Medo de perder moradias também foi motivo para deputados ajudarem Cunha


Há mais de 20 investigados na Lava Jato e que poderiam ser afastados pelo STF

NONATO VIEGAS
25/07/2016 - 08h15 - Atualizado 25/07/2016 09h30
O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) (Foto: José Cruz/ Agência Brasil)
Pesou na decisão da Câmara de ceder um apartamento funcional para Eduardo Cunha o receio de deputados ficarem na mesma situação que ele num futuro próximo. Se o STF resolver afastar do mandato deputados investigados na Lava Jato – são mais de 20 –, todos teriam, da noite para o dia, de arrumar moradias em Brasília.

Rua Astorga ficará fechada entre os dias 25 e 29 de julho



A partir desta segunda-feira, 25, até a próxima sexta-feira, 29, a Prefeitura de Colombo por meio da Secretaria de Obras e Viação, realiza a implantação de um novo sistema de drenagem pluvial na Rua Paranaguá, no bairro Guaraituba. Devido às obras será fechada a Rua Astorga, entre as Ruas Pedro do Rosário e Guaraqueçaba. O trabalho deve se prolongar pelos cinco dias.
O local está sinalizado para orientar os motoristas que trafegam pela região e o desvio do trânsito será feito pelas Ruas Atalaia e Realeza. Vale lembrar, que será privilegiado o acesso ao comercio local. Em caso de conclusão antecipada da obra será liberada a passagem de imediato. Por isso, é necessária a compreensão e colaboração dos motoristas.  


 
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
Foto: Marcio Fausto/ PMC

47,7% afirmam que Lula deve ser preso por Moro, diz Paraná Pesquisas


lula-envergonhado
O mesmo homem que deixou o cargo, em 2010, com mais de 80% de aprovação, hoje quer ser visto atrás das grades por 47,7% dos brasileiros, é o que afirma a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas. Os brasileiros desejam que o juiz Sérgio Moro prenda o ex-presidente Lula. 34,1% querem que ele se aposente da política, e apenas 15,2% o desejam como presidente novamente.
O instituto Paraná Pesquisas realizou a pesquisa em 158 municípios brasileiros, com 2.020 pessoas, entre os dias 20 e 23 de julho.

Movimento Vem Pra Rua convoca manifestação para domingo


13781940_325889997742915_6119581599550853949_n
O movimento Vem Pra Rua convoca mais uma manifestação em todo país. De acordo com a assessoria do movimento, o que motiva a tomada das ruas no dia 31 de julho, domingo, são seis tópicos principais: “1. Exigir o impeachment definitivo de Dilma Rousseff, cuja votação no Senado está marcada para agosto; 2. Apoiar irrestrita e permanentemente a operação Lava Jato e seus agentes, até sua conclusão; 3. Exigir a aprovação do projeto 10 Medidas contra a Corrupção, já nas mãos de Comissão especial na Câmara dos Deputados; 4. Exigir a prisão de TODOS os políticos corruptos, independentemente de partidos políticos; 5. Lutar por renovação política, que deverá trazer a ética e a decência para o centro da política nacional; 6. Exigir o fim do foro privilegiado, instituição nefasta que perpetua a corrupção e a impunidade no país. Todos são iguais perante a lei, diz nossa Constituição Federal. E nós dizemos: todos mesmo, incluindo os políticos.”

A manifestação está marcada para diversos pontos em todo o Brasil, no Paraná ocorrerá em 18 cidades (ver foto), além do exterior : Boston e Lisboa.

