriz Franco, de 28 anos, começa o texto que fez sucesso noFacebook no começo desta semana. Formada em Jornalismo e fluente em duas línguas (inglês e espanhol), a jovem perdeu o emprego no início do ano por causa de uma reestruturação na empresa onde trabalhava.
beatriz
Publicação de Beatriz no Facebook ultrapassou 250 mil curtidas. (Foto: Reprodução)
Sem conseguir mais serviços como freelancer, ela superou a vontade de ficar encolhida no sofá e abraçou uma oportunidade que jamais havia passado pela sua cabeça: decidiu aceitar a proposta de se tornar atendente na doceria da amiga Verônica.
“Eu passei a trabalhar como freelancer e atuei assim por um ano e meio, mais ou menos. Só que no começo de 2016, o mercado estava muito fraco e fiquei sem atividade por alguns meses. Quando apareceu a oportunidade de atuar na doceria, eu vi naquilo uma forma de sair de casa e ocupar a cabeça”, explicou ela em entrevista à Banda B na tarde desta quarta-feira (8).
Foi assim que, de touca e avental, Beatriz passou a servir os clientes do estabelecimento, localizado em Santos, no litoral de São Paulo. Junto com a nova função, no entanto, surgiu o preconceito, que ela fez questão de combater no texto que escreveu na rede social.
“Eu ficava pensando se o cargo estava à minha altura, se eu não ‘era boa demais para isso’. Também tinha receio que pessoas conhecidas me vissem naquela situação e achassem que nada havia dado certo para mim. Só que o meu trabalho foi me fazendo feliz. No fim, percebi que tudo isso não passava de um pensamento idiota”, completou ela.
Agora, Beatriz vive rodeada de bolos, cupcakes, brownies, brigadeiros e do que ela mais gosta: pessoas. “Como jornalista, sempre amei ouvir diferentes histórias e faço isso aqui também. Eu me sinto muito bem e realizada”.
Sobre os planos para o futuro, a atendente já pensa em fazer cursos na área de administração, gestão de negócios ou liderança. “A pior coisa é se enterrar no sofá e se culpar. Precisamos dar as caras e aceitar aquilo que nos completa, para colocar a cabeça no lugar”, finalizou.
Publicação
Confira abaixo o texto publicado por Beatriz que, até o momento, tem mais de 250 mil curtidas e 37 mil compartilhamentos:
Me descobri preconceituosa. Eu, que defendo tanto a igualdade de gêneros, de cor, de religião, que tenho amigos gays, nordestinos, evangélicos, jovens, velhos, com dinheiro e sem, até coxinhas e petralhas! Vários tipos de rótulos.
Explico: Nos últimos meses, minha área de trabalho – como muitas – está muito ruim. Em quatro meses não consegui quase nada. Então, depois de meses me enterrando num sofá perdendo tempo, vida e dinheiro, surgiu a oportunidade de ajudar uma amiga atendendo clientes em sua loja de doces. Quatro vezes por semana, período da tarde, remunerado. Uma boa forma de ocupar a cabeça, sair de casa e ter algum dinheiro. Foi aí que veio o primeiro julgamento: Eu, balconista? Jornalista, três idiomas, currículo em comunicação, trabalhando de touquinha na cabeça servindo os outros? Foi difícil tomar essa decisão, mas aceitei, estou precisando.
Dias depois, a cena durante a tarde, limpando uma das mesas, ouvi dois clientes conversando: “Coloco acento em ‘tem’? Mudou com a nova ortografia?” “Não sei. Não entendo.” E eu ali me remoendo pra dizer “eu sei, eu sei!!!”. Mas, eu era só uma atendente e eles não iriam acreditar que eu sabia. Depois a barreira seguinte: conhecidos e colegas antigos entrarem na loja e me verem nessa função. “O que eles vão pensar? Eles não sabem como cheguei até aqui, que a dona é minha amiga, vão pensar que não dei certo na vida.”
Dá pra entender como isso é errado??? Era com essa inferioridade que eu via os outros atendentes, balconistas e nunca tinha percebido! Sentia vergonha por estar em um trabalho honesto, justo, que traz alegria para as pessoas, que auxilia os outros? Eu deveria é ter vergonha de mim por pensar assim, por tanta falta de humildade e empatia.
Por um preconceito idiota eu ia perder a chance de conhecer tanta gente nova como nas últimas três semanas, de ouvir tantas histórias de vida como sempre gostei de fazer, de aprender um novo trabalho, de ajudar uma amiga, de ter dinheiro pra comprar uma nova bicicleta, pra ir no casamento de uma amiga em outra cidade, de viver! Em tão pouco tempo, esse trabalho que eu achava tão inferior já me ajudou a estar mais feliz, disposta, a ter novas ideias, entender como uma pequena empresa funciona, a buscar cursos para aprender mais.
Como dizia meu avô: A vida não é como a gente quer, é como ela se apresenta! Então, estou aqui aceitando com muito amor e gratidão o que me foi apresentado. Aceitando novas formas de crescer e evoluir com, por enquanto, um preconceito a menos. Hoje, estou aqui, jornalista, tradutora, professora de idiomas, aprendiz de gestora e sim, atendente de um ateliê de doces. E o que mais precisar, a gente aprende a fazer também! E, modéstia à parte, eu tbm fico linda de touquinha! :p
Esse textão é pra tirar de uma vez essa vergonha de mim, para agradecer pela confiança e apoio dos queridos amigos Veronica, Bruno e Felipe, pelo empurrão dos meus pais Edna e Orlando e, talvez, se não for me achar muito, ajudar alguém a fazer a mesma reflexão e dar um passo à frente se for o momento.

