Mais um de tornozeleira



Ronan Maria Pinto foi soltou há pouco, após pagar fiança de R$ 1 milhão, informa o Estadão.
Ele vai voltar a Santo André, onde é dono de jornal comprado com 6 milhões recebidos de José Carlos Bumlai, o amigão do Lula.
Bumlai não emprestou dinheiro desta vez porque está preso.

Fernandinha Beira-Mar' quer ser política



A dentista Fernanda Costa, filha do megatraficante Fernandinho Beira-Mar, se filiou ao PP e é pré-candidata a vereadora em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.
Segundo o Extra, ela tem o apoio do deputado estadual José Camilo Zito dos Santos, envolvido num esquema milionário de corrupção na saúde de Caxias quando era prefeito.
Perdeu, eleitor!

Novo recurso de Cunha não cola



Ronaldo Fonseca, relator do caso de Eduardo Cunha na CCJ, negou o novo recurso do peemedebista, que pedia para que seu processo fosse devolvido ao Conselho de Ética.
Cunha alegava que deveria ser julgado novamente, agora como deputado comum, após renúncia da Presidência.
Não colou, é claro.

AGU NEGA DEFESA A LULA NO PRÉ-SAL



Lula recorreu à AGU para tentar obter assistência jurídica na ação em que é acusado de rebatizar o campo petrolífero de Tupi para promoção pessoal e do PT.
Em parecer, obtido com exclusividade por O Antagonista, a AGU negou o pedido do ex-presidente.
"Conclui-se que o fato de o requerente ser ex-titular do cargo de presidente da República mostra-se como uma condição necessária, mas não suficiente para o deferimento do seu pedido de representação, na medida em que não se verifica a presença do interesse público, especialmente da União, na preservação do ato administrativo."

CACHOEIRA E CAVENDISH SOLTOS



O ministro do STJ Nefi Cordeiro ordenou a libertação de Carlinhos Cachoeira, Fernando Cavendish e Adir Assad, presos na semana passada pela Operação Saqueador, informa o G1.
A decisão se estende ao operador Adir 'kibe' Assad, seu sócio Marcelo Abbud e ao ex-diretor da Delta Claudio Abreu. O ministro determinou que sejam adotadas medidas cautelares, como prisão domiciliar e proibição de contato com outros investigados.

Uma massagem para Jucá


Um leitor antagonista flagrou Romero Jucá no Renaissance, de São Paulo. O senador e ex-ministro marcou uma massagem de reflexologia, amanhã, às 10h30, por 250 reais. A diária custa 871 reais.
Brasília está muito estressante.

Já ganhou



A Folha de S. Paulo reproduziu o santinho espalhado pelo deputado Gaguim, do PTN, que se candidatou a presidente da Câmara.
Ele escreveu: "Presiso do seu voto".
Já ganhou.

'Foi um baque', diz ex-marido da pastora Bianca Toledo sobre denúncia de abuso do filho


