Aliados já articulam recurso para Eduardo Cunha

Apoiados pelo regimento interno da Câmara, aliados do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pretendem pedir efeito suspensivo do processo de cassação, caso não consigam abrandar a pena do peemedebista. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem afirmado nos últimos dias que só colocará em votação o processo de perda de mandato, previsto para ocorrer na segunda-feira, se atingir um quórum de no mínimo 420 deputados. Para que o peemedebista seja cassado é necessário ao menos 257 votos a favor do parecer proferido pelo Conselho de Ética da Casa.
Publicidade
Uma das estratégias do grupo de Cunha consiste em apresentar no início da sessão uma questão de ordem pedindo para que seja votado, ao invés do parecer, um projeto de resolução. Dessa forma, haveria a possibilidade de se apresentar emendas, cujo o conteúdo estabeleça uma pena que não fosse a cassação. Maia tem indicado, contundo, que deverá indeferir a questão de ordem com base no histórico de julgamentos proferidos no plenário sobre o tema.

O deputado tem sido orientado a seguir a mesma decisão tomada pelo ex-presidente da Câmara Ibsen Pinheiro, que em 1991, indeferiu emenda ao projeto de resolução destinado a formalizar a perda de mandato do deputado Jabes Rabelo.
De acordo com assessoria técnica da Casa, para que o recurso seja apresentado em plenário, é necessário o apoio de 1/3 dos presentes. E para aprová-lo, maioria dos que estiverem na sessão. Se aprovado, o recurso é encaminhado para a Comissão de Constituição e Justiça e Cunha poderá permanecer no cargo, até nova posição do colegiado.

Rosa Weber mantém exercício de funções públicas de Dilma

Em mais um capítulo da novela do impeachment, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber negou nesta sexta-feira quatro pedidos de medida liminar que queriam suspender a habilitação da ex-presidente Dilma Rousseff para o exercício de funções públicas. Os pedidos haviam sido feitos em mandados de segurança ingressados pelo PMDB, PSDB, DEM, PPS e Solidariedade, pelos senadores José Medeiros (PSD-MT) e Álvaro Dias (PV-PR) e pelo PSL.
Publicidade
Os partidos alegam que a votação fatiada ocorrida no plenário do Senado, que livrou Dilma Rousseff da inabilitação para assumir cargos públicos por oito anos, contraria o texto expresso na Constituição. A realização de duas votações criou um racha na base aliada do presidente Michel Temer, apesar da participação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), na costura da estratégia que suavizou a pena de Dilma.

PMDB, PSDB, DEM, PPS e Solidariedade alegam que foi inconstitucional a segunda votação do impeachment realizada como destaque, tendo em vista que, a partir do momento em que o resultado da primeira votação – pela cassação de Dilma – reconhece a existência de crime de responsabilidade, a pena de inabilitação para o exercício de funções públicas “é vinculada e não pode ser afastada”.
As siglas ressaltam que não pretendem “rever, anular ou suspender o julgamento concluído pelo Senado, mas de garantir que a aplicação da pena incida de forma vinculada a partir do julgamento que concluiu que a então presidente cometeu crimes de responsabilidade”. A votação fatiada provocou a reação de ministros da Suprema Corte, sendo considerada algo “no mínimo, bizarro” pelo ministro Gilmar Mendes, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Antes de indeferir os pedidos de medida liminar, a ministra Rosa Weber já havia decidido negar a continuidade de mandados de segurança propostos por cidadãos comuns e associações.
Manifestação — A votação fatiada do processo de impeachment que resultou na cassação de Dilma Rousseff foi defendida pela Advocacia do Senado Federal, em manifestação enviada ao STF. “O plenário foi exaustivamente instruído quanto às normas regimentais e constitucionais pertinentes e, ao final, tomou uma decisão soberana”, sustenta o parecer da Advocacia do Senado Federal. De acordo com o órgão, não se pode agora questionar a votação fatiada “por mera insatisfação com o resultado do julgamento”.
“Diversamente do que defendem as impetrações, o destaque para votação em separado não foi um expediente astucioso, engendrado para fraudar a aplicação da pena de inabilitação. Os senadores que entendiam impossível cindir as duas penas não tiveram seu direito de se manifestar em sentido contrário violado, pois puderam votar livremente pela aplicação de ambas as penas”, conclui o parecer.
(Com Estadão Conteúdo)