Bandidos furam sinal em tentativa de fuga e jovem que atravessava na faixa fica gravemente ferida


Por Felipe Ribeiro e Flávia Barros
Foto: Flávia Barros - Banda B
Foto: Flávia Barros – Banda B

Uma perseguição policial a bandidos terminou com uma jovem atropelada na tarde desta quarta-feira (8), no cruzamento das ruas Trajano Reis e Treze de Maio, no Centro de Curitiba. Segundo a polícia, os suspeitos têm 15 e 24 anos e carregavam drogas em uma motocicleta no momento do acidente.
prisãocentro2
Foto: Flávia Barros – Banda B
Segundo o soldado Janz, do 12° Batalhão da PM, a equipe subia a Alameda Cabral quando percebeu o início de fuga dos bandidos na motocicleta. “Assim que perceberam a viatura, eles furaram o sinal vermelho e começaram a acelerar. Foi difícil acompanhar inicialmente, mas tentando fugir por meio dos carros acabaram atingido a jovem no local e também caíram”, explicou.
Por causa da queda, o suspeito de 24 anos foi encaminhado ao pronto-socorro e deve ser preso em flagrante na sequência. Ele já possuía passagens pela polícia por tráfico de drogas. O de 15 anos foi levado à Delegacia do Adolescente para os procedimentos cabíveis.
Com eles, foram apreendidas aproximadamente 600 gramas de maconha e dinheiro.
A vítima, que atravessava a rua na faixa de pedestres, foi encaminhada ao Hospital Evangélico com um grave ferimento na cabeça.

MST invade prédio do Incra e monta barracão na Doutor Faivre; moradores dizem estar acuados


Por Luiz Henrique de Oliveira e Flávia Barros
mst 1
(Foto: Colaboração)

Membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiram o prédio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) na Rua Doutor Faivre entre a Av. Sete de Setembro e a Av. Visconde de Guarapuava, na região central de Curitiba, na tarde desta quarta-feira (8). Além disso, eles montaram um barracão interditando completamente este trecho da rua. Alguns moradores procuraram a Banda B para relatar que estão impedidos de sair de suas residências e comércios foram fechados. O trânsito está complicado na região.
Uma moradora na região disse que os manifestantes não querem conversa. “Eles nos falaram que vão ficar até sexta-feira neste acampamento. Não tem como sair de carro e isso vai prejudicar diversos comércios da região. Montaram o acampamento super rápido e tomaram conta de lá”, disse.
Diego Moreira, coordenador nacional do movimento, explicou as reivindicações. “Queremos mostrar às autoridades a importância da discussão da reforma agrária. Queremos denunciar o descaso com os pequenos agricultores, que é desassistida pelo Estado, especialmente no governo golpista de Michel Temer”, descreveu à Banda B, sem dar uma data para quando o grupo desmontará o acampamento.
Praticamente todos os comércios, entre a Visconde de Guarapuava e a Av. Sete de Setembro, estão fechados.  Gleice Oishi , dona de uma loja automotiva, lamenta que mais uma vez os trabalhadores serão prejudicados. “Para nós é sempre ruim. Só hoje tivemos uma queda de 30% de movimento. Nós temos acesso pela Visconde de Guarapuava e continuamos aberto, mas nossos vizinhos de comércio tiveram que fechar”, criticou.