Renato Pimentel diz que não vê o filho, há 3 anos Foto: Facebook / Reprodução
Ricardo Rigel
Tamanho do texto A A A
O empresário Renato Pimentel, de 41 anos, ex-marido da pastora Bianca Toledo e pai do seu filho de 5 anos, que teria sido abusado pelo padastro, revelou em entrevista ao EXTRA que só tomou conhecimento do caso na segunda-feira, através de um amigo que mora no Rio de Janeiro. Morando em São Paulo há três anos, ele afirma que foi afastado do filho depois que Bianca se casou com o pastor Felipe Garcia Heiderich, em 2013, e que desde então tinha poucas notícias sobre o garoto. Felipe está preso e nega as acusações.
— Na segunda-feira (4), uma pessoa que me conhece e que estava sabendo do caso me ligou e me contou tudo que estava acontecendo com o meu filho. Para mim foi um baque. Porque ela (Bianca) não me procurou para falar isso. Desde quando ela afirma que descobriu o abuso, até um dia antes de fazer a declaração no Facebook, eu não sabia de nada. E algumas horas depois que descobri o que aconteceu, consegui ligar para ela, e foi aí que ela me contou a sua versão — comenta o empresário.
Ainda de acordo com Pimentel, ele chegou a questionar a ex-mulher do motivo pelo qual ela não o contou antes sobre o fato:
— Ela disse que já tinha resolvido tudo e que estava tudo sob controle. Para mim foi uma desconsideração, mas não posso ficar aprofundando isso e jogando lenha no meio disso tudo que está acontecendo.
Felipe e Bianca: ela denunciou o marido à polícia
Felipe e Bianca: ela denunciou o marido à polícia Foto: Reprodução / Facebook
O empresário disse que não pode fazer muitos comentários sobre o caso, porque só tem a versão da Bianca Toledo.
— Como aconteceu no fim do nosso casamento, as pessoas só conhecem a versão dela — disse Renato, sem explicar o que teria acontecido na época em que se separou da pastora.
Depois de tanto tempo sem contato com o filho, Renato disse que conseguiu falar com o menino nesta quinta-feira pela internet:
— Ele está, aparentemente, bem e conversamos por um tempo. Agora, estou planejando viajar ao Rio para ter um encontro com ele. Nesse momento, só quero que ele fique bem. Fico muito preocupado com toda essa exposição.
Pastor está preso
Felipe está preso no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste do Rio, desde o dia 5 deste mês. Ele está isolado em uma cela da Cadeia Pública José Frederico Marques (Bangu 10).
Felipe está preso no Complexo de Gericinó
Felipe está preso no Complexo de Gericinó Foto: Reprodução
O pedido de prisão feito pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), que foi endossado pelo Ministério Público, levou em conta as avaliações psicológica e psiquiátrica da criança, feitas por dois profissionais. Segundo as investigações, foi constatado que os abusos ocorreriam durante o banho da criança.
No pedido de prisão, a delegada Cristiana Bento, titular da Dcav, diz que o pastor mostrou "alto grau de perversão". Segundo o documento, assinado pela policial, "a prisão do indiciado é imprescindível, uma vez que o indiciado é acusado de ter cometido crime gravíssimo, inclusive considerado hediondo".
MP denuncia pastor por estupro de vulnerável
O Ministério Público (MP) denunciou à Justiça, o pastor Felipe Garcia Heiderich por estupro de vulnerável. A denúncia foi feita pela 25ª promotoria de Justiça de Investigação Penal e encaminhada, nesta quinta-feira , para a 17ª Vara Criminal da Capital.
De acordo com a denúncia, o acusado praticou diversos atos libidinosos com uma criança de 5 anos. Ainda segundo o documento, a prática ocorreu até o dia 11 de junho deste ano. A denúncia foi oferecida com base na investigação da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV).
O MP também requereu ao Juízo a revogação da prisão temporária do acusado, por entender já ter sido possível obter na fase de investigação os elementos necessários para a propor a denúncia. O MP requer, ainda, a aplicação de outras medidas cautelares, como a proibição de contato do denunciado com a vítima e sua mãe, uma distância-limite de 250 metros entre os mesmos, a proibição do acusado de deixar a comarca e o recolhimento do seu passaporte.


O bunker de Paulo Bernardo



Rodrigo Janot, em parecer protocolado no STF, defendeu as buscas da PF no apartamento de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann.
Ele disse:
"Não poderia servir o local como um verdadeiro bunker imune a ações de busca autorizadas pelo juiz natural (...) Sendo a diligência alusiva tão somente a Paulo Bernardo, é totalmente descabido invocar a imunidade parlamentar ou prerrogativas das Casas Parlamentares".
Ele disse também:
"Paulo Bernardo não detém qualquer vínculo funcional com a Casa legislativa ora reclamante".

200 parlamentares tremendo



Esse é o número de políticos que Lúcio Funaro promete entregar em sua delação, informa a coluna de Lauro Jardim.
O Antagonista já havia antecipado que o operador de Eduardo Cunha faria a delação — e que ela seria explosiva  reveja aqui

Exclusivo: Grampos de Lula não foram usados pela Lava Jato



Caso Ricardo Lewandowski resolva anular todas as interceptações telefônicas feitas na investigação contra Lula, isso não terá efeito na denúncia que o Ministério Público Federal prepara contra o ex-presidente.
O Antagonista apurou que os grampos não foram usados pela Lava Jato para instruir qualquer processo. Nenhum pedido cautelar, sejam buscas e apreensões, a quebra de sigilo bancário e a condução coercitiva dele, nada foi feito com base nas gravações.
Como os grampos subiram logo para o Supremo, após sua divulgação, não houve tempo para usá-los. A defesa de Lula pode até conseguir anular as interceptações, mas não poderá usar isso para invalidar a investigação.