Bandidos são flagrados no ‘início de assalto’ no Água Verde e fazem roleta russa na fuga


Por Luiz Henrique de Oliveira


Bandidos invadiram uma residência na Rua Paranaguá, no bairro Água Verde, em Curitiba, na manhã deste sábado (10). Antes mesmo de renderam a moradora, o trio foi flagrado pela Guarda Municipal de Curitiba (GM), que iniciou um acompanhamento tático.
carro
Carro apreendido pelos guardas (Foto: Divulgação GM)
O carro usado pelos marginais foi recuperado na Linha Verde, no bairro Fanny. Já os suspeitos conseguiram fugir, fazendo uma roleta russa pelos semáforos e ruas preferenciais do Água Verde.
“Eles passavam pela preferencial, por sinais vermelhos e nós não podíamos arriscar desta forma. Apenas por isso não conseguimos pegar os suspeitos”, disse à Banda B o guarda municipal Fernando Ribas.
De acordo com Ribas, a equipe da GM fazia patrulhamento na região quando foi chamada por um morador que viu a ação dos bandidos. “Eles já tinham arrombado o portão e se preparavam para entrar na residência, onde reside uma senhora de idade. Um roubo foi evitado pela nossa equipe”, contou.
Dentro do carro recuperado, que estava com as placas clonadas, foram localizados materiais usados para cortar caixas eletrônicos. Os equipamentos e o veículo foram levados à Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Curitiba (DFRV).

Acidente em cruzamento na Eduardo Sprada deixa jovens em estado gravíssimo; fotos


Por Luiz Henrique de Oliveira e Ricardo Vieira
(Fotos: Ricardo Vieira – Banda B)

Um gravíssimo acidente na Rua Eduardo Spraada, no acesso a Monsenhor Monsenhor Ivo Zanlorenzi, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), deixou três pessoas feridas. O motorista de um Celta e a ocupante tiveram ferimentos graves e correm risco de morte, segundo o Corpo de Bombeiros.
A caminhonete de uma empresa de segurança, que fazia o sentido Centro pela Eduardo Sprada, foi acessar a via rápida e acabou atingindo o Celta, que ia sentido Contorno Sul. Como os dois ocupantes do carro não usavam cinto de segurança, o estado deles inspira cuidados.
galeria dentro
Ocupantes do Celta estão em estado grave
“Um jovem e uma adolescente estavam no carro. Os dois tiveram um trauma grave em crânio, porque estavam sem cinto de segurança”, lamentou à Banda B o médico Nogaroli, do Siate do Corpo de Bombeiros.
Segundo o médico, o jovem de 20 anos terá que passar por uma cirurgia. “Inevitavelmente terá que passar por um procedimento. Ele corre risco de morte. A adolescente tem 16 anos e também é um caso grave”, revelou.
Os dois foram socorridos ao Hospital Cajuru, mesmo destino do condutor da caminhonete, que teve ferimentos leves.
Sem sinalização
No local do acidente, um morador, que não quis se identificar, lamentou mais uma batida na região. “É comum porque não tem uma sinalização e não é mostrado de quem é a preferência. O pessoal abusa da velocidade também. Tomara que alguma coisa seja feita para melhorar isso”, pediu.
O Boletim de Ocorrência do caso, feito pelo Batalhão de Polícia de Trânsito, será levado à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran).

LULA CONDENADO EM NOVEMBRO



Lula deve ser condenado em novembro.
O juiz Vallisney de Souza Oliveira marcou para o dia 8 daquele mês, às 9h30 da manhã, a primeira audiência do processo contra Lula (e outros) pela tentativa de suborno a Nestor Cerveró.
Diz a IstoÉ:
“Este será o primeiro processo em que Lula vai se sentar no banco dos réus. O julgamento final não deve passar de novembro”.

EXCLUSIVO: EMÍLIO ODEBRECHT COM OS PROCURADORES DA LAVA JATO




Emílio Odebrecht foi entrevistado na segunda-feira pelos procuradores da Lava Jato, em Curitiba.
A entrevista é o que precede o depoimento.
Não há mais caminho de volta. A Odebrecht realmente decidiu entregar Lula e o resto da ORCRIM.

PT derrotado de Norte a Sul



O PT perde de Norte a Sul.
Em Belém, na pesquisa do Ibope, o candidato do PSOL tem 36%.
O do PT tem 2%.

Senado defende atuação de Lewandowski no impeachment







Parecer responde a ações que questionam fatiamento em julgamento.
Rede também entrou com ação no STF contra fatiamento em votação.

Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília
O Senado enviou nesta sexta-feira (9) ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma manifestação para defender a atuação do presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, na votação fatiada sobre o processo de impeachment de Dilma Rousseff.
Durante o julgamento de Dilma no Senado, Lewandowski autorizou que houvesse uma votação para definir a perda do cargo da ex-presidente e outra para tratar da habilitação a cargos públicos.
Conforme o parecer do Senado, a decisão da Casa é soberana e irrecorrível, justamente para evitar interferência externa. O documento foi apresentado em ações de partidos e senadores contra o fatiamento do julgamento, no qual foi decretada a cassação do mandato, mas mantidos todos os direitos políticos de Dilma. Foram protocoladas no STF ao menos oito ações do tipo, encaminhadas para Rosa Weber.
O Senado afirma que Lewandowski "cumpriu com maestria sua missão constitucional". O parecer do Senado foi mandado antes mesmo de a relatora solicitar uma manifestação – o que é praxe em ações desse tipo.

Nesta semana, Rosa Weber pediu aos autores das ações que alterem os pedidos iniciais para incluir Dilma como parte, uma vez que ela é diretamente interessada, sob pena de arquivamento dos casos. O prazo dado para ministra é de quinze dias.
Na noite desta sexta, o partido Rede, de Marina Silva, também entrou com mandado de segurança contra o fatiamento da votação. O partido pede uma liminar para que Dilma seja impedida se ser nomeada para funções públicas.

Petistas nos fundos da cadeia



O assalto aos Fundos de Pensão vai mandar ainda mais petistas para a cadeia.
De acordo com a Época, “um dos alvos da operação Greenfield, detido em São Paulo, sinalizou, já no primeiro depoimento, que pretende colaborar com as investigações e fazer acordo de delação premiada”.
A reportagem não revela o nome do delator. Mas diz que o presidente do Funcef, Carlos Alberto Caser, deve entregar José Dirceu, João Vaccari Neto e “outros petistas graúdos em um escândalo de bilhões de reais”.

Super Mario e Super Narizinho



O dinheiro roubado dos aposentados foi usado para comprar até o videogame do filho de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo.
Documentos obtidos pela IstoÉ mostram que a contabilidade secreta do operador do esquema da Consist, que pagava as despesas pessoais dos petistas, serviu para presentear um videogame Nintendo para um dos filhos do casal.
Diz a reportagem:
“A planilha dos gastos, em posse dos investigadores, registra em 21 de novembro de 2011 o seguinte objeto: ‘Nintendo 3DS (Consist)’, com valor de R$ 800”.

A Lava Jato está acima da AGU



“O governo quer abafar a Lava Jato”, disse Fábio Medina Osório.
Claro que quer.
Mas se o Advogado-Geral da União pudesse abafar a Lava Jato, isso já teria sido feito por seus predecessores petistas: Luís Inácio Adams e José Eduardo Cardozo.
JEC foi até denunciado por suas tentativas.
A Lava Jato não depende de Fábio Medina Osório. Ela já existia antes dele. E vai continuar existindo.