Anatel fará consulta pública sobre limite à internet de banda larga fixa


Agência afirmou que proibição de limites ainda vale por prazo indefinido.
Consulta ouvirá entidades e especialistas em reuniões públicas.

Do G1, em São Paulo
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) anunciou que fará consultas públicas sobre o limite no acesso a dados para banda larga fixa pelas operadoras. Nesta quarta-feira (08), a agência demonstrou apoio ao pedido das empresas de telecomunicações em audiência pública conjunta na Câmara dos Deputados, segundo a Reuters.
As consultas públicas deverão durar por 60 dias e incluir "reuniões públicas com diversas entidades e especialistas, com o objetivo de reunir subsídios para futura deliberação do Conselho Diretor a respeito do assunto", disse a Anatel em nota.
saiba mais

O órgão informou que o resultado das consultas públicas será enviado a um grupo executivo da Anatel, que analisará o impacto regulatório das medidas sobre o tema.
Em comunicado, a autarquia afirmou que aproibição da adoção das franquias de banda larga fixa pelas operadoras, adotada antes do afastamento da presidente Dilma Rousseff, em abril, "continua em vigor, por prazo indeterminado".
O sistema de franquia de dados consiste em limitar os pacotes de dados dos consumidores, que seriam obrigados a pagar a mais ou teriam a velocidade reduzida caso ultrapassem o volume contratado com as operadoras, semelhante ao que acontece com a internet móvel.
Marco civil
Mais cedo nesta quarta, a superintendente de relações com consumidores da Anatel, Elisa Leonel, disse que o Marco Civil da Internet permite a cobrança dos dados em relação ao consumo do cliente, mas proíbe a interrupção dos serviços, o que permitiria o uso da franquia com a redução da velocidade ou cobrança adicional, segundo a Reuters, segundo a Agência Câmara.
"A banda larga é um serviço prestado pelo regime privado e a liberdade do modelo de negócios é prevista na Lei Geral de Telecomunicações", disse Elisa. "As operadoras são obrigadas a continuar a fornecer o serviço, ou cobrando adicionalmente ou reduzindo a velocidade", afirmou, acrescentando que o sistema de franquia é adotado em diversos países.
O posicionamento da Anatel gerou protestos entre os parlamentares durante a sessão, disse a Reuters. Segundo a Agência Câmara, o deputado Paulão (PT-AL) teria classificado a entidade como "advogada das empresas".
Já o representante do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) na audiência, Rafael Augusto Zanatta, afirmou que estabelecer limites para tráfego de dados na internet fixa é o mesmo que criar planos de internet distintos, a dos pobres e a dos ricos, que podem pagar quando ultrapassarem a franquia.

Gabrielli precisa de 10 mil por mês



José Sérgio Gabrielli entrou com recurso no Supremo contra decisão do TCU que renovou por mais um ano o bloqueio de seus bens, informa O Globo.
O bloqueio é decorrente do prejuízo de US$ 792 milhões na compra da usina de Pasadena.
Gabrielli quer liminar que lhe garanta o saque mensal de R$ 10 mil para o pagamento de despesas fixas.

Nova força-tarefa para o eletrolão



O Estadão informa que o Conselho Superior do Ministério Público Federal autorizou a criação de uma força-tarefa para atuar nos desdobramentos da Operação Lava Jato que tramitam na Procuradoria da República do Rio de Janeiro.
São as investigações da Eletronuclear.
O grupo é formado pelos procuradores José Augusto Simões Vagos, Eduardo Ribeiro Gomes El-Hage e Lauro Coelho Júnior.
Que se multipliquem!

TJSP veta farra de cargos para vereadores



O órgão especial do TJSP vetou por unanimidade a criação de 660 cargos comissionados na Câmara Municipal de São Paulo.
A decisão foi decorrente de ação movida pela seção paulista da OAB contra a absurda Lei 16.234/2015 que previa até 12 auxiliares para cada um dos 55 vereadores paulistanos.
O total de vereadores deveria ser doze.

Senadores recorrem do 'arquivamento de Jucá'



Telmário Mota, Randolfe Rodrigues, Vanessa Grazziotin, João Capiberibe e Regina Sousa protocolaram no Conselho de Ética recurso contra o arquivamento do pedido de abertura de ação contra Romero Jucá por quebra de decoro.

