A era Lula já era - Rapidinhas



A recuperação judicial da Oi, a maior da história do Brasil, é a derrocada de mais uma "campeã nacional" da era Lula.
A era Lula já era.

Oi em recuperação judicial

A Oi acaba de entrar com pedido de recuperação judicial, noticia O Globo.
A fonte secou, Lulinha.

Um tombo de 3,2 bilhões de reais

A Oi deve 3,2 bilhões de reais ao BNDES.
A nós, portanto.

Kassab divulgará nota sobre a Oi

O Antagonista acaba de conversar com Gilberto Kassab, ministro da Comunicação. Ele irá soltar uma nota oficial sobre a recuperação judicial da Oi, na qual garante que a crise da empresa não terá impacto sobre os serviços aos clientes e o sistema de telefonia em geral.
Este site não é tão otimista.

PM mentiu sobre reforço na escolta de traficante em hospital do Rio

Tiros
As marcas de balas espalhadas pelas paredes do Hospital Souza Aguiar. Foram mais de 40 tiros(VEJA.com/Divulgação)
A Polícia Militar mentiu ao falar sobre o reforço na equipe que fazia a custódia do traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, resgatado por criminosos na madrugada do último domingo. De acordo com o subchefe do Estado Maior operacional, coronel Luiz Henrique Marinho Pires, houve um 'reforço de cinco policiais' no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro da cidade. As investigações da Polícia Civil, no entanto, desmentem esta versão. De acordo com investigadores, apenas dois policiais faziam a escolta do criminoso, que estava internado na sala 610 da enfermaria, na unidade de ortopedia. Havia, de fato, mais três PMs dentro do hospital: um na sala de operação (no térreo) e outros dois que faziam a custódia de um outro preso, também no sexto andar, mas em outra parte do corredor.
No fim da tarde de hoje, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, repetiu a informação passada pela PM, de que cinco policiais eram responsáveis pela custódia do criminoso.
Mas investigadores da Polícia Civil ouvidos pelo site de VEJA garantem que o número passado pelas autoridades está inflado: "Os outros policiais que estão contando aí como reforço da escolta do Fat Family não tinham essa função. E alguns que estavam no plantão daquela noite sequer sabiam do plano de resgate interceptado e alertado pela Dcod. Por coincidência, havia dois outros PM no mesmo andar, mas em outro lado, na sala 603", contou o agente.
Como o site de VEJA já havia mostrado ontem, o alerta de que havia um plano para resgatar o criminoso foi dado por volta das 20h de quinta-feira, dia 16. Todos os órgãos de inteligência (das polícias Militar, Civil e Secretaria de Segurança) foram alertados pela Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), mesma equipe que havia prendido Fat Family três dias antes, no Morro Santo Amaro, no Catete. Na mesma noite de quinta-feira, o comando do 5oBPM (Praça da Harmonia), responsável pelo policiamento na área do Souza Aguiar, chegou a enviar duas equipes para a porta da unidade. Os carros ficaram parados com o reforço até cerca de 8 horas da manhã de sexta-feira. "Os dois PMs que estavam na escolta do Fat Family naquela noite foram informados de que havia um risco de tentativa de resgate", contou um outro agente.

No sábado, dia 18, o supervisor de dia do batalhão da área, tenente Rego, chegou a manifestar insatisfação com o fato de um traficante perigoso estar sendo custodiado por apenas dois homens. O oficial esteve três vezes no hospital: de manhã, à tarde e depois à noite. O oficial chegou pouco antes da meia noite e teria ficado até pouco depois das 2 horas da madrugada de domingo.
"Vou perturbar o coronel para reforçar esse negocio aqui", chegou a dizer o oficial dentro do Souza Aguiar.
Não deu tempo. Por volta das 3h15, pelo menos 20 bandidos do Comando Vermelho atacaram o hospital com fuzis e granadas - mais de 40 disparos atingiram as paredes da unidade - e deixaram um rastro de destruição, matando o segurança de uma boate - Ronaldo Luiz Marriel, de 35 anos, e ferindo outras duas, entre elas o técnico de enfermagem Julio César dos Santos Basílio, que segue internado.
O entra e sai no Souza Aguiar, por sinal, está sem controle há alguns meses. Por conta da crise financeira do estado, a empresa de vigilante que presta serviço de segurança não está recebendo e, consequentemente, os funcionários sem salário não estão indo trabalhar. Tanto que no próprio sábado, 12 horas antes da tentativa de resgate, a advogada do traficante esteve no hospital visitando seu cliente e só se identificou quando já estava no andar da enfermaria.
Transferência de presos - Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, José Mariano Beltrame afirmou que onze presos ligados ao Comando Vermelho serão transferidos para presídios federais. Entre os presos que serão transferidos, está Edson Pereira Firmino de Jesus, o Zaca, tio do traficante Fat Family. Zaca já deve sua transferência do Instituto Penal Vicente Piragibe para a Penitenciária Laércio da Costa Pelegrino (Bangu I) determinada pela Justiça do Rio na manhã desta segunda em caráter de urgência.
Durante a coletiva, o secretário destacou a importância de ampliar a operação de hospitais penitenciários para evitar um "verdadeiro turismo" de presos feridos pela cidade. "Ontem mesmo encaminhei um oficio ao governador para que, por favor, coloque em funcionamento um hospital penitenciário para que a polícia possa lá deixar essas pessoas e, se não houver condições, que veja a possibilidade de colocar lá um hospital de campanha", disse. Beltrame informou que vai apurar a conduta dos policias que faziam custódia do traficante.

