Mãe é procurada na Bahia por mandar matar filho de 7 anos em 2015


Criança foi encontrada morta em córrego da cidade de Camaçari.
Segundo a polícia, ela prometeu noite de sexo a homem que executou crime.

Do G1 BA
Alexandra está sendo procurada pela polícia pela morte do próprio filho (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Alexandra está sendo procurada pela polícia pela
morte do próprio filho (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
A polícia decretou a prisão temporária de Alexandra Moura da Silva, de 26 anos, por ser a mandante do assassinato do próprio filho, uma criança de 7 anos, ocorrido em janeiro de 2015, na cidade de Camaçari, na região metropolitana de Salvador. O corpo de Carlos Henrique Moura foi encontrado em um córrego, três dias após ter sido dado como desaparecido.
Segundo a delegada Maria Tereza, titular da Delegacia de Homicídios de Camaçari (DH/RMS), a polícia teve certeza de que a mulher estava por trás do crime, após prender José Nilton Pereira da Silva, o homem que executou a criança. "Ele foi preso em 8 de agosto deste ano, confessou o crime e apontou Alexandra como mandante", afirmou a delegada. "Em depoimento José Nilton disse que a mãe da criança prometeu uma noite de sexo, se ele matasse o menino", acrescenta. 
Corpo Menino Camaçari 1 (Foto: Everaldo Lins/Blog Visão Diária)Corpo de menino foi achado em córrego (Foto:
Everaldo Lins/Blog Visão Diária)
Durante o depoimento, José Nilton afirmou que Alexandra tinha medo que a criança contasse para a avó paterna que a mãe tinha planos de participar de um assalto a banco e que vendia drogas. Era a avó quem criava a criança.
Segundo a polícia, também existe a suspeita de que a mãe estaria usando o menino para levar e trazer drogas. Alexandra está foragida desde o dia 16 de agosto deste ano, quando foi decretada a sua prisão temporária. A polícia ainda informou que José Nilton é amante da avó materna da criança.
Caso
Em 7 de janeiro de 2015, a família de Carlos Henrique Moura denunciou o desaparecimento do menino. Três dias depois, a criança foi encontrada afogada em um córrego da cidade de Camaçari.
Na época, familiares disseram que o menino estava brincando na porta de casa, no bairro de Nova Vitória, quando desapareceu. Desde o início das investigações, a polícia já trabalhava com a hipótese de homicídio, já que a profundidade do córrego não possibilitaria que a criança morresse afogada. A Polícia Civil também já tinha a mãe e o padrasto da criança como suspeitos.
No sepultamento do menino, ocorrido em 11 de janeiro de 2015, a mãe chegou a desmaiar e, segundo relatos de familiares, foi amparada pelo companheiro, que era padrasto da criança.
Menino de sete ano doi sepultado no cemitério Jardim da Eternidade (Foto: Everaldo Lins / Visão Diária)Menino foi sepultado no cemitério Jardim da Eternidade (Foto: Everaldo Lins / Visão Diária)

Lula quer acompanhar defesa de Dilma no impeachment


O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse nesta quinta-feira que o ex-presidente Lula tem intenção de acompanhar o depoimento da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado, na próxima segunda-feira. “Ele está disposto, quer vir acompanhar o depoimento”, disse Costa. “A nossa expectativa é que ele venha.”
Segundo o senador, é pouco provável que Lula assista ao depoimento de dentro do plenário, mas ele deve assistir do Senado. O líder do partido também afirmou que Lula se mostrou disponível para participar de mobilizações no domingo.
Mais cedo, no Rio de Janeiro, o ex-presidente afirmou que a sessão do impeachment dava início à “semana da vergonha nacional”. Em recente entrevista à BBC, Lula abusou da retórica bíblica ao comparar o depoimento de defesa de Dilma aos senadores ao momento em que ela iria “se colocar diante de Judas Iscariotes”.
Quando Dilma foi afastada provisoriamente, Lula viajou a Brasília e se encontrou com a sucessora no Palácio do Planalto. Em seguida, eles fizeram uma manifestação política na Praça dos Três Poderes.

Ana Amélia: "Não tenho a polícia atrás de mim"



Ana Amélia mandou um recado à senadora Gleisi Hoffmann, que mais cedo disse que o Senado não tem moral para julgar Dilma Rousseff.
"Não admito esse tipo de acusação. Eu tenho toda a moral para julgar. Não tenho a polícia nem a Justiça atrás de mim para saber da minha vida. Minha moral foi avalizada pelos votos de 3,4 milhões de eleitores. Que ela identifique quem não tem moral."

Até Lewandowski perdeu a paciência com Gleisi




Gleisi Hoffmann resolveu rebater Ana Amélia, repetindo que o Senado não tem moral para julgar Dilma.
Acabou levando um pito de Ricardo Lewandowski. "Não vou admitir esse tipo de frase num julgamento como esse. Não volte a mencionar essa expressão."

MOMENTO ANTAGONISTA: MAIS UM CRIME, GLEISI? vÍDEO





Em entrevista exclusiva a O Antagonista, Janaína Paschoal comenta a nomeação de Esther Dweck, principal testemunha de Dilma Rousseff, no gabinete de Gleisi Hoffmann.
A jurista diz que Dweck não tem condições de permanecer como testemunha no julgamento final e cobra explicações de Gleisi, que pode até ser enquadrada no artigo 343, do Código Penal, no crime de corrupção de testemunha.
Diz o artigo: "Dar, oferecer, ou prometer dinheiro ou qualquer outra vantagem a testemunha, perito, tradutor ou intérprete, para fazer afirmação falsa, negar ou calar a verdade em depoimento, perícia, tradução ou interpretação, ainda que a oferta ou promessa não seja aceita."



Duas testemunhas serão ouvidas hoje



Ricardo Lewandowski garantiu a senadores que só encerrará a sessão de hoje depois que forem ouvidas as duas testemunhas de acusação: Júlio Marcelo, procurador junto ao TCU (transformado em informante), e Antônio Carlos D'Ávila, auditor federal de controle externo do TCU.
Lewandowski também quer ouvir amanhã todas as quatro testemunhas de defesa.

Bicudo lamenta não poder ir a Brasília acompanhar a parte final do impeachment





Em razão de sua saúde fragilizada, seus médicos recomendaram que permanecesse em casa

NONATO VIEGAS
25/08/2016 - 11h40 - Atualizado 25/08/2016 13h46


Hélio Bicudo em manifestação contra o governo Dilma, na Avenida Paulista (Foto: Thaís Lazzeri)
Um dos autores do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o advogado Hélio Bicudo não pôde viajar para Brasília para acompanhar a parte final do julgamento no Senado. Em razão de sua saúde fragilizada, foi orientado por seus médicos a permanecer em São Paulo. 
Bicudo, no entanto, está atento à televisão. No começo da manhã, falou com a advogada Janaína Paschoal, com quem assinou o pedido de impeachment, para saber como estava o clima brasiliense. 

TESTEMUNHA FOI DISPENSADA DO PONTO



O Antagonista reproduz o formulário de nomeação de Esther Dweck no gabinete de Gleisi Hoffmann para ressaltar que a nova assessora parlamentar da petista - e testemunha de Dilma Rousseff no julgamento final - foi dispensada de assinar a folha de ponto.
Gleisi não se emenda.

URGENTE: GLEISI PROMETEU CARGO A TESTEMUNHA DE DILMA



O Antagonista descobriu que Esther Dwek, testemunha de Dilma Rousseff no julgamento final do impeachment, será nomeada para o gabinete de Gleisi Hoffmann.
Dwek já preencheu o formulário de nomeação de servidor comissionado para a função de assessor parlamentar e entregou a documentação no último dia 17.
Ela ainda não tomou posse, mas está tudo encaminhado.

De puxadinho, Cardozo comanda tática do PT no impeachment


Advogado da presidente afastada Dilma Rousseff, o ex-ministro José Eduardo Cardozo (PT) desempenha um papel de maestro dos senadores petistas na sessão final do julgamento do impeachment, iniciada nesta quinta-feira no Senado.  Tal qual um treinador de equipe olímpica, reúne constantemente os senadores ao seu redor e dita a tática de atuação petista nos intervalos.
O ex-ministro e ex-advogado-geral da União transformou o espaço reservado à defesa em um “puxadinho” do plenário, aglomerando bancos de madeira ao redor da bancada e pilhas de papeis no chão. Cardozo está debruçado sobre um notebook, inúmeras pastas sobre a ação contra Dilma, livros de Direito, o Código de Processo Penal e a Constituição Federal. A toda hora faz telefonemas e digita mensagens pelo WhatsApp.
Cardozo está acompanhado do coordenador jurídico do PT e de campanhas de Dilma, Flavio Caetano, e de ex-auxiliares no Ministério da Justiça, como Gabriel Sampaio, que o assessorou para assuntos legislativos. Sampaio, por exemplo, também partiu para o corpo a corpo e se aproximou das senadoras Lídice da Mata (PSB-BA) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) para orientá-las.
A primeira vitória do braço-direito de Dilma foi conseguir impugnar o depoimento do procurador de Contas Júlio Marcelo de Oliveira como testemunha. Uma pergunta do advogado fez o procurador admitir que compartilhou postagem em seu Facebook pessoal convocando ativistas para uma manifestação pela rejeição das contas de Dilma. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do julgamento do impeachment, Ricardo Lewandowski, considerou que ele caiu em suspeição e dispensou o depoimento como testemunha, rebaixando Julio Marcelo à condição de informante, cujo valor de prova difere por não ter compromisso de dizer a verdade, nem de ser imparcial.
Em seguida, Cardozo combinou a estratégia com os senadores petistas que se acercaram para ouvi-lo, como Lindbergh Farias (RJ), Humberto Costa (PE) e Jorge Viana (AC), além de agregados como Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Kátia Abreu (PMDB-GO): não fazer nenhuma pergunta ao procurador, mas gastar o tempo para tecer comentários contra a procedência da denúncia. “Júlio Marcelo é suspeito, parcial. Não vamos mais fazer pergunta para informante”, comemorou Lindbergh. “O principal ator desse processo foi considerado suspeito pelo presidente do Supremo, porque tem papel de magistrado, não poderia tomar parte. O procurador foi transformado num cagueta, num X-9”, disse a VEJA Jorge Viana, dando mostras do discurso petista de parcialidade no processo. O vice-presidente do Senado depois sentou-se ao lado de Cardozo para chancelar o novo adjetivo de Julio Marcelo.
A ação combinada entre a tropa de Dilma acabou sendo freada por Lewandowski. Ao dedicar seu tempo de questionamentos apenas para manifestações genéricas, a senadora Vanessa Grazziotin acabou interrompida pelo presidente do STF, reprovando a estratégia petista de procrastinar. 
O capítulo final do impeachment de Dilma teve início nesta quinta-feira com uma série de manobras de seus aliados e a oitiva de Julio Marcelo. A expectativa é a de que o depoimento se arraste até a noite de hoje. A conclusão do processo contra a presidente afastada deve acontecer somente na próxima terça-feira.

Em novas imagens, Ellen conta como matou e enterrou corpo do marido




Da Redação

A Polícia Civil divulgou na tarde desta quinta-feira (25) imagens da reconstituição do crime em que esposa Ellen Homiak Federizzi mostra como agiu contra o marido Rodrigo Federizzi. Nas imagens da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Curitiba é possível ver o apartamento da família e um dos locais onde o corpo foi enterrado. Ellen confessou o assassinato do marido no último dia 15.
O passo a passo começou por volta das 9h30 desta quinta. Para o delegado responsável pelo caso, Fábio Amaro, não há dúvidas de que a cabeleireira agiu sozinha. O assassinato, segundo o depoimento, aconteceu no dia 28 de julho e o corpo foi enterrado na manhã seguinte.
Em um dos vídeos, Ellen explica como matou o marido. Nas imagens ela ainda explica como esquartejou e enterrou o corpo.
Assista aos vídeos nos players abaixo:





STF quer papel mais ativo em delações



Como dissemos em post anterior, o STF vai aumentar a pressão sobre Rodrigo Janot.
Embora o Ministério Público tenha discricionaridade nas delações, podendo aceitá-las ou não sem a interferência do juiz, alguns ministros acreditam que é preciso ter um papel mais ativo no processo.
Por isso, defendem a cobrança - ainda que informal - de explicações mais críveis de Janot para suspender a delação da OAS.
Além disso, a delação é considerada elemento de prova e quem a valida é o juiz. Para esses ministros, o STF está sendo obrigado a aceitar tudo o que a PGR envia sem questionamentos, como no caso de Sérgio Machado.
"A homologação é uma formalidade processual. Se a delação se revela inconsistente, o STF pode anulá-la. Da mesma forma, é preciso abrir um debate sobre o cancelamento de delações sem justificativa. O Ministério Público não pode escolher, a seu bel prazer, quem tem direito ou não a um acordo", avalia um ministro.
O cancelamento da delação da OAS, sem justificativa aparente, vem ao encontro da tese do Ministério Público de só aceitar mais uma delação de grande empreiteira -- no caso, a Odebrecht.

Governo investe R$ 5 mi para transporte de órgãos em voos da FAB - VÍDEO


Os ministérios da Saúde e Defesa assinaram, nesta quarta-feira (24), um Termo de Execução Descentralizado (TED) no valor de R$ 5 milhões. A medida visa ressarcir a Força Aérea Brasileira (FAB) dos voos realizados para transporte de órgãos em todo o Brasil e assegurar que sempre haja uma aeronave em solo para fazer o deslocamento.
“Tecnicamente, são quatro horas da retirada do órgão até a implantação. Então, é essa a necessidade que existe e não poderia ser atendida em alguns casos. Alguns órgãos deixavam de ser aproveitados por não haver logística suficiente para cumprir no prazo necessário. Então, com a disponibilidade da FAB, crescemos muito na oportunidade de aproveitamento dos órgãos”, explicou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.
O fato de a FAB ter aviões em várias bases do Brasil também foi ressaltado durante a assinatura do acordo. Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, os repasses começarão a ser feitos imediatamente.
Estamos permitindo que esse ato, profundamente solidário e humano, que é ceder o órgão de uma pessoa que se vai para outra sobreviver, ele possa acontecer. Então são voos da esperança, são voos pela vida (...) Nós vamos imediatamente começar a fazer esses repasses. Transplantes exige velocidade e recursos."
Em junho, o presidente em exercício, Michel Temer, assinou o decreto que determina a disponibilidade de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) para transporte de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para transplante em todo o território nacional.
Até julho, 697 órgãos foram transportados no Brasil. Desse total, 52 foram feitos pela FAB – 47 após a publicação do decreto – sendo 24 corações, 15 fígados, três pulmões, dois rins e três pâncreas.
Além da FAB, o Ministério da Saúde também mantém parceria com as companhias aéreas brasileiras para transporte de órgãos. Nesse caso, as equipes médicas são transportadas com prioridade de voo e decolagem das aeronaves. 
Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde e Ministério da Defesa

Governo investe R$ 5 milhões para garantir aviões da FAB no transporte d...

Acidente entre caminhão e motocicleta deixa jovem morta no Litoral do Paraná


Da Redação


vanalli
Jovem morreu em acidente de trânsito (Foto: Reprodução Facebook)
Um acidente entre uma motocicleta e um caminhão, por volta das 18h desta quarta-feira (24), deixou uma jovem morta em Matinhos, no Litoral do Paraná. Priscila Daiane Viana Vanalli, de 23 anos, era garupa do veículo de pequeno porte.
O acidente aconteceu na Av. Paranaguá, no Balneário Inajá. Não foi informado no local de quem foi a culpa na colisão. Além da vítima fatal, o condutor da motocicleta, um jovem de 21 anos, teve ferimentos leves. Já o motorista do caminhão nada sofreu.
Amigos de Priscila estão inconformados com a morte da jovem. Pela rede social Facebook, inúmeras mensagens de luto foram postadas.

Novo tremor acontece nessa quinta feira e volta a levar pânico à região central da Itália


Em Amatrice, imóvel desabou parcialmente. 
Mais de 240 pessoas morreram após tremor na quarta-feira.

Do G1, em São Paulo
Socorristas usam as próprias mãos para retirar escombros e tentar alcançar vítimas na quarta-feira (24). Trabalhos de resgate prosseguem nesta quinta (Foto: Ciro De Luca/ Reuters)Socorristas usam as próprias mãos para retirar escombros e tentar alcançar vítimas na quarta-feira (24). Trabalhos de resgate prosseguem nesta quinta (Foto: Ciro De Luca/ Reuters)
Um tremor de 4,3 de magnitude voltou a atingir a região central da Itália nesta quinta-feira (25), causando novos desmoronamentos, segundo a Associated Press. Em Amatrice, uma das cidades mais atingidas pelo terremoto de quarta-feira (24), o desabamento parcial de um imóvel provocou pânico entre os moradores.
Mais de 240 pessoas morreram e centenas seguem desaparecidas, segundo os últimos balanços divulgados pelas autoridades. Só em Amatrice foram registradas 200 mortes, segundo o prefeito da cidade. A Defesa Civil italiana informou que 270 pessoas estão hospitalizadas e cerca de 1,2 mil estão desabrigadas na região.
A agência Efe informou que a fachada do prédio que desmoronou nesta manhã fica perto de um alojamento temporário das vítimas do terremoto de quarta, no parque de Amatrice. O novo tremor foi registrado às 14h36 (horário local, 9h36 em Brasília).
Buscas
Mais de 4,3 mil pessoas trabalham na busca por sobreviventes. Escavadeiras são usadas nos maiores desmoronamentos, mas em diversos pontos bombeiros e socorristas usam as próprias mãos para retirar escombros e tentar alcançar vítimas. As operações de resgate, que aconteceram com temperaturas abaixo dos 10 graus, não têm previsão de interrupção.
A Defesa Civil admite que esse número pode aumentar, já que ainda há centenas de desaparecidos. O jornal "Corriere della Sera" afirma que existem ainda quase 300 feridos. O Itamaraty informou que não há registro de brasileiros entre as vítimas.
Turistas
A região afetada pelo terremoto, a apenas 160 quilômetros de Roma, é uma área de passagem de turistas, o que provoca o temor de mortos de várias nacionalidades.
As autoridades temem pela vida dos hóspedes do célebre e histórico Hotel Roma de Amatrice, que estava com ocupação total por ocasião de uma festa tradicional em homenagem à criação há 50 anos da receita de spaghetti à "matriciana", segundo a France Presse.
Em homenagem à receita com molho de tomate e bacon estão surgindo várias iniciativas desolidariedade por parte de cozinheiros e donos de restaurante de todo o mundo com a população de Amatrice.

Resgate emocionante
Em Pescara del Tronto, o resgate da menina Julia, de apenas 10 anos, emocionou as equipes de resgate. Ela foi retirada dos escombros de um imóvel sob aplausos.
O primeiro tremor, de magnitude 6,2, aconteceu às 3h36 de quarta-feira (22h36, de terça-feira, em Brasília) e o impacto foi maior perto de Perugia, região localizada a menos de 200 km de Roma, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), organismo que registra os tremores em todo mundo.
Menina de 10 anos foi retirada com vida dos escombros em Pescara del Tronto, na Itália (Foto: Reprodução/TV Globo)Menina de 10 anos foi retirada com vida dos escombros em Pescara del Tronto, na Itália (Foto: Reprodução/TV Globo)
Mais de 100 tremores secundários foram registrados durante a noite, incluindo um particularmente forte, às 5H20, que provocou mais deslizamentos de terra, segundo a France Presse.

Prevenção
Um dia depois da tragédia, entre a desolação e a surpresa, várias perguntas começam a ser feitas sobre o preço elevado pago pela Itália, com destaque para a qualidade das construções, segundo a France Presse.

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, admitiu na quarta-feira as enormes dificuldades para proteger tantos vilarejos e cidades com valiosos centros históricos, construídos há vários séculos.
Especialistas, historiadores e arqueólogos serão mobilizados em toda a península para avaliar o patrimônio e estabelecer um calendário de obras de prevenção, para impedir que vilarejos localizados em áreas de alto risco sísmico desapareçam com um terremoto.

"Nós, os geólogos, há anos pedimos que se desenvolva a cultura da prevenção para evitar estas tragédias", declarou o presidente do Conselho de Geólogos, Francesco Peduto.
Nesta quinta-feira, o Conselho de Ministros de reunirá para decretar estado de emergência nas áreas afetadas pelo terremoto.
"Será necessário realizar um trabalho sério e contínuo", disse Renzi, que espera evitar os erros cometidos após o terremoto de 2009 em L'Acquila, cuja polêmica reconstrução se tornou um negócio lucrativo para muitos.