Quadrilha rouba motos de luxo, ‘ostenta’ no Facebook e acaba presa na RMC


Por Marina Sequinel e Flávia Barros

Uma quadrilha suspeita de roubar três motocicletas de luxo em uma concessionária foi presa pela Polícia Civil de Araucária, na região metropolitana de Curitiba, nesta quinta (23) e sexta-feira (24). As investigações começaram depois que os criminosos postaram uma foto com as motos, ainda mascarados, na rede social Facebook.
honda-hornetfora
(Imagem ilustrativa)
O assalto aconteceu no dia 26 de abril deste ano em uma loja no centro do município. Quatro homens, entre eles um adolescente, invadiram o estabelecimento armados e renderem o proprietário e dois funcionários.
Eles levaram do local três motos de luxo, avaliadas em R$ 80 mil: duas Honda Hornet, uma branca e outra azul, e uma Honda Transalp verde (placas MKD-3268, ATQ-6952, e AVD-6328). Além disso, roubaram também celulares e capacetes.
“Nós descobrimos que os indivíduos postaram fotos das motos nas redes sociais, usando máscaras. Assim, demos início às investigações e conseguimos localizar os suspeitos. Um deles foi preso em Ivaiporã, escondido na casa da mãe. Ele disse que teria fugido porque estava com medo dos outros membros da quadrilha”, contou o delegado João Marcelo Renk Chagas, responsável pelo caso.
Foram detidos Adelson Pereira dos Santos, de 23 anos, Emerson Carlos de Jesus, 18 e Ederson Pereira de Oliveira, 29. Um adolescente, que tinha 17 anos na época do crime, foi apreendido.
Ao ser capturada, a quadrilha confessou que já havia revendido as motos. O trabalho da polícia agora continua para localizar os veículos e identificar os receptores. Os suspeitos seguem presos na delegacia de Araucária, à disposição da Justiça.


Suspeitos que vendiam baterias de carro roubadas são presos em bairros nobres de Curitiba


Da Polícia Civil

Uma dupla suspeita de receptar baterias automotivas roubadas de uma operadora de telefonia, foi presa em flagrante na tarde de quinta-feira (23), pela Delegacia de Furtos e Roubos. Bruno de Almeida, 21 anos, Douglas Martins Machado, 26 anos, foram detidos em diferentes bairros de Curitiba. Durante a ação nove baterias foram apreendidas.
suspeitosbaterias
Foto: Divulgação Polícia Civil
A primeira prisão foi realizada após a equipe receber informações de que Almeida estava tentando vender baterias para som automotivo no bairro Alto da XV, em um posto de combustíveis. O suspeito estava em posse de quatro baterias e confirmou que venderia cada uma delas por R$300. Ao dar continuidade nas diligências os policiais chegaram até Machado, no bairro Mossunguê. No local a equipe apreendeu mais cinco baterias.
De acordo com o delegado responsável pelas investigações, Andre Feldes, as diligências apontam ainda que Machado é suspeito de repassar as baterias e que inclusive já teria até anunciado os objetos em um grupo destinado ao comércio de peças automotivas em uma rede social. “Cada bateria tem uma etiqueta que identifica uma operadora de telefonia, que seria a proprietária legítima dos produtos. As etiquetas deixam claro a proibição para venda”, afirma.
Ambos foram autuados por receptação qualificada, pois haviam anunciado a venda dos produtos com identificação de propriedade e restrição a venda em páginas de redes sociais. A dupla permanece presa na carceragem da DFR à disposição da Justiça. Se condenados poderão pegar até oito anos de prisão.

Três homens são mortos em confronto com policiais em chácara na Grande Curitiba


Por Marina Sequinel e Flávia Barros
(Fotos: Flávia Barros – Banda B)

