PF apreende R$ 300 mil na casa de Pedro Barusco


Delator da Lava Jato também foi alvo da operação que mira fundos de pensão

BÁRBARA LOBATO
06/09/2016 - 11h58 - Atualizado 06/09/2016 13h00
Cédulas apreendidas pela PF (Foto: Polícia Federal)
Dos cerca de R$ 680 mil apreendidos pela Polícia Federal, em cédulas, na Operação Greenfield, pelo menos R$ 300 mil estavam na casa de Pedro Barusco, ex-gerente de Engenharia da Petrobrase delator da Lava Jato. Os policiais apreenderam a soma de R$ 350 mil e US$ 100 mil em dinheiro, durante as buscas feitas na segunda-feira (5).

TCU MANDA DILMA E LULA DEVOLVEREM PRESENTES



Os caminhões de mudança de Dilma terão que dar meia volta. O TCU determinou à Administração da Presidência e ao Gabinete Pessoal da Presidência que incorporem todos os documentos e presentes recebidos pelos ocupantes do cargo, desde a publicação do Decreto 4.344/2002.
O TCU determinou um prazo de 120 dias para que os bens sejam devolvidos. Dilma deve devolver 144 itens. Já seu padrinho, Lula, está com 568 bens. Mas esses são fáceis de localizar.

MO NEGOCIA PENA



Marcelo Odebrecht está enfrentando resistência dos procuradores para definir a pena que terá de cumprir no âmbito do acordo de delação premiada.
MO queria deixar a cadeia no final do ano, mas o MPF quer que ele cumpra mais um ano e meio em regime fechado.

Lula e Dilma só deixaram 15 presentes no Planalto



Segundo o TCU, Lula e Dilma receberam um total de 1.073 presentes, enquanto ocupavam a presidência. Desse total, 361 foram considerados de uso pessoal. Os outros 712 foram incorporados ao patrimônio dos próprios. Fizeram a gentileza de deixar, para o país... os 15 restantes!

DECISÃO DO TCU TURBINA 'INQUÉRITO DO COFRE DE LULA'



A histórica decisão do TCU sobre presentes recebidos por presidentes durante o exercício do cargo vai subsidiar o "inquérito do cofre", no qual Lula é acusado de se apropriar de bens públicos e escondê-los num cofre do Banco do Brasil em nome da mulher e do filho.
Em petição obtida por O Antagonista, a Lava Jato acaba de intimar a Secretaria de Administração da Presidência para que "avalie o material apreendido e especifique se alguns desses bens não pertencem ao acervo pessoal do ex-presidente".
A força-tarefa recebeu hoje todos os documentos da auditoria patrimonial feita pelo TCU.
Todos os itens - coroas em ouro, sabres cravejados, além de jóias, obras de arte e medalhas - sempre foram patrimônio da União e terão de ser devolvidos.

PRÓXIMO DESTINO DE DILMA É CURITIBA


Renato Duque contou aos procuradores, em seu acordo de delação, que negociou diretamente com Dilma Rousseff o apoio financeiro das empreiteiras do petrolão às campanhas de 2010 e 2014.
Dilma não só sabia, como autorizou pessoalmente os repasses. Ela também estava ciente de que o dinheiro tinha origem em contratos da Petrobras.
Nem precisa desfazer as malas, querida.

Até jornalista é indicado como testemunha no pedido de impeachment de Lewandowski



O pedido de impeachment de Ricardo Lewandowski arrola como testemunhas Kátia Abreu, Renan Calheiros, Collor, o advogado João Costa Ribeiro e até o jornalista Josias de Souza, que detalhou o acordão do golpe na Constituição.
O documento também pede para que gravações das câmeras de segurança do STF sejam usadas como produção de provas.
O ANTAGONISTA AGORA TE

Dilma deixa o Palácio da Alvorada para morar em Porto Alegre


Ex-presidente tem casa na capital gaúcha; ela deve passar período no Rio.
Petista poderá manter 8 servidores para segurança, assessoria e transporte.

Do G1, em Brasília
A ex-presidente Dilma Rousseff deixou, por volta das 15h30, desta terça-feira (5) o Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência, onde mora desde janeiro de 2011, quando assumiu o primeiro mandato. Ela seguirá para Porto Alegre, onde parte de sua família mora. ASSISTA A VÍDEOS
Após deixar o Palácio, Dilma desceu do carro e cumprimentou os manifestantes que a aguardavam do lado de fora do local. Ela recebeu várias rosas de presente e não parou para falar coma imprensa (veja vídeo acima).
Na última quarta (31), o Senado aprovou, por 61 votos a 20, o impeachment de Dilma.
Ela foi condenada sob a acusação de ter cometido crimes de responsabilidade fiscal – as chamadas "pedaladas fiscais" no Plano Safra e os decretos que geraram gastos sem autorização do Congresso Nacional.
Apesar disso, os senadores decidiram, em uma segunda votação, manter a petista habilitada para ocupar cargos públicos.
Nos últimos dias, Dilma permaneceu no Alvorada e recebeu a visita de ex-ministros de seu governo, como Aloizio Mercadante e Eleonora Menicucci.
Porto Alegre
Na capital gaúcha vivem a filha dela, Paula Araújo, o genro e os dois netos, além do ex-marido de Dilma Carlos Araújo.
Embora tenha nascido em Belo Horizonte (MG), a ex-presidente construiu sua carreira política em Porto Alegre (RS). Ela disse na última sexta, porém, que pode "passar um tempo" no Rio de Janeiro, onde a mãe, Dilma Jane, mora.
"Não ficarei em Brasília porque pretendo ir para Porto Alegre e tenho a possibilidade de ficar um tempo no Rio porque minha mãe mora tradicionalmente no Rio de Janeiro", declarou Dilma a veículos estrangeiros na sexta.
José Eduardo Cardozo
Dilma deixou o Palácio da Alvorada acompanhada do ex-ministro José Eduardo Cardozo, que capitaneou a defesa da agora ex-presidente no processo de impeachment no CongressoNacional.
Ao G1, Cardozo disse que a saída de Dilma da residência oficial representa um momento "muito triste", mas que mostra que há "muitas pessoas lutando pela democracia no Brasil", em referência aos manifestantes pró-Dilma que aguardavam a saída da petista.
"É uma solidariedade muito importante, não só para a Dilma, mas para todos aqueles que lutam pela democracia no Brasil", disse Cardozo.
"Nenhum governo que toma posse de forma ilegítima pode tirar o Brasil da crise. Precisamos de democracia, democracia e democracia. Vamos tentar fazer com que Dilma volte", continuou o ex-ministro.
Visita de senadores
Por volta de 9h30 desta terça, seguranças fecharam a área de entrada do Palácio da Alvorada. A medida, segundo eles explicaram, era para evitar a aproximação de manifestantes.
Os senadores do PT, mesmo partido de Dilma, Lindbergh Farias (RJ) e Jorge Viana (AC) fizeram visita à ex-presidente no palácio no final da manhã desta terça. Na saída, eles conversaram com os manifestantes que esperavam a saída de Dilma.
Os senadores ainda afirmaram à imprensa que Dilma está tranquila e que seguirá para Porto Alegre para ficar com a família.
"Essa mulher [Dilma] é de uma força impressionante", disse Lindbergh. "Ela sai daqui de cabeça erguida, como lutou no Senado Federal, como lutou toda a sua vida".
O ex-ministro do Desenvolvimento Agrário dos governos Lula e Dilma, Miguel Rosetto, também esteve com Dilma nesta manhã e também falou com manifestantes.
saiba mais

Manifestação
Cerca de mil pessoas, segundo a organização do evento, começaram a se reunir no final da manhã desta terça para acompanhar a saída de Dilma da residência oficial.
De bonés e bandeiras vermelhas, os manifestantes pediram novas eleições e gritaram palavras de ordem como "Dilma guerreira da pátria brasileira" e "fora Temer".
Dilma deixou em definitivo o Palácio da Alvorada, em Brasília, e seguiu para Porto Alegre (RS) (Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo)Dilma deixou em definitivo o Palácio da Alvorada, em Brasília, e seguiu para Porto Alegre (RS) (Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo)
Servidores
Segundo o Decreto 6.381/2008, após o impeachment, Dilma terá direito a manter oito servidores de sua livre escolha para os seguintes serviços: segurança e apoio pessoal (quatro), assessoria (dois), e motorista (dois). Dois carros oficiais também serão disponibilizados para Dilma.
O decreto também estabelece que os funcionários que vão trabalhar com Dilma serão nomeados em cargos comissionados vinculados à Casa Civil.
A remuneração desses servidores também está prevista no decreto. Dois ocuparão cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS) nível 5 (remuneração mensal de R$ 11.235,00); dois, nível 4 (R$ 8.554,70); dois, nível 2 (R$ 2.837,53); e outros dois, nível 1 (R$ 2.227,85).
Conforme a TV Globo apurou, Dilma terá direito a retornar para Porto Alegre em avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Além disso, a União deverá custear as despesas com a transferência do acervo da ex-presidente para a capital gaúcha.

EXCLUSIVO: LÉO PINHEIRO VAI FALAR



A defesa de Léo Pinheiro pediu que seu cliente fosse interrogado novamente para colaborar no processo de Gim Argello.
O juiz Sergio Moro deferiu o requerimento e marcou novo interrogatório para o dia 13 de setembro.
Léo Pinheiro vai contar tudo. Inicialmente, sobre Gim Argello e seus cúmplices. Num segundo momento, sobre Lula e seus cúmplices.

Exclusivo: Delcídio responde a Lula



A defesa de Delcídio do Amaral reagiu ao recurso de Lula para tentar anular sua delação, assim como a ação que o investiga por obstrução da Justiça.
Na peça, obtida por O Antagonista, os advogados do ex-senador afirmam ser "curioso que, os que dizem 'detestar delatores', convivem bem com corruptos e os toleram".
Eles também afirmam o seguinte:
"As maquinações urdidas por grupos políticos e econômicos para criar fatos ou engendrar estratégias que possam tirar o crédito das investigações ou desabonar o colaborador se renovam a cada instante e progridem na promoção de mentiras, calúnias e idéias extravagantes quando não delirantes, demonstrando que no Brasil atual quando se trata de política não há mais distinção entre preço e valor, o segundo foi absorvido pelo primeiro".
"A perseguição política encetada contra Delcídio após sua colaboração é prova concreta dessa afirmação. Não existem dúvidas sobre desvios e abusos na Petrobrás que vinculam mandarins da república a crimes contra à administração pública e que macularam diretamente o equilíbrio do processo eleitoral durante pelo menos três eleições."

Ex-atacante do Santos, João Paulo está em estado grave após infarto


João Paulo, o "Papinha da Vila", foi campeão paulista em 1978 e trabalha nas categorias de base do Peixe. Ele está internado desde esta segunda-feira

Por Santos, SP
João Paulo - Santos (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)João Paulo está internado em estado grave (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)
João Paulo, o "Papinha da Vila", está internado em estado grave no Hospital Santa Casa de Misericórdia de Santos após sofrer um infarto nesta segunda-feira. Ele tem 59 anos.

O ex-atacante foi campeão paulista em 1978 e atualmente trabalha nas divisões de base do Peixe, como professor e observador na franquia de escolinhas Meninos da Vila.

João Paulo começou a carreira no São Cristóvão (RJ) e foi contratado pelo Santos em 77. Ele ainda atuou por Flamengo, Corinthians, Palmeiras e Náutico, além de passagem pelo futebol japonês.

Movimento Brasil Livre pede impeachment de Lewandowski


Grupo diz que ele violou lei em votação de impeachment de Dilma Rousseff.
Assessoria do STF disse que o presidente da Corte não irá se manifestar.

Do G1, em Brasília
O coordenador nacional do Movimento Brasil Livre, Fernando Silva Bispo, no Senado (Foto: Sara Resende/G1)O coordenador nacional do Movimento Brasil Livre, Fernando Silva Bispo, no Senado (Foto: Sara Resende/G1)
Um representante do grupo Movimento Brasil Livre (MBL), protocolou nesta terça-feira (6) na Secretaria-Geral da Mesa do Senado um pedido de impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski.
Lewandowski deixará a presidência do STF na próxima segunda-feira (12) e será substituído pela ministra Cármen Lúcia. Procurado pelo G1, o ministro disse, via assessoria, que não irá se manifestar sobre o pedido.
O ministro conduziu as sessões do julgamento final do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff no Senado. A votação resultou na perda do mandato da petista, mas os senadores mantiveram a habilitação de Dilma para assumir cargos públicos.. 
O MBL, que defendeu o impeachment da ex-presidente, acusa Lewandowski de ter cometido crime de responsabilidade por aceitar o fatiamento da votação do impeachment.
De acordo com o coordenador nacional do grupo, Fernando Silva Bispo, o presidente do STF não seguiu a Constituição quando permitiu que a votação do impedimento da petista fosse divida em duas partes: uma referente à perda de mandato e outra sobre a possibilidade de Dilma assumir funções públicas.
"O MBL quando viu que a última votação foi fatiada e o presidente do Supremo Tribunal Federal que presidia aquela sessão resolveu fatiar o artigo 52 da Constituição Federal, nós vimos que ali havia uma afronta a Carta Magna brasileira [...] O principal responsável por isso é o ministro Ricardo Lewandowski, que, segundo senadores, já sabia do pedido de destaque dias antes e agiu com irresponsabilidade, cometendo um crime", explicou Bispo.

Cunha: segunda, às 19h



A sessão que analisará o pedido de cassação de Eduardo Cunha está marcada para as 19h da próxima segunda-feira.
Primeiro, o relator do processo no Conselho de Ética, Marcos Rogério, falará por até 25 minutos.
Em seguida, o ex-presidente da Câmara terá o mesmo tempo para ocupar a tribuna e se defender.
A votação será aberta e por meio do sistema eletrônico.