Traficante com tornozeleira eletrônica é preso transportando maconha


A prisão ocorreu em Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, e surpreendeu policiais experientes. O equipamento ganhou notoriedade com a Operação Lava Jato

HUDSON CORRÊA
08/07/2016 - 11h30 - Atualizado 08/07/2016 11h31
Traficante usava tornozeleira eletrônica ao ser preso com carregamento de maconha na fronteira com o Paraguai (Foto: Divulgação/DOF)
Na noite da última terça-feira (5), policiais patrulhavam uma estrada em Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, quando suspeitaram de um Fiat Palio preto, com placas de Campinas. A estrada leva a Capitan Bado, cidade paraguaia com vastas plantações de maconha. Renato Moreira Araújo, de 22 anos, que dirigia o Palio, ficou nervoso. O veículo fora roubado em Ribeirão Preto (SP) no mês de abril. Sem saída, ele confessou que fazia o serviço de “batedor” para um carregamento de maconha. A droga estava em um Ford Focus que tivera problema mecânicos e esperava o socorro de Renato. Os policiais encontraram o Focus numa estrada de terra com 262 quilos de maconha no porta-malas.

Até aí nenhuma grande novidade. Os policiais do Departamento de Operações da Fronteira (DOF) apreenderam 64 toneladas de maconha nos últimos 12 meses. Descobriram até uma rota de transporte da droga em bicicletas chamada de “cicloconha”. A surpresa para os agentes do DOF veio no momento em que revistaram Renato. Ele estava com uma tornozeleira eletrônicana perna. Preso por tráfico de drogas em Umuarama, no Paraná, recebeu o equipamento ao ganhar liberdade provisória. A tornozeleira não o impediu de traficar drogas a 300 quilômetros de distância de Umuarama.
Carregamento de 262 quilos de maconha estava na traseira de um carro na fronteira com o Paraguai (Foto: Divulgação/DOF)
Segundo o DOF, Renato e seus dois comparsas confessaram que foram contratados, por um desconhecido na fronteira, para transportar a droga até a cidade de Itaquiraí, 200 quilômetros adentro do lado brasileiro. Receberiam R$ 1.000 pelo serviço. Renato ficará agora em um presídio. Nada de tornozeleira eletrônica.
O equipamento ganhou notoriedade na Operação Lava Jato. Presos deixaram o presídio para ficar em casa, monitorados por meio das tornozeleiras. Na semana passada, os empresários Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e Fernando Cavendish, dono da empreiteira Delta, permaneceram encarcerados porque o Estado do Rio, mergulhado numa crise financeira, não dispunha do equipamento.

Walter Torre fala em "humilhação" de alvos da Operação Abismo. Ele foi um deles


Empresário desabafa em carta a funcionários. WTorre foi acusada de receber R$ 18 milhões em propina

RODRIGO CAPELO
08/07/2016 - 06h01 - Atualizado 08/07/2016 10h39
Walter Torres, da construtora WTorre (Foto: Reprodução/Facebook)
Walter Torre, dono da WTorre, cuja condução coercitiva para depor em caso ligado à Operação Lava Jato foi determinada pelo juiz Sergio Moro nesta semana, enviou carta por e-mail a funcionários da empresa em que nega envolvimento em investigação da Polícia Federal.
Os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) acusam a WTorre de receber R$ 18 milhões para desistir de uma oferta na obra de ampliação do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes). Na carta, o empresário afirma que "ofereceu o melhor preço e foi pressionado a abrir mão do trabalho pelo simples fato de não pertencer ao cartel". A obra ficou com o Consórcio Novo Cenpes, composto pelas empreiteiras OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Schahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia.
"Tenho dúvidas se o fator 'surpresa' que permeia toda a ação da Justiça nas investigações recentes visa 'preservar provas' ou subjugar e humilhar seus alvos. O espetáculo a que fomos submetidos nesta semana me faz acreditar na segunda hipótese", escreveu Walter.
"Me pergunto qual teria sido a finalidade de mandados de condução coercitiva a que fomos submetidos no dia 4 de julho. Pois, quando houve suspeitas sobre nossa conduta, não me escondi e não me omiti. Compareci ao Congresso Nacional e prestei todos os esclarecimentos à Comissão Parlamentar de Inquérito, como muitos de vocês devem lembrar", prosseguiu. Ele se refere às perguntas feitas por parlamentares na CPI da Petrobras em setembro de 2015.
O dono da WTorre voltou a dizer que "não faz obras públicas", que "não é empreiteiro" e que "nunca recebeu dinheiro de nenhum governo e não faz parte de clube algum". 
A empresa, procurada por ÉPOCA, afirmou por meio de sua assessoria que não se posicionará sobre a carta e que ela foi endereçada apenas aos funcionários.
Fora do país, Torre ainda não depôs. Seu advogado afirmou que espera o agendamento por parte da delegada do caso. 

Sequestro-relâmpago de jovens termina com trio preso dentro de agência bancária


Da Redação
 
Um sequestro-relâmpago terminou com três suspeitos presos dentro de uma agência bancária na Av. Presidente Erasto Gaertner, no bairro Bacacheri, em Curitiba, na noite desta quinta-feira (7). A ação criminosa começou na Estrada da Graciosa, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, por volta das 20h30.
A vítima em um carro foi abordada por bandidos em um Gol branco. Três entraram no veículo do jovem, que foi colocado no banco de trás. De Colombo, o bando passou em uma farmácia e em um mercado, usando o cartão de crédito com várias compras.
Primo refém
Depois das compras, o jovem levou coronhadas, apanhou e foi obrigado a levar os marginais até a residência em que mora. Porém, de acordo com a Polícia Militar (PM), a vítima passou o endereço da casa do primo, que também acabou rendido.
Com os dois no carro, o trio foi até a agência bancária, onde fizeram o jovem sacar R$ 150. Neste momento, a PM, que foi acionada por uma pessoa que seguiu os ladrões após a ida à casa do primo, conseguiu efetuar a prisão do trio, que se entregou prontamente.
Já tinham aprontado
A PM localizou com os suspeitos um revólver calibre 32, um simulacro de pistola e vários eletrodomésticos que o trio havia levado de uma residência, em um assalto cometido antes do sequestro-relâmpago.

Atirador ‘insano’ dispara contra casas, carros e mata jovem na RMC


Por Luiz Henrique de Oliveira e Daniela Sevieri

O jovem Daniel Alves de Araújo, de 22 anos, foi morto com tiros de espingarda calibre 12 pouco antes das 21h desta quinta-feira (7). O crime aconteceu no cruzamento das ruas Alcides Gomes da Silva e Jerônimo Albuquerque, no bairro Santa Maria, em Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba.
crimi
Jovem foi assassinado no Centro de Itaperuçu (Foto: Colaboração)
O matador de ‘Danielzinho’ estava insano. Ele chegou armado e atirou várias vezes contra casas e carros próximos do local. A vítima tentou fugir, mas um tiro em fêmur o fez cair, ficando sem ação.
“É uma arma pesada que atingiu inclusive casas que estão nos fundos e, por sorte, não pegou nenhuma pessoa. Parece que ele correu e foi derrubado com um dos tiros no fêmur”, disse à Banda B o perito Edimar Cunico, do Instituto de Criminalística
Após o tiro em fêmur, outros disparos foram efetuados contra a nunca de Danielzinho. De acordo com testemunhas e conhecidos da vítima, o rapaz vinha sofrendo ameaças há três meses. A Polícia Civil investiga o caso.
Outras mortes
Na mesma noite, outras duas pessoas foram assassinadas na região de Curitiba. Em Piraquara, um homem de 24 anos que cumpria pena em regime semi-aberto, foi morto com vários tiros no Jardim Santa Monica. No bairro Sítio Cercado, em Curitiba, um jovem de 19 anos foi assassinado com tiros de pistola dentro de um bar na rua Nova Aurora.