Três homens, entre 25 e 30 anos, foram mortos em confronto com policiais militares em Campo Magro, na região metropolitana de Curitiba, na tarde desta sexta-feira (24). O caso aconteceu na entrada de uma chácara, na Rua Darcize Gobi, no bairro Campo Novo.
Segundo o major Sampaio, comandante do 22º Batalhão, o trio reagiu a uma tentativa de abordagem da polícia. “As nossas equipes foram recebidas com disparos e iniciou-se, então, uma perseguição, que terminou em uma estrada rural. Um dos indivíduos, inclusive, foi reconhecido por um dos policiais como um criminoso já ‘famoso’ na região. Além disso, moradores nos procuraram dizendo que já haviam sido vítimas deles”, disse em entrevista à Banda B.
Um dos rapazes morreu dentro de um veículo EcoSport preto, utilizado pelos suspeitos no momento do confronto. “Eu nunca tinha ouvido tanto tiro em toda a minha vida. As meninas brincavam no quintal e viram quando os homens passaram, portando armas longas e atirando contra os policiais. Nisso, elas saíram correndo e entraram em casa. Foi assustador”, comentou uma moradora da região.
Os corpos, ainda não identificados, devem ser recolhidos ao Instituto Médico Legal de Curitiba.

Filho de Leonardo, de 18 anos, diz que tem dificuldade para encontrar uma namorada


“Quero ter filhos cedo. É difícil achar uma menina que entenda essa carreira”, afirma Zé Felipe, que lança novo CD

24/06/2016 - 10h00 - Atualizado 24/06/2016 11h40
Zé Felipe  (Foto: Bruno Fiovaranti)
O título do segundo CD de Zé Felipe, filho de Leonardo, é bem sugestivo: Proibido é mais gostoso. “Acho que namorar escondido é bom, num lugar que ninguém imagina”, explica Zé, que acaba de lançar o álbum, com 14 faixas. Embora tenha apenas 18 anos, o cantor revela que pensa mais em constituir família do que qualquer outra coisa: “Esta é a base de qualquer homem, com certeza”.
Contudo, ele confessa que tem tido dificuldade para encontrar uma namorada. “Não quero ter filhos tarde. É dificil achar uma menina que entenda essa carreira. Mulher gosta de atenção. Eu tenho várias fãs, mas, para namorar, é diferente.  Acontece muito de você dar uns beijos e depois ir embora”, diz. 
Zé Felipe   (Foto: Bruno Fiovaranti)
Já no campo profissional, tudo caminha mais fácil. Depois de gravar com Ludmilla a música “Não me toca”, Zé ganhou muita projeção e, segundo ele, total aprovação do pai em relação ao novo trabalho. “Sempre que estou gravando, uma semana antes de fechar, mando o material para ele ouvir. Eu escolho arranjos, repertório e tal, mas o veredito final é dele. Gosto de ouvir sua opinião”, conta. Sua nova música de trabalho se chama “Maquiagem borrada”.   
No dia a dia, Zé conta que não ouve só música sertaneja. “Curto muitos artistas, como Maná. Ouço bem pouco a música americana. Acho que a latina tem um charme diferente. Já fui para a Argentina e agora quero conhecer o México”, explica.
Ele também acredita que o preconceito contra o sertanejo universitário vem diminuindo. “Sei que tem muita gente que odeia, mas hoje o ritmo é bem abrangente, há até um pouco de eletrônico. Adorei gravar com a Ludmilla por isso. E ela também é gente boa demais. Percebi que é muito família, anda perto da mãe, então, já merece o meu respeito.”

Confusão entre motoristas do Uber e taxistas termina em quebra-quebra no Aeroporto Afonso Pena


Da Redação
uber quebrado2
Veículo que realiza o serviço UberX ficou amassado no local (Foto: Colaboração)

Uma confusão entre motoristas do Uber e taxistas terminou em quebra-quebra e bate-boca no começo da noite desta sexta-feira (24) no Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.
Foto: Colaboração
Foto: Colaboração
De acordo com motoristas do Uber, um grupo de taxistas teria montado uma emboscada e abordado pelo menos dois veículos. Por sua vez, os taxistas garantem que um motorista do aplicativo teria “fechado” um táxi e iniciado a confusão.
Vários passageiros do aeroporto entraram em contato com a Banda B para relatar a confusão. Segundo eles, a área de desembarque chegou a ficar bloqueada por alguns minutos durante o quebra-quebra.
A Guarda Municipal foi acionada e informou que, por volta das 18h40, a situação já havia sido controlada. Não há informações de pessoas presas no local.

Temer dá dois cargos a senador Vicentinho e o amarra ao impeachment


O presidente interino indicou dois aliados do parlamentar do PR para diretorias estratégicas do DNIT

RICARDO DELLA COLETTA
24/06/2016 - 15h32 - Atualizado 24/06/2016 16h37
O senador Vicentinho Alves (PR-TO) (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)
O presidente interino, Michel Temer, deu dois cargos estratégicos para o senador Vicentinho Alves (PR) no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT).
Hoje, Temer indicou nomes ligados ao senador para a análise do Senado: Charles Magno Nogueira para a diretoria de Infraestrutura Ferroviária do DNIT e André Martins de Araújo para a diretoria de Planejamento e Pesquisa do órgão.
Vicentinho votou pela abertura do processo de impeachment contra Dilma. Com seus pleitos atendidos, tudo leva a crer que vai confirmar o apoio ao impedimento.

Petista miúdo, delação graúda


O ex-ministro Paulo Bernardo é preso, e a sede do PT em São Paulo se torna alvo de busca e apreensão. Tudo porque um ex-vereador do PT resolveu contar o que sabe

DANIEL HAIDAR
24/06/2016 - 19h54 - Atualizado 24/06/2016 19h57
Ainda sob a penumbra da manhã de inverno, oito homens do Grupo de Pronta Intervenção da Polícia Federal, equipe com uniformes camuflados especializada em controle de distúrbios, cercaram a sede do Partido dos Trabalhadores, em São Paulo. Os agentes remexeram gavetas, apreenderam computadores e saíram com caixas de documentos. A ação só foi possível porque, meses antes, um petista envolvido na Lava Jato resolveu falar. Em delação premiada homologada em março pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, o ex-vereador de Americana, em São Paulo, Alexandre Romano, o Chambinho, contou o que sabe e se tornou o primeiro integrante do PT, partido notório pela lealdade de seus membros, a colaborar com as investigações. A busca e apreensão na sede do PT na quinta-feira (23) era parte da Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato que corre em São Paulo.
 
O ex-ministro Paulo Bernardo, preso em Brasília, é transferido para São Paulo (Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Alexandre Romano (Foto: Jorge William /Agência O Globo)
Em quatro Estados e no Distrito Federal, 11 mandados de prisão preventiva foram expedidos. Oito suspeitos foram presos – o mais rumoroso deles, em Brasília. Os agentes da Polícia Federal entraram em um prédio destinado a senadores da República. Na volta da academia, o senador Aloysio Nunes, do PSDB, estranhou policiais na entrada. Eles tinham acabado de prender o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, no apartamento funcional de sua mulher, a senadora petista Gleisi Hoffmann. Magro e abatido, Bernardo foi transferido para São Paulo ainda naquela noite.

Bernardo é suspeito de participar de uma fraude que desviou cerca de R$ 100 milhões do Ministério do Planejamento durante sua gestão, num esquema que vigorou entre 2010 e 2015. A Polícia Federal desvendou os detalhes a partir dos depoimentos de Chambinho e da grande quantidade de provas que ele providenciou, além de relatos do ex-senador Delcídio do Amaral, outro petista que optou por delatar, que robusteceram a história. Delcídio contou que Bernardo beneficiava a empresa envolvida na fraude no Planejamento desde os tempos em que fora secretário no governo de Zeca do PT, em Mato Grosso do Sul.

De acordo com as investigações, Bernardo direcionou a contratação da empresa Consist Software para gerir o sistema decrédito consignado na folha de pagamentos de funcionários públicos federais. Cerca de 70% do valor do contrato assinado com a Consist, de R$ 140 milhões anuais, eram repassados a beneficiários do esquema. Desses 70%, Bernardo, então ministro do Planejamento, se beneficiava de 9,5%. Segundo Chambinho, Bernardo foi gradualmente rebaixado a partir de 2011. Quando trocou o Planejamento pelo Ministério das Comunicações, sua parcela de propina foi reduzida à metade. Em 2012, caiu para 2,9%, menos de um terço do inicial. Para repassar a propina a Bernardo, a Consist assinava contratos com empresas ligadas a Chambinho, ao lobista Milton Pascowitch e ao advogado Guilherme Gonçalves, que assessorou campanhas de Bernardo. Para o escritório de Gonçalves foram R$ 7 milhões.

O esquema no Ministério do Planejamento foi descoberto na Operação Pixuleco 2, a 18ª fase da Lava Jato. O caso foi transferido para a Justiça Federal em São Paulo por decisão do Supremo. A parte da investigação relativa à senadora Gleisi Hoffmann, que tem foro privilegiado, está com o ministro Dias Toffoli no Supremo. Há mais de um ano Bernardo convivia com o pavor de ser preso. Por causa da investigação, no ano passado ele perdeu a chance de ser indicado a um cargo na hidrelétrica Itaipu Binacional pela presidente Dilma Rousseff. O ex-ministro da Previdência Carlos Gabas também foi alvo da operação, com uma ordem de condução coercitiva. Gabas é investigado porque há indícios de que interveio junto a Bernardo para que a Consist fosse contratada. Segundo a investigação, o PT também era beneficiário direto do esquema e o ex-tesoureiro João Vaccari Neto, preso desde 2015, coordenou a distribuição dos R$ 100 milhões.

A prisão de Bernardo em um prédio onde moram vários senadores mexeu com os brios de políticos de todos os tons partidários em Brasília. “É um fato doloroso. Vi hoje uma declaração da senadora Glesi de que ele foi detido na frente dos filhos, então, quero publicamente lamentar o fato”, disse o presidente interino, Michel Temer. O Senado protocolou uma reclamação no Supremo, na qual pede a anulação da busca e apreensão. Argumenta que o juiz Paulo Bueno de Azevedo “usurpou” a competência do Supremo, embora o alvo fosse o ex-ministro, não sua mulher. Apesar de miúdo, Alexandre Romano provou que tinha conhecimento de gente grande.

Gilberto Gil recebe alta em SP após uma semana internado para tratamento RENAL


Cantor vai comemorar aniversário de 74 anos neste domingo em casa.
Ele foi internado no dia 17 para tratamento de insuficiência renal. 

Do G1 São Paulo
Gilberto Gil agradeceu aos fãs e postou foto deixando o hospital (Foto: Reprodução/Instagram/Gilberto Gil)Gilberto Gil agradeceu aos fãs e postou foto deixando o hospital (Foto: Reprodução/Instagram/Gilberto Gil)
O cantor Gilberto Gil recebeu alta na tarde desta sexta-feira (24), após permanecer sete dias internado para dar continuidade a um tratamento de insuficiência renal, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.
"A todos que enviaram mensagens carinhosas, muito obrigado. Já estamos a caminho de casa. #AqueleAbraço", escreveu o cantor no Instagram.
Segundo a assessoria do artista, ele embarca para o Rio ainda nesta noite e "irá passar o aniversário em casa". Gil completa 74 anos neste domingo (26). O tratamento é realizado mensalmente na capital paulista e não há informações de quanto tempo durará.
Ele foi internado no dia 17 de junho, e a expectativa era que recebesse alta em poucos dias. Ainda de acordo com a assessora do cantor, Gil apresentou uma reação a um medicamento e, por isso, precisou ficar mais tempo no hospital.
saiba mais

O cantor está sendo tratado pela equipe do cardiologista Roberto Kalil Filho e do nefrologista Paulo Ayrosa Galvão.
Insuficiência renal
Em maio, o artista já tinha sido internado no mesmo hospital para tratar da insuficiência renal. Naquela ocasião, Gil agradeceu aos fãs em sua página no Instagram.

"Gostaria de agradecer a todos pela preocupação, pelas inúmeras ligações, e-mails e recados aqui nas redes. Como vocês sabem, no mês passado iniciei um check-up aqui em São Paulo, interrompi pra fazer minha maratona de shows com Caetano Veloso pela América Latina, Estados Unidos e Europa, e agora retornei ao hospital com Flora Gil para terminar o meu check-up. Obrigado por tanto carinho, espero em breve estar em casa", escreveu.
No dia 19 daquele mês, Gil recebeu alta após ficar nove dias internado. Ele novamente usou sua conta no Instagram para agradecer o carinho e avisar que estava voltando ao Rio de Janeiro.
"Alô, Rio de Janeiro! Tudo bem por aqui, já voltando para casa. Obrigado a todos pelo carinho! Logo mais temos encontro marcado no Vivo Rio, em show beneficente para os 25 anos do @saudecrianca no dia 09/06", escreveu Gil.
Antes, Gil também havia ficado internado no Síro Libanês, de 25 de fevereiro a 9 de marçodeste ano, por um quadro de hipertensão arterial. Quando saiu do hospital, mais uma vez agradeceu aos fãs. "Obrigado a todos pelo carinho demonstrado aqui nas redes. Já estamos a caminho de casa. Aquele abraço!", postou ele, na ocasião, no Twitter.