Cida Borghetti destaca força da economia do Paraná no Aecic


cida casillo
A vice-governadora do Paraná, Cida Borghetti, destacou nesta segunda-feira (25) o bom ambiente para negócios e o ciclo de industrialização ocorrido nos últimos anos no Estado. “Com o programa Paraná Competitivo criamos as condições e a segurança para os empresários investirem e gerarem empregos e renda. Consolidamos o Paraná como a quarta maior economia e como o segundo Estado mais competitivo do País”, disse.
Cida Borghetti participou da entrega do prêmio Personalidae Aecic 2016, concedido ao advogado João Casillo, um dos mais respeitados profissionais em direito empresarial do Paraná e do Brasil. O encontro promovido pela Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba (Aecic) reuniu mais de 100 empresários da Capital e Região Metropolitana.
De acordo com a vice-governadora, o advogado é uma referência para as novas gerações de juristas e estudiosos do direito. “O doutor João Casillo assessorou empresas nacionais e multinacionais que se instalaram em todas as regiões do Paraná, elaborando a base jurídica e dando uma contribuição fundamental ao nosso desenvolvimento e crescimento econômicos”, afirmou.
O título foi concedido a ele devido à participação ativa e incentivadora no projeto de formação da Cidade Industrial de Curitiba, o marco da industrialização do Paraná.
Para Casillo, as empresas são o setor produtivo da sociedade. “É do empreendimento que nascem duas coisas fundamentais, o trabalho e os impostos. Se pararem as empresas, para a máquina estatal”, ressaltou.
Segundo o presidente da Aecic, Nelson Roberto Hubner, Casillo foi parceiro e orientador de vários empresários em sua trajetória profissional. “Reconhecemos a participação do doutor Casillo na consolidação da Aecic. Uma homenagem profissional e pessoal que fortalece ainda mais nossa associação”, afirmou.
Também acompanharam o evento o ministro da Saúde, Ricardo Barros; o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho; o presidente da Junta Comercial do Paraná, Ardisson Naim Akel; o deputado federal Takayama, o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, e a vice-prefeita Mirian Gonçalves; o presidente da Fecomércio, Darci Piana; o presidente do BRDE Orlando Pessuti; o reitor da Universidade Federal do Paraná, Zake Akel Sobrinho, além de vereadores, representantes e lideranças locais.
TRAJETÓRIA – João Casillo é nascido em Ribeirão Preto, São Paulo, advogado, desde 1967, doutor em direito pela PUC/SP e professor com passagens por grandes instituições de ensino brasileiras e internacionais.
Autor de vários livros, entre eles Erro como Vício da Vontade e Dano à Pessoa e sua Indenização, Casillo é atuante em Direito Comercial, contratos, advocacia bancária administrativa e judicial.

Mulher se finge de morta para não ser executada e salvar o filho, diz polícia


Cinco pessoas foram mortas a tiros após capotamento na BR-153.
Vítimas são descendentes de ciganos; acidente ocorreu em Wanderlândia.

Patrício ReisDo G1 TO
A mulher que sobreviveu a uma execução na BR-153 se fingiu de morta e tapou com as mãos a boca do filho de dois anos para que eles não fossem mortos. Liliane da Silva e Enzo Henrique escaparam de uma chacina onde cinco pessoas morreram nesta segunda-feira (25) próximo de Wanderlândia, no norte do Tocantins. A informação é do delegado regional da Polícia Civil de Araguaína, Hemerson Francisco de Moura.
As vítimas são Alan da Silva, de 30 anos; Sidiney Pereira dos Santos, idade não informada; Wesley Alves da Silva, de 25 anos; e Deuzenir Alves da Silva, de 60 anos. Um menino de cinco anos foi lançado para fora do carro. Ele tinha marcas de tiro na cabeça e ainda não foi identificado.
Liliane da Silva contou à polícia que houve vários disparos de arma de fogo antes do acidente. O motorista do carro, Alan da Silva, foi atingido e perdeu o controle do veículo. Logo depois do capotamento, homens foram até o veículo e executaram os sobreviventes.
"Aparentemente foi uma briga familiar da linhagem cigana. Eles são naturais do estado de Goiás e estavam visitando familiares no Tocantins, mas já se dirigiam para o Maranhão, onde vivem", disse o delegado.
Acidente deixa cinco mortos no TO (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Carro capotou após motorista ser baleado e perder
o controle (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
O delegado informou que Alan foi ameaçado de morte há cerca de dois anos e a partir desta época vem fugindo. "As informações são que houve disparos e após o capotamento a execução. Porém, só a perícia é que vai determinar o que houve", completou o delegado.
Liliane e Enzo Henrique foram levados para o Hospital Regional de Araguaína (HRA). Ela foi atingida por um tiro na perna e prestou depoimento na unidade de saúde.
O menino teve apenas ferimentos leves. A Secretaria de Estado da Saúde foi questionada sobre o estado de saúde da mulher e da criança, mas disse que não poderia passar informações sobre estes pacientes.
A polícia não informou quantos homens participaram da execução e se há pistas do paradeiro deles. O caso será investigado pela Delegacia de Polícia de Wanderlândia.
Entenda
Um carro capotou na manhã desta segunda-feira (25) na BR-153, perto de Wanderlândia, norte doTocantins. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), cinco pessoas, incluindo uma criança, foram encontradas mortas no veículo com marcas de tiro pelo corpo.
Dentro do veículo, foi encontrada uma pistola ponto 40 de uso exclusivo da polícia. Ainda conforme a corporação, há disparos na cabeça das vítimas, típicos de execução.
Os Bombeiros foram chamados para atender a ocorrência, mas quando chegaram ao local perceberam que as vítimas estavam mortas e que havia indício de crime, por isso tiveram que aguardar o trabalho pericial para retirar os corpos. Os mortos foram levados para o IML de Araguaína, onde devem passar por exames.

Após detenção de Suplicy, reintegração de posse é cumprida em São Paulo


Da Agência Brasil
(Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo)
O ex-senador Eduardo Suplicy foi preso pela PM durante o protesto. (Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo)

Depois de protestos, confrontos e prisões contra uma ordem de reintegração de posse, a situação na ocupação Terra Pelada, zona oeste da cidade de São Paulo, está mais tranquila agora e a ordem judicial começa a ser cumprida, de acordo com informações da Polícia Militar. A área que fica na rua José Porfírio de Souza, 892 e pertence à prefeitura de São Paulo.
Segundo a decisão da Justiça, emitida pela 9ª Câmara de Direito Público, o local apresenta alto risco de deslizamento, por ser região de encostas. Parecer da Defesa Civil avalia que as construções precárias na área aumentam os riscos de desabamentos e até mesmo de incêndio. “Há ainda muito lixo e entulho no local, bem como árvores queimadas e visível dano ambiental”, diz a avaliação.
A prefeitura confirmou que a área ocupada é municipal e apresenta elevado risco elevado de desabamento, “o que inviabiliza construção de moradia popular”, diz a nota. “A Defesa Civil do município estudou a possibilidade de retirar apenas parte dos barracos, mas concluiu que isso colocaria os demais barracos em risco, por causa da fragilidade estrutural do conjunto. A reintegração de posse é uma determinação judicial e os moradores foram avisados previamente sobre a desocupação”.
Segundo a prefeitura, 211 famílias residem no local e estão cadastradas no programa habitacional do município. A prefeitura informou ainda que uma equipe do Serviço Especializado de Abordagem Social foi ao local da reintegração para encaminhar as pessoas que tenham interesse à rede socioassistencial do município. “As famílias interessadas nos serviços, como a inclusão no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal e encaminhamentos para Centros de Acolhida, também podem procurar espontaneamente o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Butantã na Avenida Junta Mizumoto, 591”, diz nota da prefeitura.
Tumulto
Os moradores da área começaram os protestos contra a ordem judicial no início da madrugada de hoje. Logo cedo eles montaram barricadas e atearam fogo a pneus.
Quando a Polícia Militar começou a cumprir a ordem de despejo, os manifestantes soltaram rojões a jogaram pedras contra a Tropa de Choque, que revidou com bombas de efeito moral. De acordo com a PM, por volta das 9h, houve também troca de tiros e um policial foi atingido no colete de proteção, sem sofrer ferimentos.
O ex-senador Eduardo Suplicy, que apoiou as famílias que se manifestavam contra a ordem de despejo, foi preso e conduzido pela polícia ao 75º Distrito Policial, onde presta depoimento.
De acordo com a polícia, outras duas pessoas que participavam da manifestação também foram detidas.

Universitária que trafegava pelo Contorno Leste tem carro atingido por pedra: “Um susto”


Da Redação

pedraparabrisa
Foto: Colaboração
Uma motorista de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, tomou um verdadeiro susto na tarde desta segunda-feira (25) após o carro em que estava ser atingido por uma grande pedra no Contorno Leste. De acordo com Cláudia Ribas, ela seguia em direção à faculdade, quando teve o carro atingido próximo à Estação de Tratamento de Esgoto da Sanepar.
“Já haviam me contado que é uma situação comum na região, mas nunca tinha acontecido comigo, a pedra bateu muito perto do parabrisa. Se atinge o vidro poderia ter acontecido alguma coisa mais grave”, relatou.
Cláudia contou ainda que recentemente o veículo de uma conhecida foi atingido, sendo que este teve o parabrisa destruído. “Não temos ideia de quem pode estar fazendo isso, mas é preciso uma atenção. Já pensou se algo acontece com algum motorista”, concluiu.
Até o momento não há informações se a ação pode se tratar de uma ação criminosa para assustar motoristas ou se tudo não passa de uma brincadeira de crianças.
A universitária entrou em contato com a Polícia Rodoviária Federal, que informou que monitora qualquer problema deste tipo. Ela registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil pelo danos

Universitária que trafegava pelo Contorno Leste tem carro atingido por pedra: “Um susto”


Da Redação

pedraparabrisa
Foto: Colaboração
Uma motorista de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, tomou um verdadeiro susto na tarde desta segunda-feira (25) após o carro em que estava ser atingido por uma grande pedra no Contorno Leste. De acordo com Cláudia Ribas, ela seguia em direção à faculdade, quando teve o carro atingido próximo à Estação de Tratamento de Esgoto da Sanepar.
“Já haviam me contado que é uma situação comum na região, mas nunca tinha acontecido comigo, a pedra bateu muito perto do parabrisa. Se atinge o vidro poderia ter acontecido alguma coisa mais grave”, relatou.
Cláudia contou ainda que recentemente o veículo de uma conhecida foi atingido, sendo que este teve o parabrisa destruído. “Não temos ideia de quem pode estar fazendo isso, mas é preciso uma atenção. Já pensou se algo acontece com algum motorista”, concluiu.
Até o momento não há informações se a ação pode se tratar de uma ação criminosa para assustar motoristas ou se tudo não passa de uma brincadeira de crianças.
A universitária entrou em contato com a Polícia Rodoviária Federal, que informou que monitora qualquer problema deste tipo. Ela registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil pelo dano.

Casal de professores universitários cai em golpe do falso sequestro e perde R$ 5 mil; ação durou cinco horas


Da Redação com Polícia Civil

Um casal de professores universitários foi alvo do golpe do falso sequestro na semana passada em Curitiba. Segundo a Polícia Civil, a quadrilha conseguiu extorquir cerca de R$ 5 mil durante a ação.
falso-sequestro2.php
(Foto: Imagem ilustrativa/Divulgação)
Por telefone, os criminosos anunciaram o suposto sequestro do filho do casal. Enquanto o pai foi efetuar a transferência de dinheiro exigida, os bandidos entraram em contato com a mãe e a fizeram sair de casa, deixando o celular, para comprar um novo aparelho e permanecer todo o tempo em contato com os golpistas.
Ela foi induzida a ir para um hotel onde aguardaria o que seriam as “novas coordenadas” para “libertar” o filho. Com a mulher incomunicável, os criminosos anunciaram à família que ela também havia sido sequestrada, para assim tentar obter mais dinheiro.
A ação durou cerca de cinco horas e foi solucionada com a participação de agentes do Tigre (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial), unidade especial da Polícia Civil especializada na solução de sequestros.
Todo o golpe foi realizado por telefone e os bandidos chegaram até o casal de professores de forma completamente aleatória. A polícia explica que geralmente os golpistas ligam para um número qualquer, anunciam que estão com algum familiar e se aproveitam do nervosismo da vítima.
Nesse momento, sem saber, muitas vezes as vítimas passam a fornecer informações estratégicas para os criminosos, como nome, características físicas e até psicológicas. De posse desses dados, eles vão envolvendo cada vez mais os seus alvos. O delegado da Estelionato alerta que idosos acabam sendo ainda mais sujeitos a cair na armação dos falsários.
“O mais importante é tentar manter a calma e agir com a razão. Não fornecer informações e se possível pedir para alguém tentar contato com a pessoa”, indicou Brito.
Cuidados
Manter a calma é a principal dica da Polícia Civil para o cidadão tentar escapar de determinadas modalidades de golpes. Persuadidas pela emoção, as vítimas se tornam vulneráveis aos criminosos.
Desde o ‘clássico’ golpe do bilhete premiado a outras versões como o golpe do sobrinho (quando alguém, por telefone, se passa por parente e pede ajuda para pagar o conserto de um carro), do hospital (criminosos fazem ligações para familiares de pacientes internados e oferecem atendimento médico mais rápido, como a realização de exame) e do falso sequestro, a ação dos bandidos não para.
A avaliação é do delegado responsável pela Delegacia de Estelionato, Wallace de Oliveira Brito. Ele explica não haver estatísticas sobre esse tipo de crime pela pouca incidência de pessoas que registram ocorrências – em alguns casos por vergonha. “Mas a crise refletiu no aumento da ação dos golpistas. Eles também precisam ‘faturar’. E ressuscitam ações como a do falso sequestro, muito antiga e que estava um pouco em desuso’”, comentou o delegado.
Outros golpes
A Polícia Civil alerta ainda para situações que exigem cuidados redobrados da população. “Esse canário econômico se torna oportuno para ações dos golpistas. As pessoas estão em situações mais difíceis e suscetíveis, buscam melhores ofertas e negócios por causa da crise o que é um prato cheio para os estelionatários, que lidam com o sonho das pessoas. Portanto, é preciso sempre desconfiar de uma proposta muito sedutora. Pode ser oferta de emprego, cursos, imóvel, produto… E jamais fazer depósito antecipado. Desconfie”, acrescentou.

Com preço definido, vacina contra a dengue poderá ser vendida no Brasil


Governo Federal determinou preço de R$ 132,76 até R$ 138,53.
Não há previsão de distribuição nacional pelo SUS, segundo ministério. 

Carolina Dantas e Mariana LenharoDo G1, em São Paulo
Foto de 2011 mostra área de cultura de vírus para produção de vacina contra dengue da Sanofi Pasteur (Foto: Sanofi Pasteur/Norbert Domy)Área de cultura de vírus para produção de vacina contra dengue da Sanofi Pasteur (Foto: Sanofi Pasteur/Norbert Domy)
A Dengvaxia, primeira vacina contra a dengue disponível no Brasil, vai custar de R$ 132,76 a R$ 138,53, de acordo com alíquota de cada estado, segundo anunciou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta segunda-feira (25).
A partir de agora, ela poderá ser comprada por hospitais e clínicas particulares. O consumidor, no entanto, deverá desembolsar um valor adicional, que varia em cada estabelecimento, pela aplicação do produto, como explica a agência.
De acordo com o Ministério da Saúde, ainda não há uma previsão de compra para o Sistema Único de Saúde. Serão feitos estudos de custo para a distribuição nacional e, caso seja viável, a vacina poderá ser distribuída de graça aos pacientes. O estado do Paraná, no entanto, já anunciou que deverá comprar 500 mil doses da vacina.
A Dengvaxia é produzida pelo laboratório francês Sanofi Pasteur e é uma imunização recombinante tetravalente, para os quatro sorotipos existentes da doença. Ela poderá ser aplicada em pacientes de 9 anos a 45 anos, que deverão tomar três doses subcutâneas com intervalo de seis meses entre elas.

DENGVAXIA (laboratório Sanofi Pasteur)
- primeira vacina contra dengue disponível no Brasil
- poderá ser aplicada em pacientes de 9 a 45 anos
- não tem 100% de eficácia
- serve para os quatro sorotipos da doença

Na própria bula da vacina, o laboratório informa que a Dengvaxia não protege 100% dos pacientes. Por isso, ela não substitui as recomendações anteriores do Ministério da Saúde.

A aprovação da vacina pelo governo brasileiro ocorreu em dezembro de 2015. Os testes apontaram uma redução de 81% das internações e 93% dos casos graves. Em média, 66% dos pacientes com os quatro sorotipos ficaram imunizados - 2 em cada 3 pessoas, segundo a Sanofi.

A vacina foi produzida com um vírus vivo atenuado e possui em sua estrutura o vírus vacinal da febre amarela, que lhe garante estabilidade. Os testes envolveram 40 mil pessoas em 15 países, em uma pesquisa clínica que resultou em 25 estudos. No Brasil, cerca de 3.500 pessoas de cinco cidades participaram das etapas de testes. 
De acordo com o médico epidemiologista João Bosco, professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) que participou dos estudos sobre a vacina, “a forma como a gente vinha fazendo prevenção de dengue era a mesma há anos. É a primeira vez que temos algo diferente”.

A pequena variação de preço se deve a diferenças de alíquotas de imposto em cada estado. A determinação do preço foi feita pelo Comitê Técnico Executivo da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), composto por representantes dos ministérios da Fazenda, Saúde, Justiça, Desenvolvimento e Casa Civil, sendo que a Anvisa exerce a função de Secretaria Executiva da Câmara.
Os governos estaduais e o federal combatem o vírus com campanhas de prevenção nas residências, pedindo que os moradores evitem deixar água parada. A dengue é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, assim como a zika e a chikungunya.
  •  
Mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da zika, em laboratório de São Paulo (Foto: AP Photo/Andre Penner, File)Mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue, zika e chikungunya em laboratório de São Paulo (Foto: AP Photo/Andre Penner, File)
Adoção pelo sistema público
No mês passado, o governo do Paraná já anunciou que fará uma campanha de vacinação contra dengue utilizando o produto da Sanofi Pasteur. De acordo com o laboratório, o estado deverá receber 500 mil doses -- 1 milhão de vacinas estão armazenadas em São Paulo desde a aprovação.

Para a presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, a vacina deve trazer benefícios do ponto de vista individual, mas a possível adoção da vacina de dengue pelo sistema público de saúde deve levar em conta fatores como a incidência da dengue nas diferentes localidades, a capacidade de se conquistar uma boa adesão e o custo da vacina.

“Com certeza, do ponto de vista individual, a vacina tem benefícios e acredito que para grande parte das regiões onde a doença é endêmica, ela pode ter um impacto”, diz.

Um dos maiores desafios em relação a uma possível vacinação em massa, segundo Isabella, deve ser em relação à adesão. A vacina da Sanofi é destinada a pessoas de 9 a 45 anos de idade. “Esta é uma faixa-etária super difícil de vacinar. Seria preciso avaliar qual a melhor estratégia para a campanha. Não seria um programa de fácil implantação.”

De acordo com o laboratório, a vacinação em adolescentes deve ser o maior desafio. Ricardo Feijó, professor adjunto de Pediatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), diz que os jovens não tem propensão a se vacinar, que as maiores taxas de adesão ainda estão entre as crianças. "Ele [adolescente] tem a sensação que é de baixo risco à doenças".