Prefeitura de Colombo promove a 6ª Conferência Municipal das Cidades



O evento acontecerá no dia 3 de junho e vai debater sobre a função social da cidade

conf-cidadesO município de Colombo recebe no dia 3 de junho a 6ª Conferência Municipal das Cidades, no Auditório da Regional Maracanã. Nesta edição, o tema abordado será “A Função Social da Cidade e da Propriedade: Cidades Inclusivas, Participativas e Socialmente Justas”, seguindo as Conferências Estadual e Nacional das Cidades. Além de eleger os delegados que representarão o Município em âmbito estadual.

O evento é uma realização da Prefeitura de Colombo por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação. Para a secretária da pasta, Tânia Mara Tosin a principal finalidade do encontro é avançar na construção da Política Urbana Municipal e indicar prioridades de atuação da Prefeitura de Colombo nesta questão. “Durante a conferência vamos aprofundar no debate sobre as questões que envolvem o desenvolvimento do município. Além disso, é fundamental para garantir um crescimento harmônico”, disse Tânia.

O período da manhã será de pronunciamentos das autoridades e apresentações de palestras. Logo após o almoço, os participantes vão ser divididos em grupos para debater os temas. “Todas as propostas são remetidas à plenária final da Conferência que elegerá as prioridades da cidade, para então realizar a eleição dos membros do Conselho Municipal das Cidades e Delegados Municipais”, destacou a secretária da pasta.

Serviço:
6ª Conferência Municipal das Cidades
Local: Auditório da Regional Maracanã – Rua Durval Ceccon, 664.
Data: 3 de junho
Horário: 8h às 16h30

Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo

CEI 2016 - Testesmunhas de juízo - 08/06/2016 AO VIVO impeachment DILMA







Jovem motorista fica ferida após capotar carro em via rápida de Curitiba


Por Luiz Henrique de Oliveira


Uma jovem motorista de 22 anos teve ferimentos leves ao capotar o carro em que estava na Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, via rápida sentido bairro, no Mossunguê, em Curitiba, no início da manhã desta quarta-feira (8). O capotamento aconteceu após a colisão lateral contra um HB20 que fazia o mesmo sentido da rua.
peugeot
Motorista foi socorrida com ferimentos leves (Foto: Djalma Malaquias – Banda B)
Segundo uma testemunha, a motorista que capotou tentou mudar de faixa quando bateu contra outro carro. “Ela estava na via rápida, na pista que não havia ninguém, e quando foi mudar de pista bateu no cantinho do HB20 e capotou. Foi uma batida forte e ainda bem que não aconteceu nada de grave”, descreveu à Banda B.
O sargento Weber, do Corpo de Bombeiros, afirmou que a motorista teve ferimentos leves. “Chegando no local, a vítima estava sem lesões graves e fizemos a retirada do veículo com todo o cuidado. Ela será levada ao hospital para fazer exames. Importante ressaltar que usava cinto de segurança o que foi fundamental neste caso”, disse.
Devido ao acidente, o trânsito ficou parcialmente bloqueado.

Relacionadas

Catador de reciclável encontra corpo de homem sem membros e cabeça dentro de lixo


Por Elizangela Jubanski e Djalma Malaquias


Um crime com requintes de crueldade foi registrado na manhã desta quarta-feira (8) no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba. o corpo de um homem sem a cabeça e parte dos membros foi encontrado no lixo de uma rua residencial. Não há identificação da vítima, nem motivação ou paradeiro do autor.
Um catador de materiais recicláveis descobriu o corpo na lixeira da rua Angelina Legat Pasini. Ele se assustou, contou a vizinhos e a Polícia Militar (PM) foi acionada. A tenente Jéssica Moraes, do 20º BPM, disse que não há detalhes sobre o crime.
“A gente recebeu a denúncia, chegou a Guarda Municipal (GM) primeiramente, está sem a cabeça e sem parte dos membros. Um catador teria encontrado o corpo. Sabemos poucos detalhes, é um homem, mas impossível saber a idade”, descreveu.
Moradores próximos do local afirmaram que nunca tinham visto cena tão marcante. “É um crime que choca aqui, o cara que fez isso ten muita frieza. Matar e depois cortar a pessoa, parece filme de terror. Tudo indica que ele veio enrolado para cá”, finalizou um vizinho que não quis se identificar.
O corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba e a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso.