Propina como 'auxílio funeral'


 


A Operação Custo Brasil descobriu que propina do esquema Consist, devida ao ex-secretário do Planejamento Duvanier Paiva Ferreira, morto em 2012, foi paga à viúva Cassia Gomes.
Segundo o MPF, ela recebeu por intermédio da "empresa Gomes & Gomes ao menos R$ 120 mil oriundos da empresa Jamp, a titulo de ajuda/caridade devido à atuação do falecido marido".
A empresa foi constituída com o apoio de Alexandre Romano.

Em delação, Delcídio disse que Bernardo privilegiava empresa de informática


delcidio-gleisi-paulo
Em depoimento prestado em 11 de abril deste ano, no âmbito de sua delação premiada, o senador cassado Delcídio Amaral (ex-PT-MS) afirmou que o ex-ministro Paulo Bernardo (Planejamento e Comunicações no governo Lula e Dilma) privilegiava a empresa Consist Software Limitada desde o governo no Mato Grosso do Sul. As informações são do Estadão.
Paulo Bernardo, que é marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), foi preso nesta quinta-feira (23) na Operação Custo Brasil, desdobramento da Operação Lava Jato.

As investigações da Operação Custo Brasil são decorrentes da Operação Pixuleco, outra fase da Lava Jato, deflagrada em agosto de 2015, que apurou um suposto esquema de pagamento de propina – entre 2010 e 2015 – de R$ 100 milhões.
Entre os envolvidos no esquema, segundo a Receita, há agentes políticos, servidores do Ministério do Planejamento, escritórios de advocacia e empresas de fachada criadas para operacionalizar o repasse dos recursos.
O acordo de cooperação técnica entre o Ministério do Planejamento para gestão da margem consignável dos servidores, alvo da Lava Jato, foi assinado na gestão do ministro Paulo Bernardo.
O petista comandou o ministério de março de 2005 a janeiro de 2011 no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff foi ministro das Comunicações.
Sob o comando de Bernardo, o Ministério do Planejamento assinou acordo com o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).
Essas entidades contrataram a empresa Consist Software Limitada para desenvolver o sistema de gestão da margem consignável. Em troca, a empresa recebia um porcentual por empréstimo consignado fechado por servidores da pasta.
As investigações mostraram que após o contrato, a Consist repassou entre 2010 e 2013 a quantia de R$ 5 milhões ao escritório de advocacia Guilherme Gonçalves & Sacha Reck que respondeu pela coordenação jurídica das últimas três campanhas da mulher do ex-ministro, Gleisi Hoffmann(PT-PR), e atuou para o próprio Bernardo em outras causas não eleitorais.
O escritório de advocacia recebeu, ainda, R$ 1,2 milhão de outra empresa da Consist, a SWR Informática. O advogado Guilherme Gonçalves ainda recebeu R$ 957 mil da Consist após migrar para outra banca em Curitiba, base política do casal.
Na delação, o ex-líder do governo no Senado disse que Paulo Bernardo “sempre foi, desde a época que passou pelo Mato Grosso do Sul e até mesmo antes, considerado um ‘operador’ de Gleisi Hoffmann”. Segundo ele, “Paulo Bernardo sempre foi visto como um operador de muita competência”.
Questionado sobre o que quer dizer com a expressão “operador”, Delcídio respondeu. “Ele [Bernardo] tinha uma capacidade forte de alavancar recursos para a campanha [de Gleisi]”.
“Que diz isto porque acredita que em 2010 Paulo Bernardo já captava recursos para Gleisi Hoffmann; que não há incompatibilidade entre Paulo Bernardo ser ministro do Planejamento à época [2010] e ser operador de Gleisi; que, ao contrário, por ser Paulo Bernardo ministro, ele tinha bastante força para captação de recursos, até porque uma das responsabilidades dele, como ministro do Planejamento, era gestionar o orçamento da União e, como tal, tinha muita força”, aponta Delcídio em seu depoimento.
A reportagem não conseguiu ouvir a defesa dos acusados.

Governo do PT nunca apoiou a Lava Jato, diz ministro da Justiça


16169977
O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou nesta quinta-feira (23) que o governo da presidente afastada Dilma Rousseff “jamais apoiou institucionalmente” a operação Lava Jato, que investiga um esquema de corrupção envolvendo desvios da Petrobras.
A Lava Jato teve início em 2014, durante a gestão da presidente Dilma, e levou à prisão dirigentes do PT, como o ex-tesoureiro João Vaccari Neto. Petistas criticavam o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por não controlar a Polícia Federal na Lava Jato.

Moraes deu as declarações ao comentar uma possível influência entre sua visita à força-tarefa de Curitiba e a operação desta quinta, que prendeu o ex-ministro petista Paulo Bernardo –a operação não foi deflagrada por Curitiba, mas por São Paulo.
“Não há nenhuma relação da minha visita institucional, de apoio à Lava Jato, provavelmente seja isso que tenha deixado desconfortável essas pessoas, é que o governo anterior jamais apoiou institucionalmente a Lava Jato, porque o governo anterior jamais apoiou o combate à corrupção”, disse.
E completou afirmando que a gestão do presidente interino Michel Temer (PMDB) “apoia totalmente o combate à corrupção, apoia totalmente a Operação Lava Jato, e não tem vergonha, como o governo anterior tinha, de dizer isso”.
Um dos integrantes da cúpula do governo, o agora ex-ministro Romero Jucá (PMDB-RR), saiu do cargo após ser flagrado em conversas na qual sugeria um pacto para deter a Lava Jato.
Temer também foi citado na delação premiada do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, sob acusação de ter pedido dinheiro de propina para a campanha de Gabriel Chalita, à época no PMDB, à Prefeitura de São Paulo. Temer nega ter feito o pedido.
Já a presidente afastada Dilma foi alvo de um pedido de inquérito sob acusação de tentar atrapalhar as investigações da Lava Jato. Ainda não houve decisão pela abertura do inquérito. Dilma também nega as acusações.
(Foto: Luciano Amarante/Folhapress)

PT do Paraná abandona Gleisi e Paulo Bernardo


bernardo-enio-gleisi
Até este momento, final da tarde de quinta-feira, 23, não há nenhuma nota, pronunciamento, postagem ou entrevista das lideranças do petismo do Paraná em defesa e em apoio ao ex-ministro Paulo Bernardo, ou em solidariedade à senadora Gleisi Hoffmann – duas das principais lideranças do PT do Paraná. O site do partido no Estado se limitou a reproduzir uma nota da direção nacional.
Do presidente estadual do PT, deputado Enio Verri, nenhuma linha. Nem a presidente Dilma Rousseff e nem o ex-presidente Lula também se manisfestaram a respeito.
(Foto: divulgação)

Fruet teme delação de Paulo Bernardo


fruet-bernardo-
Já é notícia velha e recorrente que a campanha de prefeito de Gustavo Fruet (PDT) em 2012 para a prefeitura de Curitiba recebeu recursos de empreiteiras envolvidas com o escândalo de corrupção da Petrobras. O foco da Polícia Federal, por ora, nunca foi a campanha do pedetista. Mas a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo pela Polícia Federal, na operação “Custo Brasil” – um desmembramento da Lava Jato, causou extrema apreensão na prefeitura de Curitiba. As informações são do blog de Karlos Kohlbach no MassaNews.

O blog apurou que Fruet foi avisado logo cedo da ação da PF e tentou se distanciar ao máximo do caso. Mas os assessores mais próximos do prefeito sabem que os desdobramentos da Custo Brasil pode respingar no prefeito – comprometendo a campanha de reeleição.
Diz uma fonte da prefeitura que o raciocínio é logico e direto e que o prefeito tem sim motivos para ficar preocupado com a prisão de Paulo Bernardo.”Todos sabem que o ex-ministro Paulo Bernardo trouxe recursos para a campanha de Fruet em 2012. Dentro da campanha nunca se questionava a origem. Os recursos eram sempre bem vindos. Desde que o PT virou o alvo da Lava Jato, todas as campanhas que estavam envolvidas com o PT estão sob suspeita. E em Curitiba não é diferente. Depois do chega pra lá que Fruet deu no PT, eles (PT) só aguardam uma oportunidade para dar o troco. Com a prisão do Paulo Bernardo e uma possível delação premiada, Fruet deve sim se preocupar. Afinal de contas, pensa comigo, por que o ex-ministro pouparia a PF de contar detalhes de como foi a arrecadação da campanha de Fruet?”, questiona.
“Fruet que já foi companheiro, andou de mãos dadas com o PT, agora vai tentar se distanciar, mas o Paulo Bernardo pode trazer o prefeito de Curitiba novamente para bem perto do PT, ou seja, para o centro da Lava Jato”.
Os assessores mais próximos de Fruet, claro, já sabem deste risco e já começaram a revisitar o financeiro da campanha de 2012.
(foto: divulgação)

Gleisi tenta culpar Temer por prisão de Paulo Bernardo


gless
A senadora Gleisi Hoffmann (PT) divulgou, nesta quinta-feira, uma nota em sua página no Facebook afirmando que a operação que levou à prisão do seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, teria como objetivo desviar o foco do governo interino de Michel Temer. Ela afirmou ainda que a ação teria relação com o processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff. As informações são d’O Globo.
“Não me cabe outra explicação que não o desvio de foco da opinião pública deste governo claramente envolvido em desvios, em ataques aos direitos conquistados pela população. Garantir o impeachment é tudo o que mais lhes interessa neste momento”, diz trecho.

Na nota a senadora questiona a prisão do marido. “Qual risco representa ele?”, pergunta. Ela reclama ainda de os policiais terem levado o computador do filho adolescente.
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), determinou que a Advocacia Geral do Senado ingresse junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) com uma reclamação questionando a entrada na residência da senadora Gleisi Hoffmann.
Leia a íntegra da nota:
“Hoje foi um dia muito triste na minha vida como mulher, como política e, sobretudo, como mãe. Conheço o pai dos meus filhos. Sei das suas qualidades e do que não faria, por isso sei da injustiça que sofreu nesta manhã.
Mais de 10 pessoas estranhas entraram em minha casa com ordem de busca e apreensão. Trouxeram também uma ordem de prisão preventiva contra o Paulo.
Busca e apreensão após quase um ano de início do processo?!
Prisão preventiva para prevenir o que?! Uma fuga? Um conluio? Qual risco representa ele?
Desde que esse processo começou, Paulo se colocou inúmeras vezes à disposição da Justiça, sempre esteve totalmente disponível, tem endereço conhecido.
Vieram coercitivamente buscá-lo em casa, na presença de nossos filhos menores. Um desrespeito humano sem tamanho, desnecessário. Não havia nada em nossa casa que podia ser levado. Mesmo assim levaram o computador do meu filho adolescente. Fiquei olhando meu menino e pensei sobre a dor que sentia com aquela situação.
Quem nos conhece sabe que não fizemos fortuna, não temos conta no exterior, levamos uma vida confortável, porém modesta. O patrimônio que temos, parte financiado, foi comprado com nossos salários.
Não me cabe outra explicação que não o desvio de foco da opinião pública deste governo claramente envolvido em desvios, em ataques aos direitos conquistados pela população. Garantir o impeachment é tudo o que mais lhes interessa neste momento”.
(Foto: Divulgação)

Anatel afirma que geração de caixa da Oi garante operação


Marcelo Sayão - 16.jul.2008/Efe
Oi demite 2.000 funcionários em processo concentrado em áreas administrativas
Orelhões da operadora Oi no Rio de Janeiro

PUBLICIDADE
A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) garante que a geração de caixa atual da Oi permite à empresa continuar a prestação de seus serviços de telefonia e internet.
Na segunda-feira (20), a Oi entrou com pedido de recuperação judicial para tentar reestruturar sua dívida, que soma R$ 65,4 bilhões.
Segundo o conselheiro Igor de Freitas, a Anatel está monitorando a situação financeira da companhia e acredita que não haverá queda na qualidade do serviço prestado por ela.
Em 2015, a Oi contabilizou aproximadamente R$ 40,5 bilhões em receitas operacionais. Para Freitas, a geração de caixa continuará e, com o processo de recuperação, o ônus do pagamento de dívidas deixará de existir.
"Há um fôlego muito grande para que a operação continue", afirmou o conselheiro à Folha.
A maior preocupação do governo neste momento é que manutenção da qualidade do serviço prestado pela operadora. Na quarta-feira (22), o ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, afirmou que esse seria um motivo para que o governo interviesse na gestão da empresa.
Freitas garantiu que essa não é a situação de momento, de acordo com as últimas avaliações que a Anatel fez.
"Não há, até o momento, uma situação de imposição de atrasos de pagamentos a fornecedores e a prestadores de serviços que implique em risco iminente de descontinuidade da operação", disse Freitas. 

Dono do bilhete premiado da Mega-Sena fez aposta única de R$ 3,50


Lotérica Cova da Onça, na Ilha, pouco antes de fechar, nesta quinta-feira
Lotérica Cova da Onça, na Ilha, pouco antes de fechar, nesta quinta-feira Foto: Marcelo Theobald / Extra
Rayanderson Guerra

Foi da casa lotérica Cova da Onça, na Avenida Paranapuã 1929, na Ilha do Governador, que saiu o prêmio de R$ 27,48 milhões da Mega-Sena, na última quarta-feira, para um único apostador, que fez um jogo simples, de apenas R$ 3,50.
— É bem possível que o vencedor tenha sido um apostador do Dendê ou do Querosene, comunidades aqui ao lado — disse o dono da lotérica há quase dez anos, Francisco Klaes, de 37.
Assim que soube que a aposta premiada havia sido feita lá, às 8h, ele mandou fazer uma faixa para pendurar na fachada: “A Mega Sena saiu aqui. R$ 27 milhões. Aqui você ganha”.
— Espero que esse prêmio melhore a visibilidade da loja — diz Francisco.
Ao longo do dia, a fila da lotérica foi mesmo aumentando. Muitos estavam tentado a sorte na Quina de São João, que vai sortear nesta sexta-feira um prêmio estimado em R$ 140 milhões. O valor não acumula!


Jobson é preso suspeito de estuprar quatro adolescentes no interior do PA


Ex-atacante do Botafogo também é acusado de um quinto caso de estupro

Por Conceição do Araguaia, PA
Jobson conversou com o Esporte Espetacular (Foto: Reprodução TV Globo)Jobson foi preso na manhã desta quinta-feira na sua chácara, no Tocantins (Foto: Reprodução TV Globo)

A Polícia Civil prendeu, nesta quinta-feira, dia 23, em cumprimento a mandado de prisão preventiva decretado pela Justiça de Conceição do Araguaia, no Sudeste paraense, o atacante Jobson. O ex-jogador do Botafogo é suspeito de estuprar quatro adolescentes que residem no município. Ele foi preso pela equipe de policiais na sua chácara, localizada na cidade de Couto Magalhães, Oeste do Tocantins. 
Jobson também é suspeito de um quinto caso de estupro, que ainda está sendo investigado pela polícia. Ao ser preso, o atleta não ofereceu resistência e foi levado em uma viatura policial até a delegacia de Conceição do Araguaia, inicialmente, para prestar depoimento. Em seguida, será apresentado ao juiz responsável pelo mandado de prisão.
Segundo nota divulgada pela assessoria da Polícia Civil do Pará, o inquérito policial foi instaurado há uma semana, depois que uma das vítimas, uma garota de 13 anos, denunciou que fotos suas em situações pornográficas estavam circulando em grupos de rede social. Ainda segundo a vítima, o jogador teria aliciado a menor em Conceição do Araguaia para levá-la até sua chácara, no Tocantins, junto com outras três adolescentes. Lá, as vítimas teriam sido embriagadas e entorpecidas para, em seguida, serem abusadas sexualmente. 
Ainda de acordo com as denúncias, uma das menores chegou a telefonar para o jogador, dizendo que iria denunciá-lo, e ele, em seguida, teria feito ameaças à garota.
- Ele aliciava as garotas para fazer festas com bebidas e drogas e as levava para sua chácara ou para outros lugares. São quatro adolescentes, uma vai completar 13 anos, a outra já tem 13 anos completos e as outras duas têm 14 anos completos – afirmou o delegado Rodrigo da Motta, em nota da Polícia Civil.
As vítimas passaram por exames periciais e atendimentos médicos. Nas duas menores de 12 e 13 anos foi constatado que houve conjunção carnal. As outras duas adolescentes alegaram, em depoimento, que consentiram as relações sexuais, no entanto, afirmaram que estavam sob efeito de bebidas alcoólicas e substâncias entorpecentes colocadas na bebida.
Ciente do ocorrido, a família do jogador ficou abalada com a notícia e se encaminha neste momento para a delegacia onde Jobson está detido. A mãe dele busca um advogado local para defendê-lo. 
O GloboEsporte.com entrou em contato com Rodolpho César, advogado de Jobson no Rio de Janeiro. Ele afirmou que estava saindo de uma audiência, ficou surpreso com a notícia e reforçou que cuida apenas da parte esportiva da carreira do atacante.
Jobson está suspenso pela Fifa de realizar qualquer atividade relacionada ao futebol até 31 de março de 2018. Ele foi acusado pelo Al Ittihad, da Arábia Saudita, de se recusar a fazer exame antidoping. Posteriormente, a Fifa deu validade mundial à pena que, de início, foi imposta pela Federação Saudita de Futebol. A suspensão aconteceu em abril do ano passado. Em março, o atleta teve o seu recurso rejeitado pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês).
Também em março, o atacante foi proibido de atuar em competições amadoras da sua cidade natal. De acordo com Everaldo Lisboa, presidente da Liga Esportiva de Conceição do Araguaia (LECA), Jobson iria defender o Leãozinho na Liga local, mas a equipe do Combatente também apresentou sua inscrição, o que causou a confusão e o impedimento dele atuar no campeonato

DESPACHO DO JUIZ DERRUBA TESE DE GLEISI



Gleisi Hoffmann alega que as buscas da Operação Custo Brasil em seu apartamento funcional violaram a prerrogativa de foro, pois a Justiça Federal de São Paulo não teria feito distinção entre os bens (seus e os do marido) que deveriam ser apreendidos.
Trata-se de uma falácia de quem não se deu ao trabalho de ler o despacho do juiz Paulo Bueno de Azevedo.
No documento, Azevedo ressaltou que o MPF "aduziu que a busca e apreensão de documentos" seria "restrita àqueles relacionados a Paulo Bernardo". Ou seja, "objetos e aparelhos relacionados exclusivamente à senadora" não foram apreendidos.

"Pessoas estranhas" no apê de Gleisi



Na nota lida há pouco em plenário, Gleisi Hoffmann relata, ainda, que "10 pessoas estranhas" entraram no apartamento dela. O computador do filho adolescente, segundo a própria senadora, foi levado pela PF.
Para Narizinho, a operação de hoje serviu "para tirar o foco" e estimular o impeachment de Dilma Rousseff.
A petista escreve também que ela e o marido "nunca fizeram fortuna".

. O "homem da mala" de Gleisi atacou Moro

PF pegou o "homem da mala" de Gleisi


Dentre os alvos de condução coercitiva, listados no post anterior, destaque para Zeno Minuzzo, ex-tesoureiro do PT no Paraná e um dos beneficiários da propina do "Fundo Consist".
Minuzzo já foi personagem de O Antagonista.
Ele foi chefe de gabinete de Paulo Bernardo quando deputado. Depois, ficou com seu suplente Dilto Vitorassi - quando PB virou ministro. Em seguida, Minuzzo passou ao gabinete de André Vargas e virou seu tesoureiro na presidência do PT Paraná.

Brasil  18:36
Zeno Minuzzo, o homem da mala de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, criticava até semanas atrás o trabalho do juiz Sérgio Moro. Ele chegou a postar em seu perfil no Facebook um artigo publicado pelo blog "O Cafezinho" acusando Moro de receber propina da Globo.
A PF mostrou hoje que Minuzzo tem categoria para falar sobre propina. Ao caluniar Moro, ele apenas externou seu medo de ser descoberto.

TODOS OS ALVOS DA CUSTO BRASIL



Com base no despacho do juiz Paulo Bueno de Azevedo, O Antagonista relaciona todos os alvos da Operação Custo Brasil.
Foram presos preventivamente as seguintes pessoas, com exceção de Guilherme Gonçalves e Paulo Ferreira - que não foram localizados.
1) Daisson Silva Portanova; 2) Dercio Guedes de Souza; 3) Emanuel Dantas do Nascimento; 4) Guilherme de Salles Gonçalves; 5) João Vaccari Neto; 6) Joaquim José Maranhão da Câmara; 7) Nelson Luiz Oliveira Freitas; 8) Paulo Adalberto AlvesFerreira; 9) Paulo Bernardo Silva; 10) Valter Correia da Silva; e 11)Washington Luiz Viana
Foram alvos de condução coercitiva:
1) Adalberto Wagner Guimarães de Souza; 2) Ana Lucia Amorim de Brito; 3) Carlos Eduardo Gabas; 4) Glaudio Renato de Lima; 5) Hernany Bruno Mascarenhas; 6) Hissanobu Tzu; 7) Ioannis Nikolaos Sakkos; 8) José Silcio Moreira da Silva; 9) Josemir Mangueír Assis; 10) Leonardo de Rezende Attuch; 11) Lucas Kouji Kinpara; 12) Luis Augusto Nardez Boa Vista; 13) Marcelo Maran; e 14) Zeno Minuzzo.

O 'Moro' de São Paulo



O responsável por autorizar a prisão de Paulo Bernardo e companhia, na Operação Custo Brasil, chama-se Paulo Bueno de Azevedo, juiz da 6a. Vara Federal de São Paulo.
Azevedo foi quem condenou o ex-juiz Rocha Mattos a 17 anos de cadeia por lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

A incompetência financeira de Gleisi e PB



Se Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo nunca fizeram fortuna, como disse a senadora, então eles são de uma incompetência absoluta, haja vista a dinheirama que ele levou dos velhinhos aposentados, segundo a PF.

Deputados chantageiam o MPF



Estadão:
"Deputados aproveitaram a presença do procurador Deltan Dallagnol, que coordena a Operação Lava Jato, na Câmara ontem para pedir ao pé do ouvido dele que o Ministério Público Federal tenha mais “cautela” na hora de fechar delação premiada. Dallagnol ouviu que a força-tarefa de Curitiba pode perder apoio dos congressistas e pôr a perder a aprovação das dez medidas contra a corrupção. A reclamação é que algumas colaborações trazem acusações “sem provas” contra nomes importantes do Congresso. O procurador ficou mudo."
É claro que Deltan Dallagnol ficou mudo: os deputados chantagearam o MPF.

Beti Pavin, entrega mais uma UBS - Unidade Básica de Saúde do Belo Rincão


A Prefeita de Colombo Beti Pavin, junto com o seu vice-prefeito Ademir Goulart mais o Secretário Municipal de Saúde Dr. Darci Braga, entregaram para a população do Jd Belo Rincão mais uma Unidade Básica  de Saúde, essa unidade conta com área 378,55 m2 e está localizada na Rua Domingos Mocelin, 106.
A UBS Belo Rincão teve um investimento de R$ 754.000,00 e atenderá a região da Colonia Faria, Belo Rincão e Maria do Rosário, fazendo um total de aproximadamente 6.000 moradores.
A UBS tem sala de curativos e coleta de material, inalação coletiva, imunização, aplicação de medicamentos, e consultórios de acolhimento e odontológico. Salas para guardar materiais e equipamentos, estocagem de medicamentos, área de registro de pacientes, recepção e espera, sanitários adaptados e fraldário.
A prefeita declarou  que a região cresceu muito e  precisava dessa UBS, para que a população seja atendida mais perto de casa com qualidade e conforto.
Vários vereadores e secretários municipais estiveram presentes prestigiando essa inauguração.
E a Diretora da 2ª Regional de Saúde Dra. Janaína Gher, que esteve na inauguração representando o governador do estado Beto Richa e  Secretário Estadual de Saúde Michele Caputo Netto.






PF indicia Genu, ‘um dos mentores’ do esquema Petrobras


joao-claudio-genu
A Polícia Federal indiciou nesta quarta-feira, 22, o ex-assessor do PP João Cláudio Genu por corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Braço-direito do ex-deputado José Janene, morto em 2010, Genu está preso desde 23 de maio, na Operação Repescagem, 29ª fase da Lava Jato. A PF defende a permanência de Genu atrás das grades. As informações são do Estadão/IstoÉ.
Também foram enquadrados Claudia Genu, mulher de Genu, Antônio Gontijo Rezende, cunhado do ex-assessor do PP, e Lucas Amorim. Todos por lavagem de dinheiro.
A PF afirma que Genu integrou uma quadrilha formada pelos então deputados federais José Janene (PR), Pedro Henry (MT) e Pedro Corrêa (PE), todos do PP.

“Após o cumprimento dos mandados de busca e de prisões, com a colheita dos termos de declarações dos investigados, foi melhor esclarecido sobre os integrantes deste subgrupo criminoso, que neste inquérito diz respeito à quadrilha formada pelos então deputados federais José Janene (PP-PR), Pedro Henry (PP-MT) e Pedro Corrêa (PP-PE)”, diz o relatório da PF, subscrito pelo delegado Luciano Flores de Lima.
De acordo com o documento, a organização também era formada pelo então diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, e pelo doleiro Alberto Youssef.
Segundo a PF, João Cláudio Ganu “fazia parte do esquema de recebimento de propinas decorrentes dos contratos que as empreiteiras fechavam com a Petrobras”, na Diretoria de Abastecimento da estatal, controlada pelo PP, desde 2004, quando o então deputado Janene indicou o engenheiro Paulo Roberto Costa para a direção da área.
A Diretoria de Abastecimento foi a precursora do vasto esquema de propinas instalado na Petrobras durante 10 anos. A Lava Jato descobriu nos pagamentos de propinas a políticos e ex-dirigentes da estatal promovidos pelo doleiro Alberto Youssef.
“Cabe destacar desde já, que “JC GENU”, como se identificava em alguns casos para o doleiro Alberto Youssef, era um dos mentores do esquema de desvio de verbas de contratos da Petrobras para o Partido Progressista PP, desde a época do Mensalão, em razão do cargo que exercia naquele Partido por longos anos dentro do Parlamento brasileiro e por ser um dos principais assessores do ex-deputado Federal José Janene”, sustenta a PF.
(foto: Agência Brasil)

A solidariedade petista



A bancada do jardim de infância divulgou uma nota para "manifestar total solidariedade à senadora Gleisi Hoffmann e sua família em face da prisão de seu marido, Paulo Bernardo".
Lindbergh e sua turminha escrevem que houve "claro abuso de poder" nas ações da PF.

Lula quer que PT reaja


Lula telefonou duas vezes para Lindbergh Farias e, segundo O Globo, mandou que os petistas reagissem à prisão de Paulo Bernardo, Paulo Ferreira e Carlos Gabas na comissão do impeachment.
Gleisi Hoffmann reagiu saindo de fininho.

Internautas ficam intrigados com presença de PMs do Choque na Arena da Baixada


Da Redação


coe
Presença da PM intrigou internautas (Foto: Colaboração Banda B)
Internautas entraram em contato com a Banda B na manhã desta quinta-feira (23) para perguntar o que acontece na Arena da Baixada, no bairro Rebouças, em Curitiba. O motivo da curiosidade foi a presença de viaturas do Coe (Comando de Operações Especiais) da Polícia Militar (PM).
Segundo a assessoria de imprensa da PM, não se trata de nenhuma operação policial. Acontece durante o dia de hoje um treinamento para 18 policiais que pretendem se tornar negociadores de apoio ao Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais).
Se aprovados no curso, eles terão a responsabilidade de atuar em negociação de reféns e outros casos semelhantes.

Em reviravolta, cinco PMs são presos por matar traficantes por vingança no Boqueirão


Por Luiz Henrique de Oliveira e Djalma Malaquias
operacao dentro
Policiais do Bope ajudaram na operação da DHPP (Foto: Djalma Malaquias – Banda B)

Uma reviravolta nas mortes de traficantes no bairro Boqueirão, em Curitiba, entre agosto de 2010 e janeiro de 2011. O ex-comandante do Corpo de Bombeiros, o coronel Jorge Luiz Thais Martins, pode não ter envolvimento na morte de oito traficantes da região da Favela da Rocinha. Nesta quinta-feira (23), dois policiais militares na ativa, um da reserva e dois que já foram expulsos da corporação foram presos.
O filho do coronel, Jorge Guilherme Marinho Martins, faleceu aos 26 anos no dia 22 de outubro de 2009, durante uma tentativa de assalto no Boqueirão. Na ocasião, ele estava acompanhado de sua namorada, Jéssica Andrade Casas, de 21, que foi baleada no braço e no tórax. O coronel, depois de ser supostamente reconhecido por um sobrevivente aos ataques, foi apontado como o mentor das execuções para vingar a morte do filho, o que agora parece não ser a hipótese mais provável.
coronel
Coronel Martins era apontado como o responsável pelos crimes (Foto: Divulgação)
“Com essa nova etapa fica claro que a motivação efetiva foi pela morte de um parente de um policial militar e não do filho do coronel Martins. Os crimes aconteceram na mesma região, apenas com uma diferença temporal. O filho do coronel foi morto em 2009 e o parente de um dos policiais três meses antes de começar a série de crimes. Esta vítima morta, que gerou os outros crimes, tinha um relacionamento próximo com os traficantes e seria usuário de drogas”, explicou à Banda B o delegado Marcelo Lemos de Oliveira, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).
Questionado se a reviravolta inocenta Martins, o delegado manteve a cautela. “Nessa etapa não foi detectado envolvimento dele, mas temos medidas adicionais a serem tomadas. Ele será submetido a reconhecimento e reinquirido”, falou Marcelo Lemos.
Mandados cumpridos
Os cinco mandados de prisão temporária e doze de buscas e apreensão em residências foram cumpridos. “Todos foram presos e com um deles encontramos ainda armas sem registros. Dois policiais estão na ativa, um na reserva e outros dois foram expulsos da corporação. Na época do crime, todos eles eram policiais militares”, concluiu o delegado.
Posicionamento PM
O coronel Maurício Tortato, comandante-geral da Polícia Militar (PM), lamentou o envolvimento dos policiais nos crimes. “É um momento triste, mas importante, tendo em vista não aceitamos envolvimento de militares estaduais em casos de desvio de conduta. A corregedoria da PM está ciente e prestando o apoio no caso. São atitudes isoladas de uma corporação que faz o seu melhor para servir a sociedade”, disse.
O comandante também falou sobre uma possível inocência de coronel Martins. “Confio e tenho um respeito grande pelo coronel. Parece que agora as investigações estão caminhando para a inocência dele”, finalizou.