Oi entra com pedido de recuperação judicial

Oi
Pedido de recuperação judicial da Oi foi protocolado nesta segunda-feira(Dado Galdieri/Bloomberg/Getty Images)
A empresa de telefonia Oi entrou nesta segunda-feira com pedido de recuperação judicial. A solicitação foi apresentada à Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro "em caráter de urgência", como informa a companhia no comunicado sobre a decisão.
A empresa tem enfrentado problemas com o alto volume de sua dívida, que chega a 65,4 bilhões de reais. As dificuldades incluem o descumprimento de metas de qualidade, universalização e ampliação do acesso aos serviços de telecomunicação. Em maio, a companhia acertou um termo de compromisso de ajustamento de conduta (TAC) com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para trocar as multas por esse descumprimento, que chegavam a 1,2 bilhão de reais, por investimentos de 3,2 bilhões de reais até 2020.

"Considerando os desafios decorrentes da situação econômico-financeira das Empresas Oi à luz do cronograma de vencimento de suas dívidas financeiras, ameaças ao caixa das Empresas Oi representadas por iminentes penhoras ou bloqueios em processos judiciais, e tendo em vista a urgência na adoção de medidas de proteção das Empresas Oi, a Companhia julgou que a apresentação do pedido de recuperação judicial seria a medida mais adequada", diz o comunicado assinado por Flavio Nicolay Guimarães, diretor de Finanças e de Relações com Investidores da Oi.
Segundo o comunicado, só assim a companhia conseguirá preservar a continuidade da oferta de serviços de qualidade a seus clientes dentro dos compromissos assumidos com a Anatel, preservar o valor da empresa, manter a continuidade de seu negócio e proteger o caixa do grupo.
A Oi fechou 2015 com prejuízo de 5,3 bilhões de reais e, no ano anterior, de 4,4 bilhões de reais. No primeiro trimestre deste ano, a perda da empresa foi de 1,64 bilhão de reais, montante 268% maior que o do mesmo período de 2015.
A empresa de telefonia foi uma das beneficiárias da chamada política de "campeões nacionais", segundo a qual, com crédito farto do BNDES, companhias selecionadas se tornariam gigantes em seus setores com capacidade para competir globalmente. A Oi foi ungida de maneira ainda mais benevolente: em 2008, o governo autorizou mudanças nas regras do setor de telecomunicações para que ela pudesse comprar a Brasil Telecom e se transformar em uma "supertele".
Oito anos depois, a supertele protagonizou o maior pedido de recuperação judicial da história do país.
(Da redação)

Preso na Grande BH, goleiro Bruno se casa com dentista em Apac


Realizada no sábado (18), cerimônia teve convidados, banda e almoço.
Bruno foi condenado a mais de 22 anos pela morte de Eliza Samudio.

Do G1 MG
Ingrid Calheiros Oliveira, namorada de Bruno e autora da denúncia contra a juíza da Comarca de Esmeraldas, beija o goleiro preso, durante sessão da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. (Foto: Alex de Jesus/O Tempo/AE)Goleiro Bruno e Ingrid Calheiros se beijam durante sessão da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte, em 2011 (Foto: Alex de Jesus/O Tempo/AE)
O goleiro Bruno Fernandes, que cumpre pena pelo assassinato de Eliza Samudio, oficializou neste fim de semana o casamento com a dentista Ingrid Calheiros, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a cerimônia foi realizada neste sábado (18), na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac), onde o atleta está preso desde setembro do ano passado.

Bruno Fernandes foi condenado pela Justiça de Minas a 22 anos e três meses de prisãopela morte e ocultação do cadáver da ex-amante, além do sequestro do filho da jovem. Além de Bruno, outras cinco pessoas foram condenadas pela morte de Eliza.
saiba mais

Segundo o advogado Lúcio Adolfo, houve tanto o casamento civil quanto o casamento religioso. Ele contou que a cerimônia foi celebrada por uma pastora.

De acordo com o TJMG, além de Bruno, outro preso, que na Apac é chamado de recuperando, casou-se neste sábado. A Justiça informou que foram convidados voluntários da associação, parentes e amigos próximos aos noivos.

Após a cerimônia, ainda de acordo com o TJMG, foi servido um almoço, preparado na unidade com a ajuda dos recuperandos. O casamento ainda contou com uma banda de louvor durante a celebração.

Desde o julgamento de Bruno, ocorrido em 2013, Ingrid já se apresentava como mulher do goleiro. Pelo menos desde 2011, quando Bruno estava detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana, os dois já cogitavam se casar na prisão.

Na época do assassinato de Eliza Samudio, em 2010, o goleiro era casado com Dayanne Rodrigues, de quem se separou após o crime. Ela também respondeu pela acusação de sequestro e cárcere privado do filho de Bruno com Eliza Samudio, mas foi absolvida pela Justiça mineira.
 
Eliza Samúdio - Globo News (Foto: Globo News)Eliza Samúdio foi morta em 2010 e seu corpo nunca foi achado (Foto: Globo News)
Entenda o caso Eliza Samudio
Bruno Fernandes foi condenado pela Justiça de Minas, em março de 2013, a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e ainda a mais 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver. A pena foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador.

Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

Edital de Convocação Sessão Extraordinária da Câmara de Colombo 21/06/2016



 O Presidente da Câmara Municipal de Colombo, no uso de suas atribuições legais, convoca os Vereadores para a Sessão Extraordinária a ser realizada no dia 21/06/2016, às 15h30min para deliberarem sobre a seguinte matéria:

 Emenda Aditiva ao Projeto de Lei do Executivo N°: 3 Ano: 2016 Autor: Comissão de Economia, Finanças e Orçamento Assunto do Projeto:Dispõe sobre alterações nos anexos I e II para o exercício de 2017, do Plano Plurianual - 2014 a 2017, expresso em normas, objetivos e principais metas a serem observados pelas Unidades da Administração Direta, Fundos do Poder Executivo, Autarquia Colombo Previdência e pelo Poder Legislativo do Município de Colombo, e dá outras providências Situação: Divulgar Emenda Aditiva ao Projeto de Lei do Executivo

 N°: 4 Ano: 2016 Autor: Comissão de Economia, Finanças e Orçamento Assunto do Projeto: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias do Município de Colombo para o exercício de 2017, e dá outras providências

 Situação: Divulgar Colombo, 20 de junho de 2016.



 WALDIRLEI BUENO DE OLIVEIRA
 Presidente

Edital de Divulgação Sessão Ordinária da Câmara de Colombo 21/06/2016 as 16.00h



 O Presidente da Câmara Municipal de Colombo, no uso de suas atribuições legais, divulga a pauta da Sessão Ordinária a ser realizada no dia 21/06/2016 às 16 horas Projeto de Lei do Executivo com Emenda N°: 3 Ano: 2016 Autor: Executivo Municipal Assunto Dispõe sobre alterações nos anexos I e II para o exercício de 2017, do Plano Plurianual - 2014 a 2017, expresso em normas, objetivos e principais metas a serem observados pelas Unidades da Administração Direta, Fundos do Poder Executivo, Autarquia Colombo Previdência e pelo Poder Legislativo do Município de Colombo, e dá outras providências

Situação: 1ª Votação Projeto de Lei do Executivo com Emenda N°: 4 Ano: 2016 Autor: Executivo Municipal Assunto Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias do Município de Colombo para o exercício de 2017, e dá outras providências Situação:

 1ª Votação Projeto de Lei do Legislativo N°: 781 Ano: 2016 Autor: Alan Henrique da Silva Assunto Dispõe sobre o processo de declaração de utilidade pública da empresa sem fins lucrativos COACOL

Situação: Divulgar Indicação N°: 338 Autor: Vagner Brandão Destinatário: Prefeita Municipal Assunto: Viabilidade de melhoria da iluminação pública da Rua Antônio Chemin no bairro São Grabriel –
Colombo/PR

 Indicação N°: 339 Autor: Anderson F. da Silva Destinatário: Secretaria Municipal de Plenajemento Assunto: Estudos para revitalização, instalação de iluminação publica e instalação de tela de proteção da Cancha de areia e lazer da Rua Brasílio Pereira esquina com a Rua Bahia ao lado da Unidade de Saúde Alexandre Nadolny no Bairro Campo Pequeno.

 Indicação N°: 340 Autor: José Renato Strapasson Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Instalação de cobertura de ponto de ônibus, localizado na Rua Almirante Tamandaré, em frente ao imóvel de numeração predial nº 1715 (Bar do Naldo), no bairro Bocininga, neste Município.

 Indicação N°: 341 Autor: João Marcos Berlesi Destinatário: Secretaria Municipal de Governo Assunto: Viabilizar junto à secretaria competente a possibilidade de que a mesma faça substituições de luminárias e a troca de lâmpadas de 70 watts para 150 watts nas ruas abaixo (todas no bairro Jardim Panorama e Vila Igasa): - João Cândido Ceccon - Ricardo Canestraro - Alípio de Mello Falavinha - Santa Clara - Santa Rita Indicação N°: 342 Autor: Antonio Alves Batista Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação

Assunto: Providências necessárias no sentido de que seja feito a Desobstrução das Manilhas na Rua: Maria de Lourdes dos Santos fronte nº 860 – bairro – Campo Alto – Colombo - PR.

 Indicação N°: 343 Autor: José Aparecido Gotardo (Ratinho) Destinatário: Secretaria Municipal de Urbanismo Assunto: Execução de sinalização vertical e horizontal em toda a extensão das seguintes vias: Rua Alfredo Miguel Badui; Rua Rui Puppi; Rua Heitor Buzato e Rua João Couto todas no Jardim São Sebastião.

 Indicação N°: 344 Autor: Renato Tocumantel Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Viabilizar a colocação do manilhamento e boca de lobo para o escoamento das águas pluviais, na Rua Porto Alegre do Sul entre o nº 188 até o nº 260 - No Bairro São Gabriel.

 Indicação N°: 345 Autor: Renato Tocumantel Destinatário: Secretaria Municipal de Esportes Assunto: Viabilizar estudos e recursos financeiros junto ao Governo estadual. para a construção de uma Quadra Poliesportiva no terreno situado na - Rua Guairá esquina com a rua Goioerê- Bairro São José. Obs. Esse terreno pertence ao Município.

 Indicação N°: 346 Autor: Renato Tocumantel Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Realizar a manutenção da pintura da sinalização na lombada situada na Rua Felicio Kânia em frente a Juci Modas Nº 96 e a colocação da placa de advertência indicando lombada.

 Indicação N°: 347 Autor: Alan Henrique da Silva Destinatário: Secretaria Municipal de Planejamento Assunto: Viabilizar asfalto comunitário para rua João Esperanceta no bairro Jardim Osasco

Indicação N°: 348 Autor: Dolíria Strapasson Destinatário: Secretaria Municipal de Esporte, Cultura, Lazer e Juventude Assunto: Solicita a viabilidade de colocar a opção “Cultura”, na coluna “Colombo”, no site da Prefeitura de Colombo.

 Indicação N°: 349 Autor: Dolíria Strapasson Destinatário: Viação Colombo Assunto: Solicitação para disponibilizar em seu site os itinerários das linhas rurais que operam no município, assim como é feito pela empresa “Sanjotur”, em São José dos Pinhais.

Indicação N°: 350 Autor: Sidinei Campos Destinatário: Prefeita Municipal Assunto: Implantar abrigo para passageiros de ônibus nos seguintes locais: -Rua Antônio Silvério da Veiga em frente ao n°77 e 70 -Rua Aleixo Schluga próximo aos n°103 e 490 -Rua Antônio Amilton bagio proximo ao °73 -Rua Amália Strapasson de Souza próximo ao n° 260 -Rua Judith Schluga próximo ao n° 549

 Indicação N°: 351 Autor: Givanildo da Silva (Gilgera) Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Viabilizar equipe de profissionais para que seja providenciada a colocação de manilhamentos de 80 mm, bocas de lobo, meio fio e calçamento para canalização de águas pluviais, em toda a extensão da Rua Adélio Correa, no bairro Jardim Osasco, neste Município.

 Indicação N°: 352 Autor: Alan Henrique da Silva Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Providenciar calçadas e meio fio na frente das casas de número 20, 42, 54 na Rua Ana Couto - São Gabriel.

 Tribuna Livre: Hermes Feitosa. Assunto: Apresentação do Centro Terapêutico HADASH, sob a representação da Igreja Assembleia de Deus Ministério Guaraituba - Colombo


Colombo, 20 de junho de 2016.

WALDIRLEI BUENO DE OLIVEIRA

 Presidente

Sessão Extraordinária 21/06/2016 na Câmara de Colombo as 15.30 h



 O Presidente da Câmara Municipal de Colombo, no uso de suas atribuições legais, convoca os Vereadores para a Sessão Extraordinária a ser realizada no dia 21/06/2016, às 15h30min para deliberarem sobre a seguinte matéria:

 Emenda Aditiva ao Projeto de Lei do Executivo N°: 3 Ano: 2016 Autor: Comissão de Economia, Finanças e Orçamento Assunto do Projeto:Dispõe sobre alterações nos anexos I e II para o exercício de 2017, do Plano Plurianual - 2014 a 2017, expresso em normas, objetivos e principais metas a serem observados pelas Unidades da Administração Direta, Fundos do Poder Executivo, Autarquia Colombo Previdência e pelo Poder Legislativo do Município de Colombo, e dá outras providências Situação:

 Divulgar Emenda Aditiva ao Projeto de Lei do Executivo N°: 4 Ano: 2016 Autor: Comissão de Economia, Finanças e Orçamento Assunto do Projeto: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias do Município de Colombo para o exercício de 2017, e dá outras providências Situação:

 Divulgar Colombo, 20 de junho de 2016


. WALDIRLEI BUENO DE OLIVEIRA Presidente

Filho de ministro do STJ recebeu R$ 10 milhões por processos de que não tinha procuração


Mesmo sem nenhuma assinatura nos processos, o advogado Eduardo Filipe, filho do ministro Humberto Martins, ganhou os honorários de dinheiro público pagos pela Fecomércio do Rio

FILIPE COUTINHO
17/06/2016 - 11h06 - Atualizado 17/06/2016 20h07
O advogado Eduardo Martins, filho do ministro do STJ Humberto Martins (Foto: Reprodução)
Eduardo Filipe Alves Martins, de 31anos, é um jovem advogado de carreira próspera em Brasília. Carrega em seu currículo o sobrenome do pai, Humberto Martins, ministro do Superior Tribunal de Justiça desde 2006 e atual vice-presidente da Corte. Eduardo Martins, apesar da pouca idade, já pode se considerar um milionário na advocacia. ÉPOCA obteve documentos que mostram pagamentos de R$ 10 milhões por dois processos no STJ. A fatura foi paga com dinheiro da Fecomércio do Rio de Janeiro. Apesar dos altos pagamentos, Eduardo Martins não consta nos processos que ele mesmo registrou nas notas fiscais emitidas. Não tem nem sequer procuração, enquanto as outras bancas de advocacia contratadas pela Fecomércio-Rio atuaram nessas mesmas ações com procuração e fizeram petições.
Os processos citados nas notas são dois Agravos em Recursos Especiais, mais conhecidos no mundo jurídico como ARESPs. Juntos, os dois processos somam 4.772 páginas, 12 procurações e mais de 20 advogados inscritos. Trata-se de dois processos de uma longa disputa jurídica, com sucessivas reviravoltas, para decidir se Orlando Diniz pode continuar à frente da Fecomércio, Sesc e Senac do Rio, ante uma tentativa da Confederação Nacional do Comércio de fazer uma intervenção nas entidades. Enquanto o processo não se define, Orlando Diniz não poupou esforços – e dinheiro das entidades –  para permanecer no cargo. ÉPOCA obteve documentos internos que mostram que, desde 2012, a Fecomércio do Rio fez contratos de mais de R$ 100 milhões com advogados. Essas entidades têm receitas próprias e recebem dos trabalhadores e empresas a chamada contribuição compulsória, prevista em lei, como principal fonte de renda, daí o entendimento de que usam dinheiro público. Prestam contas, inclusive, aos órgãos de controle, como nas auditorias do Tribunal de Contas da União.
Entre essas diversas reviravoltas na disputa judicial, uma delas aconteceu no fim do ano passado, quando Orlando Diniz conseguiu retomar o controle do Sesc-RJ. Diniz estava afastado da entidade há cerca de um ano e, quando voltou, determinou repasses de R$ 36 milhões para a Fecomércio. O motivo, segundo o ofício obtido por ÉPOCA, era justamente pagar as faturas dos advogados, “considerando que a Fecomércio-RJ responsabilizou-se pelos pagamentos dos valores decorrentes dos contratos de prestação de serviços advocatícios que se referem à defesa dos interesses comuns das instituições que compõem o sistema Fecomércio- Rio”.
E foi então que os pagamentos ganharam volume. Em dezembro de 2015 e janeiro de 2016, o escritório Martins Advogados emitiu quatro notas seriadas, cada uma de R$ 2,5 milhões, fazendo referência à “prestação de serviços advocatícios no agravo em recurso especial”, citando os números específicos dos processos. De acordo com os documentos, a fatura de Eduardo Filipe Martins pode chegar a R$ 25 milhões, uma vez que cada nota, de cada um dos dois processos, remete a cinco parcelas de R$ 2,5 milhões.
Nota fiscal emitida por Eduardo Martins cita um processo no STJ na qual ele não assina nenhum documento (Foto: Reprodução)
Sobre o fato dos processos não levarem a assinatura do advogado nas petições, Eduardo Martins afirma que “como o protocolo do Superior Tribunal de Justiça é eletrônico, somente fica registrada a assinatura eletrônica do advogado que realizou o peticionamento”. Nos processos, contudo, há diversos documentos que levam a assinatura ou o nome de diversos advogados, de mais de um escritório.
Segundo o advogado, esses dois ARESPs estão vinculados a outras duas medidas cautelares, na qual ele tem procuração. “Estando os agravos nos recursos especiais vinculados às medidas cautelares e tramitando os processos apensados (cautelar e principal), estando devidamente constituído nas cautelares – tendo inclusive peticionado em conjunto com os demais advogados –, dispensável a imediata juntada de procuração ou substabelecimento”, disse em e-mail enviado a ÉPOCA. Apesar de não haver a necessidade de inscrição imediata nos processos, como diz o advogado, os dois ARESPs tramitam no STJ há mais de um ano, até agora sem a procuração de Eduardo Martins. O advogado afirma ainda que as vitórias nos ARESPs têm relação com o trabalho feito nas duas cautelares. ÉPOCA obteve cópias dessas cautelares. De fato há a procuração. Numa delas, Eduardo Martins assina petições com outras bancas. Na outra, não há nenhuma petição. 
Eduardo Martins, em e-mail enviado à reportagem, disse que errou ao emitir as notas fiscais. Isso porque, segundo ele, numa das notas ele não deixou claro que o trabalho no ARESP tinha relação com a cautelar. “Nas informações complementares de uma das notas, consta que a prestação do serviço se deu no agravo em recurso especial em trâmite no STJ, cuja medida cautelar está atrelada. Na outra não. O que pode gerar dúvidas quanto ao erro no preenchimento, já que não atrelou o serviço à medida cautelar. Isso será corrigido de imediato. Já que se trata apenas de um erro de preenchimento da nota. O serviço, no caso, também foi atrelado a outra medida cautelar”. 
Acontece que o advogado cobrou à parte pelas cautelares, em outras notas fiscais. Somando, os valores chegam a R$ 15,5 milhões (R$ 10 milhões pelos ARESPs, R$ 5,5 milhões pelas cautelares). Os pagamentos da Fecomércio foram rápidos nessas cautelares, ainda em 2014. Em um dos processos, ele entra com procuração em 20 de maio de 2014. No dia seguinte, o relator, ministro Napoleão Nunes dá uma liminar favorável à permanência de Orlando Diniz no Sesc-Rio. No dia 22, a Fecomércio-Rio – e não o Sesc – recebe a nota fiscal de Eduardo Martins: R$ 3,5 milhões. No caso dos ARESPs que Eduardo Martins não tem procuração, os pagamentos são de dezembro de 2015 e janeiro deste ano – 18 meses, portanto, depois dos trabalhos das cautelares.
Nota fiscal emitida por Eduardo Martins em 2014 para os serviços da medida cautelar (Foto: Reprodução)
 
Em 2014, os contratos da Fecomércio do Rio deveriam passar pelo crivo do departamento jurídico da entidade, então comandado pela advogada Daniele Paraíso. Ela é ex-mulher do presidente Orlando Diniz e hoje eles travam uma disputa judicial em razão do divórcio. Questionada sobre os serviços de Eduardo Martins, ela afirma que não o viu na Fecomércio para tratar dos casos milionários. “Não o conheço e nunca ouvi seu nome nas reuniões. Nenhum processo, nenhuma estratégia, nenhum documento ou revisão de peças foi tratado com ele.”
Segundo Daniele, a primeira vez que surgiu o nome do advogado foi no final de 2014, ao fazer a prestação de contas daquele ano. Ela afirma que recebeu então uma proposta de Eduardo Martins, com data retroativa a maio de 2014 – justamente quando foram feitos os pagamentos. “Eu só descobri que ele existia quando fiz a prestação de contas e tive de pedir o contrato. E, mesmo assim, o contato foi intermediado por outro advogado.”
Proposta enviada pelo advogado Eduardo Martins em maio de 2014. A ex-diretora da Fecomércio afirma que só recebeu em dezembro (Foto: Reprodução)
Eduardo Martins diz que defende a Fecomércio desde 2014 e que, em relação aos dois ARESPs, possui “petições e substabelecimentos em cautelares vinculadas aos recursos em questão”. Eduardo Martins afirma que frequenta a Fecomércio para tratar dos casos. “Surpreende a afirmação que funcionários daquela entidade nunca tenham me visto, pois, com frequência, vou ao Rio de Janeiro tratar dos assuntos da indigitada entidade, seja com a Diretoria e, ou, com os demais advogados que atuam conjuntamente nos processos.” O advogado disse ainda que a relação entre cliente e advogado é sigilosa, “não sendo possível divulgar detalhes acerca dos contratos firmados”.
Procurada, a Fecomércio disse que “atua, institucionalmente e na forma da lei, para defender a entidade e os seus representantes”. “A entidade é privada e não expõe dados sobre colaboradores, contratados por serem profissionais qualificados em suas áreas”, afirma em nota. O ministro Napoleão disse que recebeu Eduardo Martins para tratar da medida cautelar. O ministro não citou os ARESPs. “Informo que na MC 22.574, que envolve discussão jurídica sobre a direção da Fecomércio/RJ, há representação profissional em favor do Advogado EDUARDO FILIPE ALVES MARTINS, assunto esse que foi o objeto de sua audiência comigo.” O ministro ressaltou que recebe em seu gabinete “todos os advogados que me procuram, como também as partes, os estudantes em busca na aprendizagem jurídica e outros interessados”. 
Procurado, o ministro Humberto Martins afirma que não trata de processos com o filho. “Eu não converso com meu filho sobre processos. Não sei nem de quem ele é advogado e não falo com ministros sobre processos. Eu não sei nem o endereço do escritório dele em Maceió, só sei o bairro”, afirma. O ministro diz ainda que, caso ocorra de um processo do filho chegar à turma em que atua, ele se declara impedido e não julga o caso. “Já comuniquei ao setor responsável no STJ para que todo processo dos meus filhos, dos sócios e ex-sócios eu me declaro impedido. Eu não tenho nenhum conhecimento sobre os processos”, disse

Confirmado mandato de vereador Estefano Polichuk; Oliveira da Ambulância inelegível pelos próximos 8 anos




            
Clique na foto para ampliar
Clique na imagem para amplia
Com a cassação do mandato do vereador Joaquim Gonçalves de Oliveira, o Oliveira da Ambulância (PTB), em 2 de maio deste ano, a Câmara Municipal de Colombo confirmou ainda no mesmo mês a posse de seu suplente para o posto, Estefano Polichuk (PTB), que cumprirá a legislatura até 31 de dezembro de 2016. Polichuk teve 538 votos nas eleições de 2012.
A Câmara determinou a cassação por 18 votos a 1 em sessão extraordinária, na votação do Decreto Legislativo 91/2016, que trata da perda de mandato do vereador, conduzido pelo Conselho de Ética.
Com a cassação do mandato, Oliveira fica impossibilitado de concorrer em eleições para cargos públicos pelos próximos oito anos.

Arrependido, agora ex-diretor da Petrobras quer falar


Em tratativas de delação anteriores, Renato Duque só contava os “pecados” dos outros. Não contava os dele

NONATO VIEGAS
20/06/2016 - 10h00 - Atualizado 20/06/2016 15h45
Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras, na CPI da Petrobras (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)
Depois de fracassar na tentativa de fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal por só querer apontar “os pecados” dos outros, o ex-diretor de Serviços da PetrobrasRenato Duque está disposto a se declarar “pecador”. O problema é que o MPF, agora, resiste a aceitar. Por isso, os advogados de Duque vão tentar convencer o juiz Sergio Moro de que ele tem
informações relevantes a passar.

A maquiagem de Jaques Wagner



Jaques Wagner está fazendo alvoroço com uma declaração de Dilma Rousseff, que na última sexta-feira acusou o atual governo de "mesquinharia" por não ter pago o reajuste do Bolsa Família, anunciado por ela às vésperas de ser afastada.
Como bom petista, Jaques tenta maquiar os fatos. A verdade é que Dilma anunciou o aumento, mas não o concretizou. Foi uma jogada desesperada dias antes de ser derrotada no Senado.
"Mesquinharia foi ter ficado dois anos sem dar reajuste ao Bolsa Família e ter deixado 11 milhões de desempregados", rebateu o ministro Osmar Terra, em nota enviada a O Antagonista.
O reajuste da bolsa segue previsto para julho

Cineasta é ativista "contra o golpe"



A cineasta Maria Augusta Ramos, que está dirigindo um documentário sobre o impeachment, assinou, em março deste ano, a "Carta ao Brasil, em defesa da democracia e contra a tentativa de golpe".
Ela é dona da assinatura de número 510. Na ocasião, assinaram o manifesto 760 "artistas e intelectuais".
Maria Augusta e sua equipe ganharam carta branca para circular livremente pelo Congresso, filmando, inclusive, todos os detalhes das restritas sessões da comissão do impeachment.
Leia mais aquiaqui e aqui.

Cunha perde uma na CCJ



Waldir Maranhão pediu que a CCJ retire da pauta uma manobra que poderia beneficiar Eduardo Cunha.
A ideia era permitir que fossem apresentadas emendas antes da votação da cassação em plenário, abrindo brecha para uma pena mais branda do que a pedida pelo Conselho de Ética, informa o UOL.
Até Maranhão abandonou o barco de Cunha.

Sérgio "GPS" Machado



Entre os documentos apresentados pelo ex-presidente da Transpetro ao MPF, estão registros de geolocalização, feitos por aparelhos com GPS.
As informações, segundo o Radar, evidenciariam o encontro de Machado com representantes dos políticos que ele denunciou.

Lula e Jandira juntos



Lula promete ser um ativo cabo eleitoral de Jandira Feghali na corrida pela prefeitura do Rio, informa a Época.
Os dois têm mesmo muito em comum.
Além do apreço pelos palavrões, devem se unir na Lava Jato.
No banco dos réus, claro.

Edson Celulari é diagnosticado com câncer



O ator Edson Celulari, de 58 anos, foi diagnosticado com linfoma não-Hodgkin. O câncer é o mesmo que acometeu o ator Reynaldo Gianecchini, a presidente Dilma Rousseff e Luiz Fernando Pezão, governador do Rio de Janeiro.

Assustado, o ator tomou já iniciou tratamento. "Reuni minhas forças, meus santos, um punhado de coragem... coloquei tudo numa sacola e estou indo cuidar de um linfoma não-Hodgkin. Foi um susto, mas estou bem e ao lado de pessoas amadas. A equipe médica é competente e experiente. Estou confiante e pensando positivo. Com determinação e fé, sairei desde tratamento ainda mais forte. Todo carinho será bem vindo", disse o ator ao colunista Ancelmo Gois, do jornal O Globo.
O linfoma não-Hodgkin é um tipo de câncer raro e mais incidente em pessoas acima dos 60 anos de idade. Seu tratamento pode incluir sessões de quimioterapia e radioterapia.
Natural de Bauru, interior de São Paulo, Edson Francisco Celulari queria ser jogador de futebol. Começou a mudar de ideia ao entrar em contato com o teatro da escola onde estudava, junto à cantina, que o pai comandava, e procurou um grupo amador. Para convencer o pai a deixá-lo prestar vestibular para teatro, escreveu e estrelou um monólogo sobre um mendigo em uma noite de Natal. deu certo. Na TV, estreou na Tupi, em 1978, na novela Salário Mínimo, de Chico de Assis, sob a direção de Antônio Abujamra, com quem depois trabalharia em Que Rei Sou Eu? (1989), um dos maiores sucessos de sua carreira e da Rede Globo.
Entre as muitas novelas que fez na emissora, se destacam O Homem Proibido (1982), Cambalacho(1986), Fera Ferida (1993), Explode Coração (1995) e Beleza Pura (2008). A última foi Alto Astral (2014-15). Celulari também fez séries, como Dona Flor e Seus Dois Maridos (1998), Um Só Coração (2004) eAnimal (2014), para a TV paga, além de Não Fuja da Raia (1995-96), com a então mulher, Claudia Raia. No cinema, fez poucos filmes, como Asa Branca - Um Sonho Brasileiro (1980), e se prepara para lançarTeu Mundo não cabe nos Meus Olhos, de Paulo Nascimento, em fase de pós-produção.
Celulari é pai de Enzo, 19, e Sophia, 13, da relação de 17 anos (1994-2010) com a atriz Claudia Raia. Há cerca de cinco anos, namora a atriz Karin Roepke, 24 anos mais nova, com quem acaba de fazer uma viagem ao sul da Argentina.